Parece mas não é – Parte II

Cinema quarta-feira, 02 de junho de 2010 – 10 comentários

A-HÁ! Acharam que eu tinha esquecido a continuação do TOP 10 dos filmes que enganam pela capa, nénão? Relaxa, filho. Impossível esquecer os exatos 1.103 minutos de vida que eu perdi assistindo a tanto lixo. Vamos aproveitar que o Bacon voltou ao ar e dar uma exorcizada nesses exús. Quem perdeu, pode conferir a primeira parte aqui. E se quiser conferir os vencedores (Ou seriam os perdedores?), é só clicar: continue lendo »

Destaques da Semana em DVD – 03 à 07/11

Cinema sexta-feira, 07 de novembro de 2008 – 1 comentário

Fim dos Tempos: Desta vez Shyamalan conseguiu chutar de vez o balde do bom senso e da paciência alheia. Claro que sempre terão defensores do trabalho do diretor/roteirista, no entanto, a partir de agora lavo minhas mãos. O filme se leva a sério demais e tenta, pelo menos no início consegue, criar um clima de tensão e inquietação, mas depois de ver um marmanjo conversando com plantas e as outras coisas ecológicas o filme se perde por completo. Na trama, em questão de minutos, estranhas mortes ocorrem em várias das principais cidades dos Estados Unidos. Elas coincidem em dois pontos: desafiam a razão e chocam pelo inusitado com que ocorrem. Sem saber o que está ocorrendo, o professor Elliot Moore (Mark Wahlberg) apenas quer encontrar um meio de escapar do misterioso fenômeno. Apesar dele e sua esposa Alma (Zooey Deschanel) estarem em plena crise conjugal, os dois decidem partir para as fazendas da Pensilvania juntamente com Julian (John Leguizamo), um professor amigo de Elliot, e Jess (Ashlyn Sanchez), a filha dele de 8 anos. Lá eles acreditam que estarão a salvo, o que logo se mostra um equívoco. Confira a crítica (positiva).

Mais do que Você Imagina: Comédia que passou rapidamente nos cinemas sem grande estardalhaço, deve ser completamente esquecível. Também, convenhamos, Meg Ryan e Antonio Banderas, como par, não combinam. Na trama, a obesa Martha (Meg Ryan) sempre foi um grande peso na vida de seu filho Henry (Colin Hanks). Após três anos ausente em uma missão ultra-secreta do FBI no exterior, Henry volta para casa para apresentar sua noiva Emily (Selma Blair) à sua mãe e descobre que seus problemas só aumentaram. Marty, ex-Martha, agora tem um corpão, um novo namorado, Tommy (Antonio Banderas), e uma vida amorosa selvagem. Tommy, por sua vez, tem um interesse especial em uma certa obra de arte além de, é claro, em Marty. Agora, Henry e todo o FBI terão que espionar as bizarrices da vida amorosa dos pombinhos.

Entre a Vida e a Morte: Suspense que ficou inédito nos cinemas, tem Paul Walker, se afastando de bobagens como Velozes e Furiosos, Lambert Wilson, Piper Perabo e Linda Cardelini no elenco. O que mais chama a atenção é a instigante sinopse criada pelo novato John Glenn (também roteirista de Controle Absoluto): homem toma uma injeção letal, depois de ser condenado à morte, e acorda em uma pequena cidade. Acreditando que Deus lhe concedeu uma segunda chance, ele tenta levar uma vida normal, trabalhando como jardineiro em uma instituição para doentes mentais.

Enquanto Ela Está Fora: Completamente desconhecido para mim, este suspense chega em dvd inédito nos cinemas, com Kim Basinger, Lukas Haas e um elenco desconhecido. Na trama, é natal e uma dona de casa decide ir até o shopping para fazer suas compras. Ao chegar lá, ela se irrita quando precisa deixar o carro afastado e deixa um bilhete para um carro que ocupa 2 vagas. Dentro do prédio, a mulher fica ainda mais nervosa com a multidão e o barulho das compras de final de ano. Quando ela volta para pegar o carro, nota que ele está bloqueado. Ela vai ao encontro do motorista cujo carro está bloquando a sua saída e dá de cara com quatro arruaceiros. Para tentar escapar, a fugitiva chama a atenção de um segurança, que é atingido por um dos bandidos. Então, ela consegue fugir, mas acaba perdida em uma escura floresta. Na natureza selvagem, algo se transforma nela e de caça ela passa a ser caçadora, partindo para cima dos criminosos.

A Ilha da Imaginação: Aventura bem familiar, que chama a atenção do público adulto pelo excelente elenco reunido: o novo galã Gerald “Spartaaa” Butler, a seletiva Jodie Foster e a gracinha do momento Abigail “Miss Sunshine” Breslin. Sobre o filme em si nada muito espetacular, mas dá pra encarar como uma Sessão da Tarde competente. Na trama, a jovem Nim (Abigail Breslin), uma garota cheia de imaginação, mora com seu pai Jack (Gerard Butler) numa ilha remota. Seu prazer predileto é viajar pelas páginas dos livros, sobretudo as história com o maior de todos os aventureiros, Alex Rover. Nim, no entanto, não faz idéia de que Alexandra (Jodie Foster), a autora dos livros de Rover, tem uma vida solitária na cidade grande. Mas o destino das duas irá se cruzar quando o pai de Nim desaparece misteriosamente da ilha. Agora, Alexandra e a pequena Nim terão de reescrever a história do herói Alex Rover e encontrar forças uma na outra para salvar a vida do pai da menina e também da ilha.

Balanço de Blockbusters do ano

Primeira Fila sexta-feira, 08 de agosto de 2008 – 9 comentários

Bom, o Paulo basicamente me intimou a fazer esta coluna procês, mas saibam que eu sou um grande admirador do cinema arte, assisto blockbusters apenas por diversão, pra desligar o cérebro de vez em quando. O cara já falou por aqui sobre os blockbusters em quatro partes (1, 2, 3 e 4), então vou me basear nessa lista para expor minha opinião sobre os caça-níqueis do ano. Mais sobre cada filme, basta clicar no link em seus respectivos títulos.

Homem de Ferro

De longe, mas DE LONGE, o melhor, mais divertido, mais engraçado e mais GENIAL adaptação de um herói para as telonas. Minhas expectativas eram baixas, tendo em vista que eu vinha de uma péssima seleção de filmes do gênero para assistir nos fins de semana. Mas, porra, eu nunca me empolguei tanto em um filme de super heróis, e a empolgação aqui foi graças à exatamente TUDO no filme: Elenco, trilha sonora (além do instrumental, o filme já começa com AC/DC e termina com Black Sabbath – absolutamente perfeito), efeitos especiais, roteiro e tudo mais. Eu agradeceria eternamente a tiazinha do café que fez parte do casting de apoio da equipe de filmagem do filme se eu a encontrasse na rua. Taí um filme espetacular, até o Paulo vibrou (ou vibraria, cê viu?).

Speed Racer

O filme mais legal do ano, os irmãos Wachowsky conseguiram fazer uma adaptação completamente maluca e, pasmem, inovadora, de um desenho dos anos 60. Matthew Fox roubou a cena para caralho, só pra constar. O que me entristece é o fato de o filme ter ganhado uma divulgação chula (pelo menos por aqui, to por fora da divulgação fora daqui) e ter sido atropelado por outros blockbusters, além de ser vítima de preconceito por noobs por aí. Sério, são os irmãos Wachowsky e o povo reclama das CORES do maldito filme. Eu pensei que a trama seria uma espécie de Velozes e Furiosos, me senti um imbecil após sair do cinema por ter pensado nisso.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal

Este foi um dos filmes que me fez ter vontade de recuperar, de alguma forma, o tempo perdido sentado na frente daquela telona. Shia LaBeouf foi a única “coisa” que valeu à pena no filme, na boa. E querem fazer uma continuação, AINDA com Harrison Ford. Não aprendem nunca.

As Crônicas de Nárnia: Princípe Caspian

Não vi e não gostei, fato. É o tipo de história que não me chama a atenção, muito politicamente correta, infantil e… sem graça. Já quebrei a cara com filmes do tipo, então continuarei passando longe.

O Incrível Hulk

Acho que rolou muito drama e pouca ação. Afinal, quando você pensa em HULK, você pensa em AÇÃO. Ok, a história pedia por drama, então há um desconto. O filme foi absurdamente melhor do que o anterior, mas não chega a ser uma obra prima. Eu recomendo, mas não elogio. Ok, não muito. Edward Norton é foda, fazer o quê?!

Fim dos Tempos

Criaram uma expectativa enorme para com Shyamalan, e isso causou uma queimada de língua enorme por aí. Eu estava indiferente, tanto que gostei do filme. É esse o grande erro de blockbusters (principalmente): Falsa expectativa. Você só pode criar uma expectativa fodida com um Guillermo Del Toro da vida, um cara que só fez filme bom. Shyamalan oscilou, a crítica acreditou demais em um “retorno” e quebrou a cara. Mas o filme É bom, pelo menos pra quem estava indiferente.

O Procurado

Ainda não vi, e considero esse um dos dois filmes que pode vir a ser o mais ESPETACULAR do ano. Esse é o tipo de filme que todo fã de Matrix aguardou esse tempo todo, só que sem toda aquela filosofia. E eu, como grande fã do melhor filme sci-fi de todos os tempos, aguardo este filme com uma ansiedade e expectativa enorme. Sem conhecer a HQ.

Wall-E

A melhor animação de todos os tempos, o melhor filme do ano, a melhor crítica social da história do cinema em uma animação, o filme mais respeitável da Disney por NÃO TER FALAS… enfim, a lista é realmente muito grande, e me faltam palavras para descrever a sensação de ter assistido à essa obra-prima. Mas acho que isso já é o suficiente pra te convencer.

Arquivo X – Eu Quero Acreditar

Ainda não assisti, e ainda estou indiferente. Eu não acompanhei a série, mas acredito que o filme, só por se tratar de um filme de uma das séries sci-fi mais elogiadas de todos os tempos, já vale a conferida. Aliás, o Paulo que é o grande ídolo da série, CADÊ RESENHA?

Sex and The City

:erm:

Agente 86

Ainda me arrependo por não ter assistido à este filme, e taí outra série que eu não acompanhei. Algo me diz que o filme é bastante bacana, e eu não digo isso por causa das críticas por aí. Nem sei por que digo isso, é só palpite. Bom, pra ser convincente: O elenco é bom, e as cenas que eu vi são, no mínimo, interessantes.

A Múmia – Tumba do Imperador Dragão

O filme mais divertido do ano e MENOS aguardado positivamente pela crítica, ou pelo menos por boa parte dela, foi o que percebi. O fato é que o filme é realmente divertido, até mesmo acima das expectativas. Jet Li não faz filme ruim, não faz MESMO.

Hancock

Este filme é tão, mas tão clichê, que eu, por muito pouco, não vomitei a pipoca que eu ganhei na sessão. Tal pipoca que, por acaso, estava murcha. Mas enfim, dos blockbusters que eu vi, esse aqui foi o pior. O filme só vale à pena no início, até o trecho do banco. Muita expectativa foi criada aqui também, uma pena – eu mesmo queimei a língua. Basicamente, os roteiristas ficaram sem idéias para continuar o filme após a famosa cena do banco e inventaram a história mais absurda possível.

Kung Fu Panda

Eu esperava MUITO pouco desse filme, praticamente nada. Quando vi, foi, de fato, uma surpresa enorme. O maldito enredo é muito bem feito, tirando alguns furos, como o fato de não sabermos nada sobre alguns personagens importantes. Enfim, diverte bastante, e a dublagem nacional é boa, até.

Batman – O Cavaleiro das Trevas

Expectativa é o tema da vez, certo? Batman transbordou expectativa, o filme já estava sendo chamado de “Coringa” por muitos. Eu, particularmente, não esperava nada. Batman com armadura do RoboCop E magrelo? Certo, certo. O elenco é dos melhores, mas a trama é cansativa, não adianta teimar. Fiz questão de não ver o filme na semana estréia, estratégia boa pra conseguir uma cadeira na sala, inclusive. Após assistir, saí da sala com uma coisa na cabeça: Aaron Eckart foi o grande astro, não tem pra ninguém. Heath Ledger teve seus momentos, na boa. Bom, o filme foi abaixo das expectativas pra mim, afinal, minhas expectativas até aumentaram após eu ouvir de pessoas de extremo bom gosto para filmes falarem “o melhor filme de todos os tempos”, ou “a melhor adaptação de todos os tempos”. Eu só acho que vocês precisam assistir a mais filmes, mas o filme é bacana sim. Só não é tudo o que dizem.

Hellboy 2 – O Exército Dourado

Pra mim, esse é o filme mais esperado do ano. E só estréia no dia 5 de setembro. Mas enfim, Guillermo Del Toro é o cara que só faz filme bom, e Hellboy é o… “herói” mais “inesperado” das adaptações. O cara foi desenterrado e rendeu um filme MUITO bom, e, após todos os trailers e vídeos desse segundo filme, é certo que um filme ainda mais brilhante está por vir. E vai, VAI ser brilhante. Essa é a primeira promessa de filme mais ESPETACULAR do ano, talvez aqui sim temos um concorrente à altura de Homem de Ferro. Mas, porra… esperar até setembro? Se foder.

Balanço Primeiro Semestre – Piores

Primeira Fila sexta-feira, 11 de julho de 2008 – 6 comentários

Se a coluna passada serviu para indicar, na medida do possível, bons e ótimos filmes; hoje, como um guri gente fina vou alertá-los sobre algumas bombas que podem ser evitadas.

Sinceramente, vocês podem pensar ao ler a listinha que “era óbvio que estes filmes eram ruins”, mas fica o alerta assim mesmo, até porque sempre digo que gosto não se discute. No entanto, tudo tem limite, até mesmo pra ruindade.

Alien vs. Predador 2

Deve estar em 10 de 10 listas de piores, é uma vergonha os detentores dos direitos de ambos os personagens, clássicos do cinema de terror, perdidos em crossovers que não assustam nem uma criancinha. Nem mesmo as cenas de luta entre os personagens são bem realizadas, quase todas noturnas para economizarem dinheiro com efeitos, e a criação do Predalien nem se fala!

Awake – A Vida Por um Fio

Num primeiro momento você pensa (o que nem sempre é confiável), um filme com um argumento interessante (anestesia consciente, há um termo médico adequado mas não lembro o nome no momento) e um elenco com rostos conhecidos – Hayden Christensen (ele de novo!), Jessica Alba (num péssimo ano), Terrence Howard (topando qualquer projeto depois de O Ritmo do Sonho) e Lena Olin (a eterna vilã de Alias, a mãe de Sidney Bristow) – devem garantir um bom suspense. Depois de meia hora, você se percebe numa barca furada do tamanho do título em português e, quando você acha que não podia piorar e o filme seria simplesmente medíocre, ele se torna um atentado a neurônios alheios.

Jumper

Vou ser sincero, o filme não precisava estar precisamente nesta lista, mas também é um abuso da produção querer usurpar quase todos os conceitos de um personagem de X-Men, no caso, Noturno, e criar uma pseudo-mitologia (inclusive, para uma franquia cinematográfica) ao redor dos “vilões” e “heróis” do filme. E pior ainda é o diretor Doug Liman escalar o ator (sic) Hayden Christensen para fazer o suposto heroizinho do filme, puta ator ruim que quase destruiu toda a nova trilogia de Star Wars.

O Olho do Mal

Nem vou comentar muito este por se tratar de uma refilmagem de um longa chinês, moda que pelo jeito vai terminar este ano, que chegou a ser lançado aqui no Brasil em dvd com o nome The Eye – A Herança (um bom suspense). Aqui, nada se salva, nem o elenco (Jessica Alba, de novo) nem o suspense, perda de 97 minutos de sua vida.

Os Seis Signos da Luz

Em meio ao sucesso de Harry Potter, obviamente que iriam surgir tramas com heróis juvenis. No entanto, mesmo sendo baseado num livro, Os Seis Signos da Luz chega a constranger de tão mal escrito e com um protagonista tão sem carisma. Melhor esperar o novo Harry!

Uma Chamada Perdida

Outra refilmagem de terror chinês, da era onde O Grito e O Chamado fizeram enorme sucesso, portanto, a refilmagem já chega tarde nos cinemas. Na trama, bastante absurda por sinal, diversas pessoas recebem mensagens via celular sobre seus últimos momentos de vida. Não encontra nenhum momento de tensão ao lado do fraquíssimo elenco e direção.

Fim dos Tempos

Nunca imaginei que um dia, um filme de M. Night Shyamalan estaria numa lista minha de piores. Sou fã do criador de O Sexto Sentido e A Vila, mas Shyamalan tem visto sua carreira naufragar em Hollywood (devido a brigas com produtores para manter a decisão criativa dos seus filmes) desde A Dama na Ígua (que eu já acho meia-boca). No entanto, Fim dos Tempos parecia a volta do diretor/roteirista ao gênero que o consagrou: um evento misterioso atinge pessoas envolvidas em dramas familiares para num momento chave se revelar uma grande reviravolta. Não sei ainda qual o estrago deste filme na carreira de Shyamalan (que precisa urgentemente rever seus conceitos), mas a trama que começa intensa e apavorante se transforma num enredo sobre ecologia tão, mas tão chato que nem mesmo a tentativa de explicação para os ocorridos eventos me constrangeram. Pior ainda é o elenco, Mark Wahlberg e Zooey Deschanel (do ótimo O Guia do Mochileiro da Galáxia) parecem estar tão perdidos em cena quanto nós assistindo ao filme. Pelo menos o sofrimento dura pouco, são apenas 91 minutos desperdiçados!

Fim dos Tempos (The Happening)

Cinema segunda-feira, 30 de junho de 2008 – 7 comentários

M. Night Shyamalan (diretor do filme) não é mestre nem farsante, mas sabe fazer um suspense de qualidade – pelo menos perto dos atuais.

Fim dos Tempos foi e está sendo mal recebido pela crítica por aí, mas acho que é só pelo fato de que ela esperava demais de Shyamalan. Afinal, eu não esperava nada e GOSTEI do filme, e olha que eu sou extremamente chato. Principalmente se tratando de um suspense.

O filme já começa quebrando tudo, literalmente, com um puta toque oldschool. Pra você que não leu a sinopse, é o seguinte: As pessoas começam a se suicidar, do nada. Teorias dizem que há uma toxina liberada no ar e, quem respira, perde completamente o senso de auto-preservação – obviamente todos botam a culpa em terroristas. Tudo começa no Central Park, os sobreviventes vêem o noticiário na TV e começam a fugir dali. Chega uma hora em que eles acabam cercados, e é nessas horas que apenas um professor de ciências saberia o que fazer.

Reparem na aula, fãs d’O Guia. As abelhas somem (lembrem-se dos golfinhos) e percebam o número de estados. Coincidência, influência ou sátira?

Como todo bom suspense com um toque de oldschool, há o clichê mestre: Um casal abalado que vai acabar usando a catástrofe como um teste para o relacionamento. Elliot Moore (Mark Wahlberg) é um professor de Ciências, e Alma (Zooey Deschanel) quase cometeu o adultério. Pelo menos foi o que ela disse.

A tensão do filme tem seus altos e baixos, e infelizmente os pontos baixos estão rodeados de clichês. Porém, ainda assim, acho que o que torna o filme verdadeiramente bom é o impacto que ele causa após a descoberta do que está acontecendo, e é aí que ele começa a ficar verdadeiramente envolvente. Mas não empolgante, infelizmente. Mas, se eu fosse você, não levaria tão a sério as críticas negativas por aí e daria uma chance ao filme, que merecia até um desgaste na imagem pra ressaltar ainda mais o estilo oldschool. Vai que você se empolga, véi.

Só faltou a trilha de Suicidal Tendencies. :amd:

Fim dos Tempos

The Happening (90 minutos – Suspense)
Lançamento: EUA, 2008
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Mark Wahlberg, Zooey Deschanel, John Leguizamo, Ashlyn Sanchez, Spencer Breslin, Robert Bailey Jr., Betty Buckley, Jeremy Strong

Mestre ou Farsante

Primeira Fila sexta-feira, 13 de junho de 2008 – 6 comentários

Não fazem nem 10 anos do lançamento de O Sexto Sentido, lançado em 1999, e de lá para cá, Bruce Willis continua sendo astro do primeiro time de Hollywood (agora, escolhendo melhores suas participações), Haley Joel Osment deixou de ser O menino-prodígio e desapareceu da mídia e, a grande dúvida que permaneceu, afinal de contas, seria M. Night Shyamalan (diretor e roteirista do filme) o herdeiro do trono pertecente a Alfred Hitchcock, O Mestre do Suspense?

A pergunta parece que irá demorar um pouco mais para poder ser respondida, neste final de semana estréia Final dos Tempos, oitavo filme do jovem cineasta indiano. Desde o sucesso estrondoso de O Sexto Sentido, que acabou virando fonte para cópia de diversos outros suspenses sobrenaturais nesta década – e quem já não fez referência a famosa frase “I See Dead People”, dita no filme? – o diretor tem aproveitado/sofrido com a valorização de seu nome em Hollywood, como se fosse o novo Midas do gênero.

Se tem um aspecto que se repete em sua filmografia desde O Sexto Sentido, além dos famosos finais surpresas, é o retrato de temas que parecem sempre ilustrar o confronto entre a ciência e a fé, ou como em seu último filme, A Dama na Ígua, a crença (fé) no mundo fantástico ou no mundo real. No entanto, algo que não se pode dizer de Shyamalan é que falta originalidade em seus roteiros. Reparem no seu filme de super-heróis, Corpo Fechado, erroneamente vendido como um filme somente sobrenatural – vai dizer que você já havia visto coisa igual?

Sou um pouco suspeito para comentar sobre os trabalhos do diretor porque mesmo em seus filmes onde a trama não parece corresponder com minha expectativa (vide Sinais e A Dama na Ígua), o cineasta possui uma capacidade de criar um clima tão angustiante e sombrio como pouco se vê atualmente (em tempos de edição picotada). Ao mesmo tempo, chama a atenção sua suposta arrogância lhe reservando participações em seus filmes, inicialmente em pontas, mas em seus últimos filmes papéis razoavelmente importantes, quando se observa que seu talento é mesmo atrás das câmeras ou do roteiro (isto quando não viaja demais).

Após O Sexto Sentido, as bilheterias de seus filmes vêm caindo seguidamente (foram: Corpo Fechado, Sinais, A Vila e A Dama na Ígua), apesar de ainda serem considerados sucessos. O nome do diretor já não é mais uma unanimidade em Hollywood, inclusive o próprio escreveu um livro relatando os bastidores de sua briga com produtores do estúdio do qual era contratado, e isto não pega bem num meio tão corporativo como a indústria cinematográfica.

Se Fim dos Tempos não colocar a carreira de Shyamalan nos trilhos novamente, algo que acredito que não ocorrerá devido aos primeiros comentários que tenho lido, o cineasta ainda terá a chance de ser o provável diretor da adaptação cinematográfica de Avatar, para alegria ou desespero dos fãs da animação.

Estréias da semana – 13/06

Cinema quinta-feira, 12 de junho de 2008 – 1 comentário

O Incrível Hulk (The Incredible Hulk)
Com Edward Norton, Liv Tyler, Tim Roth, William Hurt, Greg Bryk, Robert Downey Jr. e Lou Ferrigno

Você não sabe como o Banner se tornou o Hulk? Noob. Ele sofreu um acidente com raios Gamma, [Diferente do gibi], que faz com que ele fique grande, forte e verde quando se descontrola. [Hulk, inclusive, quer dizer pesado, massivo em inglês] O Dr. Banner agora tenta encontrar a cura para o seu problema de glândulas, mas o exército americano é chato e quer abrir ele pra ver como fas.

Fim dos Tempos (The Happening)
Com Mark Wahlberg, Zooey Deschanel, Ashlyn Sanchez e John Leguizamo

Suspense paranóico sobre família que decide fugir de uma crise ambiental de larga escala, que se mostra uma ameça apocalíptica para a humanidade, que é forçada a combater a natureza para sobreviver. A crise é iniciada por uma suposta toxina invisível, que leva a população á loucura e induz ao suicídio.

A Outra (The Other Boleyn Girl)
Com Natalie Portman, Scarlett Johansson e Eric Bana

Na Inglaterra do século 16, uma história de intrigas, romance e traição é o pano de fundo de uma momento definitivo para a história européia. Anne e Mary são as belas irmãs Bolena que, movidas pela ambição cega da família, competem para ser a amante do Rei Henrique VIII.

Personal Che (Personal Che)
Jon Lee Anderson, Paul Berman e Jorge Castanãoeda

Depoimentos de diversas pessoas ao redor do mundo que reinterpretam a lenda de Che Guevara, provando que o símbolo histórico do revolucionário argentino sobrevive até hoje.

Um Homem Perdido (Un Homme Perdu)
Melvil Poupaud, Alexander Siddig e Darina Al Joundi

Fotógrafo francês viaja pelo Oriente Médio á procura de experiências extremas. Cruza o seu caminho um homem solitário com problemas de memória. Intrigado, o fotógrafo tenta descobrir a história desse homem, e acaba se envolvendo em uma experiência que vai mudá-lo para sempre.

Aberta a Temporada de Blockbusters – 2ª parte

Primeira Fila sexta-feira, 11 de abril de 2008 – 6 comentários

Retomando a pauta da semana passada, os filmes blockbusters deste ano, mais precisamente, do nosso inverno – verão americano. Hoje, cito, comento e deixo um vídeo de mais 4 filmes que devem estourar – positivamente ou negativamente – nas bilheterias daqui algumas semanas ou meses.

O Incrível Hulk

Trama: Neste filme, o cientista Bruce Banner está vivendo nas sombras, varrendo o planeta em busca de um antídoto. Mas os fomentadores da guerra que sonham em abusar de seus poderes não o deixarão em paz, assim como sua necessidade de estar com a única mulher que ele já amou, Betty Ross. Em seu retorno á civilização, nosso brilhante doutor é brutalmente perseguido pelo Abominável – uma fera apavorante de pura adrenalina e agressão cujos poderes se equivalem ao do Hulk. Uma batalha de proporções somente vistas nos quadrinhos acontece enquanto Banner precisa chamar o herói dentro de si para salvar Nova York da destruição total. Estréia de 13 de junho.

Expectativa: Baixa – reiniciar Hulk após o fracasso do filme anterior de Ang Lee era necessário, no entanto, sua história nunca me empolgou, muito menos os exageros técnicos permitidos atualmente; ou alguém não achou extremamente artificial a criatura Hulk na telona? Pode ser que o diretor Louis Leterrier (de Carga Explosiva), dê atenção exclusiva ás sequências de ação deixando o filme mais dinâmico. Pelo menos o nível do elenco continua alto, saem Eric Bana e Jennifer Connoly entram Edward Norton (sempre excelente intérprete) e a bonitinha Liv Tyler.

Trailer:

Fim dos Tempos

Trama: O filme mostra uma crise ambiental cataclismática, crise de larga escala que força a humanidade a combater a natureza para sobreviver. Um força ou vírus estaria fazendo a população enlouquecer e cometer suícidio. Wahlberg será Elliot Moore, um professor de ciências que tenta proteger os seus filhos da fúria da natureza. Estréia dia 13 de junho.

Expectativa: Alta – posso ser um dos poucos que ainda acreditam no talento de Shyamalan (isto que tenho ressalvas quanto a Dama na Ígua), mas a maneira como o diretor conduz suas tramas me empolgam pela construção de um clima tenso e personagens sempre no limite. Em Fim dos Tempos, o diretor parece voltar aos eventos extraordinários que, normalmente, sempre conduzem suas tramas (vide o ataque alienígena em Sinais, a descoberta de super poderes em Corpo Fechado, entre outros), vejam o trailer!

Trailer:

O Procurado

Trama: O fracassado Wesley Gibson descobre ser herdeiro de um dos mais poderosos supervilões do planeta, misteriosamente assassinado. Então ele é recrutado para substituir o pai na organização secreta de assassinos da qual ele fazia parte antes de ser morto. Estréia dia 11 de julho.

Expectativa: Baixa – outra adaptação de HQs, que eu desconhecia. Na verdade, parece ser somente um veículo para Angelina Jolie pegar em armas, assim como aconteceu em Sr. e Sra. Smith. Pelo menos, o trailer promete diversão e, ainda, no elenco, James McAvoy (Desejo e Reparação) e Morgan Freeman.

Trailer:

Wall-E

Trama: Em um futuro pós-apocalíptico, os humanos destruiram a terra e não existem mais. Os protagonistas são os Wall-E, robôs desenhados para limpar o lixo deixado na superfície da Terra. Essas máquinas, no entanto, não deram conta da tarefa e começaram a pifar lentamente, até que apenas um robô restou. É ele o protagonista, Wall-E. O nome é na verdade a sigla para Waste Allocation Load Lifters – Earth (“Levantadores de Cargas Desnecessárias da Terra”). Todos os dias ele executa sua rotina de catar o lixo que encontra pela frente a fim de cumprir a (impossível) tarefa de juntar todo o lixo que existe no planeta. A única ajuda que ele recebe é a de Spot, sua barata de estimação.

Expectativa: Alta – longas-metragens da Pixar são programas obrigatórios a cada ano. Depois do fantástico Ratatouille, o diretor Andrew Stanton (de Procurando Nemo) cria um universo fantástico e o filme parece querer adotar um estilo que foge completamente do habitual: as criaturas não falam em cena, lembrando os antigos filmes mudos. Promete!

Trailer:

Próxima coluna: Batman – o Cavaleiro das Trevas, Múmia 3, Agente 86 e, para as mulheres, Sex and The City.

confira

quem?

baconfrito