Eu já sabia! Filme de Warcraft anunciado.

Games domingo, 05 de agosto de 2007 – 7 comentários

Era inevitável.

Com o sucesso dos três jogos e o inacreditável número de assinantes de World of Warcraft (já se encaminhando para 10 MILHÕES de jogadores), até que demorou para os grandes estúdios de cinema sacarem que lançar um filme baseado no jogo seria lucro certo. Milhões de nerds reclamões seguramente se dirigirão ao cinemas mais próximo, para apontar os problemas e falhas do filme.

Normalmente eu faria uma previsão pessimista sobre a qualidade da película, já que 90% dos filmes baseados em vídeo-games são bombas espetaculares (Doom) ou trashs espetaculares (Resident Evil).

Porém, estamos falando da Blizzard, respeitadíssima produtora de jogos (Diablo, Starcraft) e conhecida pela qualidade gráfica de suas animações. Quem conhece a produtora, sabe que eles não jogam pra perder.

 WoW: 10 milhões de jogadores não podem estar errados.

Outro bom sinal é que o estúdio que deve produzir o filme é o Legendary Pictures,
responsável por Batman Begins e 300. Nomes de peso. Junte a isso um orçamento em torno de 100 milhões e podemos ter uma pequena esperança de algo surpreendente pela frente.

Pouco se fala sobre o enredo, mas este deve ser baseado nos eventos que antecedem
World of Warcraf; a idéia é construir um filme épico, nos moldes de 300. E, também como em 300, serão utilizados atores reais, dentro de cenários e sequências gerados em computador.

O lançamento está previsto para 2009.

Fonte: (aqui)

Metallica confirmado em Guitar Hero 3

Games sábado, 04 de agosto de 2007 – 1 comentário

Os economistas têm razão: a livre concorrência sempre beneficia o consumidor.

Depois do anúncio de que “Enter Sandman” vai estar presente no set list de Rock Band (o mais novo concorrente de Guitar Hero), a Activision dá o troco e anuncia que “One”, um dos maiores hits do Metallica e carro-chefe do álbum “And Justice for All”, vai fazer parte da lista de Guitar Hero III.

babygamer diz: “Até curto Metallica, mas só os discos que saíram antes de eu nascer.”

E o melhor: não vai ser um cover, estará disponível em sua versão original. “One”, com seus solos de guitarra nervosos, deve acabar com os dedos dos jogadores mais calejados.

Boa, Metallica! Quem sabe, colocando seus grandes clássicos nos nossos jogos preferidos, nós começamos a respeitar vocês de novo.

Agora o refrão, everybody:

Hold my breath as I wish for death
Oh please god,wake me

Metal forever, sucka.

Fonte: (aqui)

Fight the Power! Rockstar força a barra pra lançar Manhunt 2.

Games sexta-feira, 03 de agosto de 2007 – 5 comentários

Manhunt foi um dos jogos mais originais do Playstation 2, quando lançado em 2003. Não foi nenhum primor técnico, é verdade: os gráficos eram meia-boca e escuros demais, o jogo era lento, sem vídeos espetaculares e nem efeitos surpreendentes. Mas o jogo quebrou todos as barreiras aceitáveis de violência em um jogo (Hell, yeah!) e é, provavelmente, um dos jogos mais atmosféricos a sair pra um console, tão assustador e opressivo como o primeiro Silent Hill, por exemplo. Se você ainda não conhece, dê uma olhada aqui e aqui.

 

Manhunt: Gente boa da melhor qualidade.

4 anos depois, a Rockstar (Grand Theft Auto, Max Payne) tenta lançar Manhunt 2. E nesse ano podemos acompanhar uma das mais absurdas coisas que podem acontecer em qualquer indústria de entretenimento: a censura prévia.

Ou seja, SEM NEM MESMO VER O JOGO, os órgãos responsáveis pela avaliação e classificação etária (Nos EUA e Europa), decidiram que não iriam avaliar Manhunt 2, ou que ele só poderia sair com a classificação AO (Adults Only). Essa classificação equivale a dizer que o jogo seria comparável a um filme pornô com anões, cabritos e transformers homicidas, e que só deve ser visto por pessoas de mais de 85 anos e que já participaram de alguma guerra com mutilações de membros. A alegação é de que o jogo é “violento e perturbador demais”. Me sinto aliviado por saber que os órgãos responsáveis me protegem da violência DE MENTIRA que eu poderia ver no meu Playstation 2.

A classificação, mais do que indicar aos pais que o jogo é inadequado para crianças, serviu para banir o jogo nos países de língua inglesa e boa parte da Europa. Além disso, Nintendo e Sony declararam que não lançariam o jogo para seus respectivos consoles com essa classificação (o que me faz respeitar a Microsoft um pouquinho mais nesse momento, que preferiu não se declarar). A situação gerou comoção na comunidade gamer, e mesmo quem não gostava do primeiro jogo, passou a defender o direito de cada jogador decidir por si mesmo o que acha adequado ou não jogar, ao invés de deixar a decisão nas mãos de órgãos reguladores hipócritas.

E agora a Rockstar resolve reagir. Nesta semana a distribuidora de Manhunt 2 declarou:

Take-Two Interactive Software, Inc. confirmed today that Rockstar Games has appealed the British Board of Film Classification (BBFC) decision that prohibited the release of any version of Manhunt 2 in Britain.” (Fonte: aqui)

Traduzindo: A Rockstar apelou ao órgão regulador oficial (BBFC) que tinha proibido o
lançamento de qualquer versão de Manhunt 2 no Reino Unido.

E, ao contrário do Brasil, lá as apelações são coisa séria, e não apenas uma forma de prorrogar um processo. Com a apelação aumentam as chances do lançamento de Manhunt 2, pelo menos no Reino Unido. Mais do que uma vitória da Rockstar, seria uma vitória de todos os jogadores, que começam a ser levados a sério como uma comunidade que sabe pensar e escolher por si mesma. Way to go Rockstar!

O fantástico mundo do mundo fantástico: Games

Games quinta-feira, 02 de agosto de 2007 – 2 comentários

Seja como distração habitual, compulsão obsessiva ou até mesmo uma esporádica forma de rivalidade entre amigos, não há aquele que nunca teve contato com o mundo virtual dos games, tão fascinante e encantador.

E, convenhamos, drasticamente ou não, os games realmente têm grande parcela de influência na vida, não só dos jovens, mas de todo mundo que é fascinado por essa maravilha tecnológica – que evolui mais do que qualquer outra forma de entretenimento doméstico. Questionável é, entretanto, a proporção dessa influência na vida dos apaixonados pelo mundo dos desafios digitais.

Sempre que eu via reportagens sobre a influência de jogos de violência nas atitudes dos jovens, me perguntava: Será mesmo que aquele americano esquisito entrou atirando em todo mundo na escola só porque jogou muito Grand Theft Auto?! Será que o cara que passou no Fantástico seqüestrou o outro só pelos pontos no GunBound?! Será que aquela história de orkut do menino que matou e cortou as pernas do vizinho por causa do Tibia é verdade?!

Ah! Claro que não… Se fosse assim, toda minha geração, da década de 80, que cansou de jogar Pacman no Atari 5200, estaria correndo em salas escuras, ouvindo músicas eletrônicas repetitivas e comendo pílulas mágicas que nos dão super poderes…

Ironias e frases manjadas á parte, estamos na sétima geração de videogames, numa disputa alucinante de mercado entre a Sony, a Microsoft e a Nintendo, em meio a milhares de lançamentos de títulos para PC`s, vídeo games portáteis, joguinhos de celular, emuladores, mini-games-brindes-de-lanchonetes e jogos virtuais em Java e Flash – até minha TV a cabo tem um canal com jogos de 4 bits – me encontro, mais do que nunca, deparado com uma imensidão de formas de me tirar a atenção.

Sim, me tirar – e bastante – a atenção. Desconfio que essa seja a maior influência que o videogame tem na minha vida: um poder mágico e incontrolável de, em certos momentos, fazer com que minhas atenções, meus sentidos, minhas percepções e minha massa cinzenta se voltem, única e exclusivamente, a ele.

Quase sempre, durante o tempo de ócio pós almoço, escondido, do computador do serviço, eu entro na internet para investigar qual o próximo lançamento para o Playstation 2 que eu vou comprar. Ou então, durante o trabalho, divido a atenção com algum joguinho do tipo “saia da sala usando um alfinete, uma bíblia e uma fita cassete”. Não é diferente na hora da aula. Vez ou outra, eu to vidrado, com o celular na mão, tentando bater o record de algum jogo de nave, wakeboard, ping pong… E, não é difícil eu me pegar pensando, desligado do mundo, qualquer hora do dia, em como eu passar daquela fase difícil quando chegar em casa.

Nesses meus 20 anos, quando lembro da minha infância, adolescência e pseudo vida adulta, cronológica e sinceramente, a divido entre o Atari, o Super Nintendo, o Nintendo 64 e Playstation 2. Todo natal, dias das crianças, aniversário e primeiros salários tiveram os mesmos destinos. E foram esses os consoles que dediquei (e dedico) muitas horas a fio do meu tempo.

Não tinha consciência disso quando era criança, mas, quando jogo videogame me sinto em uma dimensão nova, longe dos problemas cotidianos. Me tele-transporto de corpo e alma, para a aventura dos pixels e polígonos, que me fazem esquecer, pelo menos por alguns instantes, o mundo não virtual. É a minha terapia, o meu divã, a minha fórmula anti-stress da rotina diária massacrante.

A geração de plataformas de entretenimento que nasceu com o Xbox 360, Wii e PS3 tem uma potência inimaginável para um videogame. Ao observar a apresentação dos próximos games, é difícil acreditar que este tipo de desempenho esteja tão perto de nós. Lembro quando eu era criança e ficava imaginando como seriam os jogos de videogame no futuro. Eu dentro do game, imagens reais com uma interatividade completa, elementos que reproduziriam meus movimentos no jogo… Isso está muito mais perto do que nós imaginamos… E é emocionante poder acompanhar essa evolução, de um pequeno console como o Atari á uma grande máquina de entretenimento doméstico, que une computador, dvd, som, karaokê e, claro, videogame.

É sobre esse fantástico mundo que conversaremos nessa coluna. Espero que vocês gostem do papo e qualquer coisa prosopopeio@atoouefeito.com.br. Abraços e até a próxima quinta.

Leo prosopopeio Cardoso.

Globalização? Só se for pra eles!

Games quarta-feira, 01 de agosto de 2007 – 3 comentários

Quer um PS3? But U Can’t Touch This.

 

Vejam como a internet e os vídeo-games nos ajudam a compreender como nós, terceiro mundo, somos sistematicamente ignorados pelo pessoal “lá de cima” (USA e Europa):

A nova modinha dos sites de games gringos (veja aqui, aqui e aqui) é criticar a Sony pelo lançamento do Playstation 3 no México, que está saindo por módicos 9.999,00 Pesos. Isso dá mais ou menos 900 dólares, ou quase o dobro do preço pago nos EUA. Nossos colegas jornalistas de games estão descendo a lenha na gigante dos eletrônicos, por causa do preço abusivo, falta de consideração pela renda per capita dos mexicanos e abuso geral do consumidor.

Enquanto isso nós, índios excluídos, ficamos só de longe olhando o PS3 “oficial”, vendido pelas Americanas e Submarinos da vida, ao acessível preço de 3000 reais, mais ou menos 1500 dólares. Oh, quem poderá nos defender?

Pokémon vende mais de 10 milhões de cópias.

Games segunda-feira, 30 de julho de 2007 – 3 comentários

Conforme release da Nintendo, a última versão de Pokémon (Diamond/Pearl) pra Nintendo DS, já atingiu a marca de dez milhões de cópias vendidas. Basicamente 25% dos donos de DS tem uma das versões.

O último que eu comprei foi a Crystal, jogão (na época). Joguei essas novas mas bom, não tenho saco de matar seis mil Geodudes e Bidoofs pra evoluir meus Pokeymans.

Fonte: Go Nintendo l GameFront

Vendas de Junho/ EUA

Games segunda-feira, 30 de julho de 2007 – 1 comentário

Source: NPD

Playstation 3 — 98.5k
Xbox 360 — 198.4k
Wii — 381.8k
DS — 561.9k
PSP — 290.1k

Top 10 SKU’s June 2007

Wii Mario Party 8 426.k
Wii Play w/ remote 291.2k
NDS Pokemon Diamond Version 288.4k
NDS Pokemon Pearl Version 214.7k
360 Forza Motorsport 2 197.40k
PS2 Guitar Hero 2 w/ Guitar 197.35k
360 Guitar Hero 2 w/ guitar 177.6k
Wii Pokemon Battle 157.9k
Wii Resident Evil 4 n/a
360 The Darkness n/a
PS2 Naruto Ultimate Ninja 2 n/a
PS2 Transformers: the Game n/a
360 Tenchu z n/a
NDS New Super Mario Bros n/a
PS2 Tomb Raider: Anniversary n/a
Wii Super Paper Mario n/a
360 Transformers: The Game n/a
PS2 MLB ’07: The Show n/a
Wii Big Brain Academy: Wii n/a
360 Dirt n/a

O cenário não se alterou muito nessa última semana nas vendas dos Estados Unidos. Wii e DS com liderança absoluta nas vendas, como nos últimos meses. O próximo mês parece que vai ser mais interessante, afinal o corte de preço no PlayStation 3 (altamente falcatrua por parte da Sony, mas deixa quieto), deve fazer algum efeito, pelo menos esperamos que faça.

———————————————————————————————

Temos um projeto tramitando na Câmara dos Deputados pra reduzir a tributação sobre os consoles e jogos, pelo deputado Carlito Merss (PT – SC). Temos um petista com cérebro gente! \o/

http://www.camara.gov.br/internet/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=343613

busca

confira

quem?

baconfrito