Filmes que seriam fodas… Se não existissem

Cinema segunda-feira, 09 de junho de 2014 – 3 comentários

Sabe aquela ideia foda pra caralho, que você tem certeza que não é apenas genial, mas que vai ser um sucesso gigantesco? E, mais incrível ainda, outras pessoas concordam com você, e uma pequena parte delas inclusive aceita tornar esta ideia real! Seria uma pena se desse tudo errado.

 Ahhh, as possibilidades… Ahh, o desperdício.

continue lendo »

Destaques da Semana em DVD – 10 à 14/11

Cinema sexta-feira, 14 de novembro de 2008 – 4 comentários

Crônicas de Nárnia – Príncipe Caspian: Segunda aventura baseada nos livros de C.S. Lewis, mesmo após desempenho abaixo das expectativas do filme anterior, que claramente prejudicaram as bilheterias deste nos cinemas, mesmo a crítica dizendo ser este o melhor. Na trama, apenas um ano se passou para os irmãos Pevensie desde a primeira aventura, mas 1.300 anos de história transcorreram na dimensão de Nárnia, agora dominada pelos telmarinos, que baniram os animais falantes e as criaturas mitológicas. Assim, o reino precisa novamente da ajuda dos irmãos. Curiosamente, é um legítimo herdeiro dos telmarinos, Cáspian, quem clama pelos reis em nome da antiga magia de Nárnia.

Um Crime Americano: Excelente história, principalmente se pensarmos que foi baseada em acontecimentos reais, que acabou sendo prejudicada pela adaptação quase novelesca, ainda sim, o contexto é revoltante e a interpretação de Catherine Keener assustadora. Na trama, Sylvia e Jennie Fae Likens, as duas filhas de um casal que trabalha com um circo são deixadas para uma estadia demorada em Indianápolis, na casa Gertrude Baniszewski, uma mãe solteira com sete crianças. Tempos difícies, e as necessidades financeiras de Gerturdes, obrigam-na a fazer este arranjo antes de perceber como esta obrigação levará sua natureza instável a um ponto de ruptura, a ação do filme se passa em 1958.

Quebrando Regras: bobagem para fãs de lutas, pena que neste pacote não esteja incluído um bom ELENCO e ROTEIRO. Na trama, se podemos chamá-la assim, Forçado pela sua família a se mudar do interior de Iowa para a ensolarada Flórida, o jovem Jake descobre na sua nova cidade um circuito de competições de MMA (sigla em inglês para Artes Marciais Combinadas) e acaba envolvido.

As Ruínas: Inédito nos cinemas, parece pegar onda no sucesso internacional de Abismo do Medo (The Descent), mas trata-se de uma adaptação da obra de Scott Smith, que ganhou maior projeção após ser indicado ao Oscar em 1999 por outra adaptação sua, Um Plano Simples. O roteiro, que é do próprio Smith, traz a história de Jeff (Jonathan Tucker, de Pulse), um estudante de uma escola preparatória que convida os amigos a acompanharem um grupo de turistas na exploração de uma escavação arqueológica dentro de uma selva no México. O grupo passa a correr perigo quando descobre que algo maléfico e antigo vive entre as ruínas. Algo parece os observar todo o tempo. Algo irreal. Tornando seus dias mais difíceis, causando intrigas, acidentes, esse ser segue protagonizando os momentos mais tensos e apreensivos do livro. Entre indas e vindas de suspense, o racionamento de comida e água requinta a infeliz jornada dos jovens. Estão também no elenco a atriz Jena Malone (Orgulho e Preconceito) e Laura Ramsey (Ela é o Cara).

Viagem ao Centro da Terra: aventura familiar com o onipresente nesta temporada blockbuster Brendan Fraser (também na Múmia 3), aqui junto com o garoto de ABC do Amor e Zathura, Josh Hutcherson. A trama, velha conhecida de todos, acompanha Brendan Fraser como um geólogo ao lado de seu sobrinho e uma guia islandesa numa viagem ao núcleo do planeta, atrás de seu irmão. O filme é o primeiro com atores de carne e osso produzido para exibições digitais em 3D.

Hancock: Novo veículo para o sucesso crescente de Will Smith, aqui uma versão mais real de super-heróis, pena o roteiro dar uma virada na trama e acabar abrindo mão do humor sarcástico. Na trama, Hancock (Will Smith) é um super-herói diferente. Ele está sempre bêbado e mal-humorado. Quando salva o dia, o faz do seu jeito, causando prejuízos enormes à cidade e à sua própria imagem. É então que entra em cena Ray Embrey (Jason Bateman), um relações públicas, que depois de ter sua vida salva por Hancock decide mostrar ao mundo que por baixo dos óculos escuros, a bermuda larga e a boca suja existe um herói de verdade. Pelo menos temos a estonteante Charlize Theron no elenco como colírio.

Anaconda 3: sim você não leu errado, os produtores americanos ainda não desistiram da franquia da cobra gigante, pelo menos, não está ocupando lugar de outros filmes nos cinemas, chega diretamente em dvd, com ninguém mais, ninguém menos que David Hasselhoff (Mitch B de S.O.S. Malibu) no elenco. Na desculpa de contar uma história, um cientista realiza testes com duas cobras gigantes em um laboratório na Europa. O gerente do local acaba abusando da experiência e deixa as duas monstruosas criaturas escaparem. Elas estão chegas de fome e vão direto para um local movimentado para se alimentarem. Para piorar, uma delas está prestes a ter uma ninhada de cobras gigantes. Para resolver a situação, um matador de cobras é chamado e ele terá de lutar contra o tempo para evitar o pior. Chega a ser hilário!

Hancock (Hancock) (2)

Cinema segunda-feira, 13 de outubro de 2008 – 2 comentários

Não, não é a continuação de Hancock. É só mais uma resenha e, se não gostou, caia fora daqui. Seria assim que John Hancock responderia as suas perguntas idiotas.

Filmes de Super-Heróis é um dos gêneros mais legais do cinema. Transportar as histórias em quadrinhos ou desenhos animados em filmes com atores reais eleva o status da aventura a um outro patamar. Nos sentimos na pele do cara em questão, querendo voar, bater em bandidos, dar cambalhotas e várias outras peripécias. O problema é que basicamente não sai disso. Aí do nada me aparece um herói beberrão, que curte rap, é praticamente um mendigo e não está nem aí para o fato de ter super-poderes.

 Só um arranhãozinho.

Hancock é mais um anti-herói do que um herói em si. Will Smith interpreta esse verdadeiro fanfarrão que vive como um mendigo na cidade, passando a maior parte do tempo bêbado ou dormindo. Quando está acordado, causa prejuizos para os cofres públicos sempre que é requisitado. A sua imagem perante a sociedade não é das melhores, e chega um certo momento que dizem: Basta.

Nesse momento entra em cena Ray Embrey (Jason Bateman), um relações públicas que acaba de passar por um fracasso gigantesco. O cara é salvo por Hancock e acaba fazendo uma reviravolta na vida do herói. Após convidar o beberrão pra jantar, somos apresentados à sua esposa, Mary, interpretada pela maravilhosa Charlize Theron. Temos também o filho do cara, que mais parece um mocinho com crise de asma.

 Esse celular tem câmera? Xô ver.

Ray decide que é hora de Hancock mudar, e aí temos a reviravolta em que o herói fanfarrão se torna responsável, salva o dia e tem um final feliz. Fim.

O filme é bem divertido. As cenas de destruição causadas pelo Black Hero são muito bem feitas e empolgantes. Efeitos de qualidade e sequências bem pensadas. O roteiro peca um pouco pelo fato de ter alguns buracos e deixar algumas informações sem explicação. A história é de Hancock e pronto. Da mesma forma como Click, o filme em certo momento sai da comédia para entrar um pouco no drama. Não é uma ferramenta interessante nesse tipo de filme, mas vale a pena pelas atuações e pelo divertimento.

Esse foi o segundo filme que Will Smith emplacou nas primeiras posições das bilheterias mundo afora. Ter o nome do cara no cartaz é sinônimo de lucro. Mas também pudera. O cara é foda.

Hancock

Hancock (92 minutos – Ação/Comédia/Drama)
Lançamento: EUA, 2008
Direção: Peter Berg
Roteiro: Vincent Ngo, Vince Gilligan
Elenco: Will Smith, Charlize Theron, Jason Bateman

Os 8 filmes mais fodas do Will Smith – 3 – Hancock

Cinema segunda-feira, 13 de outubro de 2008 – 0 comentários

Este texto faz parte de uma lista que, definitivamente, não é um top 10. Veja o índice aqui.

 Where is my balls?

Lutador, policial, falido e único ser humano na face da Terra, só faltava mesmo pro cara ser um Super-Herói. E não bastava ser um super-herói qualquer, o cara tinha que ser John Hancock. O herói mais modafoca de todos.

Bêbado, insolente, marrento e foda pra cacete, Will Smith consegue nos presentear com um dos melhores filmes de super-heróis da história. Esqueça origem e todos esses blá blá blás da atual safra. Basta apenas dizer que o cara é um herói que não tá nem aí pra vida dos outros. Até o momento em que ele tem aquela crise de identidade e resolve fazer o bem.
O cara é engraçado por natureza e, fazendo um super-herói mal humorado, só podia entrar pra esse Top 8.

Confira a resenha completa.

Balanço de Blockbusters do ano

Primeira Fila sexta-feira, 08 de agosto de 2008 – 9 comentários

Bom, o Paulo basicamente me intimou a fazer esta coluna procês, mas saibam que eu sou um grande admirador do cinema arte, assisto blockbusters apenas por diversão, pra desligar o cérebro de vez em quando. O cara já falou por aqui sobre os blockbusters em quatro partes (1, 2, 3 e 4), então vou me basear nessa lista para expor minha opinião sobre os caça-níqueis do ano. Mais sobre cada filme, basta clicar no link em seus respectivos títulos.

Homem de Ferro

De longe, mas DE LONGE, o melhor, mais divertido, mais engraçado e mais GENIAL adaptação de um herói para as telonas. Minhas expectativas eram baixas, tendo em vista que eu vinha de uma péssima seleção de filmes do gênero para assistir nos fins de semana. Mas, porra, eu nunca me empolguei tanto em um filme de super heróis, e a empolgação aqui foi graças à exatamente TUDO no filme: Elenco, trilha sonora (além do instrumental, o filme já começa com AC/DC e termina com Black Sabbath – absolutamente perfeito), efeitos especiais, roteiro e tudo mais. Eu agradeceria eternamente a tiazinha do café que fez parte do casting de apoio da equipe de filmagem do filme se eu a encontrasse na rua. Taí um filme espetacular, até o Paulo vibrou (ou vibraria, cê viu?).

Speed Racer

O filme mais legal do ano, os irmãos Wachowsky conseguiram fazer uma adaptação completamente maluca e, pasmem, inovadora, de um desenho dos anos 60. Matthew Fox roubou a cena para caralho, só pra constar. O que me entristece é o fato de o filme ter ganhado uma divulgação chula (pelo menos por aqui, to por fora da divulgação fora daqui) e ter sido atropelado por outros blockbusters, além de ser vítima de preconceito por noobs por aí. Sério, são os irmãos Wachowsky e o povo reclama das CORES do maldito filme. Eu pensei que a trama seria uma espécie de Velozes e Furiosos, me senti um imbecil após sair do cinema por ter pensado nisso.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal

Este foi um dos filmes que me fez ter vontade de recuperar, de alguma forma, o tempo perdido sentado na frente daquela telona. Shia LaBeouf foi a única “coisa” que valeu à pena no filme, na boa. E querem fazer uma continuação, AINDA com Harrison Ford. Não aprendem nunca.

As Crônicas de Nárnia: Princípe Caspian

Não vi e não gostei, fato. É o tipo de história que não me chama a atenção, muito politicamente correta, infantil e… sem graça. Já quebrei a cara com filmes do tipo, então continuarei passando longe.

O Incrível Hulk

Acho que rolou muito drama e pouca ação. Afinal, quando você pensa em HULK, você pensa em AÇÃO. Ok, a história pedia por drama, então há um desconto. O filme foi absurdamente melhor do que o anterior, mas não chega a ser uma obra prima. Eu recomendo, mas não elogio. Ok, não muito. Edward Norton é foda, fazer o quê?!

Fim dos Tempos

Criaram uma expectativa enorme para com Shyamalan, e isso causou uma queimada de língua enorme por aí. Eu estava indiferente, tanto que gostei do filme. É esse o grande erro de blockbusters (principalmente): Falsa expectativa. Você só pode criar uma expectativa fodida com um Guillermo Del Toro da vida, um cara que só fez filme bom. Shyamalan oscilou, a crítica acreditou demais em um “retorno” e quebrou a cara. Mas o filme É bom, pelo menos pra quem estava indiferente.

O Procurado

Ainda não vi, e considero esse um dos dois filmes que pode vir a ser o mais ESPETACULAR do ano. Esse é o tipo de filme que todo fã de Matrix aguardou esse tempo todo, só que sem toda aquela filosofia. E eu, como grande fã do melhor filme sci-fi de todos os tempos, aguardo este filme com uma ansiedade e expectativa enorme. Sem conhecer a HQ.

Wall-E

A melhor animação de todos os tempos, o melhor filme do ano, a melhor crítica social da história do cinema em uma animação, o filme mais respeitável da Disney por NÃO TER FALAS… enfim, a lista é realmente muito grande, e me faltam palavras para descrever a sensação de ter assistido à essa obra-prima. Mas acho que isso já é o suficiente pra te convencer.

Arquivo X – Eu Quero Acreditar

Ainda não assisti, e ainda estou indiferente. Eu não acompanhei a série, mas acredito que o filme, só por se tratar de um filme de uma das séries sci-fi mais elogiadas de todos os tempos, já vale a conferida. Aliás, o Paulo que é o grande ídolo da série, CADÊ RESENHA?

Sex and The City

:erm:

Agente 86

Ainda me arrependo por não ter assistido à este filme, e taí outra série que eu não acompanhei. Algo me diz que o filme é bastante bacana, e eu não digo isso por causa das críticas por aí. Nem sei por que digo isso, é só palpite. Bom, pra ser convincente: O elenco é bom, e as cenas que eu vi são, no mínimo, interessantes.

A Múmia – Tumba do Imperador Dragão

O filme mais divertido do ano e MENOS aguardado positivamente pela crítica, ou pelo menos por boa parte dela, foi o que percebi. O fato é que o filme é realmente divertido, até mesmo acima das expectativas. Jet Li não faz filme ruim, não faz MESMO.

Hancock

Este filme é tão, mas tão clichê, que eu, por muito pouco, não vomitei a pipoca que eu ganhei na sessão. Tal pipoca que, por acaso, estava murcha. Mas enfim, dos blockbusters que eu vi, esse aqui foi o pior. O filme só vale à pena no início, até o trecho do banco. Muita expectativa foi criada aqui também, uma pena – eu mesmo queimei a língua. Basicamente, os roteiristas ficaram sem idéias para continuar o filme após a famosa cena do banco e inventaram a história mais absurda possível.

Kung Fu Panda

Eu esperava MUITO pouco desse filme, praticamente nada. Quando vi, foi, de fato, uma surpresa enorme. O maldito enredo é muito bem feito, tirando alguns furos, como o fato de não sabermos nada sobre alguns personagens importantes. Enfim, diverte bastante, e a dublagem nacional é boa, até.

Batman – O Cavaleiro das Trevas

Expectativa é o tema da vez, certo? Batman transbordou expectativa, o filme já estava sendo chamado de “Coringa” por muitos. Eu, particularmente, não esperava nada. Batman com armadura do RoboCop E magrelo? Certo, certo. O elenco é dos melhores, mas a trama é cansativa, não adianta teimar. Fiz questão de não ver o filme na semana estréia, estratégia boa pra conseguir uma cadeira na sala, inclusive. Após assistir, saí da sala com uma coisa na cabeça: Aaron Eckart foi o grande astro, não tem pra ninguém. Heath Ledger teve seus momentos, na boa. Bom, o filme foi abaixo das expectativas pra mim, afinal, minhas expectativas até aumentaram após eu ouvir de pessoas de extremo bom gosto para filmes falarem “o melhor filme de todos os tempos”, ou “a melhor adaptação de todos os tempos”. Eu só acho que vocês precisam assistir a mais filmes, mas o filme é bacana sim. Só não é tudo o que dizem.

Hellboy 2 – O Exército Dourado

Pra mim, esse é o filme mais esperado do ano. E só estréia no dia 5 de setembro. Mas enfim, Guillermo Del Toro é o cara que só faz filme bom, e Hellboy é o… “herói” mais “inesperado” das adaptações. O cara foi desenterrado e rendeu um filme MUITO bom, e, após todos os trailers e vídeos desse segundo filme, é certo que um filme ainda mais brilhante está por vir. E vai, VAI ser brilhante. Essa é a primeira promessa de filme mais ESPETACULAR do ano, talvez aqui sim temos um concorrente à altura de Homem de Ferro. Mas, porra… esperar até setembro? Se foder.

Hancock (Hancock)

Cinema sexta-feira, 04 de julho de 2008 – 9 comentários

 Primeiro eu gostaria de derrubar todas as expectativas que criaram do filme. Hancock é um filme engraçado em alguns momentos, e só.

[UPDATE]
Alguns não entenderam que eu passei o link acima para mais informações do filme e pãnz, ENTÃO, da-lhe sinopse:

O super-herói John Hancock (Will Smith) é alcoólatra, mulherengo, desastrado e tem superpoderes que só o levaram a cometer absurdos e desastres. Tentando melhorar sua imagem, Hancock cai em uma cidade balneário e começa a namorar uma dona de casa (Charlize Theron), cujo marido é salvo pelo herói e decide ser seu relações-públicas.
[/UPDATE]

Bom, obviamente eu queimei a língua, tendo em vista que eu ajudei com essa expectativa toda. O que era esperado? Um filme engraçado PRA CARÍI e também empolgante, com uma história original e tudo mais. Eu diria que Hancock falha miseravelmente no quesito “roteiro original” (afinal, o Homem de Ferro passa por problemas com álcool em uma fase de sua vida), deixando bem claro que, por mais que as adaptações estão enchendo o saco, elas têm um apelo mais… EMPOLGANTE da coisa, elas ENCARNAM o que um bom fã de blockbusters quer. Hancock só quis pegar carona nisso, e por isso se torna um filme descartável. Resenha por partes, então?

EFEITOS VISUAIS / SONOROS

São ótimos, fato. Boas cenas de destruição, assim como som bem balanceado. Não tenho nada mais a falar sobre esta parte, afinal, não há nada muito abusivo ou que peça por uma citação.

ENREDO

É aqui que a casa cai. Eu diria que os roteiristas pararam na parte onde Hancock é chamado pelos policiais para resolver pepinos (isso tá nos trailers, não é spoiler), foram assistir á trilogia O Rei Leão e voltaram ao trabalho. Sério, se você quer pegar o melhor do filme, saia do cinema na cena do banco.

Eu explico: Aparentemente criaram uma boa história e um bom personagem, mas perceberam que um filme de 40 minutos não estava nos planos da empresa. Então, precisaram arranjar uma desculpa RÍPIDA para poderem preencher o filme com mais 52 minutos, e foi quando pensaram na desculpa mais desesperada DO ANO para continuarem com o filme. Você é socado por clichês INCRÍVEIS e histórias mal, mas MUITO mal explicadas, além de se perguntar qual foi a parte do filme que você perdeu.

Hollywood precisa diminuir o álcool dos roteiristas.

 QUÊ?

PERSONAGENS

Will Smith se saiu MUITO BEM na primeira parte do filme. Depois, se encontrou completamente perdido. Charlize Theron estava perdida o filme inteiro. Jason Bateman se esforçou pra carái, mas infelizmente ele fez parte da segunda parte do filme, então… sinto muito. O resto do elenco é apenas o resto do elenco na maior parte do filme, tendo em vista que o foco é Só em Hancock e seus problemas, pelo menos na primeira parte do filme. Na segunda, eu não sei explicar qual é o foco. Sei que o roteiro foi encontrado no meio de um filme de faroeste, após um tiroteio decisivo. Sim, isso quis dizer que o roteiro está cheio de BURACOS, noob.

EXPECTATIVA BLOCKBUSTERIANA PóS HANCOCK

Pior blockbuster do ano, podendo perder apenas para Batman – O Cavaleiro das Trevas.

 Isso é quase um spoiler, véi.

É isso. Se o filme fosse um curta, seria muito bom. Mas infelizmente não é, então é só mais um clichê enorme em forma de caça-níquel. Hollywood, shame on you.

Hancock

Hancock (92 minutos – Ação / Comédia / Drama)
Lançamento: EUA, 2008
Direção: Peter Berg
Roteiro: Vincent Ngo, Vince Gilligan
Elenco: Will Smith, Charlize Theron, Jason Bateman

Estréias da semana – 04/07

Cinema quinta-feira, 03 de julho de 2008 – 3 comentários

Hancock (Hancock)
Com Will Smith, Jason Bateman, Charlize Theron, Daeg Faerch, Valerie Azlynn e Lauren Hill
Hancock é o único super-herói que existe, e não é exatamente um exemplo de comportamento: Bebe e não se importa de usar seus poderes pro próprio bem ou quando quebra coisas [Vai dizer que você também não seria assim?], o que faz com que a população de Los Angeles fique puta da vida. Mas quando salva o relações públicas Ray Embrey, Hancock acha também um mala pra tentar concerta-lo.

Kung Fu Panda (Kung Fu Panda)
Com Jack Black, Dustin Hoffman, Angelina Jolie, Ian McShane, Jackie Chan, Seth Rogen e Lucy Liu
Animação sobre o panda Po, que seria o escolhido, o enviado, o fodão-que-chuta-bundas, mas é um preguiçoso bastardo que só quer encher a pança. Mas ele tem de salvar o Vale da Paz do leopardo da neve Tai Lung, ou o filme não terá um final feliz.

Do Outro Lado (Auf der anderen Seite)
Com Nurgul Yesilcay, Baki Davrak, Tuncel Kurtiz, Hanna Schygulla e Patrycia Ziolkowska
Inicialmente, Nejat é contra o relacionamento de seu pai com uma puta, Yeter. Mas ela é uma boa pessoa, e Nejat logo descobre que ela também manda dinheiro frequentemente para a Turquia, para pagar o estudo da filha. Só que Yeter morre, do nada. Nejat então viaja para Istanbul para procurar Ayten, mas ele descobre que a garota fugiu do país e está na Alemanha. Nejat vai atrás dela, comendo o pão que o diabo amassou.

Panair do Brasil (Panair do Brasil)
Com Paulo Betti.
Documentário sobre a Panair, que se fodeu lindamente na época dos militares, perdendo suas linhas aéreas em 1968, e mostra os ex-funcionários e seus descendentes, que ainda sonham que a empresa voará nos céus do país.

Assista a 4 vídeos de Hancock

Cinema segunda-feira, 16 de junho de 2008 – 0 comentários

E aí, o que cês acham? Bomba? Já disse: VAI SER MELHOR QUE BATMAN! E estréia no dia 4 de julho.

Assista ao trailer do game (incrivelmente tosco) de Hancock

Games quinta-feira, 12 de junho de 2008 – 0 comentários

Sabe quando uma coisa é COMPLETAMENTE DESNECESSÍRIA? É o caso desse game aí, que será lançado no dia 2 de julho para PC.

Pelo menos o filme vai ser do carái, e estréia no dia 4 de julho.

Assista a mais dois TV Spot de Hancock

Cinema quarta-feira, 11 de junho de 2008 – 0 comentários

Já disse: Esse filme PROMETE, véi. E estréia só em 4 de julho.

busca

confira

quem?

baconfrito