Ninotchka

Bogart é TANGA! terça-feira, 05 de outubro de 2010

Cansei de falar escrever sobre filmes atuais. Eu andei dando muita trela pra vocês, falando de coisas novas, sendo que eu entendo mesmo é do bom e velho (Literalmente) cinema. Ah, vão… vocês têm que entender que TUDO antigamente era melhor. Parem com esse preconceito e vão assistir essas velharias. Comecem pelo filme de hoje.

Mas por que eu escolhi justamente esse com o nome difícil? Bom, Ninotchka é uma comédia romântica criada por um dos pelo maior diretor da velha guarda do gênero citado, o fenomenal Ernst Lubitsch. Toda essa porcariada de comédias românticas que Hollywood produz aos montes hoje em dia, que faz as menininhas chorarem, deve a esse cara. Mas ele fazia bem. Vamos ao filme:

Sinopse: Três russos vão a Paris para realizar uma venda de jóias, que não ocorre conforme planejado. Então, a fria agente Ninotchka entra em cena para resolver a situação. Acontece que ela se aproxima de um playboy que representa tudo que ela mais despreza.

Após duas décadas do fim do czarismo na Rússia e a consequente instauração do comunismo no país, a antiga grã-duquesa russa Swana (Ina Claire pra que eu escrevo isso? Vocês não conhecem mesmo) é informada que três pinguins de Madagascar agentes russos, Iranoff, Buljanoff e Kopalski estão em Paris, afim de vender suas antigas jóias reais, que lhes foram confiscadas com a queda do regime. A malandrona, doida pra recuperá-las, pede ao seu namorado, Léon, Conde de Agoult, (Melvyn Douglas) para se aproximar dos russos e conseguir as joias para ela (Papel de namorado ¬¬).

 “Aponte os canhões, Kopalski! Recruta, carregar armas!” – Pinguins de Madagascar

Só que os três oficiais russos são tão “brincalhões” que simplesmente se apaixonam por Paris e pelas facilidades do mundo capitalista, e meio que deixam sua missão de lado. Então, os comunistas enviam sua agente especial, Nina Yakushova, vulgo Ninotchka (Greta Garbo) para consertar as trapalhadas de seus camaradas.

A princípio, Léon se aproxima da Ninotchka (Que logo saca que o cara é um aristocrata) somente para recuperar as jóias, mas com o tempo em que eles vão passando juntos, e com toda a atmosfera romântica de Paris, começa a se encantar pela enviada russa. Para tentar conquistá-la, ele finge que faz parte do mesmo mundo dela, que gosta das mesmas coisas e tal (Basicamente o que nós, homens, fazemos quando queremos pegar uma garota).

É numa dessas que acontece algo que já era esperado durante todo o filme: Em uma das tentativas de fazer Nina sorrir, Léon se estrepa todo, arrancando boas gargalhadas de todo o pessoal do local, inclusive de Ninotchka, e assim ela cede ao rapazote. Chegando na casa dele, ela descobre que ele sabia que ela era uma enviada russa, mas deixa tudo de boa, afinal o amor já estava no ar, assim, do nada!

 Nessa cidade todo mundo de apaixona

Léon leva a russa para um jantar de gala, onde, pra tristeza do cara, também está a grã-duquesa, e vocês já viram mulher, né? Quando a duquesa vê a beleza de Ninotchka, logo vai conversar com a moça para tentar de algum modo desmoralizá-la. Depois de chegar em casa embriagada de tanto champagne da festa, Ninotchka vai se deitar, mas uma reviravolta acontecerá assim que ela abrir os olhos.

Integrante do ano de ouro do cinema (1939), Ninotchka, juntamente com lendas da cinematografia como E o Vento Levou…, O Morro dos Ventos Uivantes, A Mulher Faz o Homem, No Tempo das Diligências e O Mágico de Oz, fez parte dos escolhidos para o Oscar do ano seguinte. Foi a primeira das doze indicações à premiação que Wilder receberia ao longo de toda sua carreira. O filme recebeu ao todo quatro indicações e também marcaria a aposentadoria da atriz sueca Greta Garbo das telonas, deixando muita saudade aos seus fãs, seja pela sua beleza, seus papéis dramáticos e no caso da obra em questão, pelo seu papel cômico.

 Peidei…

Outro que merece destaque é Lubitsch, que divulgou muito bem o filme com o slogan “Garbo Laughs”. Apesar de já ter dirigido o excelente Ladrão de Alcova, ele se superou em Ninotchka. Mesmo se tratando de um filme anterior a Cidadão Kane, Ninotchka é dirigido com técnica magistral pelo diretor alemão. Os três enviados russos são hilários, de arrancar ótimas risadas. Em uma época de guerra, conseguir fazer uma comédia que colocava em tela os sistemas capitalista e comunista, mas apenas como plano de fundo, sem fazer grandes críticas (Explícitas) a um dos dois sistemas, já é digno de nota. Vocês ainda estão lendo? Ah, parem, vão ver o filme que vocês ganham mais!

Ninotchka

Ninotchka (110 minutos – Comédia)
Lançamento: Estados Unidos, 1939
Direção: Ernst Lubitsch
Roteiro: Melchior Lengyel (argumento), Charles Brackett (roteiro), Walter Reisch (roteiro), Billy Wilder (roteiro)
Elenco: Greta Garbo, Melvyn Douglas, Bela Lugosi, Ina Claire, Sig Rumann, Felix Bressart, Alexander Granach

Leia mais em: , , , , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • vassourada

    A prova de que os leitores do Bacon não merecem viver, é que precisam de uma crítica para assistir a um filme do maior roteirista que já passou pela terra.

  • @vassourada
    É só vc ver a quantidade de comentários que Farrapo Humano teve…

busca

confira

quem?

baconfrito