Overdose Adaptações: A Liga Extraordinária (Vertigo)

HQs terça-feira, 15 de julho de 2008 – 3 comentários
ISSO lhe parece um grupo de heróis?

Histórinha pra ilustrar: Há uns anos eu participei de uma promoção de um certo site de entretenimento por aí e ganhei quatro convites para ver A Liga Extraordinária no cinema. Três motivos pra me entusiasmar: Era uma adaptação de uma HQ do ALAN MOORE (Fãs de quadrinhos, uni-vos!), os personagens do filme vinham de LIVROS clássicos estrangeiros (Tom Sawyer, Mina Harker, Dr. Jekyll/Mr. Hide, etc.) e que iria com mais três amigos pra ver o filme DE GRAÇA. Vi o filme, sentado no corredor do cinema (Porque as cadeiras eram nojentas) e gostei do que vi, não ótimo, mas empolgante. E pra que dizer tudo isso? Só pra considerar que o filme, hoje, é UMA DROGA pra mim e os quadrinhos são FENOMENAIS.

Pois é… O cartaz promete… Mas o filme mesmo… Heh!

Pausa para os mooristas pararem de ovacionar… Obrigado. Se fosse para recomendar neste momento cinco quadrinhos com características literárias para quem quisesse uma boa leitura, os dois volumes de A Liga Extraordinária ocupariam duas indicações, obrigatório o primeiro. Ao contrário do filme, a graphic novel (Nome bonito para HQ´s de “grande porte”) é bem menos voltada para a ação e mais para criar toda uma mitologia de uma equipe secreta que funcionaria como uma equipe de “super-heróis”. Nesta história, porém, os heróis não são pessoas com super-poderes, mas sim personagens da literatura mundial com habilidades estranhas, maldições macabras e perfis nada heróicos. Novamente ao contrário do filme é Mina Harker, da obra Drácula, quem viaja pelo mundo recrutando homens excepcionais para formar A Liga e defender a Europa de uma conspiração.

Sente só QUEM está no meio. Viu quem manda na budega?

Se para você Tom Sawyer, o personagem mais enjoadinho do filme, era dispensável e totalmente sem graça, fique feliz que, ao lado de Dorian Grey, ele não ocupa as páginas do trabalho de Alan Moore. Aliás, praticamente todas as personalidades e trama são diferentes de uma versão para a outra, excluindo Nemo, igualmente “soberbo” nos quadrinhos. Mina Harker é contida e feminista, bem menos oferecida e poderosa. Aliás, em nenhum momento chegamos a ver ela apresentar forças das trevas como na telona. Alain Quartermann é um velho quase caduco que demora a sentir vontade de assumir o cargo e tem bem mais a condizer com a real idade que tem. Quando o encontramos nos quadrinhos ele está em uma situação bem constrangedora. A dupla Jekyll e Hyde é muito mais bizarra, sendo que o doutor faz uma participação bem menor, ficando a maior parte do tempo na pele do gigantesco monstro que parece inspirado no Hulk. Por fim, Griffin, o Homem-Invisível, é um sujeito mesquinho, que prefere ficar atrás dos panos, aproveitando das sobras e esgueirando dos combates.

“Querida! Olha o que eu trouxe pro jantar!?!”

Outro adjetivo para os quadrinhos de A Liga Extraordinária seria ousado. Durante a leitura encontramos um teor adulto, bem diferente das, em geral, alegorias e estapafúrdias de quadrinhos que tratem de uma “liga”, se é que me entende. Sexo, violência exagerada, citações complicadas da cultura inglesa e personagens extremamente profundos povoam a página de A Liga Extraordinária. O terceiro volume, inclusive, veio cheio de “easter eggs”, ovos de páscoa para os fãs, incluindo um disco anexo. Eu ainda espero para ler em português.

Essa coisa traria um caderno de pornografia dentro. Empolgou?

A Liga Extraordinária Vol. 1

The League of Extraordinary Gentlemen
Lançamento: 2003
Arte: Kevin O’Neill
Roteiro: Allan Moore
Número de Páginas: 191
Editora:Devir

Overdose Sci-Fi: Encontro de dois Mundos

Livros terça-feira, 27 de Maio de 2008 – 4 comentários

Não tem nada mais comum do que desenhos animados que fazem referência á filmes de ficção científica. O número de Lukes Skywalkers e Darth Vaders em participação especial é maior do que o de oficiais do Império esganados pelo Sith na trilogia original. Absurdo, cara. Por outro lado, boas séries de ficção científica são raras e poucas sobrevivem.

Eu sabia que aquela capa preta era só parte do fetiche…

Temos em prima a sci-fi estado-unidense com tramas de um episódio só ou, ocasionalmente, um ou dois episódios seguidos. Geralmente são comédias. É o caso de Futurama, de Matt Groening (O Nerd genial que criou Os Simpsons). Aliás, essa é uma série que sobrevive na cama do hospital. Cancelada, foi recuperada através de filmes lançados direto em DVD. Para quem não conhece, Futurama fala de Fry, um imbecil entregador de pizzas que no dia da virada do Milênio (De XX para XXI) acidentalmente é congelado e vai parar no século XXXI, onde passou a trabalhar em uma espécie de SEDEX interplanetário ao lado de um robô psicopata, uma cíclope gostosa, uma riquinha mimada japonesa e outras figuras únicas e hilárias. Só os diálogos “inteligentes” entre Fry e Bender, o robô, já valem a série, uma versão nova geração de Simpsons, mas sem o mesmo carisma. Possivelmente Futurama seja o exemplo mais aclamado dessa seção de séries sci-fi.

Temos também as séries sci-fi continuadas, de tramas mais complexas e sérias. Aqui destaco com certeza Transformers (Tanto o japonês quanto o estado-unidense) e seu derivado Beast Wars, Gundam, Macross, Evangelion. Engraçado como a maioria trata de robôs gigantes e veículos que “se transformam”. É meio que sinônimo de séries futuristas ter veículos mutantes, como se todo cientista do futuro pensasse assim: Que a cura do câncer se ferre, vamos inventar máquinas absurdamente grandes, caras pra cagaio, e que só servem pra se detonar/detonar alienígenas/passear pelo espaço. Fala sério!

“Manhê!!! Posso ficar com ele?!?”

Um dos pontos fortes dessas séries são as referências que fazem á realidade. Na maioria delas os países atuais mais fortes continuam mais fortes (Claro que uma série feita hoje provavelmente mostraria um estado-unidos parecido com o México, mãs…), pragas mundiais como a Microsoft se tornaram as empresas mais importantes dos mundos ou simplesmente a cultura quase não se alterou. Cara, o Rock vai ser milenar. Errê.

O Medo… O MEDO!!!

Quem gosta de ficção científica com certeza tem que dar uma olhada em algum dos exemplos citados. A maioria saiu em quadrinhos, box de dvd´s ou ainda passa na tevê por aqui. Aliás, não tem nada que venda mais do que produtos de séries de ficção científica… Bom, talvez os produtos do KISS, mas é como comparar o Playstation com o PS3. É só olhar que até mesmo Star Wars teve suas, bizarras, séries de desenho animado.

Overdose Sci-Fi: De Volta para o Futuro Parte III (Back to the Future Part III)

Cinema sexta-feira, 23 de Maio de 2008 – 1 comentário

Talvez o mais engraçado e moralista de todos, De Volta para o Futuro parte III também é surpreendente pela forma como fecha a complexa trama da série (E deixa aberto para o saudosista desenho animado da década de 90). A idéia é simples: Depois de resolver os problemas de realidade em 1955, o doutor Brown é lançado para 1885, 100 anos antes do ano em que tudo começou. Preso lá ele avisa McFly que não precisa se preocupar que ele está muito feliz. Só que logo depois de ficar tranquilo, Martin descobre que o bom doutor foi assassinado dias depois de escrever a carta. Tentando salvar Emmett Brown, McFly usa o DeLorean mais uma vez e com a ajuda de Emmett Brown versão 55 ele chega á 1885 (Se seu cérebro deu um nó, fique feliz: Você é só mais um). Só que agora, por causa de defeito no DeLorean (Ô carrinho pra dar pau, moleque!), os dois estão juntos no passado sem poder voltar ao “presente”.

Hora de pegar rabeta no DeLorean

Se até então a trama estava alucinada, na parte III ela extrapola as possibilidades. É hilário ver Martin encontrando seus antepassados e conhecendo o início da família McFly naquelas terras, assim como ver as referências de outros filmes da série áquele ano serem mostradas “ao vivo e em cores”.

Ei! Estou ganhando cachê duplo por esta cena!

Novamente temos um Tannen (Família de grandões sem cérebro que incomodam os McFly ao longo dos filmes), com Thomas F. Wilson (Mais uma vez, pois é) interpretando Buford “Mad Dog”, o mais satírico e hilário dos Tannen. Realmente, eles fazem parecer que burrice é hereditária. A novidade fica por conta de Clara Clayton, a nova personagem do século 19. Mary Steenburgen me convenceu e fez valer a sua presença na capa do filme. Muito bom o que ela faz, mesmo sem querer, com a mente do doutor Emmett Brown. Uma mudança na história que eu não esperava na primeira vez que vi.

As interpretações continuam fantásticas, apesar de começar a ficar repetitivo o jeito “Martin McFly” de agir (Muito melhor que estilo Neo, por exemplo, mas…). Algumas piadas começaram a ficar óbvias, com “Franguinho”, outras, no entanto, sempre serão originais. As músicas também estão lá, com exceção de Johnny B. Goody. Graças a Deus, aliás, porque já estaria beirando o ridículo. Aliás, durante muitos anos, a orquestrinha que toca na festa de inauguração do relógio de Hill Valley me parecia fraquinha e sem sal (Tipo as tiradas do théo, saca?), mas da última vez que vi o filme, ela até que fez uma ótima presença e não deve deixar de ser analisada. Afinal, é como a cena do baile em 55, um elemento da história.

Lembram o que falei do moralismo? Pois é, ele nem é tanto assim, só que está lá, de leve. Nada como o filho beijando a versão mais nova da mãe do original, ainda assim o filme não é o típico que se vê por aí. Talvez se houvesse uma quarta parte ele resolvesse algumas pontas soltas e revelasse o destino de certos personagens… Ou fosse que nem Mortal Kombat: Aniquilação e merecesse ser levado para o limbo. De qualquer forma, vale muito a pena e com certeza deve ser visto em grupo. Rir sozinho da cara de tacho de Tannen em todas as suas gerações não é nada.

Ok… O DeLorean voador é animal, mas era ESSE que eu queria na minha garagem

De Volta para o Futuro Parte III

Back to the Future (118 minutos – Aventura/Ficção Científica)
Lançamento: EUA, 1990
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Robert Zemeckis e Bob Gale
Elenco:Michael J. Fox, Christopher Lloyd,

Overdose Sci-Fi: De Volta para o Futuro Parte II (Back to the Future Part II)

Cinema quinta-feira, 22 de Maio de 2008 – 0 comentários

Se todas as trilogias fossem colocadas juntas e discutidas as continuações, as segundas partes possivelmente seriam os “melhores filmes” e no caso de De Volta para o Futuro, bem, na minha opinião, ele não é O MELHOR, ficando ao lado de De Volta para o Futuro Parte III. Para quem não sabe, na Parte II vemos o doutor Brown encontrando Martin McFly novamente e o convocando, agora junto da namorada Jennifer, para ir trinta anos á frente (2015, numa versão hypada) e salvar… Os seus filhos! Nessa segunda parte da história, o Paradoxo temporal é levado ao extremo e vemos várias oportunidades para a realidade simplesmente implodir e levar todo mundo junto.

Mesmo no futuro os Nike Shox continuam caros pra caramba!

Algo que talvez não eleve tanto o conceito dessa segunda parte para mim é que ela se torna um pouco confusa, mas não no sentido de inteligência, só não é tão divertida. As idas e vindas dos anos é muito boa, e certas cenas, como a sequência na casa dos McFly em 2015 e a jogada inteligentíssima da “correspondência” na sequência final do filme acrescentam muito á mitologia. Fantástico e encaixado no universo complexo de De Volta para o Futuro.

Biff em um momento de brilhante conclusão: PEGA ELE!!!

As interpetações parecem melhores nesse filme e nunca vi tanto McFly junto (Inclusive o mesmo McFly se cruzando com sua versão do passado e futuro). A conversa indireta de Emmett Brown com sua versão de 1955 me faz pensar em quão inteligentes podem ser as cenas envolvendo Christopher Lloyd. Genial mesmo. Até mesmo Elizabeth Shue (Novinha e substituindo Claudia Wells), como Jennifer, tem participação considerável e consegue cumprir seu papel. Aliás, seria injustiça dizer que sua personagem não é a peça chave da trama no futuro. Além de um rostinho bonito (Mas faltando um pouco de corpo nela) a guria tinha talento. A trilha sonora continua ótima e aquela sequência que toca sempre que algo importante acontece ainda é inesquecível. Pena que aqui não tenha uma música para fazer o mesmo efeito de Johnny B. Goode do original.

Um último ponto interessante: A evolução para carro voador do DeLorean foi um dos elementos mais espertos da série. Não só encaixou com a visão futurista como também tornou a máquina ainda mais atraente para os “descerebrados adolescentes estado-unidenses que só pensam em carros”, que viam no DeLorean o mais irado veículo que eles poderiam querer. Fala sério! Quem não queria subir com o DeLorean e parar de enfrentar a porcaria do trânsito brasileiro, han? São Paulo seria um lugar mais agradável… Ah, esquece, tá virando utopia…

De Volta para o Futuro Parte II

Back to the Future Part II (108 minutos – Aventura/Ficção Científica)
Lançamento: EUA, 1989
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Robert Zemeckis, Bob Gale
Elenco: Michael J. Fox, Elizabeth Shue, Cristopher Lloyd, Lea Tompson, Jeffrey Weisman, Thomas F. Wilson

Overdose Sci-Fi: De Volta para o Futuro (Back to the Future)

Cinema quarta-feira, 21 de Maio de 2008 – 1 comentário

Cinco palavras: O melhor filme de todos. Se você chegou até aqui e NUNCA VIU DE VOLTA PARA O FUTURO… Dê meia volta e pegue o seu kit-suicídio na saída. Além de ser teoricamente imposssível (Cê não tem Globo, véio?!?), é improvável que você tenha resistido a ver ao menos a cena do Martin McFly tocando Johnny B. Goode. Sério, cara. Este filme tem três dos quesitos mínimos para ser um filme bom pra mim: Trilha Sonora (Johnny B. Goode!!!), personagens cativantes e uma boa história. A fotografia não é nada quando você se dá de frente com uma trama simples, mas que, com o avanço da história, começa a tomar uma forma que fica dificil de não prestar atenção.

Momento McCartney

Tá, uma colher de chá. Se você nunca viu o filme, a história fala de Martin McFly, um adolescente comum do cinema estado-unidense. Ou seja, ele é um ferrado, mas tem uma gata de namorada, toca numa banda e rula na escola. Martin tem amizades estranhas, como o Doutor Emmett Brown (Christopher Lloyd, tão bom quanto em Família Addams), um cientista maluco que, além da óbvia mania de inventar novas ferramentas para a humanidade (Como o Profº Pardal, saca?), simplesmente cria uma máquina do tempo utilizando o método McGyver: Una um carro maneiro, no caso um DeLorean, e uma caixa de fusão nuclear. Martin acidentalmente acaba ativando a máquina, enquanto fugia de um tiroteio, e vai parar trinta anos no passado, época em seus pais ainda faziam o colegial e o doutor Emmett Brown sequer imaginava que ia conhecê-lo. Trancado no passado porque a máquina ficou avariada na viagem, Martin é obrigado a conviver um tempo com a geração cinquentista enquanto tenta fazer o DeLorean funcionar.

De Volta para o Futuro tem uma característica interessante: Ser uma ficção científica que você não precisa entender nada, simplesmente sentar na poltrona e se divertir. Porém, se quiser pensar, tem bastante coisa pra deixar você ocupado. As tiradas são inteligentes e ao mesmo tempo comuns, daquelas que você ouve e sente o riso chegar na boca. E é um filme polêmico. Afinal, quantas histórias hollywoodianas você já viu em que o protagonista beija a própria mãe na boca? E de língua! Não que Martin seja chegado num incesto, mas a gordinha (heh!) que sua mãe era não dá trégua para o ilustre desconhecido que chegou á cidade para “abalar”.

“-Parabéns, você é um jovem incestuoso”

Outro ponto forte da história é que ela não desperdiça detalhes. Situações insignificantes que normalmente não representariam nada podem ser exatamente as chaves que vão gerar a próxima grande virada ou trazer mais problemas, podendo mudar o futuro de maneiras que não podem ser previstas. Nota para o final aberto, descaradamente esperando uma continuação. Não tinha como ser de outra forma. Ah! E por que eu considero esse o melhor dos três? Além de ser o primeiro, é o mais coeso, ainda que não totalmente, além de ser a primeira vez que encontramos McFly e Brown, ilesos de qualquer estrondo de fama dos filmes seguintes. Obrigatório na estante de qualquer um que goste de filmes divertidos. Já está na minha.

De Volta para o Futuro

Back to the Future ( 117 minutos – Aventura/Ficção Científica)
Lançamento: EUA, 1985
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Robert Zemeckis e Bob Gale
Elenco: Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Crispin Glover, Thomas F. Wilson

Peitos cobertos em Soul Calibur IV

Games terça-feira, 20 de Maio de 2008 – 4 comentários

Se você jogou Soul Calibur III, você deve lembrar de uma tal personagem Tira que tinha o corpo coberto por panos e parte do peito por (ironia) tiras. Era uma baita gostosa virtual quase como veio ao mundo. Obviamente você também lembra da Ivy e, se viu algumas das imagens promocionais de Soul Calibur IV, deve saber que ela está de volta com sua grande comissão de frente. Acontece que o pessoal dos EUA continua achando que videogames é coisa de criança… E censuraram os peitos da Ivy.

Isso devia dar cadeia, cara.

Vejam só: Cobriram 100% aquela abundância, deixando os fãs do jogo nos EUA chupando o dedo. Qual o cabimento de impedir que os peitos dela sejam cobertos por apenas uma singela faixa? Discriminação véio. Cubram o peito do afeminado Killik também então! Mudando de assunto, a Namco resolveu deixar avisado que apesar dos personagens especiais de Guerra nas Estrelas estarem apenas um em cada console, Yoda no X360 e Darth Vader no PS3, eles não serão exatamente exclusivos, podendo ser downloadeados depois do lançamento. Fantástico, os Jedis poderão cruzar sabres de luz pela primeira vez e se unir para dar uma coça em Nightmare e Astaroth.

Por fim, foi revelada a lista de personagens presentes no jogo. Os veteranos são: Amy, Astaroth, Cassandra Alexandra, Cervantes de Leon, Ivy (Isabella Valentine), Kilik, Lizardman (Aeon Calcos), Maxi, Mitsurugi (Heishiro), Nightmare, Raphael Sorel, Rock (Nathaniel Adams), Seong Mi-na, Setsuka, Siegfried Schtauffen, Sophitia Alexandra, Taki, Talim, Tira, Voldo, Xianghua Chai, Yoshimitsu, Yun-seong e Zasalamel. E os novatos: Angol Fear, Ashlotte, Hilde(gard) von Krone, Scheherazade, Shura, Darth Vader(PS3) e Yoda(X360. O jogo será lançado para Playstation 3 e XBox 360 dia 29 de julho de 2008.

Entrevista com o organizador da “Mostra de Cinema Udigrudi de Gurcius Gewdner/Petter Baiestord”

Cinema quinta-feira, 24 de abril de 2008 – 1 comentário

 Gostaria de conhecer uma espécie diferente de cinema? E que tal uma espécie de contravenção brasileira que tenta destruir o modo hollywoodiano de fazer filmes? Essa é a proposta da Mostra de Cinema Udigrudi que ocorrerá amanhã, sexta-feira, dia 25 de abril, na Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina, ás 8 da manhã, como dito ontem no AOE. Durante a mostra serão apresentados os filmes Mamilos em Chamas, de Gurcius Gewdner, e Gore Gore Gays, de Petter Baiestorf. A entrada é franca e qualquer necessidade, pode contatar o organizador e aluno da 5ª Fase de Publicidade & Propaganda Ismael Alberto Schonhorst pelo telefone 99194289. Mais informações, dê uma olhada no release que você já viu AQUI!

Para ajudar a divulgar a mostra, o |Fly|, também conhecido por Ismael, deu uma entrevista ao Ato ou Efeito, contando um pouco da mostra, do tipo de cinema que eles estão representando e dos filmes que serão apresentados, assim como seus autores.

Antônio Henrique: Qual a proposta da mostra? De onde surgiu a idéia?
Ismael Alberto a.k.a. |Fly|: Pois então. Cinema no Brasil para dar certo, ou tu consegue verba com o governo, ou tu consegue verba com grandes empresas. Em ambos os casos você tem sua mente castrada, pois acabas tendo que entrar no “sistema”. Acho bacana que em alguns casos, poucos, cineastas independentes consigam um destaque, seja aqui, ou no exterior. Quis ajudar mais ainda estes dois diretores da mostra, pois vejo MUITO potencial criativo nos filmes que eles fazem, usando o método Kanibaru Sinema, ou seja, filmes feitos com culhões, no método faça você mesmo. É quase um método punk moderno de se fazer filmes, e levar suas idéias. Daí veio a oportunidade de levar eles para a Estácio, e acabou crescendo e virando esta mostra. A proposta é justamente apresentar esta estética deles, e dar uma chance para as idéias dos caras atingirem um público universitário, e que espero, esteja sedento de curiosidade e indagação, ainda mais depois de serem atingidos pelo conteúdo subversivo dos filmes.

AH: O teor dos filmes não é de fácil aceitação ou apreciação. Você vê isso como um bloqueio na hora do patrocínio ou até mesmo da exibição?
Fly: Acho que isso é um problema geral, não só de quem faz filmes de teor forte. Mas sim, existe um certo problema, pois enquanto a maioria se adapta, quando você quer preservar toda a idéia por trás do filme, cortes e alterações acabam sendo quase um tabu. Uma dica que o Petter pegou de seu ídolo, Lloyd Kaufman, presidente da famosa produtora independente dos EUA, a Troma, é de assistir os filmes tentando se libertarem de seus próprios preconceitos. Se você assiste com a mente aberta, a apreciação acaba não sendo nenhum problema. Eu faria um comparativo com o lançamento de Laranja Mecânica no começo dos anos 70. Aquilo foi um espanto para o pessoal na época, já hoje em dia, é visto como uma obra de arte, e com certeza, além de seu tempo. Não quero ser pretensiodo, mas quem sabe um dia os filmes da Canibal e da Bulhorgia não sejam vistos assim? Nunca se sabe, o José Mojica Marins (Zé do Caixão) está aí não me deixando mentir. Digamos que estes filmes tem mercado muito amplo, e saber onde apresentar, principalmente na hora de distribuir, é o caminho. Não é para menos que lá fora estão já considerando alguns filmes deles geniais, principalmente em festivais e grandes mostras.

AH: Qual a relevância dos diretores escolhidos e suas obras?
Fly: Digamos que muitas pessoas resolveram deixar de preguiça, e expor suas idéias sem medo, depois de verem um filme do Petter, ou do Gurcius. Eu mesmo ao entrar em contato com a obra deles pensei “Se eles estão fazendo isso, e tem gente que assiste, eu também posso fazer algo do gênero”. Eu diria que filmes feitos com as ferramentas que eles utilizam, e com a qualidade que é apresentada no final, acaba se tornando um puta pavio na mente de pessoas que tem algo a dizer, mas achavam que não podiam. Eles inclusive escreveram um livro, que pode ser lido de graça no site da Canibal, chamado “Manifesto Canibal”. Aquilo é um convite claro e genial a subversão dos conceitos cinematográficos padrões. De que cinema tem que ser bonitinho, perfeitinho, que nem o de Hollywood. Eu ousaria comparar a grandes movimentos indepentes como a Nouvelle Vague na França, ou o Dogma 95 na Dinamarca. Algumas diriam que o Cinema Novo foi o grande movimento revolucionário nacional. Eu acho que não, pois o Cinema Novo ficou nas mãos de intelectuais, e era chato. O cinema Udigrudi tem muito mais potencial de revolução, e a Canibal, e a Bulhorgia, são apenas um dos braços deste movimento. Fica o convite para quem estiver lendo, que se disponha a tentar fazer o seu próprio cinema, e acabar virando um novo braço. O cinema Udigrudi é para todos que querem ousar. E Kanibaru Sinema é só um dos diversos estopins desta revolução atemporal.

AH: Você pode sintetizar em poucas palavras o que seria o cinema Udigrudi?
Fly: É o cinema que VOCÊ mesmo pode fazer. É simplesmente o fato de não teres vergonha de se expressar através do audiovisual. É um cinema desprovido da marketagem “artística” e do tão alardeado “padrão de qualidade” que mais atrapalha o atual cinema brasileiro do que ajuda. É um exercício de um cinema de Terceiro Mundo, de um cinema que sabe onde está. É o cinema marginal, que fala por si só; não precisamos falar por ele. Eu nem deveria estar tentando definir o Udigrudi, pois é algo tão pessoal, vai de cada um, pois é o cinema que cada um pode dar a sua cara, que qualquer definição fica obsoleta. A todo momento tem alguem no mundo com idéias, criando, e jogando para o vídeo, e daí a definição já se altera, seja do Udigrudi, seja do Undeground.

AH: Pessoalmente falando, o que levou ao gosto pelo gore o que acha que atrai os fãs?
Fly: Só um adendo, o gore é só um dos estilos utilizados pelos diretores em questão. Seus filmes são variados, apresentam diversos estilos, e particularidades a cada projeto. Mas respondendo a pergunta, o gore acaba sendo muitas vezes para as pessoas, uma maneira de extravassar suas frustrações, raivas, irritações do cotidiano. Todo mundo tem um lado obscuro na mente, e aí se apresenta a diferença de quem gosta do gore, ou do terror em geral, e dos que não gostam. Não digo que é fato, mas a maior parte dos fãs do gênero, são pessoas calmas, que gostam de um papo bacana, tem opiniões fortes, e tal. Não atribuo exatamente ao gosto, mas é uma comprovação de que aquele preconceito contra fãs do terror, de que eles são pessoas violentas, influenciadas, é uma grande besteira. Além do mais, a violência (no gore, estética) é uma forma da pessoa alimentar seus instintos, de um jeito saudável. As reações, e motivos de gostos, são diversas. Tem gente que assiste querendo rir. Tem gente que assiste com um certo “prazer proibido”. Tem gente que assiste como assiste qualquer outro filme, o que não deixa de ser verdade. Vemos violência em tudo que é lugar, no gênero de terror ela apenas se assume mais explicitamente. Não tem mal nenhum gostar disso, e esta liberação, esta falta de culpa pelo gosto, acaba causando uma atração forte, explicando o motivos que cada vez mais, as pessoas gostam de filmes de terror, gostam do gore, e principalmente, gostam de boas histórias, não apenas uma masturbação-visceral de nojeiras na tela. O público alvo é bem seleto por sinal.

AH: Uma descrição rápida dos filmes que serão exibidos para atiçar o público.
Fly: Serão dois filmes, um do Gurcius, um do Petter. O do Gurcius, é uma comédia-romântica-experimental-não-conceitual. É um filme emocionante, de ritmo alucinante, que fala sobre o amor. Mas não se deixe enganar, você nunca viu nada igual. É um filme erótico! Dramático! Místico! Assustador! Relaxante! Romântico! Frenético! Belo! Garanto uma verdadeira explosão de prazeres e sentimentos ao assistir ele!

Já o segundo filme, do Petter, é uma verdadeira transgressão surreal. Já nasceu cult, e devido as raras exibições, foi apelidado como um filme maldito. Muitos ouviram falaram, muitos desejam este filme, mas pouquíssimos viram, e pouquíssimos irão ver algum dia. Um filme muito sarcástico, furioso e emblemático, cheio de humor negro, e tantos elementos, que é impossível você não gostar de pelo menos uma parte dele.

AH: Alguma recomendação para quem se interessar?
Fly: Assitam filmes que são de Gurcius Gewdner. Assistam filmes da Canibal. Assistam filmes de outras produtoras independentes. Acessem os sites das produtoras. Busquem as comunidades no Orkut. Busquem os trabalhos deles que estão na internet de graça. Leiam o Manifesto Canibal. Leiam qualquer livro que seja bom. Façam seus filmes. Façam uma mostra e me chamem para ir assistir. Façam qualquer coisa. Se expressem como for.

Filme policial japonês… Gore?!?

Cinema quinta-feira, 17 de abril de 2008 – 2 comentários

Não perguntem da trama, muito menos o que tanta tosquice especial faz junto. Tokyo Gore Police parece ser o projeto final de um grupo de japoneses querendo mostrar seus desejos depravados ao mundo fazendo uma mistura de filmes “D” estado-unidenses com Hellraiser (Que seria um “C” de luxo) e alguns dos seus tokustasus (Aquelas séries tipo Power Ranger). Se você viu e gostou do trailer de The Machine Girl, então Tokyo Gore Police é para você. Aviso: Seu estômago não pode ser fraco, de jeito nenhum. Ah, destaque para os membros que simplesmente parecem se partir durante o trailer todo. Divirtam-se, seus escrotos.

Odeie Uwe Boll e faça disso algo decente

Cinema quinta-feira, 10 de abril de 2008 – 1 comentário

Se você, assim como eu e mais meio mundo, acha que Uwe Boll é a versão atual para praga do Egito, então é sua chance de tirar esse cara de sua cadeira de diretor e chutar sua bunda total. Eu estou falando de uma petição que visa eliminar qualquer chance de Boll voltar a ser diretor, produtor, roteirista ou exercer qualquer outra função criativa que seja relacionada a filmes.
Até o momento, já passaram das 170 mil assinaturas. Isso que a princípio eram apenas 20 mil, aí Boll, em entrevista ao FEARnet, anunciou que só levaria a sério se passassem de 1 milhão de assinaturas e triplicaram de uma hora pra outra. Quarta feira pela tarde já eram mais de 140 mil. Ajude você também a deixar esse diretor, que em 2006 já levou quatro críticos para o ringue E OS DERROTOU, para que calassem a boca. O cara tem fibra, mas não sabe nada de adaptações de games, como já provou com Alone in the Dark e, mais recentemente, BloodRayne…

Bem que poderiam fazer uma dessas com o Joe Quesada, editor-chefe da Marvel, não é? Só pra lembrar, para votar, clique

AQUI

.

Zumbis e Vampiros juntos no Cinema

Cinema sexta-feira, 04 de abril de 2008 – 7 comentários

Você gosta de Trash? Gosta de trash com zumbis? Gosta de trash com zumbis, vampiros e futuro apocalíptico? Isso existe, você pergunta. SIM, é uma HQ chamada Last Bloody, de um tal Bobby Crosby. E o melhor: Vai virar filme de cinema. Sente a trama: Em futuro pós-apocalíptico, humanos vivem se escondendo e são protegidos de zumbis por vampiros. É o que você sempre pediu pra Hollywood ou não?

A adaptação é feita pela produtora Benderspink que, se você não sabe, também produz outra HQ de futuro apocalíptico: Y – The Last Man, com uma premissa um pouco mais original: O cara é, além de um macaco, o único sobrevivente macho do planeta Terra.

confira

quem?

baconfrito