Todo tipo de música é boa, dependendo do momento

Música quarta-feira, 06 de novembro de 2013 – 8 comentários

Jo, que bom saber que enquanto eu estava no show do Roger Waters, pessoas como você estavam em casa. E, sabe porque? Porque provavelmente você é daqueles que dizem que “todo o tipo de música é bom, dependendo do momento”.

Este é mais um momento de genialidade do leitor. Aparentemente, este rapaz ficou chateado por eu preferir ficar em casa com a bunda sentada confortavelmente no sofá “assistindo novela” do que ir pro show do Roger Waters. Esse cara é o tipo que se auto intitula roqueiro e acredita que qualquer pessoa que curta outro gênero musical é seu arqui-inimigo. Provavelmente ele curte o Rock Wins no Facebook e xinga muito nas postagens do Todos contra o rock. Ou seja, é um jovem virgem que faz chifrinho com a mão e grita “Heavy Metal!” pra cumprimentar o amigo tão virjão e pau no cu quanto ele. Mas o que interessa é o seguinte, por que diabos achar que “todo tipo de música é boa, dependendo do momento” é errado? Para facilitar o entendimento, citarei 5 momentos em que músicas totalmente diferentes são perfeitas para cada um deles. Para maior entendimento deste texto é recomendável que vocês leiam [Inclusive os comentários] deste texto e deste aqui também.

Perdoem qualquer ofensa, estou sobre o efeito da COLA!

continue lendo »

Thunder Dope (Matanza)

Música terça-feira, 05 de março de 2013 – 3 comentários

E aqui estamos nós [No caso, eu] falando novamente de Matanza. Depois de um hiato de cinco anos entre A Arte do Insulto e Odiosa Natureza Humana, eles lançaram Thunder Dope no fim de 2012. E ao contrário do que aconteceu com Odiosa Natureza Humana, esse álbum foi um pouco decepcionante. Em partes porque a banda regravou umas demos, mas que não ficaram tão boas assim produzidas, na minha não tão humilde opinião. Sei lá, eu gosto de coisas cruas. Eu gosto do meu bife mugindo. continue lendo »

Odiosa Natureza Humana (Matanza)

Música quinta-feira, 14 de abril de 2011 – 7 comentários

Vocês, como pessoas de bom gosto que são [Senão não estariam lendo o Bacon], devem estar sabendo que o Matanza, aquela banda que, apesar de ser carioca, é boa, lançou um novo disco, Odiosa Natureza Humana, correto? Pois bem, se não sabiam, azar o de vocês, agora tão sabendo.

 Jimmy está tão pasmo com vossa ignorância que até parou de cantar.

continue lendo »

Bandas NACIONAIS que chutam bundas

New Emo quinta-feira, 23 de dezembro de 2010 – 8 comentários

Antes de mais nada, como amanhã é véspera de um feriado religioso que vale mesmo pelos presentes, e como eu sou uma pessoa extremamente educada, desejo a vocês, amigos, um feliz natal. Mentira, eu desejo mesmo é que vocês morram lentamente (Já notaram que eu sempre peço pra vocês morrerem e cês nunca morrem? Cês são tipo o Goku, mano). Mas deixando de lado a troca de carinhos, que merda, hein? A internet fodeu pra sempre com o meu natal. Antes eu pedia um CD de presente, ou economizava um mês pra conseguir comprar alguma coisa assim. E agora? E agora com o Pirate Bay e todos os outros sites de torrent por aí? Eu ainda quero comprar CDs, mas nem a CARNE tá barata. E eu não posso comer plástico, prefiro garantir a picanha do final de semana.

Mas divagações à parte, bora falar sobre bandas nacionais que chutam bundas e humilham tudo o que vocês gostam. Isso mesmo. Minhas bandas favoritas comem as de vocês no café-da-manhã e defecam Restart à noite. Atenção que é hora DOOOO TOOOOOOOOP FIVE DA TELEVISÃO BRASILEIRA CQC VAI TOMAR NO CU de uma lista totalmente excelente contendo não cinco itens; talvez mais, talvez menos. continue lendo »

CDS #59 – Ela Roubou meu Caminhão (Matanza)

Clipe da Semana domingo, 19 de setembro de 2010 – 1 comentário

Eu não preciso tentar te convencer a ver o clipe. Você vai assistir e vai gostar. Por bem ou mal. continue lendo »

Você deveria escutar mais MATANZA

Música quarta-feira, 15 de setembro de 2010 – 6 comentários

Existem verdades na vida que são inegáveis. Claro, se algo é verdade, e óbvio que ela é inegável. Meio pleonástico isso, mas é bom pra dar uma ênfase mto loka. Uma dessas verdades é: Matanza é uma das bandas mais fodas de todos os tempos. Se você reclama de não ter uma banda pra escutar nesse MP3 da 25 de março recheado de Pussycat Dolls é porque você não conhece a banda. Se você escuta Matanza, nunca pode dar a desculpa de que não tem nada pra ouvir. Matanza é bom de ouvir SEMPRE: Em um funeral, briga de bar, casamento e… Pera. Se você ouve Matanza, o que caralhos cê tá fazendo em um casamento, aguentando aquela gente fresca e longe de uma caneca de cerveja?

É um fato comprovado por pesquisadores que existem infinitos motivos pra você escutar mais Matanza. Aliás, você não deveria nem estar aqui, lendo esta merda: Você deveria estar entrando em uma briga de bar ao som dos caras. Mas como você seria morto, fique aí e concorde com tudo que eu vou falar. Porque, convenhamos: Mais raro que uma banda brasileira BOA é eu elogiar alguma coisa. Mas, nesse caso, isso é obrigação. Ergam os copos pra ler essa merda. continue lendo »

Construção da Imagem

New Emo quinta-feira, 15 de abril de 2010 – 9 comentários

Já disse pra vocês que sou um baixista respeitado aqui no meu estado? Toda semana, são uns 5 workshops que me convidam, sem falar das palestras que eu dou para os garotinhos e garotinhas aspirantes a rock star. Coisa profissional, num é um curso vagabundo que ensina a tocar Nirvana. Minha banda, a Guttural Sounds From The Shrill Valley, acabou de lançar um álbum triplo edição platinum gloss, devido ao sucesso da nossa última turnê no Japão. Voltei de lá expert na arte de falar japa. É kawaii pra cá, lolicon pra lá, e kiai antes de peidar. Aliás, banda só é de sucesso quando vai tocar na terra do Karate-Do. E olha que eu só tenho 16 anões de vida.

Acho que só escrevo aqui no Bacon pra desopilar. Coisa de gente ocupada, manter uma coluna em blo… Site! continue lendo »

Maquinaria Rock Fest: A versão da Bel

Música quinta-feira, 22 de maio de 2008 – 6 comentários

Rock e metal tocando alto de moer os ouvidos, nêgo esparramado no chão (até com certo conforto) levemente embriagados, uns doidos lá na frente batendo cabeça, um povo mais atrás só curtindo o som, um maconheiro ou outro curtindo um baseado ao som de feras como Sepultura, Biohazard, Matanza, Suicidal Tendencies, Misfits, e, prá finalizar o quadro, tudo isso regado a muita cerveja. Esse foi o meu ambiente de sábado, quando coloquei meus coturnos surrados no Espaço das Américas (SP) para curtir amadoramente o Maquinaria Rock Fest. Foram dois dias de evento, mas o segundo dia não me interessou muito, só rolou umas bandas meio bleh. Mas o sábado… uau.

Enfrentei alguns contratempos, claro. O Théo, ao saber que eu iria ao Maquinaria e certamente escreveria sobre o assunto para vocês, foi tentar arrumar uma credencial para mim. ótimo, né… apesar de não sermos uma imprensa oficial, somos um veículo de comunicação em massa com um modesto público. Infelizmente, o cara que ficou de agilizar os esquemas, meu futuro colega de profissão (uma vergonha para a estirpe dos jornalistas… tsc.) achou que eu era uma groupie estúpida e que ficaria pulando e dando gritinhos histéricos perto dos “jornalistas formados”. Pior ainda: achou que o Théo estava me fazendo esse favor porque ESTAVA ME PEGANDO. É nessas horas que a gente se pergunta:

q

Se ele tem que arrumar ingresso de show prá pegar mina, o problema é dele. Aqui, por mais amadores e júniores que formos, somos sim profissionais.
Talvez a idéia de que o Théo tinha interesse que eu fosse em nome do site não passou pela cabeça dele… talvez também não tenha passado que nós nunca nos vimos in real life e nosso contato é basicamente virtual. Talvez ele tenha me achado bonitinha e por isso conclui que eu era estúpida e/ou miguxa (um preconceito muito feio prá um jornalista formado!). Não sei, amigos… não sei o que passou na cabeça daquele ser prá concluir que eu tinha algum distúrbio mental só porque nunca cobri um evento.
Qual a dificuldade em curtir um show, tirar fotos e depois escrever um texto sobre isso?
Providencie-me uma máscara de oxigênio que eu faço até debaixo d’água.

Resumindo a ópera, pensei “foda-se esse idiota e a credencial, eu já tenho meu ingresso, mesmo” e adeus 80 reais. Aliás, essa é outra coisa que queria falar sobre o Maquinaria: achei bem barato. São 12 bandas e o ingresso antecipado foi 80 reais + 1 kg de alimento, no dia foi 120 reais. Gente, 120 reais prá ver Misfits, Sepultura, Biohazard et alii no mesmo dia? É um preço muito bom.
A cerveja achei que podia ser mais barata (e melhorzinha… ninguém merece Itaipava), mas deu prá beber bem com 50 reais.

De qualquer forma, por causa de um trânsito caótico de duas horas e meia, perdi o show de umas quatro bandas: Korzus, Motorocker, Ratos de Porão (quel dommage!!! Queria TANTO ter visto!) e não lembro mais qual. Mas o Pizurk assistiu, leiam a versão dele e vejam o que rolou.
Quando cheguei, umas 19 e 30, já tava rolando o começo do show dos Misfits. Após encontrar meu companheiro Pizurk e ganhar uma camiseta linda do Pantera, fomos prá muvuca ver o show. Lotado, a galera pulando freneticamente ao som de clássicos como “Dig up her bones”, “Why don’t you love me anyway?” e “Die die, my darling” (que veio antes da versão do Metallica, mas esta que vos fala só ficou sabendo disso por esses dias). Nada de setlist prá vocês, mas fica a dica: foi muito bom e vale a pena.

Depois do show dos Misfits, que durou cerca de uma hora (os shows “grandes” duravam uma hora, os menores uns 30 minutos cada) rolou uma banda brasileira muito boa chamada Embrioma no outro palco.
Nunca havia escutado, mas os caras são bons, um metal bem bacana. Confiram o Myspace do Embrioma que vocês vão curtir.

Após Embrioma, o tão esperado SEPULTURA. A galera lá embaixo já tava gritando “Sepultura! Sepultura!” antes mesmo dos caras entrarem.
Nossa…
Nooooossa…

Showzaço, gente. “Refuse/Resist”, “False”, “Territory”, “Ostia”, “Roots”, “Orgasmatron”, entre outras que não vou conseguir recordar. Até merece um palavrão:

– FODA, MEU.

(Foi mal, galera… sou uma péssima fotógrafa).
Uma hora de esmigalhar seus miolos, arrebentar seus tímpanos e deslocar o pescoço. Os caras tocam demais e… ôpa, peraí. deixa eu me comportar que tô parecendo uma groupie falando.
Depois de Sepultura rolou Tristania. Sabe como é, um pouco de estrogênio e peitinhos prá acalmar a galera.

Mary Demurtas

A mina é gata e manda muito bem no palco. O show ficou meio morto porque Tristania é um doom metal com tons trágicos e foi tocar depois de toda a agressividade do Sepultura… aí deu uma sensação de broxada mesmo, mas foi bom.
Depois rolou Suicidal Tendencies no outro palco. Os fãs que me perdoem mas, com todo o respeito, não curto muito o som dos caras. Mesmo assim eles empolgaram bastante, me fizeram pular MUITO e quando me dei conta, tava bradando os punhos e gritando “ST! ST! ST!” junto com a galera. Prá quem curte um rockzão do gênero é um prato cheio.

Os próximos a tocar foram os cariocas do Sayowa. Conhecia umas duas músicas dessa banda, mas facilmente faria o download do CD se eu achasse na internet (fica a dica, rapazes. Disponibilizem!). Metal maneiro prá caramba, agressivos, enérgicos… curti também porque eles usam um tamborzão de escola de samba em suas músicas.

Maracatu, maracatu…

Bom, eu daria o “prêmio revelação” da noite para Sayowa e Embrioma, que eu não conhecia e que muito me deixaram contente pela qualidade do som. Fica a dica prá vocês que curtem metal: procurem ouvir que vale a pena.

Depois de Sayowa eu já estava morgada, embriagada, sentada no chão que a essa altura do campeonato estava muito semelhante a um campo de refugiados, com metaleiros espalhados e encostados por todos os cantos, e ainda havia Biohazard e Matanza por vir.

Biohazard ameaçou começar e a galera foi aglomerando de novo no palco. O show moendo e todo mundo já meio tristonho, cansado. O vocalista estava a toda. Gritou umas duas vezes: “Make the circle! How many reais did you pay to be here? Make that fucking circle!”. Daí até eu animei e fui lá dar uma pulada. Conhecia pouco o som dessa banda, mas o pouco que conhecia eu gostava. Com o show, deu prá notar que eles tem realmente um som de qualidade. Novamente, vale a pena ir num show.

Acabando Biohazard veio uma banda do Equador. Som até legal, mas não falou nem o nome da banda, não posso dar muitos detalhes. Não os conhecia, nunca tinha escutado a música, não entendia o que o cara falava (portunhol é fueda!!), então, essa banda foi um ponto de interrogação na minha cabeça. Só lembro que o som era bom, mas não era FODA. Nem foto eu tirei :B
Agora que já pesquisei, sei que era a banda Muscaria. Mas isso é conhecimento googlelístico, eu estaria mentindo se viesse aqui de boca cheia discursando sobre eles.

Finalizando a noite, fomos agraciados com a doce, meiga e comportada performance do Matanza. “Uma e meia da manhã e cês aqui tudo de pé esperando o matanza”, disse Jimmy, “cês são fodas!!!”. Um verdadeiro gentleman!
A performance dos caras foi o máximo, a galera pulava; e não tinha como ser diferente… eles têm umas músicas empolgantes demais!
O Pizurk pode dar mais detalhes sobre as músicas, tive a leve impressão de que ele conhecia a setlist inteira e berrou todas a plenos pulmões.
3h10 foi a hora em que nos despedimos do ruivo gordinho e que o Maquinaria encerrou seu primeiro dia dedicado a destruir nossas mentes. O saldo foi positivo, positivíssimo.

Não sei se vai ter um próximo ano que vem, mas espero profundamente que sim. Foi um evento bem organizado (pelo menos para quem estava do lado do público, não vi bastidores), bem planejado, bandas muito bem escolhidas, e também me pareceu bem seguro. Não vi nenhuma briga, não vi ninguém incomodando o pessoal que se esticou prá dormir e fui devidamente revistada antes de entrar.
Em suma, se houver um Maquinaria Rock Fest ano que vem, não hesite e . Eu, pelo menos, com certeza vou repetir a dose.

Maquinaria Rock Fest – A versão do Noob

Música quarta-feira, 21 de maio de 2008 – 11 comentários

Oi, meu nome é Pizurk, e estou limpo por hoje… Ué, aqui não é o AA?

Ah, foda-se. Tou aqui pra falar do Maquinaria Rock Fest [Dã], que rolou no dia 17 e 18 no Espaço das Américas, na Barra Funda, em SP. Atrasado, eu sei, mas é que eu não imaginei que iria escrever sobre!
Antes de mais nada: Fui só no dia 17, que, pra mim, foi o dia que valeu a pena. Dia 18 só teve Rock Rocket que prestasse [Talvez Massacration, mesmo eu achando meio zoado], mas não pago 80 conto pra ver só isso nem fudendo.

Chega de enrolação, e vamos ao que interessa!

Ah, não, vou enrolar mais um pouco. No ingresso estava escrito que os portões se abririam as 13h, como vocês podem ver aqui:

Vai, acredita no ingresso, mané

Então eu, todo contente, saio de casa as 11 da manhã de um sábado, pra tentar chegar cedo… Depois de um ônibus, um trem e um metrô até a estação São Bento, para ir até a Galeria do Rock, comprar uma camiseta, e outro até a Barra Funda, eu chego exatamente 14h no local, achando que haveria uma multidão enfurecida ouvindo o primeiro show… Mas, pra minha surpresa, tinha uma fila que virava a esquina:

– Essa fila que tá dando a volta no quarteirão é pra comprar ingresso? – Pergunto eu, ingenuamente, pra um segurança
– Não.
– Ué, os portões não foram abertos?
– Não.
– …

E lá vou eu pro fim da fila…

Bom, não vou contar como foi minha espera na fila, porque não teve nada de muito interessante, além de ver camelôs que passavam vendendo bottons, patchs e munhequeiras e puxar papo com outros desavisados que esperavam na fila. Pelo menos não fui o único enganado.
Resumindo, os portões abriram as 15h. E eu achando que, por ter chegado as 14, iria perder algo do possivel começo.
Enfim, como eu tava lá pro meio da fila, entrei lá pelas 15h30, e me sentei [O certo seria “me larguei”] encostado numa pilastra. Ao fundo, tocava AC/DC, o que já me animou: “Parece que a noite vai ser boa!”

Quando tava lá, esperando começar a bagaça, surge uma cabeça [Sem falar nos peitos] do lado da coluna e pergunta:

– Ae, sabe jogar truco?
– Claro!
– Quer jogar? Falta um pra completar a mesa.
– Ah, eu vou, tou fazendo nada mesmo.

Papo vai, papo vem, descubro que as 3 moças e um cara [Uma não jogava truco, nem perguntei porquê] são de São Bernardo também. Penso: “Até na Barra Funda!”
Depois de ganhar um 6 [Quem joga vai entender], começam uns barulhos, no palco número 2, …
[Pausa para explicação: Tinham 2 palcos, o número 1 á esquerda e o número 2 á direita. O palco 1 foi pras bandas foda, o 2 pras meia boca]
…e de repente, música! Era o inicio dos shows:

Child of Flames

Me levantei da mesa de truco [Que era o chão], já que os batateiros [É, quem nasce em São Bernardo, além de “são-bernardense”, também é chamado de batateiro, por razões desconhecidas por mim] já tinham ido ver a bagaça…
Enfim, fiquei em pé lá, assistindo o show: Não conhecia som nenhum dos caras, mas mandaram bem, na minha opinião. Nada de especial, queria o que? Eu não conhecia [E não quero conhecer] nenhum som deles.

Ai deu uma pausa nos shows. E enquanto isso, nos telões, ficou rodando um trailer do filme novo do Zé do Caixão: “A Encarnação do Demônio”.
Depois, começa a aglomerar gente no palco 2 novamente, quando começa a tocar o

Suns Turns Black

Mais uma banda que eu ouvi, não achei ruim, mas não me importo, afinal, são só coadjuvantes que servem pra aquecer o público pros shows foda, não? Enfim, também é maneiro, mas vamos em frente.

Ai começou a série de shows sem parar, no começo é empolgante, mas, se tu é sedentário, depois de um tempo cansa. Não é o meu caso.

Foi quando, no palco 1, entrou o

Korzus

Banda mais famosinha, não conheço também, mas na fila ouvi muito nego falando que era uma das atrações que tinha vindo ouvir.
Tocou um som paulera maneiro, com um vocalista que parece o Slash, mas sem a cartola:

Mais feio que isso!

Ponto alto: A última, cover de Slayer – Raining Blood.

Du carai, véi.

Ponto baixo: Vocal meio ruim, na minha opinião.

De volta ao palco 1, veio o

Threat

Mais do mesmo: Preencher os vazios, já que só banda famosa ia sair caro demais.

Ai veio uma sequência de 3 bandas foda, pra mim:

Ratos De Porão

Véi, muito foda, João Gordo tá véio, como ele mesmo disse: “Perae que o tiozinho gordinho tá sem folego…” mas ainda manda muito bem, cara.

Ponto alto: As dancinhas do João Gordo são muito grotescas, mas quem liga? Eu não sabia se batia cabeça ou se dava risada!
Ponto baixo: Não contente em mostrar o cofre, João Gordo mostrou a BUNDA!!! PQP, quase vomitei.

E eu admito, não sei os nomes das músicas do Ratos, meu irmão não deixava eu pegar os discos pra ler.
Mas achei Amazonia Nunca Mais:

Vocês não viram o cofre, fiquem felizes.

Logo depois, começa no palco 2 a tocar o:

Motorocker

Eles são do Paraná, e são conhecidos com um dos melhores covers de AC/DC do mundo.
Mas no Maquinaria tocaram só canções próprias, que também são ótimas!

Ponto alto: O vocal pega uma baqueta e senta num prato com toda a força, umas 3 vezes, ai a baqueta quebra no meio. E ele taca justo em mim!
Ponto baixo: Não consegui pegar a maldita baqueta, sumiu no meio do povo…
E o vocal do Misfits vir zoar no palco, o que desviou a atenção do show dos caras, mó putaria.

Não achei videos deles no Maquinaria, então vai esse mesmo. Compensa.

E, como dito, enquanto rolava o show do Motorocker no palco 2, quem se arrumava pra tocar no palco 1 era o:

Misfits

Ou eu sou muito surdo, ou o equipamento tava ruim, ou meus ouvidos pifaram, ou uma combinação de tudo isso, porque eu não consegui identificar muita coisa dos caras, e no meio do show deles meu celular toca. Adivinhem quem era? Não, não era o Batman… Muito melhor:

Digam oi pra Bel:

Oi, Bel!

Enfim, depois que achei ela na entrada, fomos lá ver o resto do show do Misfits, e eu consegui ouvir melhor, não sei porque.

Ponto alto:

Die Die My Darling é indescritivel.

Ponto baixo: No final, jogaram várias camisetas. Só que eram tias velhas, gordas e pelancudas que arremessavam os panos em nossa direção, e nenhuma tinha braço o bastante pra elas chegarem até nós.
Mas que se foda, camisetas são compráveis!

No palco 2, vem os caras do:

Embrioma

Outra que eu não conhecia, manteve a galera no ritmo. Mas eu dei uma descansada, porque tava vindo mais pedreira por ae…
Um dos shows mais esperados [Por mim]:

Sepultura

Véi, foi uma hora de show, mas pareceu que foram só 15 minutos, de tão foda, tão desgraçado de divertido que foi. Headbang até o pescoço quase cair.

Ponto alto: War For Territory ao vivo!!!
Ponto baixo: A música nova.

Que tá incompleta…

Foi o um dos dois shows que eu mais me empolguei, fiquei cansadão.

E cansei numa boa hora, porque entrou uma banda que não tava no ritmo do festival:

Tristania

Véi, quase todo mundo sentou no chão, deitou, dormiu, foi comprar uma água, cerveja, dogão, whatever… Uns poucos ficaram lá na frente, ouvindo e pirando no som, se eles gostam, vou fazer o que?
Era pra ser Matanza, mas os caras devem ter pensado: “Porra, se a gente tocar no fim, não vai sobrar ninguém pra assistir!”
E ai foram lá e pediram pra trocar com o Matanza, e os caras aceitaram.

Ponto alto: Você deve estar brincando… Tá, mentira, teve um lado bom: A Bel.

É, eu também não cansei de olhar.

Ponto baixo: O show.

-MAS EU GOSTO DE TRISTANIA!
Quer ver Tristania?

Depois da quase soneca, entra outra atração internacional, só que essa muito mais empolgante:

Suicidal Tendecies

Véi, que foda! Nos intervalos de tempo, em vez de deixar aquele vácuo sonoro, o vocal puxava um “ST! ST! ST! ST! ST!”
Eles fingiram que foram e voltaram duas vezes, pelo que eu contei. [Talvez tenha contado errado, minha matemática não é das melhores]

Ponto alto:

War Inside My Head, não conhecia, mas é foda

Ponto baixo: O vocal me lembrou o João Gordo, o que me lembrou do cofre… GAH!

De volta ao palco 2, mesmo com o ST tendo animado geral, veio tocar o tal de:

Sayowa

E vocês perguntam:
– Por que raios entrou uma banda desconhecida no meio de tanto peso pesado?
E eu respondo:
– Porque o vocal é um dos organizadores!

Dito isso, vou falar: Eles tocaram no nivel das outras desconhecidas, não animaram muito mais não deixaram a peteca cair, mesmo com uma execução meia-boca de Seek And Destroy do Metallica…
Ou seja: Próximo!

Voltemos ao palco 1, que é onde o show de verdade acontece:

Biohazard

Porra, foi bonzão, mas eu já tava meio cansado, e não sou exatamente fã de Biohazard. Assisti ali, de longe, sem muita preocupação e pans.

Ponto alto:

Shades of Grey

Ponto baixo: Não reparei muito no show pra achar um.

Depois, de volta ao palco 2,

Muscaria

Banda do Equador que, ao contrário das outras, não teve seu nome passando no letreiro lá atrás, o que fez com que ninguém a identificasse, exceto pelo sotaque bizonho.
Mais uma que só segurou o ritmo. [Ou não, já que depois do Biohazard, esvaziou legal o lugar]
Porém, ainda faltava uma banda:

Matanza

Puta que pariu, mesmo eu estando cansadão, depois de umas 10 horas de show, eu levantei minha bunda branca do chão, fui pro meio da pequena multidão que ainda se encontrava lá, e cantei TODAS AS MÚSICAS junto [Acho que Matanza é a única banda que eu sei todas as letras de todas as músicas]

Ponto alto: Whisky Para Um Condenado. Eu tenho um certo vício por essa música, não sei bem porque.
Ponto baixo: Quem perdeu se fudeu. E não tou falando só do Matanza!

Clube dos Canalhas. Só 30 segundos, não achei mais.

Matanza aproveitou que era o último e tocou pra caralho, sorte de quem ficou até o fim.

Balanço geral: 80 pila muito bem aproveitados. Mas a Jasmin St. Claire nem deu as caras…

confira

quem?

baconfrito