Nem só de adolescentes grávidas vive a MTV – Death Valley

Televisão segunda-feira, 04 de março de 2013 – 1 comentário

Num passado não muito longínquo, a Music Television gringa se preocupava mais em passar clipes de música do que em fazer séries. Mas eu não tou aqui pra reclamar que essa época era melhor e hoje em dia é pior, não senhor. Eu estou aqui pra dizer que eu nunca assisti a MTV gringa, então quero que ela se foda. Por ter cancelado Death Valley. Porra, melhor cria dessa nova onda de adoração a zumbis, vampiros e lobisomens. continue lendo »

Eu Sou a Lenda (Devir)

Bíblia Nerd sexta-feira, 04 de fevereiro de 2011 – 0 comentários

Não é novidade que “vampiros” estão na moda. Mas essa resenha de hoje nada tem a ver com esses vampiros que brilham no sol. Nada tem a ver com vampirinhos bonzinhos e “vegetarianos”. Essa resenha é uma história que resgata a tradicional lenda dos vampiros e a adapta ao mundo atual, tentando justificar todas as crenças com uma base científica. Lenda passa a ser ciência. Exceção passa a ser regra. Anormal transforma-se em normal. Tudo é relativizado.

Me afasto mais uma vez da Analfabetismo Funcional para recomendar uma excelente história em quadrinhos: Eu Sou a Lenda, adaptação do aclamando livro homônimo de Richard Matheson, de 1954, que também ganhou versão para o cinema, protagonizada por Will Smith. continue lendo »

Modinha de Biografia

Analfabetismo Funcional terça-feira, 15 de junho de 2010 – 11 comentários

Algo que me surpreende a cada visita a uma livraria é o crescente número de biografias que estão sendo publicadas. Ao que me parece, a febre começou no exterior (Leia-se Estados Unidos) e há alguns anos dominou as terras tupiniquins (Muito brega essa expressão, né?). O fato é que pra todo lado que se olha há uma biografia de alguma celebridade ou personagem histórica, e as ficções perdem algum espaço para as histórias da vida (supostamente) real.

Não vejo problema algum nessa nova modinha. Na verdade, eu gosto muito ler biografias. Até já indiquei a de Tim Maia por aqui (Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia, de Nelson Motta). Desde que se trate de um biografado que tenha uma vida interessante e que a pesquisa seja de qualidade, o livro tem boas chances de ser melhor do que muita ficção.

Mas, quais seriam os motivos para essa tendência de supervalorização das biografias? continue lendo »

Clássicos do Horror – Vampiros

Clássico é Clássico segunda-feira, 07 de junho de 2010 – 7 comentários

Justin Biba, Restart, Crepúsculo… Que a nova geração está perdida, isso ninguém pode duvidar, mas quando, no caso do último, alguma autora pega um dos personagens mais míticos da literatura (E por consequência, do cinema) e transforma em um bando de purpurina, está na hora de meter o pé no freio. E acredito que a melhor forma de fazer isso é revendo um pouco dos vampiros de verdade que já passaram pela telona. Então, vamos que vamos. continue lendo »

Racionalizando Mitos I – Vampiros

Nona Arte quarta-feira, 20 de janeiro de 2010 – 15 comentários

Ano passado, passei pouco mais de dois meses trabalhando no Conta-Gotas Trazendo À Realidade, no qual desconstruí nove personagens das HQs, tornando-os menos fantasiosos e mais compatíveis com a realidade do caráter humano. Como eu gostei de fazer o CG, resolvi voltar a fazer a mesma coisa, mas, desta vez, com cinco dos monstros mais amados da mitologia popular. Começando com vampiros, para poder avacalhar mais ainda a série Prepúsculo. continue lendo »

Noturno (Guillermo Del Toro/Chuck Hogan)

Antípodas da Mente sexta-feira, 28 de agosto de 2009 – 0 comentários

Numa época em que o modismo vampírico está tão em alta na literatura, certas obras, mesmo não sendo tão boas por si só, acabam tendo uma grande importância no mercado literato como um todo.

Acho que a valorização dos chupadores de sangue nunca foi tão alta como agora, mesmo na época em que Entrevista com Vampiro e Rainha dos Condenados (além do resto da família Anne Rice) era hype. continue lendo »

A destruição dos mitos vampíricos – Parte II

Nona Arte quarta-feira, 26 de agosto de 2009 – 4 comentários

Na coluna passada, como vocês devem se lembrar, eu desci a lenha na deturpação feita na mitologia dos vampiros feita pela série Crepúsculo.

continue lendo »

A destruição dos mitos vampíricos

Nona Arte quarta-feira, 19 de agosto de 2009 – 11 comentários

Não vou me alongar muito aqui, principalmente, por dois motivos:

1. Não falarei de HQs, que é a minha alçada. Devo ser breve antes que o Pizurk sinta o distúrbio na Força e solte os chow-chows.

2. Vou chutar cachorro morto (falar mal da série Twilight/Crepúsculo), o que só tem graça no comecinho. Depois que seus pés ficam cobertos de sangue e vísceras em avançado estado de decomposição, é um trabalho infeliz para tirar o mau cheiro do tênis. Errr… bom… deixa pra lá.

continue lendo »

Preacher (Vertigo)

Bíblia Nerd segunda-feira, 17 de novembro de 2008 – 6 comentários

Jesse Custer seria apenas mais um padrezinho de um vilarejo esquecido em algum lugar ermo do Texas se não fosse o Gênesis. Não estou falando do prefácio da Bíblia. Gênesis é o filho de um anjo e um demônio que, de saco cheio de anjinhos tocando harpa para lá e para cá no Paraíso, resolveu fazer uma visita à Terra. E, nisso, acabou possuindo nosso amigo Jesse James Custer. Com a união dos dois, Gênesis acaba por conferir a Custer o poder de fazer com que QUALQUER pessoa o obedecesse cegamente. E é aqui que as coisas começam a ficar boas.

Tá olhando o quê, porra?

Se você for tanga, emo ou extremista religioso, feche agora mesmo sua janelinha do Internet Explorer 5 e vá ler o blog da Hello Kitty. Para começar, o Deus retratado na HQ é um bundão, fugitivo e egoísta, perfeitamente sincronizado com a vida real, sem nada a ver com as historinhas que te contam na Igreja. A saga de Jesse começa justamente quando ele descobre que Deus tirou umas férias do mundo sem deixar nem mesmo um estagiário tomando conta do lugar. E, como todo cabra-macho que se preze, Jesse vai atrás dele para acertar as contas.

Obviamente, dá algum trabalho procurar e brigar com uma entidade onipotente que está tentando se esconder. Por isso, Custer procura a ajuda de Tulip O’Hare (sua ex-namorada) e de Proinsias Cassidy (um vampiro irlandês) para facilitar na procura por Deus. Esses três, claro, são os personagens que mais aparecem. Afinal de contas, são os “mocinhos”.

Mas, Guten, eu não gosto desse gibi. É muito feio e não tem herói, só bandido.

Caro Tanguinha, permita-me explicar a situação: primeiro, gibi é Turma da Mônica, Preacher é HQ. Segundo, feio é você, a arte de Preacher é impecável. Terceiro, pesquise para saber o que é um anti-herói. Voltemos ao assunto.

Obviamente, Deus vai ficar divinamente puto com essa caçada de Jesse e vai fazer de tudo para que ele seja morto. Além de mandar organizações secretas da Igreja e mercenários, “Ele” ainda se dá ao luxo de ressuscitar um cara do séc. XIX conhecido por “O Santo dos Assassinos” para dar um fim em Custer, além de figuras como Cara-de-Cu, Daronique e Herr Starr (nome que eu adotaria se fosse um travesti alemão).

Quanto aos capangas do Preacher: Tulip O’Hare foi assassina de aluguel, mas sem muito êxito profissional. Afinal, que tipo de incompetente consegue falhar feio na primeira missão? Apesar disso, é mais macho do que muitos de vocês que lêem esse texto. Foi criada pelo pai caçando, pescando, aprendendo a usar as mais variadas armas de fogo e ouvindo histórias de guerra.

Tava olhando minha bunda? Hein?

Já Cassidy é um vampiro assassino alcoólatra, viciado em heroína, ex-prostituto e desertor do exército, além de ter um interesse gritante pela ex-namorada do Jesse.

Eaê, mano? Tudo beleza?

Agora, junte sangue, MUITO sangue, humor negro de primeira aos montes, atos perversos e perversões, mortes, polêmicas, críticas a uma instituição enraizada na mente popular e diálogos feitos com TESÃO, PORRA!, distribua por 66 histórias e 6 especiais e você terá uma das melhores HQs jamais criadas.

Preacher é uma ótima leitura para aqueles com um estômago forte e que não vêem problemas em ter suas crenças zoadas em nível estratosférico. Garth Ennis (roteirista) e Steve Dillon (ilustrador) fazem dos quadrinhos de Preacher uma janela para a podridão do mundo ao nosso redor.

Preacher

Preacher
Lançamento:1995
Arte: Steve Dillon
Roteiro: Garth Ennis
Número de Páginas: Varia de acordo com o volume
Editora:DC Comics, selo Vertigo

Zumbis e Vampiros juntos no Cinema

Cinema sexta-feira, 04 de abril de 2008 – 7 comentários

Você gosta de Trash? Gosta de trash com zumbis? Gosta de trash com zumbis, vampiros e futuro apocalíptico? Isso existe, você pergunta. SIM, é uma HQ chamada Last Bloody, de um tal Bobby Crosby. E o melhor: Vai virar filme de cinema. Sente a trama: Em futuro pós-apocalíptico, humanos vivem se escondendo e são protegidos de zumbis por vampiros. É o que você sempre pediu pra Hollywood ou não?

A adaptação é feita pela produtora Benderspink que, se você não sabe, também produz outra HQ de futuro apocalíptico: Y – The Last Man, com uma premissa um pouco mais original: O cara é, além de um macaco, o único sobrevivente macho do planeta Terra.

busca

confira

quem?

baconfrito