Quer HQ mais barata? “Feira Cult”

HQs terça-feira, 17 de junho de 2008 – 0 comentários

ORRÔ!

Vai rolar quarta, quinta e sexta, em frente ao bandejão central da Universidade de São Paulo [USP], a Feira Cult, que reune, entre outras coisas, um estande organizado pela Comix [Que organiza o “Fest Comix“, evento conhecido por também vender HQs com desconto], com quadrinhos de todas as editoras, e o que é melhor, com pelo menos 20% de desconto.

É isso mesmo, no mínimo 20% de desconto. Tu finalmente vai poder terminar a sua coleção do Homem Aranha.

E não é só isso, em outro estande serão vendidos quadrinhos independentes. Sem desconto. Queria o que? Pelo menos você vai achar esses quadrinhos. E no último dia, quem comprar mais do que R$10,00 leva uma caricatura feita na hora. Esse estande vai ser mantido pelo grupo do 4º Mundo, um selo de vários autores independentes.

Feira Cult, de 4ª [18/06] a 6ª [20/06], no corredor do bandejão central da USP (Universidade de São Paulo). Endereço: Cidade Universitária, em São Paulo. Das 10h ás 20h. De grátis.

Os 5 vilões mais legais do Superman – 1 – Lex Luthor

HQs segunda-feira, 12 de maio de 2008 – 5 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Um mero humano se opondo a um quase Deus. Goste ou não, Lex Luthor é um dos vilões mais legais da DC. Com seu Quociente de Inteligência claramente superior (Lex é o humano mais inteligente da Terra), ele poderia ajudar a humanidade encontrando formas de combater a fome ou criando uma cura para doenças como o cancêr. Ao invés disso, Lex dedicou-se a destruir o único homem que faz ele sentir-se inferior: Superman.

Alexander Joseph “Lex” Luthor salvou Metrópolis da ruína com suas indústrias, e até mesmo tornou-se presidente dos Estados Unidos, o homem mais poderoso da Terra. Ou o segundo. A ambição de Lex, por maior que fosse, sempre era superada (e muitas vezes barrada) pelo Homem de Aço. E o ódio foi se acumulando. Lex foi também o homem responsável pelo nascimento do Superboy II, um clone feito a partir de DNA seu combinado com o do Superman.

Fato é, Lex conhece diversas formas de se matar o Superman, e tem em mãos os quatro tipos de kryptonita (verde, vermelha, azul e dourada). Radiação solar extrema, mágica, força bruta, kryptonita. Diversas formas de kryptonita. Verde para matá-lo aos poucos. Vermelho para enlouquecê-lo por 48 horas, e abalar seu emocional para sempre. Dourada para privá-lo de seus poderes permanentemente. Azul para persuadir Bizarro. Todas as quatro inclusas no aprimoramento feito em Metallo, para sua entrada no Esquadrão da Vingança.

Por mais que o Superman vença no final, Lex continuará tentando sair vitorioso. E continuará assim até que um dos dois esteja morto.

Os 5 vilões mais legais do Superman – 2 – General Zod

HQs domingo, 11 de maio de 2008 – 1 comentário

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Imagina ele desenhado e tá tudo certo

E eu falo do verdadeiro, não das inúmeras versões que já apareceram. Não se deixem enganar, o Zod original é muito mais do que todas as imitações juntas. Zod general do exército de Krypton, e o cara mais barra-pesada em todo o planeta. Zod deixou seu posto quando conheceu o cienstista Non (mentor de Jor-El), que defendia a tese de que Krypton estava com os dias contados. Então Non desapareceu. Quando reecontrado, ele havia sofrido torturas, e foi lobotomizado. Irritados, Zod e a ex-tenente Ursa, atacaram o conselho, matando alguns oficiais. Zod, ursa e Non foram acusados de heresia, assassinato e traição, e foram setenciados á prisão perpétua na Zona Fantasma, uma dimensão onde não existe matéria (daí o nome). Tendo Jor-El como seu carrasco, Zod jurou vingança.

No arco “Last Son”, iniciado em Action Comics 844 e previsto para acabar em Action Comics Annual 11, Clark e Lois encontram um garoto kryptoniano e decidem adotá-lo como se fosse seu. Mais tarde se descobre que o garoto é na verdade filho de Zod e Ursa, e por ter nascido na Zona Fantasma, era o único que não era afetado por ela. Os três criminosos kryptonianos o usaram para escapar da Zona Fantasma, e começam uma batalha contra o Superman em Metrópolis. Detalhe: Eles trouxeram TODOS os outros criminosos que compartilhavam da mesma sentença. O novo exército de Zod facilmente derrota o Superman e o aprisiona na Zona Fantasma, derrotando a Liga da Justiça logo em seguida. Clark consegue escapar usando o mesmo método usado por Zod e seus seguidores, e sem ter escolha alguma, alia-se ao Esquadrão da Vingança de Luthor, e avança para a batalha final, que ainda está por ser decidida…

Possuindo os mesmos poderes do Superman, e muito mais experiência em combate, Zod é um oponente formidável e, devo dizer, estiloso. Como Jor-El está morto, toda a vingança do General cairá sobre Kal-El. E o planeta Terra. Um fato interessante é que o Zod dos quadrinhos é exatamente igual a Terrence Stamp, o Zod do filme Superman 2. Coincidência? Claro que não. Homenagem.

Os 5 vilões mais legais do Superman – 3 – Cyborg Superman

HQs sábado, 10 de maio de 2008 – 3 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Pegue o esqueleto metálico do Exterminador do Futuro e combine com a aparência e uniforme do Superman. O resultado é o Cyborg Superman (ou Super-Cyborgue, em terras tupiniquins). Apesar de não estar em primeiro lugar no top, eu considero o Cyborg o vilão mais “poético” dentre os que o Homem de Aço já enfrentou.

A princípio a origem do vilão assemelha-se á do Quarteto Fantástico, da concorrente Marvel. Hank Henshaw era um astronauta que participou duma expedição que deu seriamente errado. Ele e os outros três tripulantes, entre eles sua esposa, foram submetidos a fortes radiações solares e sofreram mutações. Dados por monstros quando voltaram á Terra, enfrentaram o Superman, que só descobriu o mal-entendido quando era tarde demais. O corpo de Hank desintegrou-se espontâneamente antes que ele pudesse salvar sua esposa. Aparentemente morto, Hank na verdade apenas mudou de “estado espiritual”.

Hank voltou mais tarde com a habilidade de encorporar estruturas metálicas, mas fugiu para o espaço quando viu que não havia maneira de salvar sua mulher. Hank aliou-se ao alien Mongul, e reconstuiu seu corpo com material kryptoniano, copiando a aparência do Superman. Ele então voltou á Metrópolis durante a “Morte do Superman”, e fingiu ser o Super original. Tudo não passava de um plano cujo objetivo era vingança. Hank e Mongul destruiram Coast City, lar de Hal Jordan (Lanterna Verde), e teriam causado mais estrago se não fosse pela volta do Superman original. O combate se repetiu mais algumas vezes, com o último filho de Krypton saindo vitorioso em todas elas.

“Tá certo Nip, mas o que tem de poético nisso?”. Vendo que não conseguiria derrotar o homem que mais odeia, Hank mudou de objetivo. Aliado á Tropa Sinestro, ele voltou mais uma vez, participando da investida de Sinestro contra os heróis da Terra. Equipado com anéis de poder, Hank Henshaw queria obter a outra coisa que ele sabia que nunca conseguiria: morrer.

Uma criatura imortal cujo maior objetivo é a própria destruição, Hank Henshaw é mais que um mix entre o Exterminador e o Superman. Ele é um triple-combo de Exterminador, Superman e HIGHLANDER.

Os 5 vilões mais legais do Superman – 4 – Brainiac

HQs sexta-feira, 09 de maio de 2008 – 4 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Nascido no planeta Colu, Vril Dox é provavelmente o ser mais inteligente em todo o universo. Sem dúvida é o mais frio deles. Brainiac vê o universo como seu laboratório particular, e não se importa de encolher cidades ou destruir civilizações inteiras para completar seus experimentos. Tempos atrás, ele foi setenciado á morte pelo seu povo. Antes de ser executado, Dox transferiu sua consciência para o corpo de Milton Fine, um humano dotado de poderes psíquicos.

Brainiac posteriormente recuperou sua forma “coluana”, com a ajuda de cientistas da Lexcorp, dominados por seus poderes. Os diodos em sua cabeça servem para incrementar e estabilizar seus poderes, e também para conectar sua mente á computadores. Com isso, ele voltou sua atenção para o ser que mais o interessa no momento: O último filho de Krypton, o Superman.

Brainiac representa bem o papel de cientista louco, e sua frieza impressiona. É um personagem bem mais interessante do que parecia ser nos desenhos animados (seja o da Liga Justiça, seja aquele tosco dos Superamigos), e vale a pena conferir as histórias em que aparece.

Os 5 vilões mais legais do Superman – 5 – Bizarro

HQs quinta-feira, 08 de maio de 2008 – 3 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Clone imperfeito do Superman, criado por Lex Luthor, Bizarro é o oposto do Homem de Aço. Ao invés de visão de calor, ele possui um olhar gélido, capaz de congelar tudo em sua volta. Seu sopro é incrivelmetne quente, e assemelha-se a um lança-chamas. Sua pele é “rachada”, e lembra á de uma cobra. Tão rápido, forte e resistente quanto o próprio Superman, Bizarro seria um oponente ainda mais formidável se não fosse o fato de que seu intelecto corresponde ao de uma criança de quatro anos de idade.

Recentemente foi forçado por Luthor a entrar para o Esquadrão da Vingança, um grupo formado também por Metallo e o Parasita. Inicialmente criado para matar o Super, o Esquadrão acabou sendo usado para impedir as forças do General Zod de dominar a Terra. Atualmente Bizarro vive numa cópia quadrada da Terra, num sistema de Sol azul. Com os novos poderes adquiridos pela radiação do Sol azul, Bizarro construiu uma réplica tosca de Metrópolis, e fez clones dos aliados, inimigos e amigos do Super, incluindo Lois Lane, Jimmy Olsen, Lex Luthor e a Liga da Justiça.

Um personagem no mínimo interessante de se ver, Bizarro conquistou seu lugar nessa lista com suas… bizarras investidas contra o Super.

Os 5 vilões mais legais do Superman

HQs quinta-feira, 08 de maio de 2008 – 1 comentário

Ultimamente tenho me empolgado bastante com o Universo DC. Com o Lanterna Verde e o Superman, mais precisamente. Principalmente o Lanterna Verde. E a medida que eu vou lendo as revistas do Super, vou percebendo algo: Os inimigos dele são super-legais (hehe). Selecionei os que eu mais gostei, e agora irei apresentá-los a vocês. Reparem que eu disse “que eu mais gostei” e não “os mais fortes”, por isso não venham chorar porque Doomsday está fora.

5 – Bizarro
4 – Brainiac
3 – Cyborg Superman
2 – General Zod
1 – Lex Luthor

As 6 melhores revistas publicadas atualmente (EUA) – 4 – All-Star Superman (DC)

HQs sexta-feira, 11 de abril de 2008 – 3 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

Se você está surpreso, saiba que eu também fiquei ao ver as constantes críticas positivas feitas á esta revista. Sempre achei Grant Morrison um roteirista hypado (superestimado), e o único trabalho dele que eu gostava eram os roteiros que fez para o volume anterior da revista dos Novos X-Men, uma fase polêmica (ele que matou Jean Grey). Após ler a revista, me sinto obrigado a concordar com as críticas.

All-Star Superman foge do padrão usado no título “normal” do Homem de Aço. O passado do Super é resumido em uma página, e então Morrison retorna ao tempo presente. Uma expedição ao Sol foi sabotada por Lex Luthor, e o Superman vai até lá para impedir que os astronautas morram carbonizados. O Super salva o dia, e descobre que a exposição ao Sol triplicou seus poderes. Mas uma má notícia vem logo em seguida: Suas células foram afetadas, e ele está morrendo. E isso é só a primeira edição.

Então Morrison deixa sua imaginação fluir, e impressiona com suas loucas e não menos belas histórias, enquanto o Superman faz de tudo para aproveitar seus últimos momentos. Você verá todo tipo de loucura nas páginas de All-Star SUperman, desde uma quebra-de-braço entre o Super e dois deuses para ver quem terá o prazer de sair com Lois Lane, até um muito bem elaborado diálogo entre Clark Kent e Lex Luthor, que em breve seria executado por seus crimes, mas feliz por ter “matado” o Superman (a radiação solar citada no segundo parágrafo, lembra?).

Cada edição conta uma nova aventura, e a qualidade da revista só faz aumentar. Eu passei a gostar de vilões que antes me pareciam toscos e mal explicados (oi, eu me chamo Doomsday e apareci do nada para matar o Super, como vão vocês da Liga da justiça?), e aprendi sobre a “Dinastia Superman”, vista em DC Um Milhão. Nunca pensei que o “complexo de messias” característico dos personagens da DC pudesse ser usado de forma tão positiva.

Os desenhos de Frank Quitely não são focados no realismo. Pelo contrário, de vez em quando ele usa desproporciona seus personagens, deixando-os meio infantis. Isso é ruim? Não. Essa técnica contribui para o que eu imagino ser o propósito da revista, emocionar os já proclamados fãs do Superman, e atrair novos leitores com belas histórias. E as cores vivas dadas pelo colorista Jamie Grant realçam esses desenhos em todas as situações.

Antes de conhecer a linha All-Star, eu só havia me impressionado tanto com uma história do Superman ao ler “Secret Identity”, que não fazia parte da cronologia. All-Star Superman é o perfeito oposto do sombrio e pesado All-Star Batman & Robin de Frank Miller, e consegue ser ainda melhor. A revista ganhou o prêmio Eisner de melhor série nova, e é um dos melhores projetos que a DC já realizou. Eu também considero ela a segunda melhor revista da DC, e a quarta melhor revista publicada atualmente.

All-Star Superman

Título original All-Star Superman
Lançamento: 2005
Arte: Frank Quitely
Roteiro: Grant Morrison
Número de Páginas: 25
Editora:DC

Overdose Zumbis: Cronologia Marvel Zombies

Bíblia Nerd sexta-feira, 21 de março de 2008 – 2 comentários

É overdose de zumbis aqui no AOE, e como todo bom marvete eu não consigo pensar em zumbis sem lembrar de Marvel Zombies. A série foi iniciada por mark Millar, e ficou famosa principalmente por causa de Arthur Suydam e suas capas, zumbificações de capas clássicas da Marvel. Com clima e humor mórbido, Marvel Zombies está entre os melhores lançamentos da editora nos últimos tempos. E é justamente por isso que eu fiz esse guia cronológico. Você não precisa seguir esta ordem (até porque a ordem de lançamento foi outra completamente diferente), mas seria legal se o fizesse. Sem mais demoras, vamos ao que interessa:

Army of Darkness vs Marvel Zombies (John Layman e Fabiano Neves)

Você provavelmente já viu o filme ou leu alguma resenha (como a que o Piratão fez) de Army of Darkness. Pois bem, este belíssimo crossover começa após o término da décima terceira edição de Army of Darkness, publicado pela Dynamite Comics. O protagonista Ash Williams foi transportado para a Nova Iorque da Terra 2149, algum tempo antes do início da epidemia zumbi. Enquanto assistia uma briga entre o Demolidor e um dos membros da Gangue da Destruição, Ash é abordado por uma velha possuída por um dedite. Ela o avisa sobre o futuro sombrio deste universo, e diz que um exército das trevas iria se levantar. Ash vai para a Mansão dos Vingadores, avisá-los sobre o perigo, mas é dado como louco e posto para fora. Logo em seguida, os Vingadores recebem a notícia de que algo estranho está acontecendo no centro da cidade.

Ash tenta avisá-los novamente, mas é pego pelo Homem-Aranha e levado para longe. Ash conta sua história, até que os dois percebem que os Vingadores foram “mortos” por uma versão zumbi do Sentinela. O Homem-Aranha é mordido pelo Capitão América, e deixa Ash cair num beco. O nosso herói (no caso, Ash) é então cercado por heróis zumbis, mas acaba sendo salvo pelo Homem-Aranha. Preocupado com Mary Jane a sua tia May, o Aranha deixa Ash no topo de um prédio e vai para casa, mesmo estando infectado. Em meio a tanto caos e zumbis super-poderosos, Ash decide dar uma de messias e tentar salvar este mundo. Como? Com o Necronomicon. O único problema é: Onde está o livro?

Este é o “capítulo” mais bem-humorado da Saga dos Zumbis Marvels, e esclarece algumas dúvidas quanto a origem dos zumbis. As capas seguem a mesma linha de “capas clássicas zumbificadas”, e a arte de Neves é ótima. Leitura obrigatória para quem quer se adentrar no Universo dos Zumbis Marvel e para fãs de Evil Dead.

Marvel Zombies: Dead Days (Robert Kirkman e Sean Phillips)

Dead Days começa exatamente após o Homem-Aranha ter abandonado Ash, e se segue paralelo aos acontecimentos de Army of Darkness vs Marvel Zombies. Peter vai para seu apartamento com a intenção de salvar MJ e May, mas acaba sendo dominado pelo vírus e as devora.

Enquanto isso, os heróis sobreviventes se reúnem no Heliporto flutuante da SHIELD. Nova Iorque está devastada, e alguns dos super-seres mais poderosos dos EUA já foram transformados. Nick Fury resolve apostar alto nos dois homens mais inteligentes vivos: Reed Richards e Tony Stark. Reed se encarrega de procurar uma cura, e Tony de criar um portal para transportar os sobreviventes para uma outra dimensão. Mas tempo é algo escasso, e os zumbis se reúnem para um ataque ao Heliporto…

Dead Days fecha a origem dos zumbis de forma maestral. Se Army of Darkness explica alguns pontos da série, Dead Days esclarece todo o resto. De todas as edições desenhadas por Sean Phillips, esta é certamente a melhor. Dead Days é um One-Shot (edição única).

Ultimate Fantastic Four: Crossover (Mark Millar e Greg Land)

Foi durante as edições 21 a 23 de Ultimate Fantastic Four, no arco intitulado “Crossover”, que surgiu o conceito dos zumbis Marvel. Enquanto “brincava” com seu portal dimensional, Reed recebe uma mensagem vinda dele mesmo, em uma outra dimensão. Os dois batem altos papos, até que o Reed do universo desconhecido chama a versão Ultimate para um encontro. O ingênuo Ultimate Reed aceita, e ajusta o portal dimensional. Mas chegando lá, ele se depara com uma Terra totalmente diferente do que esperava: a Terra 2149, lar do zumbis Marvel.

O jovem estava prestes a ser devorado vivo quando foi salvo por um aliado inesperado, talvez a única pessoa capaz de sobreviver a tal situação. Falo de Magneto, o mestre do magnetismo. O mutante o leva até um esconderijo, onde se refugiavam também um homem e sua filha. Reed não sabia, porém, que enquanto ele se escondia, o Quarteto zumbi se dirigia á sua dimensão…

Crossover é o primeiro dos quatro arcos escritos por Mark Millar para a revista, e o início da melhor fase do Quarteto Ultimate (tanto em roteiro quanto em arte) e uma das séries mais interessantes da Marvel.

Marvel Zombies (Robert Kirkman e Sean Phillips)

O capítulo mais conhecido, Marvel Zombies dá continuação aos acontecimentos de Crossover. Magneto acabou de destruir o portal, e está cercado por zumbis. Ele corre e resiste por um tempo, mas acaba sendo morto. E eu me refiro a morte permanente. O resto da mini é focada exclusivamente nos zumbis. Eles devoraram todas os seres do mundo, e agora não têm o que comer. A única exceção é o Dr. Hank Pym que, como visto em Dead Days, esconde o Pantera Negra em seu laboratório e arranca pedaços dele quando tem fome.

Temos então um curto período de desenvolvimento de personagens antes do aparecimento do Surfista Prateado. Os zumbis têm uma certa dificuldade para enfrentá-lo, mas nada comparado ao que vem pela frente. Afinal, os zumbis podem ter devorado todos os seres do planeta, mas ainda assim não são nada quando comparados ao maior devorador do universo: Galactus!

Mórbida, divertida e mórbida de novo, Marvel Zombies incomoda em algumas partes (pelo fato de mostrar ícones da Marvel zumbificados e desumanos), mas no geral é uma ótima leitura. Ponto para Kirkman, o Rei Zumbis dos quadrinhos.

Ultimate Fantastic Four: Frightful (Mark Millar e Greg Land)

Essa parte é meio confusa (cronologicamente falando), e não sei ao certo onde se encaixa na cronologia. Arrisco dizer que acontece durante Marvel Zombies. Dr. Doom põe em prática sua vingança contra Reed, e o Quarteto zumbi está em seus planos. Bom, isso é tudo que posso falar, qualquer informação adicional estragaria esse arco e o plot twist surpreendente do final. Dadas as circunstâncias não tenho mais o que falar desse arco, a não que aquele que não for fã do Dr. Doom, está prestes a se tornar um.

Black Panther: Hell of a Mess (Reginald Hulin e Francis Portela)

Este arco do medíocre volume 3 da revista do Pantera Negra não tem muita importância para a série. Reed Richards e Sue Storm estão em sua segunda lua-de-mel, e enquanto eles estão fora, T’challa e Tempestade completam o Quarteto. E em meio a uma aventura bizarra viajando por entre as dimensões, o novo Quarteto vai parar no planeta dos Skrulls. Situação desagradável? Com certeza. Mas não tão desagradável quanto a chegada dos zumbis Marvel no planeta. Pois é, agora é zumbis Marvel vs Quarteto de T’challa!

Esta é uma revista que não fede nem cheira, e o Pantera Negra é um bom personagem que vem sido mal-aproveitado, mas este arco até que foi bacana. Não faz falta para a cronologia, porém.

Marvel Zombies 2 (Robert Kirkman e Sean Phillips)

Por fim, o último capítulo lançado. Recomendo que não leia esta parte se ainda não tiver visto o final de Marvel Zombies. Anos se passaram desde o dia em que os zumbis deixaram a Terra. Cansados de viajar pelo universo, e lamentando o fato de nenhum outro ser ter uma carne tão saborosa quanto os humanos, eles resolvem então voltar para a Terra, e reconstruir o portal dimensional.

Na Terra, T’challa, Janet e os acólitos administram um povoado e repovoam o planeta. Janet descobriu que quando um zumbi passa um longo período sem se alimentar, perde a fome. E é esta informação que divide o grupo de zumbis quando eles chegam. Parte deles resolve dominar o povoado e fazer uma criação de humanos, enquanto a outra decide lutar contra a fome. Prepare-se para a Civil War zumbi!

As batalhas estão sutilmente mais violentas, já que não há motivo para ter pena de destroçar zumbis. Marvel Zombies 2 segue a linha de qualidade de Marvel Zombies, e encerra a saga dos zumbis super-poderosos. Será mesmo?

O retorno do sonho

Bíblia Nerd quarta-feira, 05 de dezembro de 2007 – 3 comentários
O Sentinela da Liberdade está de volta

Não é o que você está pensando. Steve Rogers, o Capitão original, está mesmo morto e deve continuar assim. Mas a Marvel precisa do Sentinela da Liberdade, quer você goste ou não dele. E para recriar um dos maiores personagens da editora, não há ninguém melhor que o grande Alex Ross.

Nove meses após a polêmica edição 25, Ed Brubaker, Steve Epting e Tom Brevoort assumem o controle da revista, iniciando uma nova era na edição 34, prevista para Janeiro. “E o que o novo Capitão tem de novo?” Bom, primeiramente, preste atenção na imagem acima. Sim, ele está carregando uma arma. E Alex afirmou que ele terá uma faca também. Parece que este Cap não liga muito para a saúde de seus adversários.

Mas a grande pergunta é, quem é o novo Capitão? O quarteto ainda não deu nem uma pista sequer, mas creio que boa parte dos marvetes já tenha uma teoria. A minha? Eu aposto em James Buchanan Barnes, ou simplesmente Bucky, o ex-parceiro (sem duplo sentido) de Steve Rogers. Maaaas a mini “Captain America: The Choosen” (Capitão América: O Escolhido, sem data de lançamento por aqui) está levantando dúvidas quanto á isso. No final das contas, só resta esperar que Janeiro chegue.

confira

quem?

baconfrito