Guerra Secreta

HQs sábado, 10 de Abril de 2010

Fala bandinerd! Na verdade eu não esqueci esquecido, e sim tava em dúvida se valia a pena falar sobre. Li, reli, pensei, matutei e cheguei a conclusão que valia a pena um texto. Ela se deu entre Vingadores: A Queda e Dinastia M, e por ser uma saga pequena e quase sem tie-ins, eu quase nem considero a Guerra Secreta um grande evento, mas ela tem um acontecimento importante: o desaparecimento de Nick Fury.

Vamos dar uma leve explicada no background da situação. Se vocês não tiverem 10 anos de idade, provavelmente devem lembrar-se do dia 11 de setembro de 2001, quando dois aviões destruíram as torres gêmeas, não? Se não, se internem. Enfim, apesar de existirem centenas de teorias conspiratórias sobre o acontecimento, uma coisa é real: A CIA efetivamente enviou um dossiê sobre um possível atentado com aviões no WTC, e gênio Bush simplesmente não leu. O que isso tem a ver com essa saga? Tudo!

 “Não fui eu!”

Nick Fury tromba com uma informação perigosa, que Lucia Von Bardas, a Primeira Ministra de Latveria (Caso alguém não saiba, é a nação de Victor Von Doom, o Dr. Destino, que nesse intervalo estava no infeeeeeerno, muahuahuahua), vinha financiando ataques terroristas de vilões de segundo escalão. Ela pagava por armaduras e acessórios usados por vilões toscos como Bumerangue e Lady Octopus, desde que eles trouxessem caos e desordem para o solo americano.

Sabendo que ia dar merda grande, o fodalhão Fury vai falar com o presidente dos EUA, mostra todas as provas e escuta um “Não vamos nos envolver” bem grande do manda chuva. Puto da cara, Nick Fury vai atrás de um grupo de heróis para acabar com o mal pela raiz, matando Lucia. Ele seleciona para seu grupo os heróis Homem Aranha, Luke Cage, Demolidor, Viúva Negra, Wolverine, Capitão América e uma menina aparentemente inofensiva chamada Daisy Johnson, que tem o poder de manipulação sísmica.

 “Deixa eu escolher meia dúzia ae…”

Depois de cumprida a missão, com Daisy assassinando Lucia e os heróis (Em outro acesso de hipocrisia) ficarem putos, Fury faz uma sacanagem monstra: Apaga as memórias dos heróis. Exatamente um ano depois, atentados começam a acontecer de novo. O primeiro alvo foi Luke Cage, que ficou em estado terminal. Logo após, Homem Aranha e Demolidor, que escapam ilesos, mas logo viram que não era coincidência quando o Capitão falou que também havia sido atacado.

Muito blábláblá depois, aparece o motivo de tudo, Lucia Von Bartas havia retornado a vida e estava a fim de destruir os EUA inteiros. Em uma épica luta final, Lucia revela que as armaduras dos vilões toscos eram só parte de uma grande bomba. Após ativada e depois de todo mundo chorar como menininhas pedindo por suas vidas, Daisy aparece outra vez e com um “tiro” sísmico, mata Lucia outra vez, desativando a bomba.

 “CORRE, NEGADA!”

Sem ninguém entender nada, Fury é obrigado a dar explicações. Ele manda um resuminho básico do que aconteceu, e obviamente, todos ficam putos da cara, mas ninguém mais que Wolverine, que parte pra cima e mata o fundador da Shield…. Por 30 segundos. Depois Daisy explode o coração de Wolverine de dentro pra fora, só pra ele ficar ligado, e explica que era só um Nick de brinquedo, bem realista, com sangue e tripas, mas só um LMD.

No final, Maria Hill toma o lugar de Fury no comando da Shield, ele desaparece do mundo por algum tempo e o mundo fica sabendo da existência de Daisy Johnson. Assim acaba uma das sagas mais realistas em quesito de desenho e também mais rápidas. Aliás, pra mim é assim que tem que ser, direto ao ponto!

Qualquer dúvida, comentem, beigos.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Pastor

    Vou ler

  • Ricardo

    Essa história é legal e tem uma arte boa. Mas o piti do Wolverine é o de sempre, finge finge que vai matar e não mata, quando mata é um robo ueaueipua

busca

confira

quem?

baconfrito