Hellblazer, School Shootings e as Cabeças de Pedra na Ilha de Páscoa

HQs sexta-feira, 25 de maio de 2018 – 0 comentários

É sábado, dia 19, enquanto escrevo isto aqui, e ontem houve mais um atentado numa escola americana, mais uma vez por um aluno atirando contra colegas, professores e funcionários: Outro school shooting. Dez morreram e outros dez foram feridos. Não que seja novidade alguma à esta altura. Mas, pra este texto, temos que voltar mais no tempo do que apenas ontem, temos que voltar pra 1998, e olhar pro que tava acontecendo com John Constantine.

 continue lendo »

Faster, Pussycat! Kill! Kill!

Filmes bons que passam batidos terça-feira, 29 de março de 2011 – 2 comentários

O mundo cinematográfico de hoje está bastante evoluído. Temos efeitos especiais aos montes, roteiros impressionantes, atuações memoráveis e etc. Claro que tudo isso é resultado da incorporação de técnicas, estudo apurado e recriações e adaptações de obras-primas da sétima arte. Por exemplo, Viagem à Lua (Voyage dans la Lune) de 1902, de Geòrge Meliés, foi um marco por ser a primeira adaptação de um livro para a telona. Cidadão Kane revolucionou os métodos usados para se criar uma história, criou complexidade entre os personagens e técnicas de direção usados até hoje. Todos esses são filmes famosos, mas há um bastante desconhecido que é de vital importância para o cinema de hoje. Esse filme foi o responsável por “pré-lançar” a contra-cultura e o cinema independente (Anteriormente a Sem Destino), inserir o feminismo no cinema, e dar às mulheres um papel protagonista que vem sendo usado aos montes nos dias de hoje. O nome desse filme é Faster, Pussycat! Kill! Kill!

 continue lendo »

Assassinos por Natureza (Natural Born Killers)

Filmes bons que passam batidos domingo, 31 de outubro de 2010 – 0 comentários

Parece que hoje em dia todo mundo gosta mais de vilões do que de mocinhos. E realmente, muitos diriam até que a grande maioria dos melhores personagens da história do cinema são mesmo vilões. Bom, eu tava precisando de algum motivo para escolher algum filme para escrever e o texto, e a coluna da semana retrasada do Vassourada ajudou bastante. Outro motivo para ter escolhido Assassinos por Natureza para escrever é que na locadora tinha o filme disponível em Blu-ray. Então aluguei para ver se realmente o combo Blu-ray + LED é mesmo tudo que andam falando.

 continue lendo »

Onde Os Fracos Não Têm Vez (No Country For Old Man)

Cinema sábado, 27 de março de 2010 – 8 comentários

A minha proposta inicial era escrever sobre Barton Fink, Delírios de Hollywood, também dos Irmãos Coen, quando por coincidência no texto do vassourada surgiu uma discussão de alguns noobs falando que o filme em questão é FRAQUÍSSIMO. Como minha função aqui nessa bodega é ajudar a vocês, noobs, a enxergar como alguns filmes bons passam batidos (Por vocês, idiotas, o filme ganhou 4 Oscars sendo de Diretor, Roteiro Adaptado, Filme e Ator Coadjuvante), me senti na obrigação de escrever esse texto.

Onde Os Fracos Não Têm Vez (Irmãos Coen, 2007)

continue lendo »

Afro Samurai (Xbox360, PS3)

Games sábado, 14 de março de 2009 – 3 comentários

Vocês já devem ter visto o preview desse jogo aqui. Eu achei o preview do caralho, e resolvi conferir, e digo com toda certeza que não me arrependo.

Os gráficos do jogo são bons. Não ótimos, mas bons. A câmera pode ser meio estranha no começo, já que ela é invertida em direita/esquerda, mas com o tempo você se acostuma. Agora falemos do jogo em si.

continue lendo »

MadWorld (Wii)

Games sábado, 07 de fevereiro de 2009 – 2 comentários

Porra, andei xingando tanto o Wii ultimamente que acho que tá na hora de mostrar um pouco dos jogos que podem salvar essa plataforma aparentemente fadada à bichice eterna.

MadWorld é um daqueles títulos pra prestar atenção, porque é PORRADA COMENDO SOLTA… no Wii. Saca só:

continue lendo »

Blood (PC)

Games sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008 – 21 comentários

blood1.jpg Sempre achei que faltavam uns reviews de games de PC por aqui. Aliás, sempre achei que faltava falar mais sobre games por aqui. Tanto que em todas as minhas edições desta coluna eu só recomendei games. Noobs. Dessa vez não vai ser diferente: Blood é um jogo espetacular por ser um dos mais violentos da época. Você deve conhecer Doom, certo? Blood segue o mesmo estilo. Mas, comparado a Blood, Doom é um jogo de FRANGO.

Caleb é o nome do personagem principal. O cara fazia cultos a um deus satânico, Tchernobog, com seu grupo. Em um culto, Tchernobog é ressuscitado e mata todo mundo por ali. Caleb se RECUSA a morrer, então domina o corpo de um homem conhecido. Tchernobog toca o terror pela Terra, devorando almas e fazendo tudo o que um demônio normal faria. Caleb, de volta a vida, está atrás dele. E vai detonar tudo que estiver pela frente.

Cara, eu posso parar por aqui. Já dá pra saber que o jogo é sensacional. Não? Então segura: Você poderá ter doze, DOZE armas e diversos itens, que você pode conferir nesta lista. E em relação aos inimigos? A lista é ampla. Monstros, zumbis, fantasmas, gárgulas e até uns inocentes pra você ESTRAÇALHAR. Não dá pra não pintar as paredes nesse jogo.

Enfim, são 4 “episódios”. De 7 a 8 mapas em cada episódio. Um chefão e um mapa secreto. No último episódio, você enfrenta os quatro chefões de uma vez, coisa simples. Acredite: Depois do desespero pra matar um Gárgula de PEDRA sem a arma CERTA em mãos, o que vier é diversão. O jogo é longo, mas não se preocupe: Se você é daqueles que não gosta de jogos grandes, encare Blood como uma missão. Entre no jogo, SEJA Caleb. Quando você começar a raciocinar como um espírito no corpo de um conhecido seu caçando demônios, você vai ver o quão sensacional e viciante o jogo é. Os gráficos precários para a nossa época atual reforçam a violência, o suspense e a diversão do filme. Se você tem estômago fraco, passe longe. O cara se alimenta do coração de quem estiver por perto.

blood2.jpg Olha que beleza.

JOGABILIDADE

Primeira pessoa, básico. É realmente difícil controlar saltos em primeira pessoa, por exemplo, mas eu considero isso outro ponto alto do filme. Você não pára de raciocinar nem quando vai dar um pulo, cara. De resto, se imaginar detonando tudo aquilo daquela forma é sensacional. Se um Gárgula ou um gordão que vomita ácido aparecer na sua rua, você vai saber o que fazer. Principalmente se você tiver possuído alguém.

MONSTROS / INIMIGOS

A melhor parte do jogo. Eles são frenéticos, não param de correr na sua direção e, o melhor: São mais inteligentes que você. Principalmente (lá vem algo óbvio) no nível difícil. Antes, o tiozinho da metralhadora não desistia; ele tava lá te humilhando, descarregando a maldita arma. Agora, no nível difícil, de vez em quando ele pára pra jogar uma dinamite. E os zumbis? Porra, os zumbis carregam um machado. Ratos também são inimigos. E, o mais pentelho de todos: Uma maldita mão. Até hoje eu não entendi se ela te enforca ou te sufoca, mas é quase impossível se livrar dela. Sério, já parei o jogo muitas vezes após ela me pegar: ela é rápida, aparece do nada e a única forma de você se livrar dela, aparentemente, é explodindo uma dinamite perto de você. Bom, a forma que os inimigos são distribuidos durante o jogo é das melhores, também. Eles fazem de tudo pra você usar a dinamite mais vezes, é incrível.

CHEFÕES

O primeiro chefão é o Gárgula de Pedra. Na época em que eu joguei este jogo, não me lembro de ter encontrado as fases secretas, então, lembro que este é o chefe mais complicado de se matar. Primeiro: Você não tem a arma “certa” para matá-lo (você descobrirá ela futuramente). Segundo: Ele fica voando em círculos, e a arma mais poderosa que você tem é uma espécie de lançadora de bolas de fogo, que EXPLODEM quando batem no alvo. O cenário é circular: Um corredor em volta, com teto; outro corredor após este, a céu aberto; e uma torre relativamente alta. Dificilmente o Gárgula entra no primeiro corredor, já que ele voa alto. Então, ali é o local mais seguro; mas as chances de você se acertar com as bolas de fogo são altas. O segundo chefão é o mais broxante: Uma aranha. Eu achei incrívelmente fácil matá-la. O terceiro chefe é um Cérbero (Cerberus), um cão mitológico de duas cabeças que cospe fogo. Em seu cenário, ele é GIGANTE. No final, ele dá uma diminuída. Adrenalina mesmo tá no fim, pra enfrentar Tchernobog, após passar os três acima de uma vez. Abaixo você confere um vídeo com a introdução, um trecho do primeiro episódio e o final do jogo, com os chefões. Quem fez o vídeo acabou com os chefões de uma forma MUITO fácil, mas não se iludam. Tchernobog não precisa encostar em você pra tirar seu sangue.

[SPOILER]

[/SPOILER]

ENREDO

Blood é um jogo sensacional pelo jogo em si: Jogabilidade, monstros e violência. A história é fraca. É claro que o jogo poderia ser absolutamente MAIS sensacional do que já é com uma história boa, mas isso não importa agora. Em um jogo chamado SANGUE, você quer uma história PRA QUÊ?

EFEITOS VISUAIS/SONOROS

Os gráficos não são dos melhores, e o som está abaixo disso. Porém, a voz de Caled é a melhor. Eu não tinha som no PC quando joguei o jogo, então deixo essa crítica para vocês. Se você é como eu, que ignora essa parte quando os itens que eu citei acima valem a pena, comece a correr atrás do jogo.

blood3.jpgMatrix QUEM?

Bom, chega. Resumindo, é isso: Blood é um jogo que respeita o nome. E reúne zumbis com demônios e monstros bizarros. Ou seja, não precisa nem jogar pra falar que é bom. AOE RECOMENDA!

Blood


Plataforma: PC
Lançamento: 1997
Distribuído por: Monolith Productions
Desenvolvido por: GT Interactive
Gênero: Tiro em primeira pessoa / Western (!)

busca

confira

quem?

baconfrito