Anônima Intimidade (Michel Temer)

Livros terça-feira, 24 de maio de 2016 – 6 comentários

Mari já me esperava na mesa mais ao fundo do Sofá Café, uma das cafeterias mais aconchegantes de Copacabana. Cheguei pontualmente, mas lá estava ela, passeando o olhar pelo recinto. Não gosta de barulho, nem de incômodo. Para ela, bater papo é quase um ritual. Ainda que as conversas sejam diárias, sempre temos algo a dizer uma para a outra.

Depois do contumaz abraço apertado, Mari me entrega um pacote feito em casa, daqueles mal embrulhados, feitos pra rasgar. Ela definitivamente conhece minhas limitações. As bochechas vermelhas e o sorriso envolto pelo chantilly do horroroso Irish Coffee vendido no estabelecimento não mentem: Ela estava me pregando uma de suas peças. Ficamos amigas, justamente, por causa do senso de humor ácido que dividimos, além da paixão pela literatura. Rasgo o papel, meio molhado pelo pingo das chuvas e, sem qualquer aviso, Anônima Intimidade, de Michel Temer, estapeia minha cara e soca meus olhos. Uma gargalhada. Duas gargalhadas, daquelas imparáveis, com um vai tomar no cu no meio, desbocada que sou. Recuperando o fôlego, ela justifica: vi sua postagem no Facebook e não resisti.

Logo eu que nem acredito em signo, tampouco no destino…

continue lendo »

Jubiabá (Jorge Amado)

Livros quarta-feira, 03 de outubro de 2012 – 0 comentários

Recentemente, fiz um relato sobre minha vida de leitor, a qual você pode encontrar por ai. Enfim, decorridas algumas semanas, eu consegui terminar o livro Jubiabá, de Jorge Amado. Tarefa que deveria ter sido mais fácil, visto que o livro não tem nem 250 páginas. Mas de todo modo, venho falar um pouco sobre ele. continue lendo »

O Vício da Leitura

Livros sexta-feira, 24 de dezembro de 2010 – 9 comentários

Certa vez, li uma crônica de certo escritor famoso que agora me foge o nome, mas que sem dúvida deve estar guardado em algum canto dentro desse campo minado que é meu quarto. Nesta crônica, ele descreve sua paixão por letras impressas e alguns fatos um tanto quanto bizarros que já aconteceram devido o seu vício pela leitura, como por exemplo ler as etiquetas “quente” e “fria” das torneiras do banheiro do hotel. Inspirada em parte por essa crônica deste ilustre autor esquecido, vim dedilhar algumas linhas sobre este adorável vício da leitura e de como me tornei uma viciada em letras aos meus ternos 4 anos de idade… continue lendo »

Da Paraíba para o mundo: Ariano Suassuna

Livros terça-feira, 16 de novembro de 2010 – 3 comentários

Imagine a cena: Domingo à tarde, o tempo tá meio indeciso e você não têm vontade de fazer nada. Olha pra cabeceira da cama e vê um livro empoeirado ali, implorando por atenção. Mas como você nunca ouviu falar do autor, decide deixar ele quieto por ali e chamar os amigos pra ir ao cinema assistir um filme. Quando chega lá, vê que só tem filme nacional em cartaz e escolhe o com o nome mais estranho. Entra, assiste, gosta do que vê, e, depois de um tempão, descobre que o filme que você assistiu foi adaptado daquele livro empoeirado que você deixou de ler. Se essa situação realmente aconteceu com alguém eu não sei, mas tenho certeza de que muitos não fazem idéia de que grande parte dos filmes nacionais, novelas e mini-séries que a gente vê por ai, são na verdade adaptações de livros da nossa literatura. continue lendo »

Literatura brasileira é ruim?

Livros terça-feira, 09 de novembro de 2010 – 9 comentários

De vez em quando, andando por ai em bibliotecas ou livrarias, sou obrigado e escutar coisas do tipo: “Literatura brasileira é uma droga! Não tem livro que preste”. Tudo bem que nem todos os livros da nossa literatura são “bons” de ler (Digo bons querendo dizer agradável, tipo aquele livro em que você senta e não consegue mais parar de lê-lo), mas quer você acredite ou não, existem sim bons autores tupiniquins!

Obviamente que o conceito de bom autor é relativo para alguns, pois nem todo imortal da ABL é necessariamente um best-seller. Da pra pegar como exemplo Machado de Assis (Pressinto xingamentos em 3…2…1), que até hoje é considerado o maior nome da literatura nacional, mas dá pra contar nos dedos a quantidade de pessoas que possuem Memórias Póstumas de Brás Cubas como livro de cabeceira. continue lendo »

Recomendo: Os Espiões (Luis Fernando Verissimo)

Analfabetismo Funcional terça-feira, 07 de setembro de 2010 – 1 comentário

Luis Fernando Verissimo (sem acento mesmo) é um popular autor brasileiro, consagrado pelos seus pequenos e bem-humorados contos e crônicas, reunidos em livros como As mentiras que os homens contam, Comédias para se Ler na Escola, O Analista de Bagé e Comédias da Vida Privada. Não chegou a lançar muitos romances, tendo ganhado maior reconhecimento apenas com Gula – O clube dos Anjos, integrante de uma excelente série de 7 livros, escritos por autores diferentes, um para cada pecado capital. Assim, para mim, Verissimo era um excelente contista/cronista, sem vocação para romances. continue lendo »

É claro que eu li os livros do vestibular, mãe!

Livros sábado, 14 de agosto de 2010 – 1 comentário

Blá blá blá ler é muito bom blá blá blá. Isso qualquer pessoa tem a obrigação de saber, mas (Obviamente) não sabe. Tirando os blogs, sites, portais e quaisquer outras coisas que apoiam e incentivam a leitura, restam duas coisas: As campanhas do governo e a escola. Mas é claro que ambos falham. continue lendo »

Um texto incompleto, descoberto no gelo da criatividade.

Antípodas da Mente sexta-feira, 30 de outubro de 2009 – 2 comentários

Perdi o último trem da noite. Desci correndo as escadas da estação e ele já acelerava e guinchava pelos trilhos de ferro.
De repente senti Medo. As luzes frias piscavam, a estação tremia com o movimento do trem se afastando.

Por algum motivo eu não gritei. Sentia vontade de passar por aquela pequena porta eletrônica, com metade da minha altura, que dava acesso aos trilhos. Biquei a trava e engatinhei pela passagem, entrando num pequeno corredor de concreto, medindo uns dois metros de altura e vinte de comprimento. No final, podia ver uma porta de madeira gasta, uma placa de aço na porta, como a indicação de algum gabinete.
Me aproximei. “Fevereiro”. Girei a maçaneta antiga de trinco e entrei.

Um amplo corredor, as mesmas luzes frias, em menor quantidade, piscavam, impedindo que eu visse o comprimento do lugar. Nas paredes laterais, altas prateleiras, com uma infinidade de pequenas caixas estreitas, coloridas. Conseguia ouvir pequenos guinchos de ferro ecoando.
Andei, imaginando haver alguma passagem no final do corredor.
Ao fim das prateleiras, encontrei uma bifurcação.

Sempre estive vivendo no Agora. Numa era de velocidade crescente, a única presença do futuro é a Aposentadoria Privada & a Pressão Familiar para um casamento. Claro que minha família é antiquada. Conheço casos em que só há aposentadoria. A velocidade dos trens, das motos e das pessoas pelas passarelas suspensas era a Velocidade de meus batimentos cardíacos, do ar entrando pelo meu corpo, o próprio ritmo de minhas células morrendo e se separando em mitoses infinitas.

Ao fim de cada bifurcação, o início de um novo corredor de prateleiras. À esquerda e à direita, o fim de outras prateleiras, indicando outras bifurcações. Algumas escadas que levavam a níveis superiores exatamente iguais aos anteriores, com luzes frias piscando e pulsando ao ritmo distante dos guinchos de ferro. Tinha um cheiro de Passado, onde eu não sentia o ritmo frenético do ar e a passagem rápida do Tempo.

Afirmam que a culpa é dos Celulares, Rádios, Televisões e Internet. Algo a ver com uma ressonância permanente na Terra, que aumenta vertiginosamente de acordo com a Interferência. Num labirinto catalogado, onde embrulhos nunca iguais desfilavam pelos meus olhos, todas as ressonâncias Congelavam, todas as mitoses Congelavam, todos os cheiros e cores e respirações Congelavam. Encontrei a Paz.

Aliste-se!

Antípodas da Mente sexta-feira, 05 de junho de 2009 – 3 comentários

Imagine um distinto cidadão. Seu nome poderia ser algo entre Arnaldo e Jair.
Como todo distinto cidadão, ele tem um bom emprego burocrático numa boa firma burocrática, uma boa mulher dona de casa e dois bons filhos com boa educação em um bom colégio particular.
Sua idade pode ser, caso vocês queiram, por volta dos 28 e 34 anos.
Facilitando, o proclamo com 31 anos, casado há 12 e pai há 9.
continue lendo »

busca

confira

quem?

baconfrito