Especial Foo Fighters: Top 10 – As melhores da banda

New Emo quarta-feira, 19 de setembro de 2007 – 15 comentários

Bom, tá rolando um especial sobre uma das bandas mais foda da galáxia, Foo Fighters, disso todo mundo tá sabendo. Enfim, fazer um top 10 com as melhores músicas da banda seria extremamente óbvio. Em todos os top 10 com esse assunto você encontraria as mesmas músicas, provavelmente nas mesmas posições. Então, eu tentei dar uma diferenciada, vamos ver como fica.

Ah, antes de mais nada: Não vou citar músicas do novo álbum, ele nem foi lançado ainda. Então, fica pra próxima.

10 – This Is A Call (Foo Fighters)
Uma das melhores do primeiro álbum da banda. Calma, depois agitada, e aí a empolgação domina a bagaça e você só fica parado se tiver tomado quatro comprimidos de laxante pra fazer um exame de colonoscopia no dia seguinte. Uhh…

9 – Resolve (In Your Honor)
O que você esperava? Orra, o som é sensacional, e o clipe também é. Se eu fosse TANGA, cantaria essa música no chuveiro.

8 – DOA (In Your Honor)
DOA é empolgante, é o tipo de som que você devia ouvir quando estiver puto. Principalmente no fim de um namoro, ou algo do tipo. Ouça, véi. Ouça. E se liga no clipe.

Não tem como não se empolgar.

7 – My Hero (The Colour And The Shape)
Exatamente, sétimo lugar. My Hero não é tudo isso que falam. A música é boa, empolgante e tudo mais, não é atoa que é top 10 da banda. Mas, sinceramente, a banda não se resume a esse som. Ao menos, se tratando de clipes, My Hero seria um dos primeiros.

6 – Best Of You (In Your Honor)
Véi, século 21, em um tempo que todos desistiram do sonho de ouvir alguma música boa no rádio. Até os filhos da puta do Foo Fighters terem a idéia filha da puta de lançarem mais um álbum, e divulgarem esse single. A sensação foi a melhor, e é essa a resposta que eu tenho para os indies que falam que essas bandinhas aí são as “salvadoras do Rock”:

A não ser que seja “salvar o Rock de uma morte menos dolorosa, tornando tudo mais difícil e fazendo com que o puto sofra e morra quinze vezes”. Foo Fighters salva, véi.

5 – Breakout (There Is Nothing Left To Lose)
Acho que essa foi a música que me fez conhecer a banda. Claro que eu já havia escutado outras, mas com ouvidos de quem não tá nem aí pra o que tá escutando. Enfim, uma das músicas mais empolgantes dos caras.

4 – Everlong (The Colour And The Shape)
O maior clássico da banda. Baladinha sensacional, um pouco grudenta, e empolgante (pra variar). Alguns acham brega, mas é legal ser brega. Eu sou brega. Cês não me acham legal?

Agora vem a parte mais difícil, o top 3 da banda. Por mim, as três músicas a seguir ficariam em primeiro lugar. Mas não dá, né. Enfim, seja o que Dave Grohl quiser.

3 – Stacked Actors (There Is Nothing Left To Lose)
HEY, HEY NOOOW, can you fake it! Can you make it LOOK like we WAAANT! HEY, HEY NOOOW, can you take it! And we cry when they all die BLOOONDE! STACK dead actors, stacked to the rafters, line up the BASTARDS all I want is the TRUTH! É o refrão viciante deste som. Cara, sério, não dá pra falar de Foo Fighters sem falar “empolgante”. E não dá pra deixar uma música dessas fora das primeiras posições.

2 – All My Life (One By One)
Nem preciso falar da letra, 1 a cada 0,3 fã se identifica com ela. O som é uma pedrada só, com direito a suspense em umas partes. Enfim, não tá no top 3 da banda por acaso.

1 – Wattershed (Foo Fighters)
A PEDRADA do Foo Fighters, o som MAIS EMPOLGANTE da banda. É tão empolgante que até o Dave Grohl fica sem saber se toca ou canta, no vídeo abaixo. E, convenhamos, que bigode deprimente.

Taí, acho que alguns sons da lista podem ser considerados supresas, mas é aquela coisa: É meu gosto. É errado falar que essas são as melhores músicas da banda, já que se trata apenas de uma opinião. O meu top 10 é o meu top 10, e o top 10 da BBC é o top 10 da BBC. Então, a pergunta é: Qual é o SEU top 10? Deixa de preguiça e comenta com ele aí, AGORA.

Previsões para os próximos lançamentos no mundo do Rock

New Emo quarta-feira, 12 de setembro de 2007 – 4 comentários

Escolhi cinco bandas pra comentar sobre seus próximos lançamentos e dar palpites sem valor algum pra humanidade, meu hobby. As bandas são: Foo Fighters, The Hives, Down, Alice in Chains e Metallica. Vamos usar essa ordem, então.

FOO FIGHTERS – ECHOES, SILENCE, PATIENCE AND GRACE
Bom, já divulguei algumas coisas (repare no bug que assombra esse site, ninguém consegue resolvê-lo) sobre o novo álbum do Foo Fighters, inclusive já ouvi e comentei com vocês sobre o novo single, e também passei o vídeo ao vivo de uma das músicas que estarão no CD. As primeiras impressões foram ótimas, principalmente com o single The Pretender (veja o clipe). Sinceramente? Eu espero um álbum tão bom quanto o One by One. Isso é, se as músicas seguirem a linha de The Pretender. Falando em Mainstream, este pode ser o melhor álbum do ano. Porra, é Foo Fighters, depois desse tempo todo não dá pra esperar algo meia boca dessa banda. Pelo menos eu não espero. Data de lançamento? Dia 25 de Setembro. Vai ter review? Tudo indica que sim. Aliás, se você é fã da banda, sugiro que fique ligado no AOE a partir da semana que vem. Já vai favoritando aí.

THE HIVES – THE BLACK AND THE WHITE ALBUM
Foi a surpresa do ano, pelo menos pra mim. Eu não esperava que os caras do The Hives fossem gravar um álbum novo tão cedo. Aliás, já não esperava muito da banda, se um dia ela realmente gravasse algo. Enfim, eles gravaram, e ficou bom pra caralho. Colocaram um vídeo tosco no Youtube, clique aqui e apenas escute o som. Cara, é sensacional, eu diria que tá pau a pau com o single do Foo Fighters. Os caras finalmente acharam a cara deles, tendo em vista que esse som segue o estilo do último álbum lançado pela banda. Mas tá muito, MUITO mais foda. Então, eu espero pelo melhor álbum da banda, e também espero que eles gravem mais cd’s pela frente. Lançamento? 8 de Outrubro na Inglaterra e dia 9 de Outubro nos EUA. Review? Claro.

DOWN – OVER THE UNDER
Orra, Phil Anselmo, finalmente. Pra quem não sabe, Down é a banda do ex-vocalista do Pantera, Phil Anselmo. Enfim, depois de… cinco anos, acho, finalmente os putos vão lançar um álbum novo. Bom, uma música ao vivo, I Scream, eu publiquei aqui pra vocês. Sei lá, músicas ao vivo não são a mesma coisa, então seria suspeito opinar. Mas dá pra ter uma idéia do que vem por aí, e parece que infelizmente eles vão seguir a linha do último álbum, que é mais pesado e tem menos scream. Porra, Anselmão, você sem os gritos não é você, mano. Vai ser ruim? Não, mas pode ser que fique meia boca. Enfim, o álbum sai no dia 25 de Setembro, também, vai ser trabalhoso resenhar dois álbuns novos na mesma semana.

ALICE IN CHAINS – NOVA FORMAÇÃO
Sim, ainda sem álbum novo, apesar de estarem gravando shows acústicos e novas músicas no estúdio. Bom, William DuVall é o novo vocalista da banda e, como você viu aqui, até que ele tá fazendo um bom trabalho. Foi empolgante saber que eles voltaram, mas porra, Alice in Chains sem o finado Layne Staley não é o Alice in Chains. Então, apesar de estar feliz com a volta, estou com os dois pés atrás. Espero que eles lancem logo um som novo, em estúdio, porque tocar os clássicos da banda ao vivo não vai dizer muita coisa. Enfim, o cara é bom, mas veja o exemplo do Sepultura. Não espero nada realmente empolgante, e já estou preparado pra me decepcionar.

METALLICA – NOVA CHANCE
Após cagar no pau com o álbum St. Anger, o Metallica tá gravando sons novos e já tocou dois ao vivo pro povo ver, e isso você viu aqui. E aí? Como eu já havia dito, infelizmente eles não conseguem fugir de duas assombrações chamadas Load e Reload. Mas ao menos voltaram com os solos. Então, já é alguma coisa. Porém, não esperem nada do Metallica. A banda já era. Eles vão ter que trabalhar muito, mas MUITO pra fazer o que faziam antes do álbum Black, ou pelo menos o que fizeram nesse álbum. Então, nada de surpresas aqui. A banda acima vai se dar bem em comparação ao Metallica, que vai fazer uma música legal e decepcionar com o resto. Mas eu digo uma coisa: Por favor, Metallica, queime a minha língua. Por favor.

Enfim, só isso por enquanto. Não citei muita coisa pra não ficar saturado, quem sabe nas próximas colunas eu cito mais lançamentos. Mas a pergunta é: Vocês concordam?

Tim Festival: Até o Carnaval de Taboão da Serra é melhor

New Emo quarta-feira, 05 de setembro de 2007 – 19 comentários

Nessa semana começou a correria pra comprar os ingressos do Tim Festival desse ano, que, na boa, é um dos shows mais decadentes do ano. Atrações principais? Posso citar duas: Björk e The Killers. Eu podia terminar essa coluna aqui, mas não, preciso citar as outras atrações pra você ver que eles conseguiram ser ainda piores. Saudades da concorrente Claro, que trouxe IGGY POP, quase do lado da minha casa. Enfim, vamos ao que interessa (que irônico): Tim Festival 2007.

Arctic Monkeys e Juliette and the Licks também são uma das atrações mais esperadas pelo povo mais assutador da galáxia (vulgo indies), aqueeeles que costumam gastar mais de cem contos num festival com bandas assustadoras como essas (indies). O pouco que eu ouvi das duas bandas, principalmente da primeira, já foi o bastante pra me manter longe delas. Sério, Arctic Monkeys é uma das bandas mais chatas que eu ouvi nos últimos tempos, mesmo assim eu sou suspeito a falar por ter ouvido pouca coisa da banda, e admito isso. Uma coisa é eu criticar a banda só por ela ser indie (o que já é o bastante), outra coisa é eu criticar ela sem saber do que eu estou falando. Então, vou analisar uma música deles AGORA, em tempo real, ao vivo, na frente do seu monitor.

Cara, como eu odeio ser chato. Não acredito que vou ter que ver e ouvir isso só pra falar mal da banda.

Eu não vou falar NADA sobre o clipe, os clipes do Xitãozinho e Xororó são mais bem feitos e não mostram um cara sem camisa com óculos escuros de repente. E outra, essas minazinhas dançando são um plágio descarado do clipe Pretty Fly (For A White Guy), do Offspring. Enfim, vamos falar da música: O vocal não canta nada, em primeiro lugar. Em segundo, eu não sei porque indie gosta de começar as músicas desse jeito. É clássico pegar um álbum de alguma banda indie e ouvir uma pseudo-porrada como introdução, e aí vem uma música chata, monótona e sem graça, com toda essa redundância, mesmo. E o ritmo? É uma mistura de música eletrônica com, sei lá, alguma música do Terra Samba, com umas guitarras. Eu tinha um cd do Terra Samba na minha pseudo-infância, sei do que estou falando. É uma batida repetitiva com umas paradinhas pra dar uma rebolada. Juliette and the Licks já é um som mais poser, e… caramba, não tem como não ser redundante. Enfim, se tem algo que valha a pena nessa banda, é…

…se manter longe do cd, não se deixe levar por essa foto.

Björk faz um tipo de música que não me agrada, assim como o resto das atrações que eu não citei aqui, e até mesmo como as atrações que eu citei aqui. Ou seja, o festival INTEIRO não me agrada, deve ser por isso que eu não estou falando bem dele, e me resumindo a falar de bandas dentro do gênero que mais se aproxima do Rock. Então, vamos falar de The Killers. Não! NÃO! Eu nunca vou me perdoar por isso.

HAHAHAHAHA, sabe o cara que toca bateria, lá no fundo? Pois é, ele chamou o sobrinho de 13 anos pra ser vocalista da banda, e ainda pintou uma barba mal-feita na cara do coitado. E se o clipe anterior era ruim, esse aí merecia um Grammy. Os clipes antigos do Black Sabbath eram bem melhores, e não estamos falando da música – afinal, comparar The Killers com Black Sabbath é como comparar a Preta Gil com a Kate Winslet. Não dá pra suportar a voz desse cara, imagina ter que aturar isso e a performance dessa banda ao vivo? E eu não sei o que é pior, se é a melancolia da música ou o pseudo backing-vocal que chega atropelando os gritinhos do vocalista, antes do refrão. Sem contar que todas as músicas dessa banda são iguais, o que era de se esperar de uma banda indie.

Mas não estamos aqui só pra falar mal das bandas indies, mas pra falar mal do Tim Festival. Eu pagaria cinco, CINCO reais pra ver o show do Tony Platão e a bunda da Juliette, e ainda reclamaria do preço alto. Sério, eu não quero criar polêmica ou provocar quem gosta das bandas, é só a minha opinião: Tony Platão e a bunda da Juliette são as “coisas” que livraram o Tim Festival de ser a pior decadência da galáxia. Afinal, poderiam entrar Kaiser Chiefs e The Magic Numbers no lugar, aí eu juro que eu ia reclamar pelo resto da minha vida até alguém ter a moral de trazer o que realmente vale a pena. E não é só a minha opinião, não sou só eu quem quer Foo Fighters por aqui. Aposto que mais que o dobro de quem vai ao Tim Festival espera por esse dia. Até mesmo por Green Day, que é outra banda decadente, mas vale BEM MAIS do que qualquer coisa que estejam trazendo por aí. Fazem tantos shows internacionais no Brasil mas não conseguem trazer o que o povo mais quer. Foi sorte trazer o Pearl Jam.

Então, fica aí minha dica pra essas grandes multinacionais fodonas que querem ganhar dinheiro pra cacete com shows. Tragam bandas de verdade se é pra fazer valer o ingresso.

Brincando de cantar polêmica

New Emo quarta-feira, 29 de agosto de 2007 – 8 comentários

A gente chega em uma época da vida muito chata chamada pré-adolescência, onde qualquer coisa é motivo pra chilique. Tanto que é nessa época em que quem gosta de música começa a ficar chato pra cacete. E nem venha com essa história de que você não ficou. Você É chato e não entende NADA de música.

Eu não vou escutar essa porcaria, isso é modinha! – Clássico. A música pode ser uma beleza, mas se é popular, é uma merda. Essa banda é vendida! – Outro clássico. É impressionante como a gente se esquece da qualidade da música e só dá atenção ao que a banda faz ou deixa de fazer. Até que você fica tão chato que desiste de tudo isso e começa a ouvir de tudo, mas não é o que acontece na maioria dos casos. Eu era chato nessa época com esse assunto, mas não era o mais chato, por incrível que pareça. Quando comecei a vasculhar o underground, procurando por Punk e Metal, caiu a ficha. E entrou outra questão: Esses caras são assim só pra vender?

Um exemplo que eu posso citar logo de cara é uma banda que eu não ouço e odiava os fãs: Nirvana. No começo, a banda era Punk, mas o Kurt decidiu fazer um som que se encaixasse mais no Grunge, que era o BABADO da vez. Grunge dava mais polêmica que Punk, ou pelo menos polêmicas mais… divulgadas, e foi assim que a banda ficou conhecida: Fazendo polêmica. Porém, realmente o Kurt tinha problema, e atingiu o auge da polêmica se matando. Era o que todo Grunge acabava fazendo.

Agora, você pode pegar uma banda feito o Matanza, por exemplo. Os caras não são podres de bêbados, não tinham um caminhão, não participaram de tiroteios e nem devem ser tão machistas assim. Ou seja, são músicas fictícias, e diverte pra cacete o povo. Espera aí, são músicas fictícias ou marketing? Eu diria que são os dois, as letras atraem o pessoal, mas é essa a idéia de se fazer música, não? O que adianta fazer uma música se ela não vai render? Slayer, por exemplo, os caras não passam a madrugada queimando bíblias e cristãos por aí, no máximo são… ateus. E por que eles fazem músicas assim? É polêmica, e tem gente que gosta. E deu certo, os caras conseguem mesmo causar polêmica, até porque eles atacam um assunto que mais que a metade do planeta leva a sério: Religião. Eles são uns excluídos, mas são idolatrados por quem odeia essa coisa toda. Eu não idolatro eles, mas esse exemplo aqui só me convence de que eu devia idolatrar.

Funk. Polêmica da primeira á última batida, e, véi, quanta gente gosta de Funk. Não to dizendo que o que agrada é polêmico, mas todo mundo gosta de polêmica, principalmente brasileiro. Não é atoa que 1 a cada 58 canais abertos da nossa TV têm pelo menos um programa voltado para a fofoca. Nem que seja um BBB.

Essa de que ninguém mais faz música com o coração é papo furado. Desde o início a maioria faz música por dinheiro, é um emprego, afinal. Se você quer ouvir música “sincera”, provavelmente você não vai achar isso num cd do RBD. É tudo tão óbvio que eu nem acredito que fiz uma coluna pra falar desse tema.

Então, quando alguém te parar na rua e dizer que o cd do My Chemical Romance que você tá ouvindo não tem nada proveitoso tirando uma música ou outra, e só a música, concorde. É verdade, ué, as letras dos caras são uma porcaria e totalmente comerciais. Mas, e daí, você vai deixar de gostar da banda por causa disso? Música não depende da letra.

Por que o Rock brasileiro é uma merda?

New Emo quarta-feira, 22 de agosto de 2007 – 42 comentários

Porque brasileiro não nasceu pra fazer Rock. Demora muito pra cair a ficha: Moramos no país que pára em época de carnaval. Rock não tem espaço no Brasil.

Os anos 80 e o começo dos 90 foram o começo e o fim do Rock por aqui. Bandas fenomenais como Plebe Rude, Ultraje a Rigor, Titãs, Paralamas do Sucesso, e também as ruins como Barão Vermelho, Legião Urbana e Capital Inicial, entre poucas outras, foram pioneiras no estilo. E sempre se ferravam pra conseguir levar o som deles pro maior número de ouvidos possível, afinal, por mais que fosse o “som da vez”, brasileiro não engole fácil esse tipo de música. E a coisa só começou a piorar quando vieram os anos 90.

Todo mundo morreu. Ou pelo menos boa parte. Agora, mais do que nunca, a mídia começou a investir no Rock. Quer ficar famoso? Então faça o que eu mando. Como todo aquele papo de censura, repressão e o caralho a quatro foram pro saco, o brasileiro parou de pensar e começou a gostar mais de músicas bestas: O auge do PAGODE, o início de uma nova era. O que era uma banda de Rock perto d’Os Travessos? Era… ruim. Aliás, Titãs gravando com Terra Samba foi a PROVA de que o Rock não ia dar certo por aqui. Titãs já era, por sinal. Cadê toda aquela essência e rebeldia do começo da carreira? Foram embora, e no lugar veio a grana. É muito melhor fazer baladinhas e músicas “aceitáveis” do que fazer Rock, a não ser que você queira fazer sucesso no exterior.

Agora, você discorda que o Rock aqui não dá certo? Então vamos argumentar. Quantos festivais de Rock extremamente conhecidos temos por ano? E de axé? Nem o Rock in Rio é mais conhecido que o Carnaval, aliás. Rock in Rio? Sim, aquele espetáculo que não é mais apresentado no Brasil pelo fato de que esse tipo de show não dá certo por aqui.

Agora, voltando ás bandas, algumas quiseram inovar e outras estragaram tudo de vez. Eu diria que a pior banda de todos os tempos é Mamonas Assassinas. Apelativos, sem graça, ruins e… aceitáveis para a nossa cultura. E conforme a mídia vai influenciando, algumas bandas vão sendo destruídas com o tempo. Titãs é a maior prova disso e, quem quer falar de Charlie Brown Jr?

Quando alguma banda internacional vem pra cá todo mundo faz a festa, afinal, não temos nenhuma banda brasileira á altura das gringas. ERRADO, temos muitas, mas ninguém quer divulgar elas quando se tem o grupo Calcinha Preta ai. E, pra derreterem cada vez mais o cérebro da nossa querida nação, a Coca tá ai. Babado Novo com CPM 22? Eles conseguiram juntar duas bandas ruins pra fazer um estilo pior ainda, e o que aconteceu? Foi mágico pra muita gente. E quem saiu ganhando foi o CPM 22.

Conversando com o Prosopopeio, colunista de games aqui do site, ele me deu a idéia de… dar idéias pra Coca. Sinceramente, eu só soube de essa mistura que acabei de citar, então não reparem se eu falar merda – até porque a idéia é essa. Vamos ás misturas:

– Simoninha com Charlie Brown Jr, o gênero mais cult da música brasileira.
– Caetano Veloso com Detonautas, vai mudar seu conceito sobre “música de macho”.
– Toni Platão com Fresno, o maior romantismo mela cueca de todos os tempos.
– Zeca Pagodinho com Sepultura, porque metal is a lie.
– Bruno & Marrone com Ultraje a Rigor, porque ainda falta estragarem essa banda.
– Tim Maia com Renato Russo, porque os mortos também merecem uma chance.

Não é atoa que, aqui em São Paulo, duas rádios que só tocavam Rock hoje em dia tocam de tudo. Temos 2 rádios “Rock” por aqui no meio de 502 rádios de Pagode e 6784 rádios piratas evangélicas. É por isso que não temos um Foo Fighters, por exemplo, não há espaço. Não é a cara do brasileiro.

Então, quando seu pai vier com essa história de “Você devia ouvir mais coisas do nosso país…”, fala pra ele que ele não entende NADA de música. Se trata de uma questão de qualidade, e não temos bandas boas no Brasil pelo simples fato de que não há espaços pra elas por aqui. Repito: Existem bandas boas, mas elas não têm espaço para terem seu trabalho reconhecido pelo público. Não fazem festa na gringa quando uma banda de Rock brasileira vai pra lá e não por causa de preconceito, mas se trata de divulgação. Veja Sepultura, por exemplo, o maior exemplo de que a gente serve pra alguma coisa: Os caras faziam sucesso no exterior. Porque lá fora que pedem esse tipo de som. Aqui o que faz sucesso é axé, funk, pagode, mpb, é essa a cultura.

E aposto que você é Chicleteiro.

O rock no século 21, ou QUASE isso

New Emo quarta-feira, 15 de agosto de 2007 – 9 comentários

Então, já faz um certo tempinho que o século 21 começou, mas isso é outra história. Não, não vou comentar ano por ano, pro seu desespero. Vou apenas citar algumas coisas de certa… relevância. Ou seja, você não vai achar nada que preste por aqui, vai embora.

1 + 1 = ISSO Só PODE DAR ERRADO.

O século não começou nada bem pro Rock, tendo em vista que a maioria (pra não dizer todas) das bandas que marcaram o estilo já não existiam mais. E, as que existiam, mudaram a formação, o estilo, a sexualidade, enfim. Com o passar dos anos, algumas surpresas, como a junção de Chris Cornel com a banda Rage Against The Machine, sem o vocalista, formando a banda Audioslave – que na época prometia. Convenhamos, o primeiro álbum da banda até surpreendeu, trazendo um som relativamente diferente do que ambas as bandas faziam. E não parou por aí: O vocalista da banda Stone Temple Pilots se juntou á Slash e cia, formando a banda Velvet Revolver, fazendo uma sonzeira do caraleo. Época de renovações no Rock, eu diria que todo mundo meio que se perdeu no meio da bagunça que a MTV ajudou a criar.

FRACASSOS.

Falando em MTV, o New Metal foi o estilo musical mais deprimente da história, se falando em rock. Não pelo som em si, mas por muitas bandas que quebraram a cara com isso. Quem não lembra da “parceria” entre Limp Bizkit e Metallica? As bandas queriam REVOLUCIONAR, ou algo do tipo. Quando Fred Durst, vocalista do Limp Bizkit, viu que os caras do Metallica estavam gravando seus novos sons sem solos, decidiu tirar todos os solos que se encontravam nas músicas do novo álbum de sua banda, que já estava pronto. A parceria não era bem pra revolucionar. “Nosso novo disco está MUITO PESADO!” – Era o que Fred Durst vivia dizendo. No fim, só uma faixa do álbum inteiro era realmente pesada. E, como assim, não era pra revolucionar? Metallica e Limp Bizkit quiseram ver quem fazia o pior álbum, e o Metallica só perdeu porque eles são bons até quando fazem merda. E Linkin Park com Jay-Z?

ESPERANÇAS, E NÃO ESTAMOS FALANDO DAS NOVELAS DA GLOBO.

The Strokes, The Darkness, Kings Of Leon… cresciam bandas promissoras, que receberam o clássico apoio da mídia, que lança a banda pra todo mundo ouvir até enjoar e depois nunca mais toca no assunto. Mas, é claro, Strokes continuou forte, mas perdeu pelo menos metade da força com seu último álbum, inovando. Não se pode inovar quando se está na mídia. E outra, The Hives voltando pra deixar todo mundo no chinelo, e anunciando o fim da banda após o lançamendo do… terceiro álbum. Mais tarde – leia HOJE -, os caras deixam de lado a idéia e começam a gravar um álbum novo, como se nada tivesse acontecido. Mas aconteceu sim, o Rock está uma porcaria e seria INJUSTO se vocês terminassem agora.

UMA NOVA HISTóRIA, RECOMEÇOS E VELHAS HISTóRIAS.

Por falar em bandas voltando, pra não enterrar o Rock de vez, a banda Queens Of The Stone Age chamou Dave Grohl pra lançar o álbum que entrou pra história: Songs For The Deaf. Um dos mais elogiados por quem entende do assunto. E, por falar em Dave Grohl, Foo Fighters não parou e se manteve sempre na linha, mantendo o respeito e o bom som de sempre. E dia 25 de Setembro os caras lançam seu álbum novo, que promete trazer “peso”, se é que você me entende. Dave Grohl já mostrou que sabe o que é peso quando juntou alguns metaleiros pra lançar a banda Probot, outra bem elogiada, mas que poderia ter se saído melhor. Mas essas bandas nunca pararam, assim como Ozzy Osbourne, que lançou uma OBRA PRIMA nesse ano, ainda preciso ouvir o álbum novo desse cara. Quem voltou mesmo foi o Smashing Pumpkins, trazendo um single sensacional e um álbum digno de voltar pra ficar. Outra que tá voltando é o Alice in Chains, agora sem o vocalista, claro – O cara morreu, né. Será que essa volta vai ser boa? Não seria bem uma volta, os caras se uniram umas vezes pra fazer uns shows, mas nunca mais gravaram um álbum. Agora vão. Outra boa foi a gravação do Acústico MTV Ultraje a Rigor. Os caras derrubaram essa de que a MTV estraga as bandas, fazendo um acústico sensacional e que até hoje eu não me conformo de ter conseguido colocar meu nome na lista do povo que iria assistir ás gravações e não ter ido.

ASSUNTOS QUE NÃO DEVERIAM SER DISCUTIDOS.

Guns n’ Roses voltou depois de um bom tempo, trazendo um som… fraco, provando que o Slash carregava a banda. Sandy & Junior gravaram um acústico para celebrar o fim da dupla, e eu só citei isso aqui porque ninguém vai ler um parágrafo que comece com Guns n’ Roses. Aproveitando isso, vamos falar de uma cena que cresceu muito nesses tempos: Indie. Strokes e Franz Ferdinand, a princípio, eram as bandas que todo mundo gostava. Depois foram surgindo Arctic Monkeys, The Killers, Magic Numbers, Kaiser Chiefs, enfim, uma enorme quantidade de bandas que seguiam o padrão “New Rock”. O Indie acabou virando também um estilo musical pra muitos, mas isso é um fato para ser ignorado. Considerados os salvadores do Rock, considero as bandas Indie a prova que o Rock já não tem mais salvação.

POLÊMICA.

Outra coisa que podemos comparar ao New Metal em termos de medíocre, é a cena Emo, que conseguiu fracassar mais lindamente que o New Metal. Os emos simplesmente foram os novos Judeus dessa década, acho que essa é a melhor frase pra se resumir o que aconteceu. Imagine um lugar com um monte de gente com uma coisa estranha na cabeça, roupas esquisitas, pessoas chorando e morrendo, passando fome, enfim. Não, não é um campo de concentração feito por nazistas pra “armazenar” Judeus, é um show Emo. O fracasso foi pelo fato de que os seguidores do movimento eram alvo de um preconceito COMPARÍVEL ao da segunda guerra mundial. Em relação ao som, a idéia era ser um fracasso, mesmo, senão não seria Emo. RÍÍÍ, SACOU?! Ahn… enfim, eu acompanhei algumas bandas do gênero e posso dizer que poucas delas até agradam. E todas enjoam. É só ouvir My Chemical Romance, Fall Out Boy, Panic! At The Disco e Billy Talent pra saber que eu não estou mentindo. Ao menos, o movimento rendeu o nome dessa coluna.

JÍ ERA DE SE ESPERAR.

O Pearl Jam já não é mais como antes, mas CAUSOU nesse começo de década. Atualmente, os caras estão meio afastados da mídia, pelo menos por aqui. Bom, deve ser pelo fim da rádio 89 FM, A Rádio Rock aqui de São Paulo. Após conseguir um público fiel e uma audiência respeitável, de um dia pro outro a programação da rádio começou a mudar, ficando mais… pop. Mas o bizarro mesmo foi quando eles mudaram TOTALMENTE a programação, também da noite pro dia. Segunda Feira você liga o rádio e começa a ouvir Black Music. Já sem o slogan de “A Rádio Rock”, dessa vez a 89 passou a ser mais uma Jovem Pan, deixando a missão de divulgar o Rock com a Kiss FM e a Brasil 2000. Voltando a falar de Pearl Jam, os caras conseguiram parar São Paulo. Fãs, com o apoio da 89, fizeram uma manifestação para que a banda pudesse tocar no local combinado – Após o show que a rádio Mix FM promoveu no local onde iria acontecer o show da banda, a Prefeitura do estado não iria mais permitir mais shows por alí por causa da BADERNA causada. Até os fãs conseguirem o contrário, claro. Outras bandas que pararam o Brasil foram U2, com o fenômeno Katilce e Rolling Stones, com o fenômeno de fazer um show gratuito no Rio de Janeiro sem que metade do público fosse vítima da violência local.

ETC.

Muitas bandas foram esquecidas, eu estou realmente me esforçando pra me lembrar de umas. Por exemplo, não sei o que aconteceu com Creed, Blink 182, Elvis Presley e Paralamas do Sucesso. Bom, a última banda até lançou uma música legal no ano passado, senão me engano. E o Lobão, surgindo do nada, gravou um acústico MTV. Por que esse povo não se aposenta? Titãs já era, nem quero citar a banda por aqui. IRA! também lançou seu acústico, e os caras não param – Nasi e Edgard Scandurra estão com seus projetos paralelos. Pitty, a nova “musa” do Rock brasileiro também BOMBOU, participando até do acústico do IRA!. Não há muito o que se falar sobre bandas nacionais, mas tivemos uma volta de peso: Plebe Rude. Porém, o álbum novo dos caras não foi lá muito bom. Outra banda que vem fazendo história é o Matanza, naquelas de música pra macho, uma beleza. A cena independente do Rock brasileiro deve ser minuciosamente vasculhada, é nela que você vai achar coisa boa por aqui.

Só?

Suguei ao máximo o que fui lembrando, seria covardia pesquisar por mais acontecimentos pra prender vocês por três horas por aqui. As coisas foram de mal a pior na primeira metade dessa década, só o começo do século – Mal é a “ponta da cabecinha”. Mas já dá pra se esperar por melhorias, vamos apostar nessas voltas, e até mesmo nessas bandas que acabam e se juntam á outras. Quem sabe você poderá falar coisas boas pro seu neto sobre a nossa época, mas é bom não ter muitas esperanças.

Agora é sua vez. Larga a mão de ser preguiçoso e lembre de algo relevante pra você, comenta aí.

Metal pra quem tem bom gosto

New Emo quarta-feira, 08 de agosto de 2007 – 32 comentários

O preconceito musical, o mesmo que “ultrapassa a velocidade do som”, citado na coluna anterior, é capaz de amar mais ao Metal que seus próprios fãs. É, algo bem óbvio. Assim como o Emo, o Metal é deveras criticado por mentes vazias, intolerantes e mal informadas. Ou você nunca ouviu dizer que Metal é coisa de SATANÍS?

Pra filtrar a cabecinha (heh) de vocês, decidi citar várias bandas, para vários gostos diferentes. Afinal, provavelmente você não deve saber, mas o Metal não é gritaria, pancadas fortes de bateria e guitarras xiando. E Metal também não é Iron Maiden, Slipknot ou Papa Roach. Metal, acima de tudo, é música. Iron Maiden, Slipknot e Papa Roach é coisa de tanga. TANGA!

Vamos começar pegando pesado: Slayer. O que eu recomendaria do Slayer? Na boa, o Undisputed Attitude, álbum de versões que os caras fizeram usando referências Punk e Hardcore (Como Minor Threat, com a faixa Filler / I Don’t Want To Hear It, a mais FODA do álbum). É perfeito pra você que quer entrar em forma, completamente impossível ficar parado com esse cd rodando. Mas, recomendando um álbum próprio dos caras… Seasons In The Abyss. Pra não perder tempo, se liga na faixa que leva o mesmo tipo desse álbum:

Fascinante. A banda faz um Thrash Metal “podrão”, um dos melhores. Esse som aí é mais leve, nada que faça você rachar o crânio. Aliás, agora, indo pro lado mais leve da coisa e abrindo passagem pro cara mais foda do punk, Jello Biafra, vamos falar de sua obra prima, em parceria com os Melvins: Jello Biafra With The Melvins. Eu disse leve? Ok, desculpem. Os caras fizeram o casamento perfeito do Punk com o Metal, criando um som bem industrial. O Punk, outro alvo do preconceito. Muita gente considera o Punk algo extremamente repetitivo, e até mesmo o Metal. Por quê? Por que elas não entendem NADA sobre música. Bandas como Dead Kennedys e Toy Dolls respondem isso por mim, mas vamos voltar á obra prima. O álbum Sieg Howdy! é espetacular, e o Never Breathe What You Can’t See não fica pra trás. Eu recomendo os dois, impossível recomendar só um. Músicas como Halo of Flies, Plethysmograph, The Lighter Side Of Global Terrorism e PRINCIPALMENTE Caped Crusader não podem ficar de fora do seu MP3. Mas vamos de Moon Over Marin:

Sim, o Jello pira. E, antes que você faça piadinhas, ele é bi. Agora, você já ouviu Corrosion of Conformity? Os caras são PIONEIROS, você devia pegar o álbum Deliverance, o mais Stoner deles, e ouvir até as músicas começarem a ecoar sem parar na sua cabeça, que já é oca. A não ser que você conheça a banda. É claro, eu não to dando uma de sabichão e mandando um “QUÊÊÊÊÊ? VOCÊÊÊÊ NÃÃÃO CONHEEEEECE?”, isso é deveras idiota. Tem gente que não conhece a Madonna ou que nunca viu a trilogia da Senhor dos Anéis (Como eu), e daí? Então, tá aqui sua oportunidade, vamos de Heaven’s Not Overflowing:

Sim, até o YouTube não colabora, os vídeos não estão lá com muita qualidade. Mas, falando em qualidade, sinceramente, o Metal é um dos estilos que sugam o máximo de criatividade de seus “servos” (Ok, eu to parecendo um cristão agora), o “repetitivo” que você conhece vem das bandas que não são criativas, sabe? E criatividade me lembra Stoner, que me lembra uma das maiores bandas, senão a maior, do estilo: Kyuss. Nada menos do que a banda que formou caras como Nick Olivieri (Ex QOTSA, e atual Mondo Generator, que é o nome de uma música psicodélica da banda Kyuss) e Josh Homme (QOTSA). Kyuss, assim como o QOTSA hoje em dia, trazia uma novidade em cada álbum novo, que não foram muito. Os caras não tinham medo de errar, e o álbum Blues For The Red Sun mostram que eles não erravam nunca. Ouça Thumb e, na sequência, a mais sensacional, Green Machine:

Metallica é a famosa banda que “cagou no pau”. Tinham tudo pra ser uma das maiores bandas de Thrash Metal, por quê não? Mas após a morte do baixista Cliff Burton, os caras adotaram um estilo mais comercial, e hoje em dia essa é uma das bandas mais odiadas pelos headbangers. Mas não podemos deixar de lado a banda que gravou One, Master of Puppets e Ride the Lightning, definitivamente. Pegue o Black Album se você quiser ouvir um som bem trabalhado, mas pegue o Master of Puppets se você quiser PIRAR. Metallica ainda conta com um dos maiores bateristas da galáxia, Lars Ulrich. Bom, era, vai. Então vamos com um som do último álbum citado, Battery:

Você prefere algo mais novo e… diferente? Vamos falar de algo literamente LOUCO, então. É a mistura de Hardcore com Thrash Metal (Vale lembrar, Trash quer dizer lixo, Thrash quer dizer espancamento, ou algo do gênero), dois vocais com gargantas mecânicas (Sim, não acredito que esses caras têm uma garganta humana) e músicos que, sinceramente, vão fazer você sacar o que eu quis dizer com criatividade. SikTh, pra quem gosta de gritaria. Pegue o álbum Death Of A Dead Day e me agradeça depois. Confira a faixa Bland Street Bloom:

Muita gente não aceita esse tipo de mistura no Metal, mas porra, estamos falando de preconceito, mesmo. Esse lance mais preservador da coisa não leva em nada, inovações sempre são bem vindas. Voivod é o exemplo de banda que os “tiozões” preferem. O álbum Katorz segue a linha Stoner, e é meu favorito. Você que gosta de Guitar Hero, já deve ter pirado com X-Stream. Se não, provavelmente vai pirar após ver esse vídeo. Mas chega de enrolação, vamos de The Getaway:

Se você curte Foo Fighters, provavelmente deve conhecer Probot, a banda de metal que o Dave Grohl criou convidando nomes de peso, como Max Cavalera (Ex-Sepultura, atualmente no Soufly) e Lemmy (Motorhead). Com um único álbum, apesar dos “nomes de peso”, a banda acaba fazendo um som mais comercial, mas que não deixa de ser sensacional. A faixa Centuries Of Sin abre o álbum com o vocal da banda Venom, Cronos. É a mais pesada, mas infelizmente a banda lançou apenas um som na mídia, Shake Your Blood, com o Lemmy:

Pra falar de Metal, 4 parágrafos mal são uma introdução. Falam muito de Beatles, Elvis, e toda a importância que esses dois trouxeram para o rock. “Se não fosse Beatles, essas bandas não existiriam”, quem nunca ouviu isso? Mas eu vou falar uma coisa pra vocês: Se não fosse Chuck Berry, Beatles… quem? Beatles e Elvis eram cópias descaradas e mal feitas do verdadeiro rei do rock. Eu diria que, se não fosse Beatles, bandas melhores poderiam existir e, quem sabe, o Indie seria algo interessante. Mas, por que diabos eu to falando isso? Bom, uma das maiores bandas de Metal DEVE ser citada nesse post. A banda que influenciou, e ainda influencia, muitas bandas por aí, e não só de Metal. E não estou falando de Led Zeppelin, outra banda TANGA! Eu estou falando de AC/DC, e se sua mãe te ensinou a fazer o “sinal da cruz” quando criança, é essa a hora de usar. Não vou recomendar nenhum álbum dessa banda, todos são os melhores. Infelizmente, tenho que recomendar uma música. Uma banda com uma letra como a de Whole Lotta Rosie merece o respeito da equipe desse site, definitivamente. Afinal, as gordinhas merecem muito mais que uma música: Merecem uma música do AC/DC.

Se alguém chegou até esse parágrafo com vida, provavelmente não vai passar daqui. Chegou a hora de Alice in Chains. “O QUÊ? ALICE IN CHAIS É T… GRUNGE!”. Mais desinformações. O Grunge não é um estilo musical. O Grunge reúne bandas alternativas, sendo elas até mesmo de Metal, com letras melancólicas e ídolos suicidas. Sim, agora você sabe porque DIABOS Pearl Jam e Nirvana fazem parte do mesmo grupo, sendo relativamente diferentes. Inclusive, na minha modéstia opinião, Alice in Chains é MUITO melhor que essas duas bandas juntas. Basta ouvir o álbum Dirt pra saber do que eu estou falando. Então, nada melhor que pegar um som desse álbum, Them Bones:

Esse texto só não foi um top 10 porque seria injusto, a maioria das bandas ficariam em primeiro lugar. Você já ouviu Superjoint Ritual? Banda de “Metal Maconha” pra uns, e a famosa mistura de Thrash Metal com Hardcore pra outros. Ouça The Alcoholik (Nunca vi um clipe tão tosco). Outra banda legal é Down, Stoner Metal, ou algo parecido. Ouça Stone the Crow, é sensacional. Hm… já faz idéia do que está por vir? Essas duas bandas são dele: Phil Anselmo. Agora sabe, né? Pantera. Eu tinha que deixar minha favorita pro final, é claro. E é difícil recomendar um álbum dessa banda, mas eu fico com o Cowboys From Hell, que trás grandes clássicos como a faixa que leva o nome do cd, Heresy, Cemetary Gates… esse cd é indispensável, e fãs de Guitar Hero quebram a cabeça e os dedos tentando tocar Cowboys From Hell. Então, vamos de Heresy, mesmo. SCRRREEEEEAAAAAAM!

Agora, imagina as duas bandas acima unidas. Tá, nem tanto, o vocal de uma banda faleceu, e o vocal de outra banda saiu da mesma. No que dá? Em um tributo, eu diria. O vocalista Phil Anselmo dividiu o palco com a banda Alice in Chains para homenagear o finado Layne Staley, vocalista da banda. Eu quero viver mais uns anos pra poder afirmar que essa é a melhor música de todos os tempos. Com vocês, Would?:

AUMENTA O SOM! É porque o áudio do vídeo tá MUITO baixo, mesmo. Enfim, agora chega, o resto é com vocês. Mas não pára por aqui, eu queria mostrar pra vocês a obra prima do ano, por Ozzy. I Don’t Wanna Stop, com ele, Zakk Wylde (Black Label Society). SOM DO ANO!

Agora você sabe um pouquinho de Metal. Ou pelo menos conhece um pouquinho de algumas bandas. É claro que tem muito mais, como Sepultura, mas eu não vou cortar o queijo e dar na sua boca. Não vou e nem quero mudar a opinião de ninguém com esse pequeno texto, mas é um equívoco falar que Metal é som de drogado e pessoas sem cérebro. Nos EUA mesmo, foi feito um estudo que comprovou que os estudantes mais intelectuais estão é ouvindo essa barulheira pra “distrair”. Existe muita coisa ruim no Metal, mas por que dar sempre atenção a só elas? Existe muita coisa ruim em todos os estilos, e eu garanto que se todo mundo desse uma chance pra cada estilo, a coluna da semana anterior não teria existido. Ah, e eu não sou metaleiro, que fique bem claro. Se bem que uma calça de couro coladinha ficaria bem em mim. (heh)

Você não gosta? Nossa amizade acabou.

New Emo quarta-feira, 01 de agosto de 2007 – 14 comentários

Acho que não há um assunto melhor pra começar uma coluna com esse nome: Gostos. Afinal, quem raios levaria o nome “New Emo” a sério? Nem os emos levariam a sério. Mas New Emo é apenas o nome da coluna de música, podem ficar tranquilos. Ou não, afinal, o primeiro texto dela é por minha conta.

Enfim, hoje em dia o babado é ser INDIE. E como não poderia ser diferente, todo babado é amado por uns, ignorado por poucos, e odiado por muitos. Os emos que o diga, comunidades que odeiam emos no Orkut só perdem pra comunidades do Chaves. Então, é assim: O babado (Não acredito que usei essa palavra três vezes no mesmo parágrafo) cai na mídia, e quem aderia ao babado anterior, passa a aderir esse – na maioria das vezes. Mas nada disso vem ao caso, foi inútil você ter lido esse parágrafo.

Agora, tente falar mal de Beatles, por exemplo. Ou fale apenas um “Eu não gosto de Beatles”. O que acontece? Uma MULTIDÃO vai te socar, enquanto outra louva a banda, dizendo que ela é a maior banda de todos os tempos, e também uma das maiores influências pras bandas de hoje. Fãs de Beatles não devem bater muito forte, então é aí que você levanta e se pergunta: “E DAÍ?”. Mesmo que a banda seja mesmo uma das maiores, não significa que você vai gostar dela. O conceito de bom e ruim é totalmente pessoal, é inadmissível o fato de que pessoas simplesmente ignoram esse fato. E isso não é só na música, é óbvio. Se você falar mal do Steven Seagal, os fãs dele vão querer fazer um exame de próstata em você com uma britadeita. “Mas eles têm o direito de reclamar, eles são fãs!”. Direito de reclamar qualquer um tem, mas o direito de criticar o gosto do outro, como eu disse acima, é inadmissível. Eu acho Led Zeppelin uma banda chata pra cacete, e a história da banda não vai mudar minha opinião sobre ela, afinal, se a música não me agrada, por que raios eu iria curtir uma das maiores bandas de heavy metal (Pelo menos naquela época) do mundo?

O ser humano é tão irônico a ponto de não saber usar a ironia de forma “correta”. Afinal, é irônico o fato de duas pessoas saírem na porrada porque uma ama Magic Numbers e a outra odeia. Que diferença faz? Um “Rolling Stones é uma merda!” é equivalente a um “Sua mãe é aquela alí? Ooopa, comia direto na faculdade, ela faz um boquete sensacional. Se pá, você é meu filho.” para uns, e pra quem não tem um pingo de senso de humor, isso aí é de se tirar do sério, mesmo. Mais algumas “traduções”:

– Beatles é chato pra cacete!
– Dormi com a sua irmã semana passada e obriguei ela a liberar a croaca.

– Elvis? Bela merda.
– Cara, você tá bem? Comi sua mina ontem e ela me passou chato!

– Rock é uma porcaria.
– Traí você com a sua melhor amiga, amor. Não, saí com essa na semana retrasada, to falando da Márcia, sabe? Então, dormi com ela ontem. Me perdoa?

Quando você for falar mal de algo que todo mundo gosta, melhor ficar quieto. Lembre-se sempre: Falar mal de algo idolatrado pela sociedade é ser diferente, e ser diferente, segundo a sociedade, é ser especial, segundo a AACD. O preconceito musical, literalmente, ultrapassa a velocidade do som.

confira

quem?

baconfrito