Maquinaria Rock Fest – A versão do Noob

Música quarta-feira, 21 de maio de 2008

Oi, meu nome é Pizurk, e estou limpo por hoje… Ué, aqui não é o AA?

Ah, foda-se. Tou aqui pra falar do Maquinaria Rock Fest [Dã], que rolou no dia 17 e 18 no Espaço das Américas, na Barra Funda, em SP. Atrasado, eu sei, mas é que eu não imaginei que iria escrever sobre!
Antes de mais nada: Fui só no dia 17, que, pra mim, foi o dia que valeu a pena. Dia 18 só teve Rock Rocket que prestasse [Talvez Massacration, mesmo eu achando meio zoado], mas não pago 80 conto pra ver só isso nem fudendo.

Chega de enrolação, e vamos ao que interessa!

Ah, não, vou enrolar mais um pouco. No ingresso estava escrito que os portões se abririam as 13h, como vocês podem ver aqui:

IngressoVai, acredita no ingresso, mané

Então eu, todo contente, saio de casa as 11 da manhã de um sábado, pra tentar chegar cedo… Depois de um ônibus, um trem e um metrô até a estação São Bento, para ir até a Galeria do Rock, comprar uma camiseta, e outro até a Barra Funda, eu chego exatamente 14h no local, achando que haveria uma multidão enfurecida ouvindo o primeiro show… Mas, pra minha surpresa, tinha uma fila que virava a esquina:

– Essa fila que tá dando a volta no quarteirão é pra comprar ingresso? – Pergunto eu, ingenuamente, pra um segurança
– Não.
– Ué, os portões não foram abertos?
– Não.
– …

E lá vou eu pro fim da fila…

Bom, não vou contar como foi minha espera na fila, porque não teve nada de muito interessante, além de ver camelôs que passavam vendendo bottons, patchs e munhequeiras e puxar papo com outros desavisados que esperavam na fila. Pelo menos não fui o único enganado.
Resumindo, os portões abriram as 15h. E eu achando que, por ter chegado as 14, iria perder algo do possivel começo.
Enfim, como eu tava lá pro meio da fila, entrei lá pelas 15h30, e me sentei [O certo seria “me larguei”] encostado numa pilastra. Ao fundo, tocava AC/DC, o que já me animou: “Parece que a noite vai ser boa!”

Quando tava lá, esperando começar a bagaça, surge uma cabeça [Sem falar nos peitos] do lado da coluna e pergunta:

– Ae, sabe jogar truco?
– Claro!
– Quer jogar? Falta um pra completar a mesa.
– Ah, eu vou, tou fazendo nada mesmo.

Papo vai, papo vem, descubro que as 3 moças e um cara [Uma não jogava truco, nem perguntei porquê] são de São Bernardo também. Penso: “Até na Barra Funda!”
Depois de ganhar um 6 [Quem joga vai entender], começam uns barulhos, no palco número 2, …
[Pausa para explicação: Tinham 2 palcos, o número 1 á esquerda e o número 2 á direita. O palco 1 foi pras bandas foda, o 2 pras meia boca]
…e de repente, música! Era o inicio dos shows:

Child of Flames

Me levantei da mesa de truco [Que era o chão], já que os batateiros [É, quem nasce em São Bernardo, além de “são-bernardense”, também é chamado de batateiro, por razões desconhecidas por mim] já tinham ido ver a bagaça…
Enfim, fiquei em pé lá, assistindo o show: Não conhecia som nenhum dos caras, mas mandaram bem, na minha opinião. Nada de especial, queria o que? Eu não conhecia [E não quero conhecer] nenhum som deles.

Ai deu uma pausa nos shows. E enquanto isso, nos telões, ficou rodando um trailer do filme novo do Zé do Caixão: “A Encarnação do Demônio”.
Depois, começa a aglomerar gente no palco 2 novamente, quando começa a tocar o

Suns Turns Black

Mais uma banda que eu ouvi, não achei ruim, mas não me importo, afinal, são só coadjuvantes que servem pra aquecer o público pros shows foda, não? Enfim, também é maneiro, mas vamos em frente.

Ai começou a série de shows sem parar, no começo é empolgante, mas, se tu é sedentário, depois de um tempo cansa. Não é o meu caso.

Foi quando, no palco 1, entrou o

Korzus

Banda mais famosinha, não conheço também, mas na fila ouvi muito nego falando que era uma das atrações que tinha vindo ouvir.
Tocou um som paulera maneiro, com um vocalista que parece o Slash, mas sem a cartola:

Mais feio que isso!

Ponto alto: A última, cover de Slayer – Raining Blood.

Du carai, véi.

Ponto baixo: Vocal meio ruim, na minha opinião.

De volta ao palco 1, veio o

Threat

Mais do mesmo: Preencher os vazios, já que só banda famosa ia sair caro demais.

Ai veio uma sequência de 3 bandas foda, pra mim:

Ratos De Porão

Véi, muito foda, João Gordo tá véio, como ele mesmo disse: “Perae que o tiozinho gordinho tá sem folego…” mas ainda manda muito bem, cara.

Ponto alto: As dancinhas do João Gordo são muito grotescas, mas quem liga? Eu não sabia se batia cabeça ou se dava risada!
Ponto baixo: Não contente em mostrar o cofre, João Gordo mostrou a BUNDA!!! PQP, quase vomitei.

E eu admito, não sei os nomes das músicas do Ratos, meu irmão não deixava eu pegar os discos pra ler.
Mas achei Amazonia Nunca Mais:

Vocês não viram o cofre, fiquem felizes.

Logo depois, começa no palco 2 a tocar o:

Motorocker

Eles são do Paraná, e são conhecidos com um dos melhores covers de AC/DC do mundo.
Mas no Maquinaria tocaram só canções próprias, que também são ótimas!

Ponto alto: O vocal pega uma baqueta e senta num prato com toda a força, umas 3 vezes, ai a baqueta quebra no meio. E ele taca justo em mim!
Ponto baixo: Não consegui pegar a maldita baqueta, sumiu no meio do povo…
E o vocal do Misfits vir zoar no palco, o que desviou a atenção do show dos caras, mó putaria.

Não achei videos deles no Maquinaria, então vai esse mesmo. Compensa.

E, como dito, enquanto rolava o show do Motorocker no palco 2, quem se arrumava pra tocar no palco 1 era o:

Misfits

Ou eu sou muito surdo, ou o equipamento tava ruim, ou meus ouvidos pifaram, ou uma combinação de tudo isso, porque eu não consegui identificar muita coisa dos caras, e no meio do show deles meu celular toca. Adivinhem quem era? Não, não era o Batman… Muito melhor:

Digam oi pra Bel:

BelOi, Bel!

Enfim, depois que achei ela na entrada, fomos lá ver o resto do show do Misfits, e eu consegui ouvir melhor, não sei porque.

Ponto alto:

Die Die My Darling é indescritivel.

Ponto baixo: No final, jogaram várias camisetas. Só que eram tias velhas, gordas e pelancudas que arremessavam os panos em nossa direção, e nenhuma tinha braço o bastante pra elas chegarem até nós.
Mas que se foda, camisetas são compráveis!

No palco 2, vem os caras do:

Embrioma

Outra que eu não conhecia, manteve a galera no ritmo. Mas eu dei uma descansada, porque tava vindo mais pedreira por ae…
Um dos shows mais esperados [Por mim]:

Sepultura

Véi, foi uma hora de show, mas pareceu que foram só 15 minutos, de tão foda, tão desgraçado de divertido que foi. Headbang até o pescoço quase cair.

Ponto alto: War For Territory ao vivo!!!
Ponto baixo: A música nova.

Que tá incompleta…

Foi o um dos dois shows que eu mais me empolguei, fiquei cansadão.

E cansei numa boa hora, porque entrou uma banda que não tava no ritmo do festival:

Tristania

Véi, quase todo mundo sentou no chão, deitou, dormiu, foi comprar uma água, cerveja, dogão, whatever… Uns poucos ficaram lá na frente, ouvindo e pirando no som, se eles gostam, vou fazer o que?
Era pra ser Matanza, mas os caras devem ter pensado: “Porra, se a gente tocar no fim, não vai sobrar ninguém pra assistir!”
E ai foram lá e pediram pra trocar com o Matanza, e os caras aceitaram.

Ponto alto: Você deve estar brincando… Tá, mentira, teve um lado bom: A Bel.

BelÉ, eu também não cansei de olhar.

Ponto baixo: O show.

Tanguinha-MAS EU GOSTO DE TRISTANIA!
Quer ver Tristania?

Depois da quase soneca, entra outra atração internacional, só que essa muito mais empolgante:

Suicidal Tendecies

Véi, que foda! Nos intervalos de tempo, em vez de deixar aquele vácuo sonoro, o vocal puxava um “ST! ST! ST! ST! ST!”
Eles fingiram que foram e voltaram duas vezes, pelo que eu contei. [Talvez tenha contado errado, minha matemática não é das melhores]

Ponto alto:

War Inside My Head, não conhecia, mas é foda

Ponto baixo: O vocal me lembrou o João Gordo, o que me lembrou do cofre… GAH!

De volta ao palco 2, mesmo com o ST tendo animado geral, veio tocar o tal de:

Sayowa

E vocês perguntam:
– Por que raios entrou uma banda desconhecida no meio de tanto peso pesado?
E eu respondo:
– Porque o vocal é um dos organizadores!

Dito isso, vou falar: Eles tocaram no nivel das outras desconhecidas, não animaram muito mais não deixaram a peteca cair, mesmo com uma execução meia-boca de Seek And Destroy do Metallica…
Ou seja: Próximo!

Voltemos ao palco 1, que é onde o show de verdade acontece:

Biohazard

Porra, foi bonzão, mas eu já tava meio cansado, e não sou exatamente fã de Biohazard. Assisti ali, de longe, sem muita preocupação e pans.

Ponto alto:

Shades of Grey

Ponto baixo: Não reparei muito no show pra achar um.

Depois, de volta ao palco 2,

Muscaria

Banda do Equador que, ao contrário das outras, não teve seu nome passando no letreiro lá atrás, o que fez com que ninguém a identificasse, exceto pelo sotaque bizonho.
Mais uma que só segurou o ritmo. [Ou não, já que depois do Biohazard, esvaziou legal o lugar]
Porém, ainda faltava uma banda:

Matanza

Puta que pariu, mesmo eu estando cansadão, depois de umas 10 horas de show, eu levantei minha bunda branca do chão, fui pro meio da pequena multidão que ainda se encontrava lá, e cantei TODAS AS MÚSICAS junto [Acho que Matanza é a única banda que eu sei todas as letras de todas as músicas]

Ponto alto: Whisky Para Um Condenado. Eu tenho um certo vício por essa música, não sei bem porque.
Ponto baixo: Quem perdeu se fudeu. E não tou falando só do Matanza!

Clube dos Canalhas. Só 30 segundos, não achei mais.

Matanza aproveitou que era o último e tocou pra caralho, sorte de quem ficou até o fim.

Balanço geral: 80 pila muito bem aproveitados. Mas a Jasmin St. Claire nem deu as caras…

Leia mais em: , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • joao

    filho da maaaaaaê! e eu fiquei de bobeira!

  • bel

    e não só olhou como também arremessou bolinha de papel no decote, hein? hahaha!

    foi FODA o maquinaria. descolamos nossos cérebros do crânio!

  • Kalinkia

    O relato ficou perfeito!

    Dô parabéns ao autor, soube contar de uma forma divertida, detalhada e bem informativa. ^^

    Não vi o evento (e nem poderia), mas deu pra ter uma ótima idéia sobre tudo.
    Azar de quem foi embora cedo e sorte de quem ficou até o fim (e até para quem ficou um pouco mais depois de tudo acabar). =X

    “Du carai, véi.” Concordo. ^^

  • Kalinkia

    ->”E lá vou eu pro fim da fila…”

    Tadiiiinho. xD

    ->”Oi, Bel!”

    Oiiii! =P

    ->”Vocês não viram o cofre, fiquem felizes.”

    Aleluia. \o/

    ->”ai a baqueta quebra no meio. E ele taca justo em mim!”

    Onde acertou? /o/

  • @Bel
    Pois é, eu falei que sou profissional, você duvidou, tive que mostrar como fas

    @Kalinkia
    A baqueta bateu no mamilo direito.

  • Festival sempre é bom de ir, não importa o tempo que se passe lá dentro.

    Motorocker é foda mesmo! Quando eu comecei a curtir eles, eles tinham pouca coisa própria e arrebentavam só com o bom e velho AC/DC. Já faz quase um ano que os shows viraram próprios e só rola uns dois covers de AC/DC.
    Mas mesmo assim eu vou em todo show aqui em Curitiba! Assim como os do Matanza.

    Muito bom o texto, continue resenhando!

  • atillah

    Caralho. E pensar que era pra eu ter ido nessa merda. Vou ter que me contentar com showzim do Matanza aqui em curitiba mesmo.

    ótima, óTIMA descrição do show, Pizurk. Esses nossos leitores dão orgulho, cara.

  • Heero

    Caralho Pizurk, moh fdp vc hein? Show do caralho! =D

    Concordo com quase tudo ae q tu disse, mas tu disse q o Threat não é famoso cara? Os caras vão tocar no Wacken Open Air esse ano (se não sabe, maior festival de metal DO MUNDO).

    No mais, invejo-te pra caralho, seu orc puto! =)

  • Kayaphas

    sobre o Motorocker: eu peguei uma parte da baqueta q caiu na minha frente…mas eu tava na grade aih tive q usar da assistencia de um segurança xD
    a outra metade quem pegou foi uma amiga =D
    foi foda demais….mas fui embora logo q começou o tristania xD

  • Renata

    “e não só olhou como também arremessou bolinha de papel no decote, hein? hahaha!”

    OUCH! Virou mesmo o terrorista das bolinhas de papel no decote?
    Ficaram umas perdidas aqui depois daquele seu FDS nas minhas terras >.>”

    “A baqueta bateu no mamilo direito.”
    Sinta-se feliz por ser homem! =D

  • Red

    bom texto

    *levantando a poeira do blog*

busca

confira

quem?

baconfrito