O jogo mais depressivo do mundo

Nerd-O-Matic quinta-feira, 06 de março de 2008

Vocês três que acompanham essa coluna desde que ela passou a ser escrita por mim já devem ter percebido que eu tenho esse problema de levar os games á sério demais ás vezes. Ok, eu sou um hardcore gamer e jogo mais do que devia. Acho que esse tipo de comportamento é esperado de pessoas como eu.

Mas então, vocês putos aí que também se consideram hardcore, já viram esse jogo chamado Passage?

Isso nem pode ser chamado de “jogo”, acho. Olha o tamanho desses pixels cara. Tu olha e fica pensando “que merda é essa, voltamos aos anos 80?”. Eu fiquei procurando qual era o comando pra aumentar a resolução, eu não conseguia acreditar que tinha instalado do jeito certo e que tava pronto pra “jogar”.

Por que o “jogar”, entre parênteses? Porque a parada não é bem um jogo, já falei. Então você não “joga”, você “participa”. É uma experiência disfarçada de jogo. É difícil explicar, baixa aí a parada, tem só uns 500k, e o jogo todo vai do começo ao fim em 5 minutos, mais ou menos. É mais rápido jogar do que ler o resto dessa coluna, então, se for pra escolher entre um dos dois, escolha o jogo.

Joga lá e depois volta aqui. Eu espero.

Sério, porra. Joga ANTES de ler o resto.

Jogou? Então? Não é uma PUTA experiência bizarra? Tu não começa achando meio esquisito e daí vai entrando numas cadeias de pensamento que não combinam muito com o que você espera sentir num jogo? Pra mim foi o seguinte:

Eu comecei a parada e fui apertando uns botões padrão no teclado: shift, espaço, enter, pra ver quais eram as ações disponíveis. Vocês sabem, eu nunca leio tutorial de jogo, mas tiro alguns minutos pra testar os comandos já dentro do jogo. O bonequinho não fazia nada, a não ser andar na tela. WTF? E ainda por cima uma tela que nem é tela, porra. Só essa faixinha ridícula no meio da tela preta. Vamos andar então, que já vi que é jogo de ficar andando. Deve ser um tipo de Pitfall sem pulos. Nostalgia Atari imediata dos jogos com pouquíssimas opções de ação. Já fiquei de má vontade com o jogo.

Primeiro eu comecei a ir pra direita, sem pensar muito. Passei reto pela mulherzinha, porque só tinha visto uma parte dela (tu não viu a mulherzinha? Perdeu. Joga de novo), mas resolvi voltar e encostei nela. Surgiu um coração entre os dois e eu pensei “Yeesss, mulher!, Agora só falta achar a cerveja, o chicote e a cama” A mina colou em mim e não dava pra fazer mais nada com ela, então continuei andando pra direita. Como assim, ela vai na minha frente? “Mulher, já pra trás do seu marido!” Isso me incomodou um pouco, mas tudo bem. O jogo é assim, pra ir despertando sentimentos mesmo através do minimalismo dos pixels e tal. Mas me surpreendi em perceber que meu machismo se expressa até com um punhado de pontinhos coloridos numa tela. Os jogos são mesmo um espelho do jogador.

Aí continuei andando, vendo o cenário tosco ir mudando e passando rápido demais. Também percebi que no lado direito da tela era como se o cenário estivesse todo esmagado lá, esperando pra entrar no campo visual. Achei um puta efeito pra um jogo horrível desses. Mas não parecia ajudar em nada pra descobrir o que fazer no jogo. Só tornava evidente que eu tinha que seguir sempre pra direita. Fui indo, meio de saco cheio, mas sabendo que o jogo terminava logo.

Depois de andar pra caralho resolvi variar o caminho, mas não dava pra fazer muita coisa. Como eu tava com a mulher, eu não conseguia passar entre alguns obstáculos. Damn Woman! Mulheres: sempre me impedindo de fazer o que eu quero e de ir onde eu preciso ir. É ou não é a metáfora perfeita da vida a dois? Tu arranja uma mulher e ela acaba com a sua liberdade. Orra, tinha um baú de tesouro que eu vi uma hora, e que eu não conseguia chegar nele por causa da mulher. Mulheres empobrecem você. Sumidouros universais de dinheiro. Conformei-me de que não poderia fazer nada de muito útil e fui só seguindo pra direita pela parte de cima do cenário. Era o caminho mais fácil.

Eu via os pixels dos bonecos dando umas piscadinhas, mas achei que era só porque o jogo é tosco. Perdi um puta tempo andando pra direita, e pra cima e pra baixo em zig-zag, procurando uma porta, uma passagem (o jogo se chama “Passage” porra), mas só achava obstáculos. Quando comecei a andar só pra direita e o cenário me entediava, percebi que os bonecos estavam ficando com os cabelos brancos. Caralho! Como assim? O único outro jogo onde o efeito de envelhecimento do personagem me causou angústia até hoje foi em Fable. E nem incomodava tanto, já que seu personagem envelhecia mas não morria em Fable.

Orra. Eu vou morrer. ORRA, meu bonequinho vai morrer porra! Tentei voltar pra esquerda, pra fazer o tempo voltar. Não dava, óbvio. Desde quando dá pra fazer o tempo voltar? Só em Need for Speed e Prince of Persia mesmo. Mas eles são só jogos. Cara, eu vou morrer. A mina vai morrer. Ela tá velha e nem teve sexo nesse jogo. ó o machismo aí de novo. Surpreendente que eu tenha pensado uma merda dessas ao me tocar de que os dois iam morrer.

Sério, fiquei parado um tempão olhando os pequenos putos. Normalmente seu personagem morre num jogo porque você enfia ele num buraco, toma 280 tiros, é comido por uma hidra, sei lá. Não morre sozinho por envelhecimento. Mas eu já sabia que não dava pra fazer nada pra impedir o avanço do tempo. E o pior: mesmo parados os putos continuavam envelhecendo. Oh, merda. Rápido, vamos andar o máximo que der.

Corre, corre, corre pra direita. Corre o caralho, os bonequinhos tão velhos e não andam mais naquele ritmo do começo do jogo. Bosta de jogo realista, pare de me angustiar. Eu não quero um jogo que me lembre de como a vida é uma marcha interminável pra morte, com a gente se degenerando no caminho.

CORRE mano, cês vão morrer! Aí, do nada, a mina vira uma lápide. Foi pra fita a mulherzinha. E você fica vivo. O jogo é tão FDP que faz os personagens morrerem em tempos diferentes, só pra você experimentar ainda mais a inutilidade da sua vida. Fica abandonado no final. E nem dá pra voltar e pegar aqueles baús cheio de drogas ilícitas e dinheiro que ficaram pra trás. Caput. Você gastou sua vida E a vida da sua mina fazendo porra nenhuma, a não ser seguir o caminho mais fácil pra direita. Vidinha bunda que você levou hein?

Andei mais um pouco pra direita, muito, muito devagar. Notei que aquele efeito de cenário esmagado não tava mais na parte da frente, tinha ficado todo pra trás. ó a sua vida lá atrás. Dá pra ver a lápide da mina ficando pra trás. Não tem mais nada pra frente. RIP pra você também motherfucker. Homem-lápide. The End. Teh Horror.

Que joguinho desgraçado cara.

Mas ok, tirando a parte da depressão, é ou não é uma puta experiência provocada por um punhado de pixels mal-ajambrados? Eu fico puto cara. Eu fico puto, porque eu fico imaginando o tipo de experiências que poderiam ser criadas nos consoles atuais, se os desenvolvedores fossem um pouco mais criativos. Olha o potencial que essas caixinhas têm pra fazer a gente refletir sobre a vida. E a gente fica só matando nazista em Medal of Honor. Que merda. Isso é um jogo que vale a pena, um troço em que você gasta seu tempo, pensa numas coisas que estavam lá no fundo da mente e depois ele acaba servindo como uma memória, uma figura, um relicário de que você tem que pelo menos aproveitar melhor sua vida, nessa marcha para o cemitério. Sempre pra direita. Caminho fácil ou difícil? Aliás, notaram que tem uma pontuação em cima?

Enfim, jogaram? Sentiram alguma coisa diferente? Não sentiram porra nenhuma?

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Bom, como eu so teimoso e ainda por cima to no trampo, li a matéria agora e só vou jogar o treco a noite (bem a noite, conforme a vontade de Nosso Senhor Trânsito). Mas pela dramática narrativa deu pra sentir o drama.

    É incrível como as idéias mais diferentes (e criativas) costumam vir das formas mais toscas. É por isso que eu sempre dei mais valor a idéia de um jogo do que ao gráfico (aliás eu prefiro mais um som bem trabalhado). Obs.: não sei porque, mas sempre que tenho que escolher entre esquerda e direita em um jogo, eu escolho a esquerda.

  • droga, eu joguei. fiquei mal, semana que vem eu volto ,se sobreviver a uma rodada de pensamentos depressivos.
    nah, que é isso, não foi pra tanto, só me senti mal. mas joguei algumas vezes até agora. na primeira, fui com a mulher, e vi que o caminho era mais fechado. na segunda, sem ela, percebi que anda mais longe, mas sem conseguir ver o caminha a frente, mas fui pegando todas as “caixas” no caminho. ainda estou testando todos os caminhos possiveis, espero que uma hora ache o perfeito.

  • Rá! Já tinha jogado.

    Mas é bem legal o jogo, foi criado para um campeonato de jogos naquela resolução e com menos de cinco minutos e ganhou.

    (só não me pergunte quem faz um campeonato desses…)

  • alguem

    isso ” é parênteses?

  • joao

    Puta merda,que estranho.Vou gastar minha vida fazendo oque e melhor : JOGANDO!

  • atillah

    @ alguem:

    q

  • Eduardo

    Ainda tem os tesouros com moscas dentro, deve simbolizar as frustrações que temos na vida ou algo assim. Muito show o jogo.

  • Olaf

    eu até tentei baixar o jogo mas nem abriu a pagina de download… mas é macabro e depressivo um jogo que você só anda anda anda anda… e morre de velho… hahahaha isso sim é um jogo realista!

  • não entendi porra nenhuma, tirando o fato de que vc fica andando por lá… pegando caxinhas e ganhando pontos. 1064. eh. joguinho lixo, vou jogar Sins of a Solar Empire depois dessa.

  • Johnny C, você não entendeu que o jogo é baseado em como a vida é: você conhece uma gordinha, ela ‘avança’ junto com você, vocês passam por ‘obstáculos’ , conseguem ‘coisas’ (me referindo aos baús), sempre ‘indo’ e no fim tanto ela, como você ,morrem?

    Se ler a explicação do Atilhah e ter jogado o jogo não ajudaram, talvez o que falei acima também não…

  • llSENAll

    JOGUINHO MAQUIAVELICO…
    MACABRO

  • Pacman

    jogar ta entre aspas

  • Prego

    Pra mim isso eh coisa de emo! T.T

    mas na boa… eh estranho… pq se tu vai soh reto… nao tem obstaculo, mas tbm nao tem fim !

    ou seja… morre!

  • Fernando

    Primeiro meu anti-vírus deu a louca aqui e começou a apitar desesperadamente, mas tudo bem.
    Depois de alguns segundos, o jogo finalmente funcionou:
    Interpretei tudo da mesma maneira que a maioria aqui, e achei legal vendo por essa perspectiva.
    Mas antes de ver esse jogo, já tinha a idéia um tanto quanto clicerizada hoje em dia, de viver a vida intensamente, aproveitando os momentos e oportunidades.
    É isso aí.

  • Danzer

    O dia que eu tiver coragem e tempo de projetar um game com certeza você vai ser um dos críticos.Como consegue tirar tanta informação desse joguinho!

  • [TRG]Vash

    serio muito macabro isso e eu fico lendo essas porras em sextas-feiras 13 =/

    obs:pra mim so muda de dia quando eu durmo

  • Belo texto! Belo jogo! Parabéns por esse achado! Acho os jogos atuais tão sem sentido! Sentia falta disso em um jogo (vide Legend of Zelda, entre outros)…

    Só uma coisa… Em “Por que o “jogar”, entre parênteses? “, não é parenteses, é aspas!

    Abraços!

  • dorachan

    tô com medo de jogar DD:

    sério mesmo. são 1 da madrugada e tô sozinha no quarto
    sei que não parece ser um jogo assustador
    mas é muito profundo. e eu sou uma pessoa que tenho muito medo
    de que a minha vida acabe e eu não tenha aproveitado-a do jeito que ela deve ser aproveitada

    atrevo-me a dizer que esse jogo me deu mais medo do que Resident Evil

  • Jmfecon

    Ganhei mais pontos jogando sem a mulherzinha e pegando os baus!

    É bem o que o Atillah falou… das metaforas da vida a dois.

    Eu hein

  • Eu

    Com um puta discurso machista desses, não é à toa que você só seja um hardcore gamer.

  • Jhonny

    Foi só comigo, ou alguém percebeu que a mulherzinha morre aos 666 alguma-coisas ali no contador? o.o

    Mesmo assim, jogo deprimente fela-da-puuuuuta.

    Alguém quer uma Heineken?

  • iago

    doideda maluco q foda esse jogo

  • mauro jr

    caraca
    tem muito detalhe q pode passar despercebido!

    uma coisa q reparei eh q o campo de visao (tudo o q aparece à direita do personagem) vai diminuindo conforme o tempo passa, talvez uma referencia a perspectiva de vida! [inversamente proporcional com o avanço da idade…]

    outra coisa: acho q a pontuaçao deve ser a idade q se consegue atingir… por exemplo, 808 pontos devem significar 80,8 anos.

    muito louco isso.

  • xxxxx

    Foi só comigo, ou alguém percebeu que a mulherzinha morre aos 666 alguma-coisas ali no contador? o.o

    filho, vai pra igreja

  • Mariana

    nostalgia, depressão, pensamentos loucos e claustrofobia (é assim que escreve?)
    cara, essa de ficar andando sem poder passar pelos obstáculos me deu muito medo, angustia, agonia
    que jogo medonho D:

  • Shuffle

    No meu ela morreu beeem antes.

    Mas, porra, que jogo péssimo. Me senti tão impotente.

    Como uma hardcore gamer, não acredito que esse jogo seja só isso. Tem que ter alguma coisa a mais!

  • Liliana

    Fiquei meio estranha, tipo, comecei a filosofar, pensar, se, afinal, algo faz sentido, questionar a existência da felicidade e relacionar o jogo com a vida.

  • Túlio Pareja

    hardcore gamer é um nome bonito pra nerd que não faz nada além de jogar video-game?
    que bacana.

  • Tadao

    Ok. É um jogo depressivo, really.

    Jogo cu. Agora perdi meu domingão feliz. Saco. E isso só com malditos bonequinhos filhos da mãe.

    Agora, se esse mesmo conceito de pseudo-jogo fosse implantado nos jogos de última geração…Hum. Os jogos mais pareceriam filmes. Original, mas destrói o objetivo do jogo, que é encarnar um personagem pra FAZER alguma coisa incrível, pra divertir… Pra matar nazistas 666 from hell ou matarpilharroubar.

    Mas essa é a MINHA opinião!

  • ah, cara.
    quando a mulher morreu me deu um toço.
    kkkkkkkkkk.
    fiquei paradá na lápid dela e pronto, fechei o jogo..
    já me bastam as angustias da adolescencia!

  • ouier

    Será q a proxima versao vem com suicidio?

  • Jonas

    velho… ISSO É DEPRIMENTE – okwokwoeweko

  • Eu fiquei feliz… a minazinha que você pega no começo do jogo só te larga quando morre… putz. XD

  • Thiago Firmo

    joguim legal
    jah to acostumado a me sentir depressivo, intão num teve muito efeito…Mas a porra da musiquinha e os pixels nostálgicos me deram um puta medo de vir alguma merda no final.

  • NeverSleep

    Nada demais, procura aí um joguinho chamado Kana ~Little Sister~ (em inglês apenas) que aí lágrimas de verdade vão correr. Esse joguinho aí de cima tem uma musiquinha irritante e ainda bugou meu desktop (dual monitors…).

  • Eu aki

    cara… fui uma vez sem a mulherzinha, fkei impressionado com o jogo por ter até a questão do arrependimento, experimentem aew

  • Deymis

    jogo macabro
    me deixo penssativo :/

  • dcolombo

    kct, soh comecei a entende o jogo no final, qnd comecaro a envelhece, aih fiqei desesperado qe nem tu…”porra vamo morre e n fizemo nd?” kkk
    mas eu tmb nem sabia q dava pra i pra baixo, soh fui em linha reta kkkkkk
    qnd a muie morreu, tentei volta pra tras pra ve se ela voltava =(
    xD
    o jogo n me deixou tao deprimido assim, afinal…tenho uma longa vida de estudos pela frente =P

  • Rafael

    Nossa meu, que joguindo depressivo cara, é incrível como ele é tão minúsculo, e sem muito o que fazer, mas mesmo assim, nos passa uma mensagem muito forte.

    Quando eu percebí que o tempo tava passando e que eles tavam morrendo eu pensei -Putz, vou voltar que o tempo volta- necas, continuaram envelhecendo, e de repente ela morre, cara eu parei na lápide e fiquei alí, sem saber o que fazer, e isso te faz pensar, e as caixinhas, meu, tem umas que o autor pôs em lugares, que você só alcança sozinho, e tu fica pensando -Caraca, é assim mesmo, são iguais certas situações da vida!

    Mesmo sendo Hardcore, tenho q adimitir, alguns jogos novos podiam passar uma mensagem assim, se bem que daí os jogos ao invés de entreter, te deixariam Emo oO

  • Leslan Livonor

    HaHaha foi eu q frabiquei essa bostinha de jogo vou enviar pra todos os pcs do mundo.HaHaHaHa

  • AntonioS

    meu relatorio resumido
    po comecei apertando tds as direçoes, ai fui andando pra frente vi uma coisa e fui pra baixo ai do nd aparece um coraçao e a mulher, nem sabia q porra tava acontecendo, mas pensei “beleza, quando eu acho a proxima mulher?”, ai comecei a andar e vi q ela tava ma frente, entao resolvi dar uma voltinha tava indo so em linha reta, ai vi uns bolinhos[devem ser os baus] mas nem me toquei q em cima era pontuaçao, n conseguia seguir nos caminhos d cheio d curva por causa dela mas voltei pra cima e continuei feliz com ela, ai me toquei q o bonequinho tava indo pro canto esquerdo da tela, ai vi q perdia cabelo, fiquei doido, tentei correr ai a mulher fica meio grizalha e penso “fudeu vo morrer! corre!” ai ela morre do nd, parei, tentei voltar mas nd, ai vi q fiquei curvado, tentei correr, mas so me arrastava e pensei deve tar chegando minha vez, a pelo menos me diverti brincando com a mulherzinha e explorando o mapinha.
    (resumido nd tava d sacanagem hahaha)

  • anônimo

    Interessante que, pelo jeito, todo mundo pára um pouco na lápide e tem a reação de tentar voltar para recuperar a juventude.

  • O Anônimo conhecido

    Caracoles!!!
    O ùnico jogo q passou uma mensagem tão profunda como essa só o shadow of colossus

    sinistro…

  • Caara que jogo tenso!

    fui uma vez até o final com a mulherzinha e depois que ela morre o véio fica mais devagar, meio corcunda, só esperando morrer.

    depois fui sem a mulherzinha, pegando os baus. A maioria só tinha moscas e quando tava no fim, resolvi voltar lá no começo, e encontrei a lápide da mulherzinha…

    essa foi a parte mais foda, puts, ela fico parada lá o tempo todo sozinha até morrer o.O

  • Danilo Antunes

    Que jogo tenso e deprimente…

  • Ricardo costa

    gays

  • Taisu

    Cara, pesquise sobre tale of tales, eles desenvolvem jogos indie que estão focados em fazer vc se sentir como o seu personagem, e os games são trágicos pacas mas incríveis, com resolução um milhão de vezes maior do que a desse é claro rsrs. Se eu fosse cheia da grana financiaria qualquer merda que eles fizessem, são incríveis! Um dos jogos deles fala justamente do envelhecimento, The Graveyard ( acho que é assim que escreve), seu protagonista está no fim da vida e vc é só um expectador sofrendo o que ele sofre, mas o melhor jogo deles é the path, a maioria das pessoas odeia pq prefere jogos de matar matar meio mundo e tal, the path é um jogo sobre amadurecimento e te faz pensar muito sobre a vida e te deixa chocado, arrasado e muito intrigado ao mesmo tempo. Não vejo a hora desses caras lançarem mais games, sou muito fan *-*. 

    Outro é um brasileiro que se chama toren, a protagonista envelhece ao longo do jogo, mas ainda está em fase de criação, o gráfico é lindo e promete ser muito foda. Estou ansiosa pra jogar. 

    Vc poderia fazer uma matéria só sobre games assim com propostas diferentes, eu ia adorar S2 =P

    Vou baixar esse pra jogar mas confesso que estou meio preconceituosa com esses pixels rsrs espero que seja bom como vc disse

  • Rodrigo

    Eu percebi o jeito de fazer mais pontos nesse jogo, é se você continuar andando para direita, e nem descer sem se preocupar com os baus, para falar a verdade a primeira vez q joguei nem sabia que dava para descer kkkk, e os personagens demoram bem mais para envelhecer, acho que a mensagem eh, não se preocupe com fortuna e etc… e sim em passar o maior tempo possivel com quem a gente gosta.

busca

confira

quem?

baconfrito