Brasil no Oscar 2009, missão impossível?

Primeira Fila sexta-feira, 12 de setembro de 2008 – 3 comentários

Esta semana o Ministério da Cultura divulgou os 14 filmes que foram inscritos para concorrer à vaga de representante do país no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2009. Nesta segunda fase pós a inscrição, os filmes serão avaliados por uma comissão de profissionais da área cinematográfica, entre eles, o roteirista e montador Giba Assis Brasil e o cineasta Paulo Sergio Almeida.

O filme escolhido para representar o Brasil será divulgado no dia 16 de setembro, no Rio de Janeiro. Lembrando que no ano passado o filme escolhido para representar o pais foi O Ano em que Meus Pais saíram de Férias, numa polêmica escolha que preteriu o suposto gosto dos votantes americanos do que o gosto popular, na época Tropa de Elite era o filme mais comentado do ano, ainda ser ter tido seu lançamento nos cinemas.

Ainda assim, o filme terá que passar pela seleção da Academia oficial do evento norte-americano, que no ano passado deixou de lados conceituados filmes como O Orfanato e 4 Meses, 3 semanas e 2 Dias de fora da lista final dos cinco indicados para o prêmio.

Confira os inscritos, mas já vou adiantando não levo muita fé em nenhum dos filmes para chegar ao tapete vermelho em fevereiro. Não que sejam filmes ruins, mas nenhum teve grande repercussão entre os críticos e o único campeão de bilheterias é o “ok” Meu Nome não é Johnny.

A Casa de Alice, de Chico Teixeira
Laureado com prêmios em diversos festivais nacionais e internacionais, o filme está chegando em dvd neste mês;

A Via Láctea, de Lina Chamie
Drama intimista com Marcus Ricca e Alice Braga já disponível em dvd;

Chega de Saudade, de Laís Bodanski
Talvez o único filme que conseguiu arrebatar um público acima da média neste ano, entre os filmes nacionais, e que conseguiu agradar a crítica pela sua simpática e simples trama, méritos da diretora Laís Bodanzki;

Era Uma Vez, de Breno Silveira
Ainda nos cinemas tem conseguido alguma repercussão meio Ame-o ou Deixe-o, não consegue projeção pela simplicidade de sua trama (não que isto seja um defeito);

Estômago, de Marcos Jorge
Um dos principais filmes nacionais do último Festival do Rio, não teve repercussão popular. Esta comédia dramática permanece inédita em dvd;

Meu Nome não é Johnny, de Mauro Lima
Fez um estrondoso sucesso no início do ano, pegando carona no embalo de Tropa de Elite, mérito da trama fácil de acompanhar e no carisma ímpar de Selton Mello;

Mutum, de Sandra Kogut
Foi o grande vencedor do Festival do Rio 2007, ganhou o troféu Redentor de Melhor Longa Ficção, eleito pelo júri oficial da competitiva Première Brasil, permance inédito em dvd;

Nossa vida não cabe num Opala, de Reinaldo Pinheiro
Recém lançado nos cinemas esta comédia foi a grande vencedora do 12ª Cine PE, e conta com o veterano Paulo Cesar Pereio no elenco;

Olho de Boi, de Hermano Penna
Recém lançado nos cinemas, porém, em circuito de exibição restrito;

Onde andará Dulce Veiga?, de Guilherme de Almeida Prado
Baseado em obra do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, o filme já passou pelos cinemas, permance inédito nos cinemas. Conta com Maite Proença e Carolina Dieckman no elenco;

O Passado, de Hector Babenco
Co-produção entre Argentina/Brasil, este filme conta com Gael Garcia Bernal (Amores Brutos e Ensaio sobre a Cegueira) como protagonista, uma história que foca três relacionamentos mal-sucedidos vividos por Rimini (Gael Garcia Bernal). O tempo todo, o filme trabalha com as memórias e os percalços pelos quais o protagonista passa para conseguir se relacionar com estas três mulheres;

Os Desafinados, de Walter Lima Júnior
Recém lançado nos cinemas, conta uma trama que faz homenagem à Bossa Nova, tem no elenco Rodrigo Santoro, Claudia Abreu, Selton Mello, Ângelo Paes Leme e Alessandra Negrini;

O Signo da Cidade, de Carlos Alberto Riccelli
Filme roteirizado e protagonizado por Bruna Lombardi (ainda lindissíma), com a direção do seu marido – às vezes, ator – Carlos Alberto Riccelli, fazendo um panorama (filme mosaico) de diversas personagens em São Paulo tendo como ponto de partida um programa de rádio apresentado pela astróloga Teca (Lombardi);

Última Parada 174, de Bruno Barreto
Único ainda inédito nos cinemas, sua estréia deve ocorrer agora em Outubro. O filme é a versão ficcionalizada da história de Sandro Nascimento, rapaz morador de uma favela do Rio que chamou a atenção do Brasil em 2000, quando seqüestrou um ônibus no bairro Jardim Botânico. O caso foi retratado antes no cinema pelo diretor José Padilha (Tropa de Elite) no premiado documentário Ônibus 174;

O que acontece com Eddie Murphy?

Primeira Fila sexta-feira, 05 de setembro de 2008 – 6 comentários

Ao me deparar com o seguinte pôster nos cinemas…

lembrei que Eddie Murphy já foi O REI DA COMÉDIA americana. No entanto, o ator está perdido em comédias ruins onde o máximo que consegue é constranger o espectador com piadas sobre gases e gordos, além de “interpretar” diversos personagens no mesmo filme (normalmente, embaixo de muita maquiagem).

Eddie Murphy surgiu para Hollywood nos anos 80 fazendo muito sucesso na série televisiva Saturday Night Live (assim como diversos comediantes de sucesso atualmente, Mike Myers e Adam Sandler, para citar alguns), de lá o ator pulou diretamente para a telona em filmes como 48 Horas, Trocando as Bolas e, seu maior sucesso, Um Tira da Pesada.

Depois destes sucesso, Murphy ainda protagonizou mais algumas produções como o clássico da Sessão da Tarde, O Rapto do Menino Dourado, mas em seguida levou um tuf ao se arriscar na direção/roteiro de Os Donos da Noite. A recuperação veio da década de 90, em continuações de seus sucessos anteriores, as comédias policiais (Um Tira da Pesada 2 e 48 – parte 2) e em novas comédias (O Princípe das Mulheres).

Depois disso, o ator embarcou numa “viagem” de se achar o melhor dos comediantes e querer interpretar diversos personagens, normalmente adiposos, com ajuda de muita, mas muita maquiagem e achar que isto era engraçado. Até convenceu no primeiro O Professor Aloprado, depois nunca mais convenceu em comédias deste tipo, como a continuação do anterior e no constrangedor Norbit.

Mesmo sendo reconhecido pelo díficil gênio e, pelo que se percebe, enorme ego, Murphy ainda têm bons amigos, pois conseguiu participar de três filmes bacanas de diferentes maneiras nesta última década: 1) na comédia Os Picaretas, graças ao bom texto do comediante veterano Steve Martin, isto no já longíquo 1999; 2) no musical Dreamgirls – Em Busca de um Sonho, inclusive tendo conseguido uma indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante, dizem nos bastidores que teria perdido o prêmio pois no mês no qual os votantes enviaram seus votos para a Academia estreava nos cinemas ianques Norbit – o final vocês sabem, ele não levou nada; 3) na genial animação Shrek, conseguindo somente com a voz transformar o coadjuvante Burro no melhor personagem do desenho.

Durante este intervalo trabalhou em projetos completamente medíocres/sofríveis/esquecíveis como, Dr. Dolittle 1 e 2, Pluto Nash, Showtime, Sou Espião, A Creche do Papai, A Mansão Mal-Assombrada e no super-citado, Norbit, atingindo o fundo do poço desta carreira que parecia tão promissora. Será somente problema de ego ou Eddie Murphy faz parte da turma “preciso trocar urgentemente de agente”?

Piores Filmes da História

Primeira Fila sexta-feira, 29 de agosto de 2008 – 15 comentários

Que listas de Melhores Filmes vira-e-mexe rende alguma discussão ou polêmica, todos sabemos, até porque cada um tem seu gosto e tem gosto pra tudo! No entanto, esta recente lista de PIORES FILMES DA HISTÓRIA, do site Rotten Tomatoes (que conta com críticos de diversos países, inclusive, brasileiros) reuniu uma coletânea do que de pior o cinema, principalmente o americano, produziu nas últimas décadas.

E ao contrário do que você poderia imaginar, a listinha é quase uma unanimidade, tem cada “pérola” da cinematografia mundial que fica quase impossível não concordar com os vencedores da eleição.

1. Dupla Explosiva
Filme de ação com o pior casal já reunido para a telona, Antonio Banderas e Lucy Liu, sem química, sem noção e sem respeito pelo espectador.

2. Alone in the Dark – O Despertar do Mal
O diretor (sic) Uwe Boll adaptou, diz ele, este game para telona como uma cria ruim de Alien. Nem vou tecer outros comentários, e parece que vai ter continuação, mas sem Uwe Boll envolvido. Quem sabe agora vai?

3. Crossover (2006)
Não podia faltar um filme representante do subgênero drama esportivo. Aqui, um jovem jogador de basquete tenta entrar numa faculdade de medicina atráves do seu talento esportivo. Não vi, mas depois desta eleição tenho certeza que não verei!

4. Pinóquio (2002)
Pra dizer que a eleição não fez um apanhado geral em todos os gêneros, temos esta adaptação em carne-e-osso do clássico da Disney, simplesmente fraco.

5. Um Milionário em Apuros
Comédia que tenta utilizar o carisma do gordinho “afro-descendente”, Anthony Anderson, sem sucesso e sem risos.

6. Bêbes Geniais 2
Numa década onde o cinema infantil expandiu como cultura e se tornou uma marco da qualidade, ainda foram criados bobagens acéfalas como este filme infantil onde crianças falam entre si. Não esquecendo que esta foi a continuação, o primeiro filme conseguiu um honroso lugar no Top 20, veja mais abaixo.

7. Os Pilantras
Comédia adolescente idiota lançada, para nossa sorte, diretamente em dvd por aqui.

8. A Marca
Um pecado um filme com este elenco (Ashley Judd, Andy Garcia e Samuel L. Jackson) ser tão fraco como trama e possuir um final tão brochante.

9. O Mestre do Disfarce
Comédia veículo para o comediante Dana Carvey, do humosrístico Saturday Night Live, que tenta reunir uma trama farsesca com inúmeros efeitos especias, somente esqueceram de contratar um roteirista melhor.

10. No Corredor da Morte
Não podia faltar um filme do ícone dos filmes de ação das últimas décadas – sim, ele ainda está na ativa -, o incansável Steven Seagal (particularmente, o denomino cara-de-madeira, devidos as suas inúmeres expressões faciais). Aqui ele tenta inovar em seus filmes ao se juntar ao rapper (tentando atrair o publico jovem) Ja Rule. Não surtiu o efeito esperado.

Completando o diversificado Top 20: Rollerball (2002), Meu Vizinho Mafioso 2, Um Natal Muito, Muito Louco, Bebês Geniais, O Pacto, Ruas Selvagens (2002), A Reconquista (merecia posição melhor na listinha), Deu a Louca em Hollywood (aqui poderia estar qualquer uma destas últimas paródias idiotas de filmes de sucesso), O Enviado e Academia de Super Heróis.

Quer dar uma conferida na lista completa? Clique aqui, são 100 filmes para perder seu tempo e dinheiro!

Qual o destino do suspense na telona?

Primeira Fila sexta-feira, 22 de agosto de 2008 – 5 comentários

Se há um gênero cinematográfico que sempre invisto meus trocadinhos em ingressos é o suspense, de preferência psicológico, tenso, mas de vez em quando, um sangue jorrando na telona em altos acordes não faz mal a ninguém. De contraponto, as comédias (principalmente, as americanas) me cansaram há muito, mas muito tempo, com suas piadas escatológias (com raras exceções!), humor grosseiro, apelando para constragimentos desnecessários e humilhando seus personagens em detrimento de uma “boa” piada.

No entanto, ultimamente, poucos filmes do gênero me animam, muito pelo contrário; em tempos de continuações, refilmagens e pouca criatividade, falta tensão e inteligência nas tramas e sobra mesmice e tédio. Exemplos de filmes “ditos” suspenses recentes foram: Awake – A Vida por um Fio, me nego a tecer comentários desta trama absurdamente ridícula com um protagonista idem; O Olho Do Mal, sem sequer conseguir imitar o clima do filme chinês original; Imagens do Além, se você não tiver assistido ao original tailandês, até pode render algum susto, mas os de sempre, menina chinesa cabeluda assombrando pessoas atrás de vingança; Uma Chamada Perdida, outra cópia mal realizada de filme chinês; Sem Vestígios, uma reunião de todos os clichês de filmes policiais com serial killer; entre outros.

Claro que não se perde tudo, alguns bons filmes me assusturam ou mexeram com meus nervos em tramas bem construídas com personagens excelentes, os famosos thrillers (Medo da Verdade, Conduta de Risco, O Orfanato e Joshua – O Filho do Mal) ou onde imperava a adrenalina e tensão alucinante (Cloverfield – Monstro e Rec – coincidentemente, ambos falsos documentários. Sim, aqueles filmes com câmeras balançando pra tudo que é lado, se você não curte… sorry).

Ótimo suspense sobrenatural

Mas o que mais me chamou a atenção nestes últimos dias, motivo da pergunta do título, é que a maioria dos filmes do gênero que estão sendo produzidos, neste momento, são refilmagens de filmes famosos e mesmo cult do gênero. Não consigo entender o porquê de mexer nestes “clássicos” (claro, que eu sei, é dinheiro!).

Entre os próximos títulos, novas rodadas de Jogos Mortais 5 e Halloween (já lançado no ano passado nos EUA, na verdade uma releitura, já que conta, novamente, o surgimento de Michael Myers, sempre perseguindo sua irmã mais nova), e refilmagens de títulos oitentistas como Poltergeist (aquele da menina engolida pela tevê), Piranhas (sim, você não leu errado), Sexta-feira 13 – parte 11 (Jason está de volta) e Brinquedo Assassino 6.

“Venha para Luz, Caroline!

Cinemas pós temporada Blockbuster

Primeira Fila sexta-feira, 15 de agosto de 2008 – 6 comentários

O Théo fez o balanço da temporada dos blockbusters semana passada (leia aqui), eu, no entanto, por motivo de tempo não pude acompanhar como gostaria os principais filmes da estação (muito menos consegui escrever sobre eles). Pra não passar em branco, o melhor, com certeza, Batman – O Cavaleiro das Trevas, chegando junto o divertido e competente Homem de Ferro; as decepções ficaram por conta de Fim dos Tempos (sofrível), o inofensivo Kung Fu Panda e a nostalgia não correspondida em Arquivo X – Eu Quero Acreditar (legítimo filme é bom mas é ruim, difícil explicar).

Então, depois de três meses de cinemas inundados de blockbusters, comédias família e animações, entramos numa entressafra, entre os filmes de verão (pra curtir e desligar o cérebro) e os filmes – sérios – das temporadas de premiações (que chega ao ápice com o Oscar). Esta época tem um pouco de tudo, ainda há filmes blockbusters para estrear (O Procurado e Hellboy II), filmes perdidos na distribuição durante o ano (The Mist – O Nevoeiro e Bolas em Pânico), comédias inofensivas, claro que pra suas namoradas (Marido por Acaso e Nem por Cima do Meu Cadáver), entre outros.

Abaixo, listarei 3 produções que me chamaram a atenção, pelos diferentes gêneros e tramas, que irão estrear nas próximas semanas:

Trovão Tropical

(previsto para 29/08)
Sinopse: O filme trata sobre os bastidores de um filme de guerra, onde absolutamente tudo dá errado e os atores começam a adquirir a personalidade de seus personagens. O destaque desta comédia dirigida e protagonizada por Ben Stiller e grande elenco, foi o surgimento da polêmica envolvendo o ator Robert Downey Jr. (escolhendo bem seus papéis pós-Homem de Ferro), que NO FILME interpreta um ator branco que se pinta de negro para representar um soldado “afro-americano”. Chama a atenção pela trama e pelos excelentes comediantes envolvidos.

As Duas Faces da Lei

(previsto para 12/09)
Sinopse: Depois de 30 anos como parceiros na panela de pressão que é o Departamento de Polícia de Nova York, os condecorados detetives David Fisk e Thomas Cowan deveriam estar aposentados, mas não estão. Antes de fazer suas malas, eles são chamados para investigar o assassinato de um conhecido cafetão que parece ter ligação com um caso resolvido por eles anos atrás. Como no crime original, a vítima é um criminoso suspeito cujo corpo é encontrado junto com um poema justificando o assassinato. Quando outros crimes acontecem, começa a ficar claro que os detetives estão às voltas com um serial killer, alguém cujos crimes se perderam nos porões do sistema judicial e cuja missão é fazer o que os policiais não conseguiram: acabar com os culpados e limpar as ruas. As semelhanças entre as mortes recentes e seus casos anteriores trazem à tona uma desconfortável questão: será que eles colocaram o homem errados atrás das grades? Apesar da trama e do título nacional tabajara ao extremo, este policial dirigido por Jon Avnet (que possui amigos melhores que seus filmes) reunirá nas telonas dois marcos do cinema americano, ROBERT DENIRO e AL PACINO, atuando juntos pela primeira vez, inacreditavelmente. Eles participaram de Fogo contra Fogo há mais de 10 anos, no entanto, não dividiam cenas no filme.

Mamma Mia!

(também 12/09)
Sinopse: A história acompanha as tentativas de uma noiva, Sophie, em descobrir a identidade de seu pai. Criada pela mãe rebelde em uma ilha, a filha convida para seu casamento três homens, todos seus prováveis pais. Para quem não sabe este é o mais novo musical lançado pelos americanos, mas, com um detalhe, o musical inclui 22 canções do ABBA, incluindo Dancing Queen, Take a Chance on Me e The Winner Takes It All, só pra citar algumas, total momento nostalgia dos anos 70. Além disso, o filme tem um elenco impecável com nomes como Meryl Streep, Pierce Brosnan e Colin Firth.

Balanço de Blockbusters do ano

Primeira Fila sexta-feira, 08 de agosto de 2008 – 9 comentários

Bom, o Paulo basicamente me intimou a fazer esta coluna procês, mas saibam que eu sou um grande admirador do cinema arte, assisto blockbusters apenas por diversão, pra desligar o cérebro de vez em quando. O cara já falou por aqui sobre os blockbusters em quatro partes (1, 2, 3 e 4), então vou me basear nessa lista para expor minha opinião sobre os caça-níqueis do ano. Mais sobre cada filme, basta clicar no link em seus respectivos títulos.

Homem de Ferro

De longe, mas DE LONGE, o melhor, mais divertido, mais engraçado e mais GENIAL adaptação de um herói para as telonas. Minhas expectativas eram baixas, tendo em vista que eu vinha de uma péssima seleção de filmes do gênero para assistir nos fins de semana. Mas, porra, eu nunca me empolguei tanto em um filme de super heróis, e a empolgação aqui foi graças à exatamente TUDO no filme: Elenco, trilha sonora (além do instrumental, o filme já começa com AC/DC e termina com Black Sabbath – absolutamente perfeito), efeitos especiais, roteiro e tudo mais. Eu agradeceria eternamente a tiazinha do café que fez parte do casting de apoio da equipe de filmagem do filme se eu a encontrasse na rua. Taí um filme espetacular, até o Paulo vibrou (ou vibraria, cê viu?).

Speed Racer

O filme mais legal do ano, os irmãos Wachowsky conseguiram fazer uma adaptação completamente maluca e, pasmem, inovadora, de um desenho dos anos 60. Matthew Fox roubou a cena para caralho, só pra constar. O que me entristece é o fato de o filme ter ganhado uma divulgação chula (pelo menos por aqui, to por fora da divulgação fora daqui) e ter sido atropelado por outros blockbusters, além de ser vítima de preconceito por noobs por aí. Sério, são os irmãos Wachowsky e o povo reclama das CORES do maldito filme. Eu pensei que a trama seria uma espécie de Velozes e Furiosos, me senti um imbecil após sair do cinema por ter pensado nisso.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal

Este foi um dos filmes que me fez ter vontade de recuperar, de alguma forma, o tempo perdido sentado na frente daquela telona. Shia LaBeouf foi a única “coisa” que valeu à pena no filme, na boa. E querem fazer uma continuação, AINDA com Harrison Ford. Não aprendem nunca.

As Crônicas de Nárnia: Princípe Caspian

Não vi e não gostei, fato. É o tipo de história que não me chama a atenção, muito politicamente correta, infantil e… sem graça. Já quebrei a cara com filmes do tipo, então continuarei passando longe.

O Incrível Hulk

Acho que rolou muito drama e pouca ação. Afinal, quando você pensa em HULK, você pensa em AÇÃO. Ok, a história pedia por drama, então há um desconto. O filme foi absurdamente melhor do que o anterior, mas não chega a ser uma obra prima. Eu recomendo, mas não elogio. Ok, não muito. Edward Norton é foda, fazer o quê?!

Fim dos Tempos

Criaram uma expectativa enorme para com Shyamalan, e isso causou uma queimada de língua enorme por aí. Eu estava indiferente, tanto que gostei do filme. É esse o grande erro de blockbusters (principalmente): Falsa expectativa. Você só pode criar uma expectativa fodida com um Guillermo Del Toro da vida, um cara que só fez filme bom. Shyamalan oscilou, a crítica acreditou demais em um “retorno” e quebrou a cara. Mas o filme É bom, pelo menos pra quem estava indiferente.

O Procurado

Ainda não vi, e considero esse um dos dois filmes que pode vir a ser o mais ESPETACULAR do ano. Esse é o tipo de filme que todo fã de Matrix aguardou esse tempo todo, só que sem toda aquela filosofia. E eu, como grande fã do melhor filme sci-fi de todos os tempos, aguardo este filme com uma ansiedade e expectativa enorme. Sem conhecer a HQ.

Wall-E

A melhor animação de todos os tempos, o melhor filme do ano, a melhor crítica social da história do cinema em uma animação, o filme mais respeitável da Disney por NÃO TER FALAS… enfim, a lista é realmente muito grande, e me faltam palavras para descrever a sensação de ter assistido à essa obra-prima. Mas acho que isso já é o suficiente pra te convencer.

Arquivo X – Eu Quero Acreditar

Ainda não assisti, e ainda estou indiferente. Eu não acompanhei a série, mas acredito que o filme, só por se tratar de um filme de uma das séries sci-fi mais elogiadas de todos os tempos, já vale a conferida. Aliás, o Paulo que é o grande ídolo da série, CADÊ RESENHA?

Sex and The City

:erm:

Agente 86

Ainda me arrependo por não ter assistido à este filme, e taí outra série que eu não acompanhei. Algo me diz que o filme é bastante bacana, e eu não digo isso por causa das críticas por aí. Nem sei por que digo isso, é só palpite. Bom, pra ser convincente: O elenco é bom, e as cenas que eu vi são, no mínimo, interessantes.

A Múmia – Tumba do Imperador Dragão

O filme mais divertido do ano e MENOS aguardado positivamente pela crítica, ou pelo menos por boa parte dela, foi o que percebi. O fato é que o filme é realmente divertido, até mesmo acima das expectativas. Jet Li não faz filme ruim, não faz MESMO.

Hancock

Este filme é tão, mas tão clichê, que eu, por muito pouco, não vomitei a pipoca que eu ganhei na sessão. Tal pipoca que, por acaso, estava murcha. Mas enfim, dos blockbusters que eu vi, esse aqui foi o pior. O filme só vale à pena no início, até o trecho do banco. Muita expectativa foi criada aqui também, uma pena – eu mesmo queimei a língua. Basicamente, os roteiristas ficaram sem idéias para continuar o filme após a famosa cena do banco e inventaram a história mais absurda possível.

Kung Fu Panda

Eu esperava MUITO pouco desse filme, praticamente nada. Quando vi, foi, de fato, uma surpresa enorme. O maldito enredo é muito bem feito, tirando alguns furos, como o fato de não sabermos nada sobre alguns personagens importantes. Enfim, diverte bastante, e a dublagem nacional é boa, até.

Batman – O Cavaleiro das Trevas

Expectativa é o tema da vez, certo? Batman transbordou expectativa, o filme já estava sendo chamado de “Coringa” por muitos. Eu, particularmente, não esperava nada. Batman com armadura do RoboCop E magrelo? Certo, certo. O elenco é dos melhores, mas a trama é cansativa, não adianta teimar. Fiz questão de não ver o filme na semana estréia, estratégia boa pra conseguir uma cadeira na sala, inclusive. Após assistir, saí da sala com uma coisa na cabeça: Aaron Eckart foi o grande astro, não tem pra ninguém. Heath Ledger teve seus momentos, na boa. Bom, o filme foi abaixo das expectativas pra mim, afinal, minhas expectativas até aumentaram após eu ouvir de pessoas de extremo bom gosto para filmes falarem “o melhor filme de todos os tempos”, ou “a melhor adaptação de todos os tempos”. Eu só acho que vocês precisam assistir a mais filmes, mas o filme é bacana sim. Só não é tudo o que dizem.

Hellboy 2 – O Exército Dourado

Pra mim, esse é o filme mais esperado do ano. E só estréia no dia 5 de setembro. Mas enfim, Guillermo Del Toro é o cara que só faz filme bom, e Hellboy é o… “herói” mais “inesperado” das adaptações. O cara foi desenterrado e rendeu um filme MUITO bom, e, após todos os trailers e vídeos desse segundo filme, é certo que um filme ainda mais brilhante está por vir. E vai, VAI ser brilhante. Essa é a primeira promessa de filme mais ESPETACULAR do ano, talvez aqui sim temos um concorrente à altura de Homem de Ferro. Mas, porra… esperar até setembro? Se foder.

Cinema Nacional 2008 – 2º semestre

Primeira Fila sexta-feira, 01 de agosto de 2008 – 4 comentários

Em virtude da discussão da última coluna, resolvi fazer um levantamento dos filmes nacionais previstos para estrear nestes próximos 3 meses e imaginar se algum deles pode reveter o vergonhoso quadro de bilheterias do 1º semestre.

Obs.: as datas são de responsabilidade das distribuidoras e produtores, logo, pode haver mudança das mesmas até o seu lançamento em circuito nacional e ou outros filmes podem ser lançados neste intervalo de tempo que não estejam aqui citados.

A Encarnação do Dêmonio:
Após 30 anos preso, Zé do Caixão (José Mojica Marins) é finalmente libertado. Novamente em contato com as ruas, o sádico coveiro está decidido a cumprir a mesma meta que o levou preso: encontrar a mulher que possa lhe gerar um filho perfeito. Em seu caminho pela cidade de São Paulo, deixa um rastro de horror, enfrentando leis não-naturais e crendices populares. Já nasce candidato a cult, não acredito que faça sucesso de público, acredito em mais repercussão pela volta do Zé do Caixão.
Diretor: José Mojica Marins
Elenco: José Mojica Marins, Milhem Cortaz, Jece Valadão, Giulio Lopes, Luís Melo, Débora Muniz, Rui Resende, José Celso Martinez Corrêa.
Terror
Previsão de Estréia: 08/08

Olho de Boi:
Modesto (Genézio de Barros) e seu protegido Cirineu (Gustavo Machado) são peões de fazenda que se embrenham pelo sertão em busca de vingança. Não faço a menor idéia do resultado deste filme, deve passar em branco nos cinemas, espero que não, mas…
Diretor: Hermano Penna
Elenco: Genézio de Barros, Gustavo Machado, Angelina Muniz, Cacá Amaral. Drama
Previsão de Estréia: 15/08

Nossa Vida não Cabe num Opala:
Baseada em peça teatral de Mário Bortolotto, a história tem início com a morte do patriarca de uma família paulistana de classe média baixa. Ele passa a assistir às reações dos filhos a sua morte e ao desmoronamento da frágil estrutura familiar. Mesmo sem ter nomes muito conhecidos no elenco – globais – a trama parece genuinamente engraçada. Claro que espero que tenha humor negro, e Leonardo Medeiros, estreando em novelas globais atualmente, é um dos melhores atores do nosso cinema.
Diretor: Reinaldo Pinheiro
Elenco: Paulo César Pereio, Leonardo Medeiros, Milhen Cortaz, Gabriel Pinheiro. Drama
Previsão de Estréia: 15/08

Os Desafinados:
Cinco amigos que formam a banda Rio Bossa Cinco e buscam o sucesso, alimentando o sonho de tocar no Carnegie Hall, a célebre sala de concertos de Nova York que detonou o sucesso internacional de Tom Jobim e da Bossa Nova. Assim, desembarcam em Manhattan e lá encontram uma musa, filha de brasileira com americano, que voltará com eles ao Brasil ditatorial. Além de tocar flauta e clarineta, ela vai se tornar a chave para o florescimento pessoal dos rapazes. Chega aos cinemas cheio de expectativa, fala de música e juventude, e tem no elenco os excelentes nomes de Santoro, Mello e Claudia Abreu.
Diretor: Walter Lima Jr.
Elenco: Rodrigo Santoro, Cláudia Abreu, Selton Mello, Ângelo Paes Leme, Jair de Oliveira, Alessandra Negrini, Michel Bercovitch, Renato Borghi, Vanessa Gerbelli.
Drama
Previsão de Estréia: 29/08

O Mistério do Samba:
A cantora Marisa Monte conduz uma série de entrevistas que formam um painel do cotidiano e as histórias da Velha Guarda da Portela, grupo de veteranos artistas de uma das escolas de samba mais populares do Rio de Janeiro. Atende a públicos alvos.
Diretor: Carolina Jabor e Lula Buarque de Hollanda
Elenco: Depoimentos de: Paulinho da Viola, Zeca Pagodinho, Marisa Monte. Documentário
Previsão de Estréia: 29/08

Meu Nome é Dindi:
Dindi é proprietária de uma quitanda á beira da falência num bairro pobre e suburbano no Rio de Janeiro. Sua vida muda completamente quando ela começa a ser perseguida por um homem desconhecido. Não tenho a menor idéia de que caminho esta trama vai seguir, pode ser uma surpresa total ou, mais fácil, cair no esquecimento.
Diretor: Bruno Safadi
Elenco: Djin Sganzerla, Gustavo Falcão, Carlo Mossy, Nildo Parente, Maria Gladys. Drama
Previsão de Estréia: 05/09

Linha de Passe:
O filme conta a história de quatro irmãos da periferia de São Paulo que, com a ausência do pai, precisam lutar por seus sonhos. Um deles, Dario (Vinícius de Oliveira), vê em seu talento como jogador de futebol a esperança de uma vida melhor. Chega cheio de elogios e prêmios, como o de Cannes, marca o retorno de Walter Salles à filmografia nacional após o decepcionante Água Negra e ao episódio de Paris, Te Amo.
Diretor: Walter Salles, Daniela Thomas
Elenco: Vinícius de Oliveira, Ana Carolina Dias, José Geraldo Rodrigues, Kaique Jesus Santos, João Baldasserini.
Drama
Previsão de Estréia: 05/09

Ainda Orogotangos:
Durante 14 horas, quinze personagens transitam pelas ruas e prédios de Porto Alegre (RS). Japoneses vão ao limite no metrô; duas garotas se beijam em um ônibus enquanto discutem futebol e o saco do Papai Noel; o porteiro de um grande condomínio só pensa na cerveja no fim do expediente; uma mulher nua foge de pombas dentro de seu apartamento; entre outras situações inusitadas. Um dos mais promissores desta safra, trama mosaico, com diversos personagens e situações se cruzando, lembrando recentes sucessos internacionais comom Crash e Babel, ainda se passando em Porto Alegre, por mais que seja bairrismo meu, é sempre curioso ver uma cidade que você conhece na telona.
Diretor: Gustavo Spolidoro
Elenco: Karina Kazuê, Lindon Shimizu, Artur José Pinto, Kayodê Silva, Janaína Kremer, Renata de Lélis, Nilsson Asp, Arlete Cunha, Letícia Bertagna.
Comédia
Previsão de Estréia: 05/09

Orquestra dos Meninos:
Janeiro de 1995. Um integrante de 13 anos da Orquestra Sinfônica do Agreste da pequena cidade de São Caetano (Pernambuco) é sequestrado. O principal suspeito é o criador da orquestra, o maestro Mozart Vieira (Murilo Rosa), o que coloca o trabalho do músico em risco. Não sei, pode ser promissor, mas a trama pode cair facilmente na pieguice e blábláblá social.
Diretor: Paulo Thiago
Elenco: Murilo Rosa, Priscila Fantim, Othon Bastos, Lais Corrêa, Gustavo Gasparani.
Drama
Previsão de Estréia: 05/09

Ensaios Sobre a Cegueira: (co-produção)
Adaptação do premiado livro escrito por José Saramago, mostra uma inexplicável epidemia de cegueira branca que se alastra rapidamente. Todos os cegos são enviados para um hospital psiquiátrico abandonado, onde ficam isolados do mundo. Eu sei que o filme é estrangeiro, no entanto, com Fernando Meirelles na direção vale o comentário. A trama parece bastante densa e pesada e o elenco fantástico, um dos mais aguardados – entre todos – neste segundo semestre.
Diretor: Fernando Meirelles
Elenco: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Danny Glover, Gael García Bernal, Sandra Oh, Jorge Molina, Katherine East, Scott Anderson, Danny Glover.
Suspense/Drama
Previsão de Estréia: 12/09

Casa da Mãe Joana:
Três amigos de longa data dividem um amplo e antigo apartamento de classe média. Com personalidades completamente diferentes, eles só concordam no estilo de vida festivo. Mas, quando eles correm o risco de perderem o apartamento caso não paguem hipoteca, pensam em voltar a trabalhar. Ou cometer um golpe. Excelente oportunidade de rever Pedro Cardoso nos cinemas, mesmo que seja fazendo um tipo parecido com seu personagem na série A Grande Família; e Hugo Carvana, como diretor, sabe retratar fielmente os famosos malandros nos cinemas.
Diretor: Hugo Carvana
Elenco: Pedro Cardoso, José Wilker, Paulo Betti, Claudio Marzo, Miele, Laura Cardoso, Juliana Paes, Malu Mader, Arlete Salles, Beth Goulart.
Comédia
Previsão de Estréia: 19/09

Última Parada 174:
Versão ficcional da vida do ex-menor de rua, assaltante e sobrevivente da Chacina da Candelária, que cometeu o seqüestro do ônibus da linha 174, em junho de 2000, no Rio de Janeiro. Não sei se havia necessidade de novelizar o excelente documentário de José Padilha sobre este evento trágico, mesmo porque a família Barreto anda devendo um bom filme há anos.
Diretor: Bruno Barreto
Drama
Previsão de Estréia: 03/10

A Guerra dos Rocha:
A simpática e desastrada velhinha Dina Rocha (Ary Fontoura) tem três filhos adultos – Marcos Vinicius (Diogo Vilela), César (Marcelo Antony) e Marcelo (Lúcio Mauro Filho) que vivem em pé de guerra sobre quem deve ficar com a mãe. Durante uma das muitas batalhas familiares, Dona Dina some e quando os filhos percebem a ausência da mãe, parece que já é tarde demais. O que esperar de uma trama tão farsesca quanto esta? Risos, a princípio, espero que Jorge Fernando tenha melhor sorte do que no inexpressivo Sexo, Amor & Traição, sua estréia na telona.
Diretor: Jorge Fernando
Elenco: Ary Fontoura, Lúcio Mauro Filho, Taís Araújo, Marcelo Antony, Giulia Gam, Diogo Vilela, Ludmila Dayer, Ailton Graça, Nicete Bruno, Cecília Dassi, Felipe Dylon, Zéu Brito, Angelo Paes Leme.
Comédia
Previsão de Estréia: 10/10

A Mulher do Meu Amigo:
Filme conta a história do bem-sucedido homem de negócios Thales (Marcos Palmeira), que está em crise com sua profissão. Casado com a rica, bonita e mimada Renata (Mariana Ximenes), ele trabalha no escritório do poderoso e amoral empresário Augusto (Antônio Fagundes) que, além de chefe, é também seu sogro. Durante uma temporada de férias, desfrutada numa casa de campo com sua esposa e os amigos de longa data Rui (Otávio Müller) e Pamela (Maria Luisa Mendonça), Thales decide que vai parar de trabalhar. A resolução, aparentemente pessoal e intransferível, acaba afetando a vida de todos que o cercam e desencadeando uma série de confusões, como uma improvável troca entre os casais. Não achei a trama muito interessante, mas o diretor Claudio Torres dirigiu um dos filmes mais instigantes dos últimos anos no cinema nacional, Redentor, quem sabe uma surpresa!
Diretor: Cláudio Torres
Elenco: Mariana Ximenes, Marcos Palmeira, Maria Luisa Mendonça, Otávio Muller, Antonio Fagundes.
Comédia
Previsão de Estréia: 17/10

Romance
Ana (Letícia Sabatella) e Afonso (Wagner Moura) são dois jovens atores que se apaixonam durante a montagem teatral de Romance de Tristão e Isolda. Ao mesmo tempo que recriam a história deste casal mítico que está na origem de todos os casais românticos, eles tentam descobrir para si próprios uma nova forma de se relacionar. Será que Guel Arraes volta a acertar a mão depois do incrível sucesso de Auto da Compadecida e Lisbela e o Prisioneiro?
Diretor: Guel Arraes
Elenco: Wagner Moura, Letícia Sabatella, Andrea Beltrão, José Wilker, Bruno Garcia, Tonico Pereira, Vladimir Brichta, Edmilson Barros, Marco Nanini. Drama
Previsão de Estréia: 21/10

Cinema Nacional 2008 – Alguém Viu?

Primeira Fila sexta-feira, 25 de julho de 2008 – 15 comentários

Ainda fazendo um balanço deste 1º semestre de 2008, dêem uma observada na listagem de filmes brazucas lançados nestes primeiros seis meses e suas respectivas bilheterias. Os números são de um boletim da Filme B – não um boletim final do semestre, vale dizer, porque foi divulgado no final de junho, antes do semestre de fato terminar. É de chorar…

Meu Nome Não é Johnny – 2.115.000 espectadores;
Chega de Saudade – 164.770 espectadores;
Polaróides Urbanas – 85.000 espectadores;
Estômago – 69.418 espectadores;
O Banheiro do Papa – 28.139 espectadores (co-produção Uruguai, Brasil e França);
Garoto Cósmico – 26.000 espectadores;
Maré, Nossa História de Amor – 21.662 espectadores;
Juízo – 12.000 espectadores;
Bodas de Papel – 10.899 espectadores;
Falsa Loura – 6.310 espectadores;
Condor – 4.664 espectadores;
Cinco Frações de uma Quase História – 4.315 espectadores;
Cleópatra – 3.830 espectadores;
Valsa para Bruno Stein – 3.010 espectadores;
Longo Amanhecer – Cinebiografia de Furtado – 2.958 espectadores;
Serras da Desordem – 2.744 espectadores;
Fim de Linha – 1.811 espectadores;
Corpo – 1.764 espectadores;
O Tempo e o Lugar – 1.434 espectadores;
O Romance do Vaqueiro Voador – 600 espectadores;
1958 – Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil – 588 espectadores;
Otávio e as Letras – 513 espectadores;
Atabaques Nzinga – 141 espectadores;

Alguns comentários…

>>> Vale lembrar que boa parte desses filmes ainda está sendo exibida nos cinemas, ou seja, seus números devem aumentar nos próximos dias, ou semanas, ou meses;

>>> Uma grande parcela destes lançamentos acima são de documentários, gênero que por si próprio fica restrito a um pequeno circuito (quando é lançado nos cinemas);

>>> O abismo de público entre o 1º colocado – Meu Nome Não é Johnny – e os demais;

>>> Qual seria a receita para um filme com apelo popular e boa história?

>>> De vez em quando acredito que o cinema brasileiro vive de fenômenos (filmes que gerem grande bilheteria), nunca será uma indústria auto-sustentável. Não esqueçam que a maioria dos filmes possui verba pública na sua realização;

>>> No entanto, se eles conseguem verba pública, como o governo ainda não conseguiu criar uma politíca de exibição dos mesmos? Apesar que isto cheira a lei que obrigaria os cinemas a exibirem os filmes, e não ao público mudar de atitude e assitir a mais filmes nacionais (polêmica esta questão!);

>>> E por último, vocês não têm a impressão que a grande maioria dos filmes parece ser feito somente para ser um tipo de “filme cabeça” ou cult? Não vejo uma atitude pró-público de criar interesse em assistí-lo, isto desde a divulgação de notícias pré-produção, filmagens e pôsters, não se trabalha com expectativa de lançamento do filme, assim fica difícil criar um elo entre o público e o filme antes mesmo da estréia (olha o exemplo de Tropa de Elite, mesmo com toda pirataria – e foi grande – o filme criou antes mesmo de sua estréia uma expectativa positiva, sendo que um grande público esperou pela seu lançamento nos cinemas para conferí-lo).

Overdose Adaptações: As Faces de Batman no Cinema

Primeira Fila sexta-feira, 18 de julho de 2008 – 4 comentários

Como o evento desta semana é a estréia da nova aventura de Batman, Batman – O Cavaleiro das Trevas, segunda adaptação dos quadrinhos sob a batuta do diretor Christopher Nolan, resolvi ir contra a maré e fazer um retrospecto sobre os atores atrás da máscara do homem-morcego ao invés de privilegiar os sempre citados vilões, normalmente personagens mais explorados nos filmes.

Talvez seja este um dos grandes problemas das adaptações de Batman para o cinema, os seus adversários são personagens mais fáceis de serem levados á telona pelas alegorias de suas histórias e por serem extremamente maldosos, charmosos e divertidos (como recusar uma Mulher-Gato como a criada para Michelle Pfeiffer, com direiro a roupa de couro e chicotinho). No entanto, nesta releitura iniciada por Nolan em Batman Begins, o que se vê é um direcionamento para a figura complexa de Bruce Wayne (que deixa de ser coadjuvante de seu próprio filme), personagem normalmente retratado como um “sujeito milionário com hobby de justiceiro das ruas de Gotham”.

Se levarmos em conta que a antiga série dos anos 60 teve um longa em 1966, Batman nas telonas já foi representado por 5 atores, foram eles: o gordinho Adam West (da série televisiva e Batman, o Homem-Morcego), o estranho Michael Keaton (queridinho ator de Tim Burton, ao lado de Johnny Depp, que esteve em Batman e Batman – O Retorno, o inexpressivo Val Kilmer (em Batman Eternamente), o azarado George Clooney (Batman & Robin) e o talentoso e dedicado Christian Bale (dos dois últimos filmes), uma escolha bastante feliz de Nolan para ressuscitar o atormentado conceito do personagem, mais soturno e obscuro.

Dentre estes atores o que melhor representa A figura de Bruce Wayne, para mim, com certeza foi George Clooney, que, como o playboy Bruce, caiu como uma luva. No entanto, Clooney teve o azar de estar presente no pior filme da série. Na verdade, Batman & Robin é o fundo do poço da cinessérie, pois o dignissímo diretor Joel Schumarcher resolveu criar um verdadeiro carnaval (ou circo) da trama do soturno personagem com direito a duvidosos bicos no peito dos personagens em seus uniformes e os diálogos vexaminosos entre Batman, Robin (parecendo aqueles adolescentes pentelhos) e a voluptuosa Batgirl de Alicia Silverstone.

Pior do que a presença infeliz de Clooney neste filme é a figura mais sem graça impossível de Val Kilmer como o Bruce/Batman em Batman Eternamente. Mesmo sendo um filme divertido graças as peripécias de Charada (Jim Carrey completamente em casa com suas caretas exageradas), o personagem de Kilmer é quase que completamente ofuscado com a adição inédita na época do menino prodígio, Robin (de Chris O’Donnell), e de atores como Tommy Lee Jones e Nicole Kidman.

Para vocês, quem dos citados acima foi o melhor e o pior Batman das adaptações cinematográficas?

Balanço Primeiro Semestre – Piores

Primeira Fila sexta-feira, 11 de julho de 2008 – 6 comentários

Se a coluna passada serviu para indicar, na medida do possível, bons e ótimos filmes; hoje, como um guri gente fina vou alertá-los sobre algumas bombas que podem ser evitadas.

Sinceramente, vocês podem pensar ao ler a listinha que “era óbvio que estes filmes eram ruins”, mas fica o alerta assim mesmo, até porque sempre digo que gosto não se discute. No entanto, tudo tem limite, até mesmo pra ruindade.

Alien vs. Predador 2

Deve estar em 10 de 10 listas de piores, é uma vergonha os detentores dos direitos de ambos os personagens, clássicos do cinema de terror, perdidos em crossovers que não assustam nem uma criancinha. Nem mesmo as cenas de luta entre os personagens são bem realizadas, quase todas noturnas para economizarem dinheiro com efeitos, e a criação do Predalien nem se fala!

Awake – A Vida Por um Fio

Num primeiro momento você pensa (o que nem sempre é confiável), um filme com um argumento interessante (anestesia consciente, há um termo médico adequado mas não lembro o nome no momento) e um elenco com rostos conhecidos – Hayden Christensen (ele de novo!), Jessica Alba (num péssimo ano), Terrence Howard (topando qualquer projeto depois de O Ritmo do Sonho) e Lena Olin (a eterna vilã de Alias, a mãe de Sidney Bristow) – devem garantir um bom suspense. Depois de meia hora, você se percebe numa barca furada do tamanho do título em português e, quando você acha que não podia piorar e o filme seria simplesmente medíocre, ele se torna um atentado a neurônios alheios.

Jumper

Vou ser sincero, o filme não precisava estar precisamente nesta lista, mas também é um abuso da produção querer usurpar quase todos os conceitos de um personagem de X-Men, no caso, Noturno, e criar uma pseudo-mitologia (inclusive, para uma franquia cinematográfica) ao redor dos “vilões” e “heróis” do filme. E pior ainda é o diretor Doug Liman escalar o ator (sic) Hayden Christensen para fazer o suposto heroizinho do filme, puta ator ruim que quase destruiu toda a nova trilogia de Star Wars.

O Olho do Mal

Nem vou comentar muito este por se tratar de uma refilmagem de um longa chinês, moda que pelo jeito vai terminar este ano, que chegou a ser lançado aqui no Brasil em dvd com o nome The Eye – A Herança (um bom suspense). Aqui, nada se salva, nem o elenco (Jessica Alba, de novo) nem o suspense, perda de 97 minutos de sua vida.

Os Seis Signos da Luz

Em meio ao sucesso de Harry Potter, obviamente que iriam surgir tramas com heróis juvenis. No entanto, mesmo sendo baseado num livro, Os Seis Signos da Luz chega a constranger de tão mal escrito e com um protagonista tão sem carisma. Melhor esperar o novo Harry!

Uma Chamada Perdida

Outra refilmagem de terror chinês, da era onde O Grito e O Chamado fizeram enorme sucesso, portanto, a refilmagem já chega tarde nos cinemas. Na trama, bastante absurda por sinal, diversas pessoas recebem mensagens via celular sobre seus últimos momentos de vida. Não encontra nenhum momento de tensão ao lado do fraquíssimo elenco e direção.

Fim dos Tempos

Nunca imaginei que um dia, um filme de M. Night Shyamalan estaria numa lista minha de piores. Sou fã do criador de O Sexto Sentido e A Vila, mas Shyamalan tem visto sua carreira naufragar em Hollywood (devido a brigas com produtores para manter a decisão criativa dos seus filmes) desde A Dama na Ígua (que eu já acho meia-boca). No entanto, Fim dos Tempos parecia a volta do diretor/roteirista ao gênero que o consagrou: um evento misterioso atinge pessoas envolvidas em dramas familiares para num momento chave se revelar uma grande reviravolta. Não sei ainda qual o estrago deste filme na carreira de Shyamalan (que precisa urgentemente rever seus conceitos), mas a trama que começa intensa e apavorante se transforma num enredo sobre ecologia tão, mas tão chato que nem mesmo a tentativa de explicação para os ocorridos eventos me constrangeram. Pior ainda é o elenco, Mark Wahlberg e Zooey Deschanel (do ótimo O Guia do Mochileiro da Galáxia) parecem estar tão perdidos em cena quanto nós assistindo ao filme. Pelo menos o sofrimento dura pouco, são apenas 91 minutos desperdiçados!

busca

confira

quem?

baconfrito