Nem só de americanos vivem as HQs II

HQs terça-feira, 20 de abril de 2010 – 3 comentários

Como disse na última coluna, nem só de HQs americanas vivem os fãs de quadrinhos, já que pelo mundo temos boas histórias espalhadas na nona arte. E comecei falando primeiramente dos Fumetti que fazem um bom sucesso aqui em terras brasilis.

Mas, dentro da Europa, existem outras obras que trazem uma boa leitura, e, nos dias atuais, se não encontramos essas obras nas bancas e sebos, é possível achar algumas delas disponíveis na internet. E vou tratar nessa coluna da Banda-desenhada franco-belga que tem algumas características diferentes das tradicionais HQs, a começar pela forma, já que ela tem em média entre 40 e 60 páginas e são publicadas em álbuns de luxo, com papel de alta qualidade, em cores, no tamanho A4 e com capa dura (O que explica o alto preço, mas vale a pena). continue lendo »

Nem só de americanos vivem as HQs

HQs sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 3 comentários

Tem um ditado bíblico que diz que “nem só de pão vive o homem”, e parodiando isso para as HQs podemos dizer que “nem só de DC e Marvel vivem os quadrinhos”.

 Tem gente que acha que é assim.

Apesar de curtir muito as histórias de super-heróis, sempre tive a mente aberta para todo tipo de quadrinhos, incluindo Disney e Maurício de Sousa, entre outros que circulam pelo mundo. E com isso, quero mostrar algumas obras legais, que não pertencem ao mundo de quadrinhos americanos, e a idéia é dar um giro no mundo das HQs. E claro, não poderiam ficar de fora os Fumetti, os famosos quadrinhos italianos, e é por onde começaremos. continue lendo »

Guerra Secreta

HQs sábado, 10 de abril de 2010 – 2 comentários

Fala bandinerd! Na verdade eu não esqueci esquecido, e sim tava em dúvida se valia a pena falar sobre. Li, reli, pensei, matutei e cheguei a conclusão que valia a pena um texto. Ela se deu entre Vingadores: A Queda e Dinastia M, e por ser uma saga pequena e quase sem tie-ins, eu quase nem considero a Guerra Secreta um grande evento, mas ela tem um acontecimento importante: o desaparecimento de Nick Fury. continue lendo »

Dinastia M

HQs sábado, 03 de abril de 2010 – 11 comentários

Bem vindos ao próximo capítulo do universo Marvel! A Dinastia M! Pra mim, a melhor das super sagas que aconteceram nessa década. Envolvendo um mundo onde os mutantes são maioria, os heróis principais têm futuros alternativos em suas revistas e tu pode ler só a revista principal pra entender, essa é uma baita saga sem frescura e legal pra caralho! Recomendo a todos. continue lendo »

Vingadores: A Queda

HQs sábado, 27 de março de 2010 – 2 comentários

Salve galera! Bem vindos a minha saga de textos sobre HQs. Nela, inicialmente, vou explicar para vocês o funcionamento do universo Marvel com humor, alegria, sagacidade e pornografia. Ok, sem pornografia. Mas vou tentar dar uns resumões do que andou rolando no maravilhoso mundo das HQs para todos os infiéis que não acompanham as revistinhas semanais. continue lendo »

O Limite dos Heróis

HQs sexta-feira, 26 de março de 2010 – 1 comentário

No decálogo bíblico há um mandamento que os heróis em quadrinhos – pelo menos a maioria – parecem seguir: “Não matarás”. Mas em muitas histórias vemos fatos e acontecimentos que testam o limite em se manter tal ideal. E se você não gosta de spoiller pare de ler agora mesmo. continue lendo »

Propagandeando

Nona Arte quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 1 comentário

Terça-feira, pouco depois de meio-dia. Você, estudante ou trabalhador esforçado, está a meio caminho do conforto de sua casa ou restaurante predileto antes de voltar à faina e/ou aos livros técnicos/didáticos. A vinte metros do semáforo, este, com o único propósito de lhe sacanear, muda do verde para o amarelo e, em poucos segundos, para o vermelho, lhe impedindo – teoricamente – de passar pelo cruzamento. Nos próximos trinta segundos, o carro em que você se encontra (Não importa se próprio, emprestado, alugado ou da boa pessoa que está desperdiçando tempo e combustível lhe dando carona) será abordado por um séquito de gordinhas ruivas enxame de distribuidores de panfletos, geralmente propaganda de supermercados, concessionárias automotivas e shows vagabundos. Os panfletos, assim que recebidos, passarão pelo antigo ritual de ser olhados de relance e jogados na lixeira, chão ou console do carro, sendo a etapa de amassamento não obrigatória. continue lendo »

Quadrinhos como forma de publicidade

Nona Arte quarta-feira, 22 de outubro de 2008 – 2 comentários

Se tem uma coisa que eu sempre comentei, e ainda comento, em qualquer assunto relacionado à publicidade é sobre o forte poder que os quadrinhos têm para divulgar alguma coisa, principalmente para o público jovem.
Apesar dos quadrinhos ainda serem vistos como algo infantil, quase todo mundo, seja adulto ou criança, já parou para olhar alguma pequena historinha de um pênis com gonorréia falando “use camisinha”, ou um pneu ensinando como acabar com a dengue. Esses dois exemplos são bem comuns por ai, pequenas cartilhas sobre dengue e AIDS em forma de quadrinhos, tentando educar adultos e jovens. É uma ótima maneira de divulgar o seu produto/serviço porque todo mundo pára pra ver isso, nem que seja só pra ler um quadro, mas pára.

Já tem algum tempo que esse método de publicidade é usado, e ele se expandiu, saindo das margens dos informativos (geralmente sobre doenças). Hoje grandes marcas já anunciam nesse tipo de mídia e o retorno geralmente é bom.

A igreja já usou essa forma de divulgação na Inglaterra, em 2007, quando publicou quadrinhos com traços mangá em seus cartazes de campanha vocacional, com o objetivo de atrair jovens e até mesmo adultos. Uma forma inovadora para divulgar uma mensagem aos jovens, ainda mais por se tratar de uma igreja.

A Fiat utilizou a mesma técnica esse ano quando passou a publicar em jornais e revistas pequenas tirinhas contanto os depoimentos das pessoas que dirigiam um Fiat.
A Microsoft, numa tentativa de diminuir a pirataria dos seus softwares, criou uma HQ contra a pirataria.

Partindo para webcomics, a OI lançou mês passado histórias em quadrinhos com o titulo de A Corporação. Um trabalho totalmente brasileiro e que divulga de forma sutil a OI e ainda cria uma boa imagem para empresa, pois a idéia dessa campanha é dar espaço para os quadrinhos nacionais.
Outra webcomic famosa é a do seriado Heroes, que funciona como um viral para o seriado.

A política não fica de fora disso, é comum ver histórias em quadrinhos que contam a vida de um vereador, de um prefeito e etc. Mas não tem como falar de política sem falar das eleições norte-americanas. No dia 1º de outubro foram lançadas duas comics contando as histórias de Barack Obama e John McCain.

Mas Obama foi mais longe, conseguindo o apoio de Savage Dragon.

Também conseguiu uma capa mostrando a vice de McCain afugentando narradores (piada interna norte-americana).

E por ultimo, mas não menos importante, ou aliás, o melhor, conseguiu um desenho do Alex Ross, numa paródia de Super-Homem.

Uma ótima jogada de publicidade do candidato Obama, com isso ele já garantiu pelo menos 90% da população nerd dos Estados Unidos.
Ainda existem muitos outros exemplos e ainda vão existir muitas marcas anunciando assim, o que é ótimo para o mercado de HQs, pois assim ele só tende a crescer e ter mais visibilidade.
Então, se você não sabia agora você sabe, quadrinhos vão MUITO além de uma simples história desenhada. E essa é só uma das muitas maneiras de uso de um quadrinho. Quadrinhos servem tanto para lazer como para educar, informar, divulgar e outras coisas, passando pelo público infantil ao público adulto.

Universo Expandido

Livros segunda-feira, 15 de setembro de 2008 – 2 comentários

Estamos em pleno século XXI (Ou vocês ainda não notaram que vivemos em plataformas flutuantes e nosso carros voam ao invés de tocar o chão?), era da informação. Qualquer zé ninguém entra na internet e se torna “famoso” com um blog (Sabe? Alguns até crescem e criam sites, mas continuam com alma de blogueiro), fotolog, yogurt ou similar. Logo, fica fácil a “convivência” entre fãs do mundo inteiro, a maioria só reclamando ou babando na SUPER-NOVIDADE (Geralmente uma pequena atualização apenas para ganhar dinheiro, savvy?) da semana da banda, seja o “novo” single com apenas UMA música inédita ou a nova versão (Em torno da 14ª, 15ª) daquela revista em quadrinhos famosa com… Duas páginas a mais de comentários só por R$99,99! Algo que esses fãs fazem é trocar entre si idéias de como melhorar o produto. TODO fã é assim, não tá contente com o que tem.

O culpado de muita porcaria…

E são esses fãs que criaram o conceito de “universo expandido”. Ou quase. Vamos lá pra época em que Star Trek (Saúde!) fazia a cabeça de um bando de gente que achava entender de ficção científica e que ficaram encucados porque o Kirk SEMPRE rasgava a camiseta (Aliás, alguns BABAVAM por isso… Morram, fracos). Nessa época, em paralelo com a série, saíram alguns livros com histórias que “complementavam” o universo de Jornada nas Estrelas (Se não sacou, a tradução do nome, gafanhoto). Essas histórias eram escritas por gente que não trabalhava no roteiro da série, mas que eram entendidos do assunto. O fato se repetiu com Star Wars e chegou a fazer tanto sucesso que QUASE foi adaptado pra filmes… Pena que o Lucas não é fã da série e fez a nova trilogia. A força não estava com ele. Certo… E depois de dois parágrafos de enrolação dessa explicação toda, aonde quero chegar? Na internet, se não percebeu. O caso é: Com o advento da globalização e da facilidade de você se comunicar, alguns fãs partiram pra ofensiva (Leiam-se milhares) e passaram a eles mesmos escreverem essas histórias complementares. E assim surgiu a fanfic, sigla de Fan Fiction, ou ficção de fã em inglês, e que significa toda aquela história feita por fã baseada em algum universo. Obviamente, os otakus, versão internacional de gente ligada na tomada que assiste animês e lê mangás, não deixaram de entrar no rolo.

E assim temos o Universo Expandido: Histórias escritas por fãs, que invadiram a internet. O site Fanfiction.net, reduto em inglês da galera que acha que escreve, tem mais de 100.000 textos SÓ NA PARTE ANIMÊ/MANGÁ. Sentiu o drama? “Tá, Black, mas tu escreve e tá reclamando?”, você me pergunta, pequeno gafanhoto. SIM! Eu estou protestando. A minha reclamação não é quanto ao enorme fluxo de histórias que a gente vê serem postadas nesse troço (Tá, isso assusta, mas se qualquer um escreve aqui, não é de se estranhar) e sim quanto à qualidade. Tipo, se você não infringe as regras, credita o autor original do baguio e tem o mínimo rigor de escrita, você pode publicar, com certeza. Mas e aí, você escreve uma coisa que não agrada a ninguém e depois faz o quê? Chora? FRACO! Fazer favor de se entregar para o Piratão te fazer passar pela prancha.

TINHA que ter Star Trek no meio!

Se quer escrever, aprenda as três grandes leis do “Universo Expandido”: Jamais cobre comentários positivos (Se ainda não entendeu, dá uma olhada no tipo de comentário que o théo recebe…), não queira fama e principalmente: Não enche o saco pra todo mundo ler porque nem todo mundo gosta. Sou hipócrita? Possível. Eu também escrevo, orra, sei como é complicado. Não quero dizer que você não deva fazer, mas se você é fã do negócio, tenta manter o nível. E isso que estou falando só de universo expandido e não de Universo Alternativo, o irmão gêmeo mais feio do UE. Nesse você não só reescreve a história como quiser, como pode até mesmo alterar os personagens. Não era mais fácil escrever uma história nova? Não utilizem Hollywood como referência, pelo bem de nossas almas (E de nossos olhos). Já é um saco aceitar coisas como Mulher-Gato a cada ano, aceitar a cada dia alguém destruindo o que a gente gosta é pedir pra morrer. E se eu escrevo mal, falem mesmo! Só por favor não esqueçam de colocar a corda em volta do pescoço antes de sair.

Overdose Adaptações: Capitão América e os Vingadores

Bíblia Nerd segunda-feira, 21 de julho de 2008 – 0 comentários

Nomes de peso entre os tantos do Universo Marvel. Ao longo dos anos, eles enfrentaram todo o tipo de ameaça. Criminosos super-poderosos, andróides genocidas, viajantes do tempo, feiticeiros, deuses ensandecidos e até mesmo impediram a destruição da Terra e do Universo. Goste ou não deles, não há como negar a importância dos “maiores heróis da Terra”. Mas eu não estou aqui para falar o quanto gosto deles, e sim para contar sua origem. O texto foi adaptado (e com isso eu quero dizer que quase que praticamente traduzi) da enciclopédia Marvel, cujo link é esse.

Operação: Renascimento

O franzino Steve Rogers não passava de um estudante de Artes quando Roosevelt anunciou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Decidido a ajudar seu país, Steve tentou se alistar no exército, mas foi recusado por causa de suas péssimas condições físicas. Ao invés de servir do modo convencional, Steve recebeu uma proposta para participar de algo muito maior: Um projeto ultra-secreto cujo objetivo era criar soldados capazes de usar 100% do potencial físico humano. Ele aceitou, e se tornou o mais novo integrante da Operação: Renascimento. Steve passou por um rigoroso treinamamento físico, e aprendeu técnicas avançadas de combate corpo-a-corpo. Após uma seleção entre os candidatos, ele foi escolhido como a primeira cobaia para o teste. Pelas vias oral e venal, Steve ingeriu o soro do super-soldado, cuja fórmula foi desenvolvida pelo Doutor Abraham Erskine, um cientista alemão refugiado. Após a ingestão, foi feita uma exposição a uma quantia controlada de “Raios Vitais”, que reagiram com o soro contido em seu corpo. Com isso estava completo o aprimoramento: Steve agora era a representação viva do limite do potencial humano. Além força e resistência absurdas, agora ele também era capaz de correr um quilômetro em aproximadamente um minuto.

Nasce um Símbolo

Erskine, único detentor da fórmula do soro, foi morto por um espião nazista antes que novos candidatos pudessem ser selecionados. O governo americano então utilizou Steve de todas as formas que pôde. Com um uniforme desenhado a partir da bandeira americana e um escudo á prova de balas, ele foi renomeado como Capitão América. A partir daí, ele serviu como propaganda para as forças aliadas e como agente de contra-inteligência. Logo ele se tornou o arquiinimigo do Caveira Vermelha, o chefe de operações nazista. A identidade do Capitão foi mantida como um segredo de Estado, e Rogers foi mandado para o campo de infantaria LeHigh, situado em Virgínia. Lá ele fez amizade com James Buchanan Barnes, apelidado de “Bucky”. Bucky acidentalmente descobriu que Steve era o Capitão, e aceitou manter segredo se fosse treinado pelo mesmo. Assim Bucky tornou-se o escudeiro e melhor amigo do Capitão América. A versão final do escudo foi dada pelo próprio Roosevelt, e dessa vez era composto de ferro e vibranium. No final de 1941, Capitão América, Bucky, Tocha Humana (o original, um andróide capaz de entrar em combustão), Toro e Namor uniram forças para enfrentar o Master Man, um super-humano nazista (e cidadão americano) que queria matar o primeiro ministro da Inglaterra, Winston Churchill. O ministro ficou impressionado com os heróis, e os encorajou a permanecerem trabalhando em equipe. Adotando o nome de “Invasores”, os cinco heróis combateram os mais poderosos agentes nazistas, assim como tropas comuns.

Perdido no Tempo

Nos dias finais da Segunda Guerra Mundial, o Capitão e Bucky tentaram impedir o vilão nazista Barão Zemo (Heinrich Zemo, pai do ex-líder dos Thunderbolts, Helmut Zemo) de destruir um protótipo de avião. O avião foi lançado com um explosivo em seu interior, com Steve e Bucky em sua cola. Ele conseguiram alcançar o avião enquanto ele estava decolando. Bucky tentou desativar a bomba, mas ela explodiu, atirando Steve nas geladas águas do Atlântico Norte. Nenhum dos dois corpos foi achado, e ambos foram dados como mortos. Steve e Bucky foram substituídos, mas os novos Capitão e Bucky não vingaram por muito tempo.

Os Vingadores encontraram o corpo de Steve décadas mais tarde, completamente preservado no gelo (ainda estava vestindo o uniforme e empunhando o escudo). Quando foi revivido, Steve relatou o fracasso de sua última missão, e apesar de ainda se sentir culpado pela suposta morte de Bucky, ele conseguiu se adaptar aos tempos modernos, e logo assumiu a liderança dos Vingadores. Paralelamente ele fez várias missões para a SHIELD, sob as ordens de seu velho amigo e parceiro de combate Nick Fury. Mais tarde ele descobriria que não foi o único a sobreviver a passagem dos anos…

Avante, Vingadores!

Quando Loki, deus nórdico da trapaça e do fogo, resolveu atacar nosso mundo, o jovem Rick Jones (único amigo do Hulk) pediu ajuda aos mais poderosos heróis disponíveis no momento. Homem-de-Ferro, Homem-Formiga, Vespa, Hulk e o meio irmão de Loki, o poderoso Thor, responderam ao pedido. Após travarem um combate épico, Hank Pym, o Homem-Formiga, sugeriu que eles continuassem agindo em equipe. Sua esposa Vespa foi mais longe, falando que eles deveriam ter um nome, “algo chamativo e dramático, como os Vingadores”. O nome pegou, e assim surgiu a lenda.

Tony Stark, o Homem-de-Ferro, financiou o grupo e doou sua residência em Manhattan para que pudesse ser usada como base de operações. O mordomo de Stark, Edwin Jarvis, permaneceu na mansão, e se tornou um amigo, confidente e conselheiro valioso para os membros da equipe. Stark tenou tornar a equipe oficial, mas foi barrado no Conselho de Segurança Nacional, e não foi muito bem aceito pelo público em geral, tudo por ter o Hulk como membro. O Hulk abandonou os Vingadores após um momento de fúria, e a equipe só viria a ter uma boa imagem com a entrada do Capitão América (que treinou o Homem-de-Ferro em combate corporal). Com sua presença, os Vingadores tornaram-se status oficial, além de ser a super-equipe mais respeitada de sua geração. Esse prestígio foi posto em teste quando os membros fundadores se afastaram por motivos pessoais, deixando o Capitão sozinho com os novatos, o fora-da-lei Gavião Arqueiro e os filhos de Magneto, os mutantes Mercúrio e Feiticeira Escarlate. Todos eles mostraram-se ótimos operativos, principalmente o Gavião, que seguiu rigorosamente os passos de seu mentor, o Capitão América.

Com o tempo, novos membros foram surgindo. A espiã russa Viúva Negra, o semi-deus Hércules, o rei de Wakanda, Pantera Negra, o vilão Homem-Areia, o Capitão Bretanha, o Máquina de Combate, o príncipe Namor, o X-Man Fera e até mesmo o Doutor Stephen Strange. Os Vingadores passaram por diversas formações desde sua criação até a queda (vide Vingadores: A Queda), e a bifurcação da equipe após a Guerra Civil. Separados, eles são heróis respeitados. Juntos, eles são os poderosos Vingadores, os maiores heróis da Terra.

O que esperar dos Filmes

Quanto ao do Capitão, tenho quase certeza de que estará entre os melhores da Marvel. História fácil de adaptar, e personagens carismáticos. E ao que parece, será bem fiel aos quadrinhos. Quantos aos Vingadores, não sei o que dizer. Foi anunciado que o Capitão fará parte da formação inicial, o que pode significar uma modificação na origem (o que pode ser bom ou muito ruim mesmo). Talvez o vilão nem seja Loki. Mas uma coisa eu garanto: No final, veremos uma abertura para o surgimento de Ultron.

confira

quem?

baconfrito