Overdose Sci-Fi: De Volta para o Futuro Parte III (Back to the Future Part III)

Cinema sexta-feira, 23 de maio de 2008

SCI-FI

Talvez o mais engraçado e moralista de todos, De Volta para o Futuro parte III também é surpreendente pela forma como fecha a complexa trama da série (E deixa aberto para o saudosista desenho animado da década de 90). A idéia é simples: Depois de resolver os problemas de realidade em 1955, o doutor Brown é lançado para 1885, 100 anos antes do ano em que tudo começou. Preso lá ele avisa McFly que não precisa se preocupar que ele está muito feliz. Só que logo depois de ficar tranquilo, Martin descobre que o bom doutor foi assassinado dias depois de escrever a carta. Tentando salvar Emmett Brown, McFly usa o DeLorean mais uma vez e com a ajuda de Emmett Brown versão 55 ele chega á 1885 (Se seu cérebro deu um nó, fique feliz: Você é só mais um). Só que agora, por causa de defeito no DeLorean (Ô carrinho pra dar pau, moleque!), os dois estão juntos no passado sem poder voltar ao “presente”.

 Hora de pegar rabeta no DeLorean

Se até então a trama estava alucinada, na parte III ela extrapola as possibilidades. É hilário ver Martin encontrando seus antepassados e conhecendo o início da família McFly naquelas terras, assim como ver as referências de outros filmes da série áquele ano serem mostradas “ao vivo e em cores”.

 Ei! Estou ganhando cachê duplo por esta cena!

Novamente temos um Tannen (Família de grandões sem cérebro que incomodam os McFly ao longo dos filmes), com Thomas F. Wilson (Mais uma vez, pois é) interpretando Buford “Mad Dog”, o mais satírico e hilário dos Tannen. Realmente, eles fazem parecer que burrice é hereditária. A novidade fica por conta de Clara Clayton, a nova personagem do século 19. Mary Steenburgen me convenceu e fez valer a sua presença na capa do filme. Muito bom o que ela faz, mesmo sem querer, com a mente do doutor Emmett Brown. Uma mudança na história que eu não esperava na primeira vez que vi.

As interpretações continuam fantásticas, apesar de começar a ficar repetitivo o jeito “Martin McFly” de agir (Muito melhor que estilo Neo, por exemplo, mas…). Algumas piadas começaram a ficar óbvias, com “Franguinho”, outras, no entanto, sempre serão originais. As músicas também estão lá, com exceção de Johnny B. Goody. Graças a Deus, aliás, porque já estaria beirando o ridículo. Aliás, durante muitos anos, a orquestrinha que toca na festa de inauguração do relógio de Hill Valley me parecia fraquinha e sem sal (Tipo as tiradas do théo, saca?), mas da última vez que vi o filme, ela até que fez uma ótima presença e não deve deixar de ser analisada. Afinal, é como a cena do baile em 55, um elemento da história.

Lembram o que falei do moralismo? Pois é, ele nem é tanto assim, só que está lá, de leve. Nada como o filho beijando a versão mais nova da mãe do original, ainda assim o filme não é o típico que se vê por aí. Talvez se houvesse uma quarta parte ele resolvesse algumas pontas soltas e revelasse o destino de certos personagens… Ou fosse que nem Mortal Kombat: Aniquilação e merecesse ser levado para o limbo. De qualquer forma, vale muito a pena e com certeza deve ser visto em grupo. Rir sozinho da cara de tacho de Tannen em todas as suas gerações não é nada.

 Ok… O DeLorean voador é animal, mas era ESSE que eu queria na minha garagem

De Volta para o Futuro Parte III

Back to the Future (118 minutos – Aventura/Ficção Científica)
Lançamento: EUA, 1990
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Robert Zemeckis e Bob Gale
Elenco:Michael J. Fox, Christopher Lloyd,

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Capitão Piratão

    “Aliás, durante muitos anos, a orquestrinha que toca na festa de inauguração do relógio de Hill Valley me parecia fraquinha e sem sal”

    ZZ Top, sem sal? Já pra prancha, marujo!

busca

confira

quem?

baconfrito