Tempus Fugit/Quem precisa de vídeo-game?

Nerd-O-Matic quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

Vocês não sabem, mas eu larguei tudo por uma semana. Me mandei; vazei; fui pra uma ilha. Peguei a mulher, caixa de Skol, passagem de ônibus, barco em alto-mar e toca achar uma pousada pra ficar no meio do nada.

E estive lá pensando em vocês, bando de motherfuckers que lêem essa coluna.

 “Sofrendo” sem poder jogar

Porque, caras, eu passei UMA SEMANA longe de vídeo-games. Eu não tenho idéia da última vez em que isso aconteceu. Desde que eu comecei a ganhar meu próprio dinheiro pra comprar meus games, eu provavelmente não passo mais de um ou dois dias sem dar uma jogadinha. O normal é jogar todo santo dia.

E então, depois de 5 ou 6 dias sem jogar, num boteco á beira-mar, eu lembrei que tinha uma coluna pra fazer quando voltasse. E que eu não tinha tema para a maldita coluna porque, afinal, eu não tinha jogado nem lido nada sobre games em quase uma semana. Foi quando eu me toquei de como eu não estava sentindo falta nenhuma de vídeo-games. Nem de internet. Nem de msn. Nem de televisão. Nem de celular. Parnasianismo total. Retorno ao essencial. Essas boiolagens.

E, enquanto vinha outra Skol na mesa, fiquei pensando em como é possível que alguns coreanos loucos consigam literalmente se matar de tanto jogar. Como cara? Como alguém começa a jogar World of Warcraft e simplesmente não consegue parar mais? E abandona mulher, e filhos, e emprego, e relacionamentos, e deixa de comer e cagar e simplesmente PIFA na frente do monitor? Falência cerebral.

Porque, veja bem, eu sou um cara bastante urbano, extremamente acostumado e dependente das facilidades eletrônicas do dia-a-dia. Eu sou o cara que vai ao banheiro cagar com um Nintendo DS na mão, porra! Entretanto ali estava eu, passando horas simplesmente jogando papo fora, trocando garrafas vazias por garrafas cheias e de um modo geral não fazendo nada a não ser olhar os navios passando no horizonte. Horas. Mais tempo do que eu passo jogando, na verdade.

E quando não estava no boteco á beira-mar, estava no meu boteco particular á beira-piscina. Vou falar a verdade: eu me permiti levar meu ipod. Piscina, Skol e ipod. Horas vagabundas sem nada pra fazer a não ser olhar pro mar eventualmente, pras bundas na piscina, trocar de latinha e posição das pernas, pra não ficar dormente. Todo dia nessa balada. Eu estava me sentindo bem. Nenhuma pontinha de vontade de voltar pra cá, para esse monte de fios, telas azuladas e zumbidos eletrônicos.

Qual é o lance? – Pensei comigo mesmo. Por que consegui largar tão facilmente dessas coisas em que sou viciado e com as quais perco horas dos meus dias na cidade? Será que elas simplesmente não eram necessárias como eu imaginava? Será que no fundo eu ODEIO todas elas? Não, não pode ser isso. Eu de fato me divirto jogando. Porra, eu escrevo sobre games num site sem ganhar nada pra isso, é evidente que eu gosto de jogar. Mas eu estava incomodado com isso. É como se, sei lá, alguém de quem você gosta morresse e você não passasse pelo luto, não sentisse falta do desgraçado.

E daí, pensando no lance de morte, cadeias de pensamento preguiçosas embaladas por latinhas vazias, lembrei de novo dos malucos que morrem de tanto jogar. Comecei a me perguntar por que EU ainda não morri de tanto jogar. Qual a diferença entre eu e esses coitados? Falta-me Nerdice? Ah eu também sou suficientemente nerd pra me matar de jogar, não deve ser isso. A diferença é que eu tenho outras coisas legais pra fazer. E eles não. A única coisa que eles acham legal é jogar. É o único lugar onde se sentem bem, poderosos, fazendo algo útil, construindo alguma coisa, sei lá.

É difícil não cair no canto da sereia; essas caixinhas com monitores acoplados são muito sedutoras. Tu põe um joguinho lá e começa a receber as recompensas: uma armadura nova, um vídeo de tela cheia, um score cada vez maior, um multi-kill contra 10 nego online, uma fase bônus, uma história envolvente. Os jogos possuem muitas maneiras diferentes de nos prender e são cada vez mais eficientes em fazer isso. É fácil trocar a vida real pela vida virtual; o mundo é mais emocionante dentro da tela, mais colorido, as mulheres são mais gostosas, eu luto boxe melhor em Fight Night do que no ringue de verdade.

Eu me sinto bem jogando. Mas eu também me sinto bem me relacionando, fazendo outras pessoas rirem de vez em quando, montando frases espertinhas, zoando você e todos que você conhece, construindo pilhas de latinhas vazias, sentindo o entorpecimento alcoólico lento produzido por cervejas consumidas preguiçosamente no bar. Eu me sinto bem ao observar uma mulher belamente construída no meu campo visual; olhando até ela ficar constrangida; olhando até o acompanhante dela me olhar feio. Eu me sinto bem fazendo nada. Eu não preciso fazer alguma coisa o tempo todo para me sentir útil.

Pequenas satisfações e prazeres; no fim das contas são as coisas mínimas que me salvam de cair babando com a cabeça no teclado.

E só daí eu saquei: não é que eu goste de vídeo-games. O que eu gosto mesmo é de curtir, de me sentir bem. Se eu estou me sentindo bem com outras coisas e atividades diferentes, não preciso de vídeo-games. Eles são só um veículo de diversão, não são a diversão em si. Parece besteira, parece idiota e parece simples demais. E provavelmente é. Mas precisei de uma semana sem os aparelhinhos á minha volta pra concluir isso. Se eu sou burro a esse ponto, imagine vocês.

Pensem nisso. E enquanto vocês pensam, eu vou ali jogar. Orra… mais de uma semana sem jogar, cara.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Não vá morrer de tanto jogar pra recuperar o tempo perdido, valeu?
    Não que eu me importe se você morrer, mas é que se você morresse, tudo que você escreveu não serviria de nada.
    Se for jogar até morrer, apaga essa coluna antes.

  • Cara, eu também já passei por esse “processo de auto-esclarecimento”, a diferença é que eu não precisei de uma semana pra chegar a conclusão, bastou um fim de semana (he he he). Só que atualmente o tempo que me sobra para jogar é tão pouco que é mais fácil eu morrer de tanto trabalhar do que de jogar.

  • Leef

    Rapaz se ta em crise de abstinencia.

  • atillah

    Estou comovido com a preocupação de vocês com a minha pessoa. Mas comunico a todos que depois de algumas horas de No More Heroes, Advance Wars e Burnout, está tudo bem novamente.

  • llSENAll

    E AI ATILAH BELEZA
    O NEGOCIO E JOGAR O RESTO E’ BOBAGEM

  • Olaf

    é, realmente estou impressionado, descobri que também não gosto de video-games…vou mudar minha resposta quando algum nerd esquisito, amarelo e com a bermuda acima do umbigo olhar pra mim e perguntar: você gosta de video-game?

busca

confira

quem?

baconfrito