Arquivo X – Já se foi o disco voador

Televisão terça-feira, 29 de março de 2016 – 1 comentário

Arquivo X voltou com Mulder, Scully Mussum e Zacarias e companhia, apresentou novos bons personagens, deixou todo mundo bolado com uma conspiração bizarra, criou um episódio que pode ser tido como o mais WTF de toda a série e foi embora deixando todo mundo chupando dedo e com uma única pergunta na cabeça: QQ TAH CONTECENO MULDER?

 continue lendo »

Baconews #16 – 03/06/2015

Cinema, Música, Televisão quarta-feira, 03 de junho de 2015 – 0 comentários

É véspera de feriado e todo mundo tá doido pra largar o emprego e ir pra farra estendida. Principalmente os roteiristas americanos, que meu amigo, vou te contar. Nunca vi tanta falta de originalidade na minha vida. Nem durante a crise de roteiristas de 2007 eu vi as emissoras americanas tão desesperadas por audiência quanto hoje em dia. Atualmente tudo resume-se a remakes, reboots, adaptações de quadrinhos/livros, spin-offs, retornos e espremer o que já deu certo um dia até a última gota e muitas vezes além. O Baconews de hoje é em homenagem a todos que estão com algum bloqueio criativo. continue lendo »

Sobre Arquivo X e finais de séries de TV

Televisão segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 1 comentário

Há algum tempo, fiz um texto sobre Arquivo X, sobre como eu havia redescoberto a série e começado a assistir de novo. E eis que agora venho até vós falar sobre o resultado dessa experiência e também abrir uma discussão ainda maior. Ah, e antes que eu me esqueça de avisar: SPOILER ALERT.

Vem comigo. continue lendo »

Redescobrindo Arquivo X

Televisão sexta-feira, 24 de maio de 2013 – 2 comentários

Me lembro que um punhado de séries formaram a minha infância e pré-adolescência. Eu as assistia em um extinto canal de televisão que acidentalmente exibia apenas séries antigas, de programas como Star Trek e A Feiticeira, passando por As Panteras e Magnum, indo até séries mais recentes. Dentre as mais novas, dos anos 80 e 90, estava Arquivo X. Sinceramente, na época eu mal fazia idéia de que anos essas séries eram, o que elas queriam dizer ou mais a enxurrada de informação sobre tudo delas que nós podemos ver hoje na internet. Porra, nem computador eu tinha dez anos atrás. Bem, mas agora chegou a hora de me reencontrar com esse sucesso da minha juventude. Pra ver como isso está indo até agora, vem comigo.

 continue lendo »

Ano novo, séries novas

Sit.Com quarta-feira, 02 de janeiro de 2013 – 2 comentários

E aí galerinha faceira, como foi o reveillon de vocês? Espero que divertido. Eu não me lembro muito bem do que aconteceu no meu reveillon, mas acordei hoje (Terça-feira) no quintal de casa, completamente nu, abraçado a uma estátua do Dobby em tamanho real e com meu pênis enfiado em um garrafão de vinho. Então sim, meu reveillon deve ter sido do balacobaco. Mas eu não estou aqui para me vangloriar por causa da minha vida sexual bizarra, então vamos ao que interessa, que são as novas temporadas das minhas nossas séries favoritas. Ou nem tão favoritas assim. Só espero não ter violado a pureza e a inocência de Dobby.

continue lendo »

O personagem principal saiu. E agora?

Sit.Com terça-feira, 09 de dezembro de 2008 – 7 comentários

Você deve ter lido aqui a notícia sobre a saída do ator William Petersen, o famoso nerd Grisson, da série de maior sucesso dos EUA, C.S.I.. Inclusive rolou uma pesquisa afirmando que muitos fãs irão abandonar a série após sua partida. Pois bem, se preparem que ela ocorrerá nesta quinta próxima (11/12), em solo americano, quando Petersen (que deve ainda participar de episódios futuros) passará o bastão para o excelente ator Laurence Fishburne (o Mopheus da trilogia Matrix).

A grande questão que fica é como uma série se segura sem seu ator principal? Sinceramente, não sou de ficar choramingando a saída de atores ou mortes de personagens na série, simplesmente life goes on…! Claro que os roteiristas/produtores têm que se virar e suar muito para manter o interesse na trama sem deixar a peteca cair. Acho que em C.S.I., que perdeu já dois personagens em menos de um ano, os produtores estão procurando manter o interesse e reestruturando a série após suas 9 temporadas, o resultado só o tempo dirá, claro que eu não deixarei de acompanhá-la (somente se a qualidade das tramas cair muito, obviamente).

No entanto, não é a primeira vez que isto ocorre em séries televisivas, muito pelo contrário, há inúmeros casos onde a saída não ofuscou a série e o mesmo vale para oposto, iminente fracasso. O caso mais conhecido talvez seja E.R. (aka Plantão Médico), a série médica já perdeu todos os seus personagens originais em mais de 10 anos de série (inclusive, sendo a temporada atual, a 15ª, o encerramento da mesma), nomes como George Clooney (dr. Ross), Julianna Margulies (a enfermeira Carol, sumida), Anthony Edwards (o careca dr. Greene, este tendo um dos episódios de despedida mais triste que vi até hoje), Noah Wyle (dr. John Carter, o último do elenco original a sair).

Claro que numa série de procedimentos, seja ela policial ou médica, fica mais fácil entrar e sair personagens, mesmo os protagonistas, as explicações soam mais verossímeis, mesmo que desagradando os fãs. Por exemplo, recentemente, o drama criminal Criminal Minds perdeu um de seus protagonistas, o ator Mandy Patinkin, o agente Jason Gideon, por problemas particulares do ator, sendo substituído por outro ator de presença, Joe Mantegna, sem a série perder o equilíbrio e as boas tramas.

No entanto, em séries, digamos mais personalizadas fica muito difícil “engolir” a saída do personagem principal, o centro da série. Obviamente, os produtores acham que somos idiotas, e não vamos perceber que a série em si irá mudar, simplesmente, pela troca da figura principal, até porque nestas séries os personagens são os principais focos narrativos da mesma, logo a série perde o seu fio condutor. Exemplo mais conhecido, a saída do ator David Duchovny, após 7 temporadas, da série Arquivo X, onde interpretava o agente Fox Mulder fazendo dupla com Dana Scully (que na temporada seguinte fazia aparições esporádicas), o que aconteceu todo mundo sabe, com a entrada de novos personagens a série mudou o foco, perdeu densidade e gerou uma queda inevitável para a marca Arquivo X, no final Duchovny ainda voltou para os últimos episódios, mas o estrago já estava feito.

Mas aviso que ainda nesta temporada deve ocorrer esta mesma estratégia em outras séries, dois atores já anunciaram que não retornam para a próxima temporada de suas séries, onde são os protagonistas, são eles: Zach Braff (J.D.) de Scrubs, que retorna para sua 8ª temporada e depois ninguém sabe o que acontecerá com a série, acredito no seu cancelamento; e Jonathan Rhys Meyers (Rei Henrique VIII) de The Tudors, que filmará a 3ª temporada e depois tchau!, estragando os planos dos produtores que iriam estruturar a série para até 6 temporadas, outro caso onde o cancelamento é inevitável!

Destaques da Semana em DVD – 01 à 05/12

Cinema sexta-feira, 05 de dezembro de 2008 – 1 comentário

Wall E: Com certeza um dos melhores filmes do ano, não somente como animação. Claro que estamos falando de mais uma obra-prima da Pixar (que, no ano passado, lançou outra inesquecível animação, Ratatouille). Os grandes diferenciais da Pixar são o contexto da trama e os incríveis personagens. Não há somente “gracinhas” e personagens “fofinhos”, a Pixar cria roteiros onde os sentimentos e tramas são o grande achado dos filmes, não esquecendo a riqueza da tecnologia aplicada à animação. Na trama, a humanidade abandonou o planeta Terra depois de entulhar tanto lixo nele que a vida ficou impraticável. Com isso, todos vivem em uma gigantesca nave. Porém, no planeta, ainda vive Wall-E, um simpático e solitário robozinho, que vive tentando limpar a sujeira que os seres humanos fizeram. Certo dia, uma robozinha bem moderna desembarca na Terra a procura de vida e Wall-E acaba se apaixonando por ela. Mais uma animação que muitos consideram uma obra-prima, já que conta uma história engraçada e humana, nos moldes de sucessos como Procurando Nemo, com apelo para agradar espectadores de todas as idades, além de passar uma mensagem contra o consumismo excessivo de nossa época. Confira a crítica.

Arquivo X – Eu Quero Acreditar: Não sei explicar o sentimento conflitante de ver Arquivo X anos após seu término da telinha (2002). Se a alegria de rever Mulder e Scully é inenarrável, fica um sentimento de desperdício dos personagens numa trama meia-boca. Claro que Chris Carter (sumido desde o término da série) parece se esforçar em criar um filme para um público amplo e, ao mesmo tempo, os fãs da série, mas focar somente a ação em “um caso isolado” parece, como disse antes, um desperdício (sorte de Gilliam Anderson que pelo menos teve um maior destaque, com sua personagem sendo confrontada pela sua crença religiosa, assunto recorrente na série). Na trama, o súbito desaparecimento da agente Monica Bannan (Xantha Radley) faz com que a agente Dakota Whitney (Amanda Peet) recorra à ajuda do padre Joe (Billy Connolly), um homem que abusou sexualmente de 37 coroinhas no passado e que alega ter visões. Para ajudá-la na busca, já que não conta com experiência em acontecimentos fora do comum, a agente Whitney busca o apoio de Fox Mulder (David Duchovny), que não é mais agente do FBI. O contato é feito através de Dana Scully (Gillian Anderson), que também deixou a organização e agora trabalha como médica em um hospital católico. Inicialmente relutante, Mulder decide cooperar e, aos poucos, passa a acreditar cada vez mais nas palavras do padre Joe.

Promessas de um Cara de Pau: Acredito que Kevin Costner tenha encontrado seu rumo no cinema novamente após alguns fracassos seguidos. Se apoiando em papéis mais diversificados (e, em alguns filmes, coadjuvantes) e deixando de lado o posto de galã, que não lhe pertence mais (em filmes como A outra Face da Raiva e Instinto Secreto). Aqui Kevin Costner é Bud, um pai solteiro que está mais preocupado em assistir televisão, pescar e tomar seus porres de vez em quando. Sua filha é uma jovem esperta e sonhadora que sempre está em busca de aprender algo novo e a cada dia tenta fazer com que seu pai mude o estilo em que vive. Numa dessas tentativas ela acaba colocando Bud em uma tremenda enrascada e o futuro de todo o país fica em suas nada responsáveis mãos. Agora, para sair dessa, ele terá que, depois de muitos anos, olhar a vida de uma maneira diferente e encarar a situação com menos sarcasmo. Confira a crítica.

Torturado: Inédito nos cinemas, este suspense, sem fugir do título a la Albergue e outras cópias, tem uma trama instigante e um elenco competente, com nomes como Laurence Fishbourne (futuramente em CSI) e o veterano ator australiano James Cromwell. Na trama, um homem é contratado pelo chefão do crime organizado para obter uma confissão de um contador. O chefão é um cara invisível, que ninguém sabe realmente quem é. Na verdade, o homem que deve obter a confissão do contador é um agente do FBI que está infiltrado para descobrir a identidade do bandido e impedir que ele se infiltre no FBI e acabe com os agentes. Porém, essa missão não é nada fácil, colocando em jogo a integridade moral e física de seus participantes.

Como Viajar com O Mala de seu Pai: Além do absurdo título, este filme deve ficar conhecido como o fundo do poço do comediante Martin Lawrence, que ficou bastante conhecido como parceiro de Will Smith em Os Bad-Boys e protagonista de inúmeras comédias, mas que acabou errando em diversos projetos e parece seguir o caminho de Eddie Murphy rumo ao esquecimento. Aqui o comediante precisa dividir os créditos com a novata Raven (muito conhecida do público por sua série juvenil, As Visões de Raven), sinal de que seu nome já não sustenta um filme sozinho. Na trama, ambiciosa e confiante, Melanie Porter não vê a hora de dar o seu primeiro passo rumo à independência – uma viagem somente com meninas para visitar escolas. Mas esse ritual de passagem erra o caminho quando seu pai superprotetor insiste em acompanhá-la. O sonho de Melanie se transforma em um pesadelo cheio de curvas e confusões.

Séries invadem as prateleiras

Televisão segunda-feira, 04 de agosto de 2008 – 5 comentários

Semana de Troca de Coluna no AOE, por isto nesta semana assumo a coluna Analfabetismo Funcional e New Emo. Como meus poucos conhecimentos se restringem ao meu obsessivo hobby, séries e filmes, vou linká-los com os temas da coluna.

Nos anos 90, o grande fenômeno televisivo, parecido com a repercussão de Lost, atendia pelo nome de Arquivo X. No entanto, recém chegava ao Brasil a tevê a cabo, não existia internet e muito menos banda larga. A repercussão de Arquivo X demorou mais ou menos até a 3ª temporada, depois disso explodiu em quase todo mundo. Com isto, fãs, inclusive este que vos escreve, iam atrás de qualquer informação que saciasse a curiosidade frente a temas, mistérios e personagens que iam surgindo nesta fantástica série de Chris Carter.

Em pouco tempo, surgiram os famosos livros Bastidores que na verdade eram um grande guia de episódios de cada temporada (o primeiro contou com o guia da primeira e da segunda temporada juntos, depois cada volume representava uma temporada), junto a entrevistas com os envolvidos na série, detalhes de cada episódios e diversas curiosidades, um verdadeiro deleite para os eXercers. Em seguida, as espertas editoras começaram a lançar outros materias com a grife da série, como novelizações de episódios, tramas independentes da série (claro que envolvendo os personagens) ou mesmo livros que tentavam explicar os mistérios envolvendo os fenômenos sobrenaturais da série (mais ou menos o que ocorre até hoje em livros baseados em séries famosas).

Alguns anos depois, outra série que possuía uma legião de fãs também recebeu livros envolvendo guias de episódios e novelizações com os personagens, Buffy – A Caça-Vampiros. Até mesmo a série mais assitida da tevê americana embarcou nesta categoria, CSI, foram lançados no Brasil algumas novelizações de tramas inéditas de série envolvendo investigações criminais; literalmente, literatura policial com todos os personagens da série. São eles: C.S.I Investigação na Cena do Crime: Morte no Gelo (único que tive oportunidade de ler, muito bacana, a série funciona também como leitura), CSI Jogo Duplo e CSI A Cidade do Pecado.

Uma recente novidade que chegou às livrarias foi A Ciência Médica de House, sendo House uma das séries americanas mais assistidas e elogiadas atualmente no Brasil, mas que sempre deixou as pessoas com dúvida quanto a veracidade dos casos médicos que House diagnostica. Andrew Holtz, ex-repórter de saúde da CNN, pesquisou as doenças incomuns e os tratamentos pouco ortodoxos com que o médico e sua equipe se deparam no programa. Será mesmo que existe malária no cérebro? O fumo poderia realmente auxiliar na cura de uma inflamação intestinal? Os fãs de House e curiosos poderão, finalmente, desvendar os misteriosos casos da série.

No entanto, atualmente, quem tem incentivado seu espectador a aprofundar seu contato com o universo televisivo é, obviamente, Lost, série mais idolatrada do momento. Você pode expandir seus conhecimentos sobre a famosa ilha e seus habitantes em livros que discutem as teorias mostradas nos episódios, principalmente da mitologia da série ou mesmo em livros que teriam sido escritos por passageiros do vôo 815 da Oceanic. São eles: Lost: Identidade Trocada, Lost: Risco de Extinção e Lost: Sinais de Vida e outros diversos livros tentando entender e jogar alguma luz sobre os diversos mistérios da trama.

Além disso, a cada episódio exibido na série, quando surge um personagem lendo ou comentando sobre algum livro, os fãs correm atrás do mesmo para ver se não há possibilidade de haver alguma resposta aos mistérios da trama no livro citado. Parece loucura, mas isto é coisa de fã.

Primeiras Impressões: Fringe

Sit.Com terça-feira, 01 de julho de 2008 – 4 comentários

Terminada a temporada de season finales das séries americanas, nós, os fãs, começamos a procurar algo pra curtir enquanto não chega setembro. No entanto, os produtores começam a divulgar sinopses e atores envolvidos em suas séries, ou mesmo num grande golpe de marketing (pelo menos, para mim seria isto), vazar os episódios pilotos das séries novatas para observarem a reação na internet de críticos e curiosos.

Desde o ano passado este evento ocorre, a princípio nunca envolvendo diretamente os envolvidos. Para nós, série maníacos, serve para vermos o que nos espera na temporada que se aproxima. Estes pilotos vazados são chamados de pre air, pois ainda podem ser modificados conforme a repercussão dos mesmos. Convenhamos, é uma excelente idéia dispor de um episódio antes do início da temporada para ver o que as pessoas acham da série.

Se você acha que este instrumento de marketing seria utilizado somente por série desconhecidas sem grande apelo popular, está redondamente enganado: o primeiro piloto pre air vazado foi da série estreante mais comentada até agora, Fringe, do criador de Lost, J. J. Abrams (também no currículo a produção do filme Cloverfield – Monstro e do novo filme da cinessérie, como diretor, Star Trek, a.k.a., Jornada nas Estrelas).

Sinopse: Com um nome que faz referência a “Fringe Science”, ramo da ciência que estuda o que não pode ser provado ou justificado por meios convencionais, “Fringe” é centrada em Olivia Dunham, uma agente do FBI que investiga eventos inexplicáveis ao lado do doutor Walter Bishop, cientista internado em um manicômio, e seu filho, Peter.

Com todo o hype em torno da série, o piloto pre air de Fringe, na verdade um episódio duplo com 1h e 20 min., promete mais do que cumpre (sempre difícil julgar uma série por um episódio somente). Seria ela uma versão de Arquivo X, se isto será suficiente para segurar a série é mais um dos mistérios assim como os que o episódio piloto apresenta aos espectadores.

O elenco está ok, particularmente, achei bastante interessante a figura (e a voz) da protagonista, agente Olivia, somente Joshua “Dawson’s Creek” Jackson parece deslocado como alívio cômico, principalmente se levarmos em consideração o tom urgente e misterioso do piloto. Além disso, Fringe apresentou neste primeiro episódio bons efeitos visuais (assim como a grafia dos ambientes), visual e ritmo – apenas precisa cuidar para que os mistérios conspiratórios não sejam maiores que suas tramas (assim como ocorreu com sua série inspiradora Arquivo X em seus últimos anos).

Assim que assistir a algum outro episódio piloto pre air de outra série estreante, em seguida, já comento no Sit.Com com vocês minhas primeiras impressões. Alguns já estão na fila como Life on Mars US e True Blood.

Séries na Telona

Primeira Fila sexta-feira, 20 de junho de 2008 – 4 comentários

Depois da estréia de Sex and The City – O Filme, neste final de semana estréia Agente 86, outro filme baseado numa série televisiva, comprovando a difícil época de filmes originais pelas bandas de Hollywood. Se você acha pouco, ainda nesta temporada estréia, Arquivo X – Eu Quero Acreditar, segundo longa-metragem da já clássica dupla Mulder & Scully.

Estes filmes vão ser somados á longa lista de adaptações de séries televisivas para o cinema (ainda na moda junto ás adaptações de quadrinhos). Assim como ocorre em todos as febres hollywoodianas, enquanto alguns filmes caem em boas mãos e se transformam em filmes decentes, com direito a elogios de fãs, outros não servem nem como episódio especial (mais longo) e em casos de séries antigas, nem como homenagem.

Abaixo alguns bons exemplos de adaptações e outros que não valem nem para fã de carteirinha da série:

Filmes que ficaram tão bons quanto a série (ou melhor)

O Fugitivo – Excelente releitura da série dos anos 60, com direito a um Oscar para Tommy Lee Jones como melhor ator coadjuvante;
Jornada nas Estrelas – Se esquecermos á Maldição dos filmes ímpares, lembrem-se que os melhores filmes são os pares, torcendo os dedos para que J.J. “Lost” Abrams acerte a mão na nova aventura da Enterprise;
Miami Vice – Gosto da releitura de Micheal Mann (produtor da série) dando ares mais realísticos e abrindo mão do ar cafona dos anos 80 que ocupava cada minuto da trama praieira;
A Família Adams (os dois primeiros) – Por favor, nem vou comentar as continuações posteriores, as adaptações que valem são aquelas com Raul Julia, Angelica Huston e uma jovem Christina Ricci, como Vandinha;
Os Intocáveis – Outro excelente exemplo de releitura. Neste caso, Brian DePalma acerta a mão neste filme de gângster excepcional, com direito a um Oscar para Sean Connery;
Missão Impossível – Vale pela abordagem apesar de achar que Tom Cruise ofusca demais os outros personagens. Teve três diferentes diretores, obviamente, que o primeiro de Brian DePalma é o mais regular;

Filmes que ficaram pior que a série

Os Vingadores – Maior fiasco dos últimos tempos, acho que a pior adaptação até hoje. Nada funciona, nem mesmo os efeitos especiais e o brilhante elenco (fora do filme, pelo menos): Uma Thurman (de couro preto coladinho, somente o que vale a espiada), Ralph Fiennes (pagando o IPTU) e Sean Connery (também pagando o IPTU);
A Feiticeira – Não funciona porque ficou muito quadradinho na telona, sem graça e um pouco infantil, talvez tenha perdido a época (ficou nostálgico e ingênuo demais), mesmo tendo Nicole Kidman mexendo o narizinho;
As Loucas Aventuras de James West – Esqueça Os Vingadores, este sim é o pior de todos. Outro exemplo onde nada funciona, a não ser o ego de Will Smith, tudo é exagerado e o roteiro um fracasso total;
Perdidos no Espaço – Exemplo de como não adaptar uma série antiga na telona, elenco sem química, apesar dos nomes, filme sem emoção;
Starsky & Hutch – Perdeu quase toda abordagem policial e virou uma paródia (divertida, sim, em alguns momentos) de si mesmo;
S.W.A.T. – Peca por ter um roteiro muito fraco, principalmente o vilão, caricatural. O elenco também não segura as pontas e tudo se torna convencional demais;

Filmes com cara episódio especial (ou duplo)

Os Simpsons – Bem realizado com algumas boas piadas, mas não foge muito da estrutura da série, a não ser pela duração;
Arquivo X – O Filme – Filme para fãs porque o roteiro privilegiou quem acompanha a série nas primeiras cinco temporadas. O filme estreou entre a 5ª e a 6ª temporada, e conseguiu acrescentar fatos importantes na mitologia da série, no entanto, desta maneira dificultou aos não iniciados. Em julho, os fãs poderão matar a saudade do universo e personagens desta excelente série;
As Panteras – Só está aqui por não poder ser levado a sério, acerto da direção e do elenco que parecem se divertir mais do que nós que estamos assistindo. Além disso, Cameron Diaz sempre vale uma espiada;
A Grande Família – Não acrescenta nada de especial a série para justificar sua exibição nos cinemas e o pior é que como comédia o filme é muito dramático em diversos momentos;

busca

confira

quem?

baconfrito