Raiva: Cooking Mama 2 anunciado para 2008.

Games quinta-feira, 09 de agosto de 2007 – 11 comentários

Não sei se vocês sabem, mas eu sou zen-budista.

É uma filosofia muito belíssima. Em um dos seus grandes preceitos, diz que você não deve tentar conter ou evitar os sentimentos negativos. Você deve senti-los com toda força, e deixar que eles passem por você.

Como eu ainda estou sentindo muita raiva por relançarem Arkanoid pro DS, vou senti-la com toda força e deixar ela passar.

Passar pra vocês.

Cooking Mama 2 foi confirmado para 2008, saindo novamente pra DS e Wii; é a continuação de um jogo espetacular, onde você pode fazer comida:

Fazendo comida, no vídeo-game, cara! Os jogos realmente transportam a gente pra outra realidade.

A primeira versão foi bem-recebida pela crítica especializada. E é por isso que sempre digo pra vocês não confiarem nesses sites motherfuckers de análises de jogos. COMO alguém pode achar bom um jogo que faz você passar por toda a encheção de saco que envolve cozinhar, e no final não tem NADA pra comer?

Tenho certeza que Cooking Mama 2 vai ter um simulador de LAVAR LOUÇA junto, pra ficar ainda mais divertido. Tô falando pra vocês: estamos perdendo totalmente a noção.

Não joguem Cooking Mama, ok? Façam um miojo e joguem Street Fighter. Pelo bem da comunidade gamer.

Fonte: aqui

Sobre a situação dos consoles de mesa.

Games quinta-feira, 09 de agosto de 2007 – 6 comentários

Olá, meu nome é Leonel, eu eu serei o cara que escreve sobre jogos aqui. Provavelmente você vai se irritar comigo porque eu sou Nintendista, e você não pode fazer nada porque eu que escrevo mesmo (lol). Mas eu tentarei manter minha neutralidade, eu prometo.

Bom, o mercado de games está bem complicado ultimamente. Temos o PS3, que custa horrores (599 dólares) e não vende absolutamente nada. E tem poucos jogos. Deprimente. Sim, temos uma previsão de melhora pro fim do ano, mas a maioria dos jogos são tiros no escuro, como Lair e Uncharted: Drake’s Fortune. Meio complicado, mesmo tendo um arsenal potente previsto pra 2008, que seriam Metal Gear Solid 4 e Final Fantasy XIII; que sem dúvidas serão bons jogos, mas creio que seja tempo de espera demais pelo preço que se pagou.

O 360, apesar de ter uma base de software muito boa, tem a praga chamada “3 Red Lights”, ou “Red Ring Of Death”. Esse vergonhoso problema, que atinge, segundo algumas pesquisas, 30% dos consoles existentes, resulta da completa ganância da Microsoft. Foi dito pelos fabricantes que para amortizar o preço do console (que já recebe fortes subsídios da M$), que se usam peças de baixa qualidade, que resulta em super aquecimento; causando a quebra da solda da placa-mãe ou queima da VGA. Ou seja, você joga rezando pra que o console não exploda e queime sua casa. Pelo menos tem excelentes jogos, como Gears of War, Blue Dragon, Forza 2, e o esperado Halo 3, dentre outros, além de geralmente se dar melhor quando o assunto são jogos multiplataforma. Bom, vamos ver se o “Falcon”, que seria a revisão de hardware, pois talvez resolva essa “endemia” do 360.

Ao final, temos o Wii. Paixão de uns, terror pra outros, ele vem vendendo de maneira monstruosa, mesmo com uma certa seca de jogos must-buy e de ser entulhado pelas produtoras por ports de Playstation 2 com utilização fajuta do sensor de movimento (alguns se saem bem, como The Godfather, Scarface e Call of Duty 3). Ao fim do ano, ele promete ser O console para se ter além do 360, pois teremos os três grandes da N, que são Super Mario Galaxy, Smash Bros: Brawl e Metroid Prime 3: Corruption. E custa pouco: só U$D 250, sendo o mais barato dos três, e aposta-se que até o fim do ano teremos uma queda no preço.

Eu preferi apenas manter um panorama nessa coluna inicial, afinal não creio que os leitores da coluna serão apenas os habituais nerds tetudos que lêem essas coisas. Ainda falta falar dos portáteis (lembrar que PSP = fail) e outros assuntos que serão debatidos em outras oportunidades.

Até a próxima.

Arkanoid de novo? Só podem estar me zoando.

Games quarta-feira, 08 de agosto de 2007 – 4 comentários

Em verdade vos digo, marujos: essa vida é um poço cheio de ironia.

Logo quando estou eu aqui, preparando uma série de artigos falando sobre a EVOLUÇÃO dos jogos desde o Atari, me deparo com o anúncio de que teremos um novo remake de Arkanoid rolando, dessa vez para o Nintendo DS:

Ah, mas‚ que maravilha. TUDO que nós precisamos é jogar MAIS Arkanoid.

Mas vocês devem estar se perguntando o que é aquilo embaixo do DS. Bom, aquilo é um manche, pra encaixar na entrada dos cartuchos de Game Boy Advance. Dá pra acreditar? Os motherfuckers não só relançam um dos jogos mais velhos e pentelhos do mundo, como também querem que a gente jogue fingindo que está no fliperama.

O que torna as coisas mais revoltantes, é que há mais ou menos um mês atrás foi lançado para o Nintendo DS um jogo chamado Nervous Brickdown:

Jogão, meu (Não ligue para o 7,5 que a Gamespot deu, eles não sabem de nada). Releitura absolutamente criativa e inovadora do Arkanoid, e que utiliza tanto a tela de toque como o microfone de forma muito bem incorporada á jogabilidade. O tipo de jogo que te mostra como um bom desenvolvedor consegue aproveitar os recursos de uma plataforma inovadora como o DS, sem ter que ficar lançando porra de acessório junto, trambolho que só serve pra ser usado com um único jogo.

Sabem do que isso me lembra? Da Super Scope, a bazuca do Super Nintendo:

Ela morreu. Foi pro limbo dos acessórios inúteis. E Arkanoid do DS vai também.

Site para jogadores gays sai e entra no ar novamente.

Games segunda-feira, 06 de agosto de 2007 – 6 comentários

Desculpem pela piada no título, não pude resistir.

O site www.gaygamer.net, mantido por e direcionado aos jogadores homossexuais, foi alvo de ataques de hackers preconceituosos, que floodaram os fóruns do site e acabaram por tirá-lo do ar. Os ataques foram anunciados, e vieram acompanhados de mensagens ameaçadoras, devido á “orientação sexual” do site. Mas o site já está no ar novamente, mais poderosa do que nunca.

Alguns leitores aqui já devem ter percebido que sou defensor dos valores masculinos, mas esse tipo de notícia me torna um pirata ainda mais irado e raivoso. Porque por trás desse tipo de atitude está a boa e velha censura: o fato de algumas pessoas acharem que sabem o que é melhor pros outros.

Como já deixei claro no post de Manhunt 2, acredito que cada pessoa tem o direito inalienável de decidir por si mesma o que quer assistir, ouvir, falar ou fazer com seu corpo. Absolutamente NINGUÉM pode saber o que é melhor pra você além de você mesmo. Atacar e tirar um site do ar só porque você discorda do seu conteúdo ou da orientação sexual de quem o faz e visita, é um belo exemplo de intolerância e, em última análise, burrice patológica.

Esse grande navio pirata em que vivemos, só vai continuar singrando os mares se aprendermos a ser uma tripulação unida, e não jogando ao mar cada pirata que faz algo de que não gostamos. Isso é especialmente válido dentro da comunidade gamer, que tem sido alvo de censura nas mais diversas formas. Nos tornamos o bode expiatório de tudo que está errado na sociedade.

Colegas jogadores gays, sintam minha simpatia. ESTOU COM VOCÊS NESSA, GAROTAS.

Metaforicamente, é claro.

Eu já sabia! Filme de Warcraft anunciado.

Games domingo, 05 de agosto de 2007 – 7 comentários

Era inevitável.

Com o sucesso dos três jogos e o inacreditável número de assinantes de World of Warcraft (já se encaminhando para 10 MILHÕES de jogadores), até que demorou para os grandes estúdios de cinema sacarem que lançar um filme baseado no jogo seria lucro certo. Milhões de nerds reclamões seguramente se dirigirão ao cinemas mais próximo, para apontar os problemas e falhas do filme.

Normalmente eu faria uma previsão pessimista sobre a qualidade da película, já que 90% dos filmes baseados em vídeo-games são bombas espetaculares (Doom) ou trashs espetaculares (Resident Evil).

Porém, estamos falando da Blizzard, respeitadíssima produtora de jogos (Diablo, Starcraft) e conhecida pela qualidade gráfica de suas animações. Quem conhece a produtora, sabe que eles não jogam pra perder.

 WoW: 10 milhões de jogadores não podem estar errados.

Outro bom sinal é que o estúdio que deve produzir o filme é o Legendary Pictures,
responsável por Batman Begins e 300. Nomes de peso. Junte a isso um orçamento em torno de 100 milhões e podemos ter uma pequena esperança de algo surpreendente pela frente.

Pouco se fala sobre o enredo, mas este deve ser baseado nos eventos que antecedem
World of Warcraf; a idéia é construir um filme épico, nos moldes de 300. E, também como em 300, serão utilizados atores reais, dentro de cenários e sequências gerados em computador.

O lançamento está previsto para 2009.

Fonte: (aqui)

Metallica confirmado em Guitar Hero 3

Games sábado, 04 de agosto de 2007 – 1 comentário

Os economistas têm razão: a livre concorrência sempre beneficia o consumidor.

Depois do anúncio de que “Enter Sandman” vai estar presente no set list de Rock Band (o mais novo concorrente de Guitar Hero), a Activision dá o troco e anuncia que “One”, um dos maiores hits do Metallica e carro-chefe do álbum “And Justice for All”, vai fazer parte da lista de Guitar Hero III.

babygamer diz: “Até curto Metallica, mas só os discos que saíram antes de eu nascer.”

E o melhor: não vai ser um cover, estará disponível em sua versão original. “One”, com seus solos de guitarra nervosos, deve acabar com os dedos dos jogadores mais calejados.

Boa, Metallica! Quem sabe, colocando seus grandes clássicos nos nossos jogos preferidos, nós começamos a respeitar vocês de novo.

Agora o refrão, everybody:

Hold my breath as I wish for death
Oh please god,wake me

Metal forever, sucka.

Fonte: (aqui)

Fight the Power! Rockstar força a barra pra lançar Manhunt 2.

Games sexta-feira, 03 de agosto de 2007 – 5 comentários

Manhunt foi um dos jogos mais originais do Playstation 2, quando lançado em 2003. Não foi nenhum primor técnico, é verdade: os gráficos eram meia-boca e escuros demais, o jogo era lento, sem vídeos espetaculares e nem efeitos surpreendentes. Mas o jogo quebrou todos as barreiras aceitáveis de violência em um jogo (Hell, yeah!) e é, provavelmente, um dos jogos mais atmosféricos a sair pra um console, tão assustador e opressivo como o primeiro Silent Hill, por exemplo. Se você ainda não conhece, dê uma olhada aqui e aqui.

 

Manhunt: Gente boa da melhor qualidade.

4 anos depois, a Rockstar (Grand Theft Auto, Max Payne) tenta lançar Manhunt 2. E nesse ano podemos acompanhar uma das mais absurdas coisas que podem acontecer em qualquer indústria de entretenimento: a censura prévia.

Ou seja, SEM NEM MESMO VER O JOGO, os órgãos responsáveis pela avaliação e classificação etária (Nos EUA e Europa), decidiram que não iriam avaliar Manhunt 2, ou que ele só poderia sair com a classificação AO (Adults Only). Essa classificação equivale a dizer que o jogo seria comparável a um filme pornô com anões, cabritos e transformers homicidas, e que só deve ser visto por pessoas de mais de 85 anos e que já participaram de alguma guerra com mutilações de membros. A alegação é de que o jogo é “violento e perturbador demais”. Me sinto aliviado por saber que os órgãos responsáveis me protegem da violência DE MENTIRA que eu poderia ver no meu Playstation 2.

A classificação, mais do que indicar aos pais que o jogo é inadequado para crianças, serviu para banir o jogo nos países de língua inglesa e boa parte da Europa. Além disso, Nintendo e Sony declararam que não lançariam o jogo para seus respectivos consoles com essa classificação (o que me faz respeitar a Microsoft um pouquinho mais nesse momento, que preferiu não se declarar). A situação gerou comoção na comunidade gamer, e mesmo quem não gostava do primeiro jogo, passou a defender o direito de cada jogador decidir por si mesmo o que acha adequado ou não jogar, ao invés de deixar a decisão nas mãos de órgãos reguladores hipócritas.

E agora a Rockstar resolve reagir. Nesta semana a distribuidora de Manhunt 2 declarou:

Take-Two Interactive Software, Inc. confirmed today that Rockstar Games has appealed the British Board of Film Classification (BBFC) decision that prohibited the release of any version of Manhunt 2 in Britain.” (Fonte: aqui)

Traduzindo: A Rockstar apelou ao órgão regulador oficial (BBFC) que tinha proibido o
lançamento de qualquer versão de Manhunt 2 no Reino Unido.

E, ao contrário do Brasil, lá as apelações são coisa séria, e não apenas uma forma de prorrogar um processo. Com a apelação aumentam as chances do lançamento de Manhunt 2, pelo menos no Reino Unido. Mais do que uma vitória da Rockstar, seria uma vitória de todos os jogadores, que começam a ser levados a sério como uma comunidade que sabe pensar e escolher por si mesma. Way to go Rockstar!

O fantástico mundo do mundo fantástico: Games

Games quinta-feira, 02 de agosto de 2007 – 2 comentários

Seja como distração habitual, compulsão obsessiva ou até mesmo uma esporádica forma de rivalidade entre amigos, não há aquele que nunca teve contato com o mundo virtual dos games, tão fascinante e encantador.

E, convenhamos, drasticamente ou não, os games realmente têm grande parcela de influência na vida, não só dos jovens, mas de todo mundo que é fascinado por essa maravilha tecnológica – que evolui mais do que qualquer outra forma de entretenimento doméstico. Questionável é, entretanto, a proporção dessa influência na vida dos apaixonados pelo mundo dos desafios digitais.

Sempre que eu via reportagens sobre a influência de jogos de violência nas atitudes dos jovens, me perguntava: Será mesmo que aquele americano esquisito entrou atirando em todo mundo na escola só porque jogou muito Grand Theft Auto?! Será que o cara que passou no Fantástico seqüestrou o outro só pelos pontos no GunBound?! Será que aquela história de orkut do menino que matou e cortou as pernas do vizinho por causa do Tibia é verdade?!

Ah! Claro que não… Se fosse assim, toda minha geração, da década de 80, que cansou de jogar Pacman no Atari 5200, estaria correndo em salas escuras, ouvindo músicas eletrônicas repetitivas e comendo pílulas mágicas que nos dão super poderes…

Ironias e frases manjadas á parte, estamos na sétima geração de videogames, numa disputa alucinante de mercado entre a Sony, a Microsoft e a Nintendo, em meio a milhares de lançamentos de títulos para PC`s, vídeo games portáteis, joguinhos de celular, emuladores, mini-games-brindes-de-lanchonetes e jogos virtuais em Java e Flash – até minha TV a cabo tem um canal com jogos de 4 bits – me encontro, mais do que nunca, deparado com uma imensidão de formas de me tirar a atenção.

Sim, me tirar – e bastante – a atenção. Desconfio que essa seja a maior influência que o videogame tem na minha vida: um poder mágico e incontrolável de, em certos momentos, fazer com que minhas atenções, meus sentidos, minhas percepções e minha massa cinzenta se voltem, única e exclusivamente, a ele.

Quase sempre, durante o tempo de ócio pós almoço, escondido, do computador do serviço, eu entro na internet para investigar qual o próximo lançamento para o Playstation 2 que eu vou comprar. Ou então, durante o trabalho, divido a atenção com algum joguinho do tipo “saia da sala usando um alfinete, uma bíblia e uma fita cassete”. Não é diferente na hora da aula. Vez ou outra, eu to vidrado, com o celular na mão, tentando bater o record de algum jogo de nave, wakeboard, ping pong… E, não é difícil eu me pegar pensando, desligado do mundo, qualquer hora do dia, em como eu passar daquela fase difícil quando chegar em casa.

Nesses meus 20 anos, quando lembro da minha infância, adolescência e pseudo vida adulta, cronológica e sinceramente, a divido entre o Atari, o Super Nintendo, o Nintendo 64 e Playstation 2. Todo natal, dias das crianças, aniversário e primeiros salários tiveram os mesmos destinos. E foram esses os consoles que dediquei (e dedico) muitas horas a fio do meu tempo.

Não tinha consciência disso quando era criança, mas, quando jogo videogame me sinto em uma dimensão nova, longe dos problemas cotidianos. Me tele-transporto de corpo e alma, para a aventura dos pixels e polígonos, que me fazem esquecer, pelo menos por alguns instantes, o mundo não virtual. É a minha terapia, o meu divã, a minha fórmula anti-stress da rotina diária massacrante.

A geração de plataformas de entretenimento que nasceu com o Xbox 360, Wii e PS3 tem uma potência inimaginável para um videogame. Ao observar a apresentação dos próximos games, é difícil acreditar que este tipo de desempenho esteja tão perto de nós. Lembro quando eu era criança e ficava imaginando como seriam os jogos de videogame no futuro. Eu dentro do game, imagens reais com uma interatividade completa, elementos que reproduziriam meus movimentos no jogo… Isso está muito mais perto do que nós imaginamos… E é emocionante poder acompanhar essa evolução, de um pequeno console como o Atari á uma grande máquina de entretenimento doméstico, que une computador, dvd, som, karaokê e, claro, videogame.

É sobre esse fantástico mundo que conversaremos nessa coluna. Espero que vocês gostem do papo e qualquer coisa prosopopeio@atoouefeito.com.br. Abraços e até a próxima quinta.

Leo prosopopeio Cardoso.

Globalização? Só se for pra eles!

Games quarta-feira, 01 de agosto de 2007 – 3 comentários

Quer um PS3? But U Can’t Touch This.

 

Vejam como a internet e os vídeo-games nos ajudam a compreender como nós, terceiro mundo, somos sistematicamente ignorados pelo pessoal “lá de cima” (USA e Europa):

A nova modinha dos sites de games gringos (veja aqui, aqui e aqui) é criticar a Sony pelo lançamento do Playstation 3 no México, que está saindo por módicos 9.999,00 Pesos. Isso dá mais ou menos 900 dólares, ou quase o dobro do preço pago nos EUA. Nossos colegas jornalistas de games estão descendo a lenha na gigante dos eletrônicos, por causa do preço abusivo, falta de consideração pela renda per capita dos mexicanos e abuso geral do consumidor.

Enquanto isso nós, índios excluídos, ficamos só de longe olhando o PS3 “oficial”, vendido pelas Americanas e Submarinos da vida, ao acessível preço de 3000 reais, mais ou menos 1500 dólares. Oh, quem poderá nos defender?

Pokémon vende mais de 10 milhões de cópias.

Games segunda-feira, 30 de julho de 2007 – 3 comentários

Conforme release da Nintendo, a última versão de Pokémon (Diamond/Pearl) pra Nintendo DS, já atingiu a marca de dez milhões de cópias vendidas. Basicamente 25% dos donos de DS tem uma das versões.

O último que eu comprei foi a Crystal, jogão (na época). Joguei essas novas mas bom, não tenho saco de matar seis mil Geodudes e Bidoofs pra evoluir meus Pokeymans.

Fonte: Go Nintendo l GameFront

busca

confira

quem?

baconfrito