Brasil no Oscar 2009, missão impossível?

Primeira Fila sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Esta semana o Ministério da Cultura divulgou os 14 filmes que foram inscritos para concorrer à vaga de representante do país no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2009. Nesta segunda fase pós a inscrição, os filmes serão avaliados por uma comissão de profissionais da área cinematográfica, entre eles, o roteirista e montador Giba Assis Brasil e o cineasta Paulo Sergio Almeida.

O filme escolhido para representar o Brasil será divulgado no dia 16 de setembro, no Rio de Janeiro. Lembrando que no ano passado o filme escolhido para representar o pais foi O Ano em que Meus Pais saíram de Férias, numa polêmica escolha que preteriu o suposto gosto dos votantes americanos do que o gosto popular, na época Tropa de Elite era o filme mais comentado do ano, ainda ser ter tido seu lançamento nos cinemas.

Ainda assim, o filme terá que passar pela seleção da Academia oficial do evento norte-americano, que no ano passado deixou de lados conceituados filmes como O Orfanato e 4 Meses, 3 semanas e 2 Dias de fora da lista final dos cinco indicados para o prêmio.

Confira os inscritos, mas já vou adiantando não levo muita fé em nenhum dos filmes para chegar ao tapete vermelho em fevereiro. Não que sejam filmes ruins, mas nenhum teve grande repercussão entre os críticos e o único campeão de bilheterias é o “ok” Meu Nome não é Johnny.

A Casa de Alice, de Chico Teixeira
Laureado com prêmios em diversos festivais nacionais e internacionais, o filme está chegando em dvd neste mês;

A Via Láctea, de Lina Chamie
Drama intimista com Marcus Ricca e Alice Braga já disponível em dvd;

Chega de Saudade, de Laís Bodanski
Talvez o único filme que conseguiu arrebatar um público acima da média neste ano, entre os filmes nacionais, e que conseguiu agradar a crítica pela sua simpática e simples trama, méritos da diretora Laís Bodanzki;

Era Uma Vez, de Breno Silveira
Ainda nos cinemas tem conseguido alguma repercussão meio Ame-o ou Deixe-o, não consegue projeção pela simplicidade de sua trama (não que isto seja um defeito);

Estômago, de Marcos Jorge
Um dos principais filmes nacionais do último Festival do Rio, não teve repercussão popular. Esta comédia dramática permanece inédita em dvd;

Meu Nome não é Johnny, de Mauro Lima
Fez um estrondoso sucesso no início do ano, pegando carona no embalo de Tropa de Elite, mérito da trama fácil de acompanhar e no carisma ímpar de Selton Mello;

Mutum, de Sandra Kogut
Foi o grande vencedor do Festival do Rio 2007, ganhou o troféu Redentor de Melhor Longa Ficção, eleito pelo júri oficial da competitiva Première Brasil, permance inédito em dvd;

Nossa vida não cabe num Opala, de Reinaldo Pinheiro
Recém lançado nos cinemas esta comédia foi a grande vencedora do 12ª Cine PE, e conta com o veterano Paulo Cesar Pereio no elenco;

Olho de Boi, de Hermano Penna
Recém lançado nos cinemas, porém, em circuito de exibição restrito;

Onde andará Dulce Veiga?, de Guilherme de Almeida Prado
Baseado em obra do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, o filme já passou pelos cinemas, permance inédito nos cinemas. Conta com Maite Proença e Carolina Dieckman no elenco;

O Passado, de Hector Babenco
Co-produção entre Argentina/Brasil, este filme conta com Gael Garcia Bernal (Amores Brutos e Ensaio sobre a Cegueira) como protagonista, uma história que foca três relacionamentos mal-sucedidos vividos por Rimini (Gael Garcia Bernal). O tempo todo, o filme trabalha com as memórias e os percalços pelos quais o protagonista passa para conseguir se relacionar com estas três mulheres;

Os Desafinados, de Walter Lima Júnior
Recém lançado nos cinemas, conta uma trama que faz homenagem à Bossa Nova, tem no elenco Rodrigo Santoro, Claudia Abreu, Selton Mello, Ângelo Paes Leme e Alessandra Negrini;

O Signo da Cidade, de Carlos Alberto Riccelli
Filme roteirizado e protagonizado por Bruna Lombardi (ainda lindissíma), com a direção do seu marido – às vezes, ator – Carlos Alberto Riccelli, fazendo um panorama (filme mosaico) de diversas personagens em São Paulo tendo como ponto de partida um programa de rádio apresentado pela astróloga Teca (Lombardi);

Última Parada 174, de Bruno Barreto
Único ainda inédito nos cinemas, sua estréia deve ocorrer agora em Outubro. O filme é a versão ficcionalizada da história de Sandro Nascimento, rapaz morador de uma favela do Rio que chamou a atenção do Brasil em 2000, quando seqüestrou um ônibus no bairro Jardim Botânico. O caso foi retratado antes no cinema pelo diretor José Padilha (Tropa de Elite) no premiado documentário Ônibus 174;

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Sei lá.. se pans nenhum Brasileiro chega perto dos norte americanos.. mas não vou negar q teve filmes mto bons!
    Como: Meu nome não é Jonny.
    Poxa esse filme foi fora dos pradões usuais.. fico mto bom!..
    Mas sabe o que acontece nos temos grandes atores.. mas eles acabam indo para outro mercado.. (melhor para outro pais mesmo!)

    Fazer o q né.?!
    C’est la vie!

    XD

  • Sabe quantos desses eu já vi?

    NENHUM!

    Mas quero assistir Meu Nome não é Jonhy, Os Desafinados, Era uma vez… e Nossa Vida não valeu um Opala.

    Parecem Bons!

  • Uiara

    Assisti alguns desses. Boto minhas moedinhas na história de relacionamentos mal resolvidos do Rimini, de O Passado. Não é essas maravilhas,tá mais pra argentino que pra brasileiro e não merece um academy award, mas… Já que é pra escolher um pra tentar, que seja esse. É o melhor na minha (humilde) opinião.

busca

confira

quem?

baconfrito