A ficção científica e o futuro (Nem tão) utópico de Jornada nas Estrelas

Televisão quarta-feira, 20 de novembro de 2013 – 0 comentários

Séries e filmes são, por definição, entretenimento. E o ato de entreter pode ser (E é, geralmente) entendido como o ato de não perturbar o espectador com questões difíceis. Se não fosse assim, um debate científico ou político seria considerado entretenimento puro. Mas o momento de se distrair é justamente a ocasião pra se distanciar do que pesa na mente e relaxar. E, no que nos interessa para o texto de hoje, a ficção científica foi para o cinema e a televisão com esse mesmo propósito natural de todo entretenimento que é nos distanciar da dificuldade diária de viver e nos dar breves períodos de tranquilidade despreocupada. Mas em algum ponto da história da indústria de entretenimento, começamos a dosar a realidade e todas as suas questões difíceis com o irreal, com o fictício; talvez essa mistura tenha sempre existido, quem sabe. De um jeito ou de outro, o que saiu foi algo ainda mais poderoso, algo que não nos desliga da realidade, mas que nos convida a pensar nela, nos inspira – e termina por nos fazer pensar em nós mesmos. Mas ainda: Às vezes podemos refletir até sobre nosso futuro. Vem comigo.

 continue lendo »

Meu Top 10 melhores filmes da galáxia

Cinema sexta-feira, 13 de setembro de 2013 – 7 comentários

É, eu resolvi listar meus 10 filmes favoritos e causar derrames em todos vocês, queridos leitores cultos e fãs de cinema europeu. Pode até ser que meu gosto mude, pessoas mudam de ideia o tempo todo, sem contar que novos filmes são lançados todos os dias, mas neste exato momento, estes são os melhores filmes da galáxia. Enfim, vamos ao que importa, a lista.

Listar seu filmes favoritos é uma coisa muito difícil, principalmente se você tiver assistido muitos filmes. Porém, eu aceitei esse desafio e com muita dificuldade consegui listar os filmes que não me canso de assistir. continue lendo »

A palavra de um fã sobre o novo filme de Jornada nas Estrelas, viagem no tempo e outras coisas

Cinema sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 4 comentários

Sou fã de Jornada nas Estrelas e não nego. A série original, dos anos 60, tem me acompanhado desde a primeira vez que a vi, ainda garoto. Só que pra mim nunca houve aquilo de ser excluído, esquisito, um nerd no sentido oitentista do termo, não. Sempre vi Jornada como algo mais filosófico do que outra coisa. E quando criei minhas primeiras contas de e-mail e redes sociais, anos atrás, tudo estava cheio de referências àquela série antiga de ficção científica que meus amigos e colegas na época mal tinham ouvido falar. Acabou que na internet eu virei Júlio Kirk, em homenagem ao capitão da Enterprise. Essa é minha história resumida com Jornada nas Estrelas. Mas, em um certo dia ensolarado de 2008, por aí, fiquei sabendo que ia ter um novo filme da franquia, e fiquei desconfiado. Que merda vão fazer? Claro, merda, por que mexer em uma coisa cult nos dias atuais acaba em merda quase sempre. Mas a coisa não foi bem assim. Aliás, a desconfiança voltou. Pra saber mais, vem comigo. continue lendo »

A Síndrome de Spock

Cinema sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 4 comentários

Sendo direto: Vocês sabem o que é a “síndrome de Spock“? Não adianta procurar na internet, vocês não vão muito mais longe do que eu. Pois eu ouvi esse termo ser mencionado em algum lugar muito tempo atrás (É sempre bom ser específico), e pra mim ele consta como sendo algo que vários de nós já percebemos sem saber. Vem comigo. continue lendo »

Jornada nas Estrelas – 45 anos

Televisão terça-feira, 13 de setembro de 2011 – 1 comentário

Não é nenhuma novidade que eu gosto muito de Jornada nas Estrelas. Adotei o sobrenome do capitão da Enterprise para me representar na internet e nos meus textos; uma das primeiras coisas que fiz com meu primeiro salário – junto com comprar uma fita de Nintendo 64 – foi comprar artigos da série; hoje tenho os boxes dos DVDs, etc. E não, não sou um exemplo do trekker com dificuldades no trato com as pessoas – tenho minha querida mulher e uma boa vida social. Meu gosto por Star Trek vem de razões que a maioria dos “fãs” desconhece ou ignora. Aliás, a série completou 45 anos e eu vou dizer por que ela merece o respeito que dou pra ela.

 continue lendo »

Star Trek: Ano Quatro (Devir)

HQs quinta-feira, 11 de agosto de 2011 – 7 comentários

Jornada nas Estrelas, a série original, foi cancelada depois de três anos de produção e daí entrou para a história da televisão como uma das séries mais influentes de todos os tempos. Outras franquias e vários filmes surgiram através dos anos, baseados na criação de Gene Roddenberry. Mas neste texto o que nos interessa é o supracitado cancelamento. Querendo ou não, o centro de tudo, a série original Jornada nas Estrelas, durou muito pouco. Por isso, em 2007 uma revista em quadrinhos tentou “continuar” a série de 1966; claro, com os limites de uma revista em relação à uma série, até fizeram algo interessante. E assim nasceu Star Trek: Ano Quatro. continue lendo »

Das telinhas para as HQs

HQs sexta-feira, 22 de outubro de 2010 – 1 comentário

É comum, principalmente nos últimos anos, vermos quadrinhos sendo adaptados para a telona, e às vezes a telinha. Mas o sucesso de certas séries da televisão acabam levando o sucesso da TV para a arte sequencial em papel. continue lendo »

Cadê os Filmes de Ficção?

Primeira Fila sexta-feira, 07 de novembro de 2008 – 5 comentários

Numa época onde os efeitos especiais vão além da imaginação e o dinheiro nem sempre é problema, é de estranhar que o gênero de ficção/ficção científica esteja em coma. Quase não há produções qualificadas do gênero, além daqueles Bzões medonhos, e Hollywood pouco aposta em roteiros que já criaram clássicos como 2001 – Uma Odisséia no Espaço, Mad Max e Blade Runner – Caçador de Andróides, somente para citar alguns exemplos.

Para exemplificar neste ano de 2008, talvez com exceção do bom Eu Sou a Lenda, os demais exemplares do gênero com certeza estarão em listas de piores do ano, e no caso das próprias distribuidoras saberem disso, acabam lançando-os diretamente em dvd. E mais estranho é observar que o grande destaque do gênero seja a animação da Pixar, Wall.E, que no entanto não possui atores de carne-e-osso, apostando no gênero com uma trama simples e muito poética, uma chinelada nos roteiristas do gênero.

Iniciamos o ano com o abacaxi da marca maior (ou seria pior?) Alien vs. Predador 2, um legítimo produto da ganância hollywoodiana em busca de uma franquia, que já não se apresentava bem no primeiro filme. Daí os produtores insistem em tentar “roubar” os infelizes fãs de figuras icônicas do cinema de ficção, Alien e o Predador.

Somente dez meses depois outro exemplar do gênero chega aos cinemas, Missão Babilônia. Com expectativa já afundada, pois até o próprio diretor da película, Mathieu Kassovitz (francês que na década de 90 estourou no circutio alternativo com o filme O Ódio, depois se perdeu em adaptações comerciais como no ok Rios Vermelhos), renegou o filme, junto ao seu astro, Vin Diesel (que também já viveu dias melhores no gênero com o excelente B, Eclipse Mortal), em virtude da manipulção dos produtores nos cortes finais do filme. A lamentar, pois o filme poderia ser um resgate do curioso tema do recente já clássico Filhos da Esperança, talvez última ficção de destaque mundial, dirigida pelo mexicano Alfonso Cuáron.

E só! Os demais lançamentos ficaram restritos aos dvds (depósito do grosso da produções hollywoodianas), sendo A Era da Escuridão – Mutant Chronicles o destaque, mesmo que o roteiro não seja grandes coisas, mas sabe como é fã, aceita migalhas para saciar o vício. Do que estava prometido para este ano faltou Juízo Final (dirigido pelo, até então, competente Neil Marshall, que ficou bastante conhecido no circuito terror pelo ótimo Abismo do Medo), reagendado incontáveis vezes pela distribuidora Europa Filmes, mal sinal. E com razão, o filme é um misto de Mad Max e Resident Evil que não leva à lugar algum, e o elenco é rísivel.

No nosso futuro, isto é, para 2009, haverá maior número de opções, entretanto, em sua maioria roteiros de refilmagens e/ou continuações de franquias. Veja alguma delas:

O Dia em que a Terra Parou: Keanu Reeves volta ao seu melhor gênero (Matrix), junto à belissíma Jennifer Connelly.
Sinopse: Um alienígena chega à Terra, acompanhado por um imenso robô, para pedir paz aos governantes, pois o constante estado de guerra em que vivemos está colocando outros planetas em perigo. Refilmagem de “O Dia em que a Terra Parou” (1951), de Robert Wise.

Efeito Borboleta 3: Não, você não leu errado. Depois da catastrófica continuação lançada diretamente em dvd nos Eua, ainda vão tentar sugar um pouco de dinheiro da trama instigante do original, que até era legal. Sem ninguém no elenco dos filmes anteriores, bom pra nós, se isto serve de consolo!
Sinopse: Depois de se salvar de um incêndio na infância, Sam Reed ganhou de maneira misteriosa a capacidade de viajar no tempo, dom que é utilizado para ajudar na luta contra o crime. Mas quando volta no passado para salvar um inocente do corredor da morte, Sam começa a perseguir o verdadeiro assassino de uma antiga namorada, o que muda a vida de todos os envolvidos.

O Exterminador do Futuro – A Salvação: Mesmo a série televisiva não fazendo muito sucesso vão, finalmente, retratar o que ocorreu durante a dominação da Skynet. No elenco, o sempre eficiente Christian “Batman” Bale e Helena Bonham Carter.
Sinopse: No pós-apocalíptico ano de 2018, John Connor é o homem destinado a liderar a resistência humana contra a Skynet e seu exército de Exterminadores. Mas o futuro no qual Connor foi criado para acreditar foi parcialmente alterado pela chegada de Marcus Wright, um estranho cuja última memória é a de estar no corredor da morte. Connor precisa determinar se Marcus foi enviado do futuro ou resgatado do passado. Conforme a Skynet prepara seu massacre final, Connor e Marcus embarcam numa odisséia que os levará até o coração das operações da Skynet, onde eles descobrirão o terrível segredo por trás da possível aniquilação da raça humana.

Jornada nas Estrelas 11: Ganhando bastante hype da mídia, principalmente por estar nas mãos de Midas de J.J.Abrahms, Star Trek (para os trekkies) retorna com muito fôlego, mesmo estando afastada da telinha há anos. Elenco jovem, personagens já conhecidos e a vontade de ressuscitar a franquia, será isto o bastante?
Sinopse: Voltando na linha do tempo da série, veremos como o Capitão Kirk e o Sr. Spock se conheceram na Academia e a primeira missão da tripulação da Enterprise.

Séries na Telona

Primeira Fila sexta-feira, 20 de junho de 2008 – 4 comentários

Depois da estréia de Sex and The City – O Filme, neste final de semana estréia Agente 86, outro filme baseado numa série televisiva, comprovando a difícil época de filmes originais pelas bandas de Hollywood. Se você acha pouco, ainda nesta temporada estréia, Arquivo X – Eu Quero Acreditar, segundo longa-metragem da já clássica dupla Mulder & Scully.

Estes filmes vão ser somados á longa lista de adaptações de séries televisivas para o cinema (ainda na moda junto ás adaptações de quadrinhos). Assim como ocorre em todos as febres hollywoodianas, enquanto alguns filmes caem em boas mãos e se transformam em filmes decentes, com direito a elogios de fãs, outros não servem nem como episódio especial (mais longo) e em casos de séries antigas, nem como homenagem.

Abaixo alguns bons exemplos de adaptações e outros que não valem nem para fã de carteirinha da série:

Filmes que ficaram tão bons quanto a série (ou melhor)

O Fugitivo – Excelente releitura da série dos anos 60, com direito a um Oscar para Tommy Lee Jones como melhor ator coadjuvante;
Jornada nas Estrelas – Se esquecermos á Maldição dos filmes ímpares, lembrem-se que os melhores filmes são os pares, torcendo os dedos para que J.J. “Lost” Abrams acerte a mão na nova aventura da Enterprise;
Miami Vice – Gosto da releitura de Micheal Mann (produtor da série) dando ares mais realísticos e abrindo mão do ar cafona dos anos 80 que ocupava cada minuto da trama praieira;
A Família Adams (os dois primeiros) – Por favor, nem vou comentar as continuações posteriores, as adaptações que valem são aquelas com Raul Julia, Angelica Huston e uma jovem Christina Ricci, como Vandinha;
Os Intocáveis – Outro excelente exemplo de releitura. Neste caso, Brian DePalma acerta a mão neste filme de gângster excepcional, com direito a um Oscar para Sean Connery;
Missão Impossível – Vale pela abordagem apesar de achar que Tom Cruise ofusca demais os outros personagens. Teve três diferentes diretores, obviamente, que o primeiro de Brian DePalma é o mais regular;

Filmes que ficaram pior que a série

Os Vingadores – Maior fiasco dos últimos tempos, acho que a pior adaptação até hoje. Nada funciona, nem mesmo os efeitos especiais e o brilhante elenco (fora do filme, pelo menos): Uma Thurman (de couro preto coladinho, somente o que vale a espiada), Ralph Fiennes (pagando o IPTU) e Sean Connery (também pagando o IPTU);
A Feiticeira – Não funciona porque ficou muito quadradinho na telona, sem graça e um pouco infantil, talvez tenha perdido a época (ficou nostálgico e ingênuo demais), mesmo tendo Nicole Kidman mexendo o narizinho;
As Loucas Aventuras de James West – Esqueça Os Vingadores, este sim é o pior de todos. Outro exemplo onde nada funciona, a não ser o ego de Will Smith, tudo é exagerado e o roteiro um fracasso total;
Perdidos no Espaço – Exemplo de como não adaptar uma série antiga na telona, elenco sem química, apesar dos nomes, filme sem emoção;
Starsky & Hutch – Perdeu quase toda abordagem policial e virou uma paródia (divertida, sim, em alguns momentos) de si mesmo;
S.W.A.T. – Peca por ter um roteiro muito fraco, principalmente o vilão, caricatural. O elenco também não segura as pontas e tudo se torna convencional demais;

Filmes com cara episódio especial (ou duplo)

Os Simpsons – Bem realizado com algumas boas piadas, mas não foge muito da estrutura da série, a não ser pela duração;
Arquivo X – O Filme – Filme para fãs porque o roteiro privilegiou quem acompanha a série nas primeiras cinco temporadas. O filme estreou entre a 5ª e a 6ª temporada, e conseguiu acrescentar fatos importantes na mitologia da série, no entanto, desta maneira dificultou aos não iniciados. Em julho, os fãs poderão matar a saudade do universo e personagens desta excelente série;
As Panteras – Só está aqui por não poder ser levado a sério, acerto da direção e do elenco que parecem se divertir mais do que nós que estamos assistindo. Além disso, Cameron Diaz sempre vale uma espiada;
A Grande Família – Não acrescenta nada de especial a série para justificar sua exibição nos cinemas e o pior é que como comédia o filme é muito dramático em diversos momentos;

confira

quem?

baconfrito