Filmes Rock ‘n’ Roll

Cinema sexta-feira, 27 de julho de 2012 – 0 comentários

Duas coisas que eu amo: Filmes e rock ‘n’ roll. Então, imaginem essas duas paixões juntas, se complementando. Alguns filmes conseguem absorver completamente a atmosfera do rock, com toda a sua ousadia, liberdade e anarquia. Outros utilizam o estilo musical para adicionar inconformismo e protesto em certas cenas, ou apenas intensificar o romantismo de uma sequência. Mas uma coisa é certa: Rock na trilha sonora faz bem para qualquer filme. Vamos a alguns filmes que usam e abusam do bom e velho rock ‘n’ roll. continue lendo »

Balanço Primeiro Semestre

Primeira Fila sexta-feira, 04 de julho de 2008 – 4 comentários

Terminado o mês de junho, já podemos fazer uma daquelas listinhas que a maioria das pessoas fingem não gostar, mas, pelo menos, dão uma espiadinha nem que for para dizer que é uma porcaria.

Como o tempo foi escasso, particularmente para mim, os grandes destaques deste primeiro semestre foram mesmo os filmes que ganharam repercussão em virtude do Oscar (se você quer uma listinha dos melhores blockbusters espere o final da temporada e peça para o Théo).

Obviamente que alguns filmes ficaram de fora (e não interessa para você saber quais foram) e outros não foram vistos por este humilde cinéfilo que vos escreve (isto que dá trabalhar 12 horas por dia), então, no momento, estes seriam os meus filmes prediletos do 1º semestre de 2008.

O Orfanato

Único filme não falado em inglês da lista, mas com bastante destaque, principalmente se levando em consideração que o gênero, suspense sobrenatural, que anda bastante desgastado. Mérito do excelente roteiro, direção e da protagonista Belén Rueda.

Across the Universe

Se não me engano estreou no finalzinho do ano, mas pelas minhas bandas somente em 2008, então vale um destaque especial para o musical (também, com uma trilha como a dos Beatles disponível é até covardia). Bons números musicais, traminha simples (mas, eficiente) e uma reconstituição de época muito boa. Com certeza, All you need Is Love!

Antes que o Diabo Saiba que Você está Morto

Já merece uma menção pelo simples fato de ser dirigido pelo veterano (digo, véio mesmo, 84 anos) Sidney Lumet, diretor de obras como Serpico e Um Dia de Cão. No entanto, Lumet ainda conta com um trama ótima sobre um assalto que acaba dando errado, paro por aqui para não revelar mais nada a vocês, para serem surpreendidos pelos personagens do filme. No elenco, a destacar os sempre eficientes Philip Seymour Hoffman e Albert Finney, além do momento Fênix da atriz Marisa Tomei, que há anos devia uma boa personagem num filme decente.

Onde os Fracos Não Têm Vez

A filmografia dos irmãos Coen não é para um público amplo. Donos de um humor característico e de uma violência crua, seus filmes dificilmente encontram gênero de definição. Aqui não é diferente, ganhador do Oscar de melhor filme (entre outros), pode ser um drama ou um jogo de gato-e-rato, mas de qualquer maneira é um excelente filme, isto que nem comentei Javier Bardem como o assassino mais insano em décadas, Anton Chigurh (foto abaixo com sua peculiar arma).

Longe Dela

A capacidade de renovação do cinema é incrível, quem esperaria que a jovem atriz Sarah Polley, de filmes tão díspares quanto Vamos Nessa!, Minha Vida Sem Mim e Madrugada dos Mortos, poderia ter tamanha delicadeza e maturidade para dirigir e roteirizar um filme tão bonito (mas extremamente triste) sobre a terceira idade e o Mal de Alzheimer. Méritos também para o casal de protagonistas, Julie Christie (fantástica) e Gordon Pinsent (ator canadense desconhecido do público, mas narrador e força motriz do filme).

Na Natureza Selvagem

Já falei tanto deste fantástico filme de Sean Penn que vocês já devem estar cansados de ler, então se não assistiram levantem a bunda e vão alugar o dvd do filme nas locadoras!

Senhores do Crime

Cronenberg, assim como os irmãos Coen, possui certas peculiaridades em sua filmografia que faz com que tenha fãs ávidos por seus filmes e um grande público que não reconheça seu trabalho autoral. Sim, você deve conhecer este nome do clássico A Mosca, mas Cronenberg foi muito além deste filme em sua carreira. Nos últimos anos se reinventou (após alguns equívocos) e nos entregou dois filmes que discutem a violência de maneira díspare mesmo possuindo certa sintonia: Marcas da Violência e este do título. Além disto, o diretor achou um ator clichê, Viggo Mortensen, impecável em ambos os filmes, principalmente, neste último (conseguindo assim, exorcizar um pouco o Aragorn da lembrança das pessoas).

Desejo e Reparação

Longe de ser um filme mimimi, por se tratar de um filme de época com toques de romance, Desejo e Reparação talvez seja o filme que mais me acompanhou neste primeiro semestre, tanto que estou lendo o romance que originou a triste história de Briony. Contando com um belo elenco, como não elogiar Keira Knightley (também se livrando das amarras de sua personagem do blockbuster Piratas do Caribe), a pequena Saoirse Ronan e a participação especial da veterana Vanessa Redgrave (foto), além dos óbvios, cenários, figurinos, fotografia, trilha sonora e uma belíssima sequência filmada sem cortes (méritos do diretor Joe Wright)?

Juno

Merece destaque por ser a melhor comédia (mesmo com toques de drama) e possuir um dos roteiros mais bacanas dos últimos meses. Quem diria que um filme sobre uma guria grávida na adolescência poderia render tanto falatório sobre esta questão e as inúmeras referências pops que inundam o filme, ainda bem que a direção e o elenco estão em sintonia. Palmas para a natureza “metidinha” de Ellen Page como Juno, jovem atriz num trabalho excepcional, que belo ano para papéis femininos, reparem!

Efeito Dominó

Para não dizerem que há somente filmes sérios ou do Oscar, o último destaque vai para o thriller “assalto á banco”, Efeito Dominó, protagonizado pelo melhor ator de filmes de ação atual, o inglês Jason Statham (Adrenalina e Carga Explosiva). Sob a direção do competente Roger Donaldson (13 Dias que Abalaram o Mundo e Sem Saída), a trama do filme é baseada em fatos reais, retrata um assalto á banco que acaba por envolver gângsters, cafetões, bandidos chinelos, a Scotland Yard e a monarquia inglesa em pleno os anos 70. Uma boa opção para quem já estiver cansados de super-heróis nos cinemas!

Mês de blockbusters ou fãs do Oscar

Primeira Fila sexta-feira, 27 de junho de 2008 – 1 comentário

Em algumas das minhas colunas passadas, relatei a dificuldade de ser um cinéfilo em tempos de filmes blockbusters invadindo a grande maioria das salas de cinema. Como esta dificuldade deve ser superada somente em meados de agosto/setembro resolvi dar uma dica alternativa para quem procura somente bons/excelentes filmes: DVD é a saída.

Toda semana publico os lançamentos em dvds e, ao final deste mês, percebi que a maioria dos filmes indicados ao Oscar já está disponível em dvd, garantia de filmes mais adultos/sérios e de qualidade superior a safra atual (mais escapista, somente).

Dos cinco indicados a Melhor Filme somente Sangue Negro não está disponível atualmente, mas chegará em dvd agora em julho. Os demais, o vencedor Onde os Fracos Não Têm Vez, o belíssimo Desejo e Reparação, o conspiratório Conduta de Risco e o divertido indie Juno devem agradar os mais diversos gostos. Eu, particularmente, somente não assisti ainda Sangue Negro, mas os demais são muito bons, de verdade, valem mesmo a pena (a safra deste ano estava muito boa). São em sua maioria filmes que privilegiam uma trama com temas mais pesados e sérios, levados para a telona com criatividade e beleza.

Peguem caneta e papel, anotem os que interessarem e corram ás videolocadoras.

Demais Oscarizados disponíveis em DVD:

Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet – musical que garantiu indicações á Johnny Depp como melhor ator, melhor figurino e melhor direção de arte;

No Vale das Sombras – excelente drama sobre a volta de combatentes da Guerra do Iraque, garantiu uma indicação de melhor ator ao veterano Tommy Lee Jones (também presente no oscarizado Onde os Fracos não Têm Vez), merecidíssima;

Senhores do Crime – uma das surpresas deste ano, Cronenberg conseguiu entregar um instigante filme sobre máfia, sem apelar para policiais e bandidos; indicação acertada para Viggo Mortensen como melhor ator;

Elizabeth – A Era de Ouro – continuação não muito elogiada pelos aspectos poucos verdadeiros da história contada e pelo ritmo novelesco, mas Cate Blanchett sempre se destaca;

Piaf – Um Hino ao Amor – para fãs de biografias a vida de Edith Piaf é um prato cheio (muito drama, tristezas e redenção). A caracterização da gatinha Marion Cotillard como Piaf assusta de tão impressionante, acabou abocanhado o oscar de melhor atriz, derrubando outras favoritas;

A Família Savage – filme discussão familiar com toques de drama/comédia (como toda família possui), chama a atenção o excelente elenco com Laura Linney e Philip Seymour Hoffman;

O Assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford – merece ser descoberto este drama que incrivelmente podia ser somente um faroeste, mas é na verdade um estudo de personagens muito bem realizado e fotografado;

Jogos do Poder – quase uma sátira política com comparações á situação política americana atual. Tem no elenco Tom Hanks e uma sumida Julia Roberts, em papéis pouco usuais em suas carreiras;

Na Natureza Selvagem – um dos meus preferidos desta safra, merecia melhor sorte no Oscar, no entanto, vai encontrar seu público com facilidade, mérito do roteiro (um road movie clássico) e de participações como do veterano Hal Holbrook;

Não Estou Lá – biografia desestruturada de Bob Dylan, indicado para fãs de filmes mais conceituais. No elenco, Cate Blanchett e Richard Gere, entre outros;

O Gângster – apesar de um pouco prevísivel, o filme de Ridley Scott está acima da média e, além disso, temos um sempre carismático Denzel Washington e o sempre eficiente Russell Crowe;

Medo da Verdade – tem obrigação de ser descoberto este suspense inacreditavelmente dirigido pelo canastrissímo ator Ben Affleck, misto de policial/suspense/drama mexe com questões como escolhas, culpa e responsabilidades. Tem um super elenco e um grande destaque a mãe bitch da menina sequestrada, boa lembrança da Academia para o Oscar, Amy Ryan;

Ratatouille – animação fantástica, já basta para anotar a dica;

O Ultimato Bourne – prova que filme de ação pode ter uma trama inteligente e cenas espetaculares;

Os Indomáveis – releitura de um faroeste de décadas passadas muito bem conduzida pelo diretor e elenco com Christian “Batman” Bale e Russell Crowe;

Across the Universe – musical que homenageia Beatles, para fãs do grupo e de romances;

OBS: apesar de não estar na lista de indicados ao Oscar não deixem de ver o ótimo suspense/drama espanhol O Orfanato, que acaba de chegar em dvd. O filme era aposta certa como melhor filme estrangeiro, mas ficou de fora. Porém, fica a dica imperdível!

Destaques da Semana em DVD – 19 á 23/05

Cinema sexta-feira, 23 de Maio de 2008 – 0 comentários

Na Natureza Selvagem: Uma das melhores surpresas deste ano, e uma injustiça no Oscar, o filme dirigido pelo ator Sean Penn é um road movie comovente sobre a busca pela liberdade; o excelente elenco tem na presença do veterano Hal Halbrook seu ponto alto. Aqui, Penn conta a história de um jovem com um futuro promissor. Depois de se formar em uma universidade, ele decide abandonar tudo, doar suas economias para a caridade e partir em uma longa viagem para o Alasca para viver uma aventura que irá modificar e marcar para sempre a sua vida. Assim, acaba cruzando, nessa trajetória, com vários tipos dos quais jamais irá se esquecer.

O Caçador de Pipas: Apesar de todo burburinho em torno da adaptação deste best-seller para os cinemas, parece que ficou faltando um pouco de emoção, a trama por si só é interessante e a produção do diretor Marc Foster é competente e acerta em quase tudo, mas faltou algo. A produção conta a emocionante história de dois amigos inseparáveis durante a infância. Porém, uma série de eventos em seu país acaba os separando. Os anos passam e eles crescem, cada um em um lugar, até que um deles acaba encarando uma perigosa missão para corrigir os erros do passado, numa tentativa de se redimir. Uma verdadeira lição de amizade, devoção e coragem.

30 Dias de Noite: Apesar do mito vampiro e drácula já estarem mais do que desgastados tanto no cinema quanto na televisão, esta adaptação de David Slade (diretor do angustiante MeninaMá.com) vale uma conferida. Adaptação de uma premiada história em quadrinhos escrita por Steve Niles que narra um assustador conto de vampiros. A trama se passa no Alasca onde, durante o inverno, passa-se quatro semanas em total escuridão. É nessa situação que aparece um grupo de vampiros violentos e sedentos por sangue para tomar conta da cidade. O xerife local, sua ex-namorada e um grupo cada vez menor de sobreviventes, fará de tudo para acabar com os inimigos e fazer com que os remanescentes permaneçam vivos até que a luz volte. Confira a crítica.

A Vida é Dura: Inédito nos cinemas este filme que brinca com uma das últimas modas de Hollywood, Cineobiografias de músicos famosos. Na trama, John C. Reilly (de Chicago) entra na pele de um ídolo do rock que era amigo dos maiores ícones, teve várias mulheres e aproveitou-se de todos os pecados que a fama e o dinheiro podiam oferecer. Ele é Dewey Cox, um menino bobinho do interior que descobre a música e se transforma em um ídolo rebelde. Porém, nada é fácil e muitos desafios devem ser enfrentados nesse caminho cheio de excessos.

Alien vs. Predador 2: Nem muito o que se falar sobre esta continuação, o primeiro já era um desperdício dos ícones do cinema terror nas últimas décadas. Esta ficção começa do ponto em que acabou a primeira parte. De dentro de um predador sai um ser que é uma mistura entre as duas raças, metade alien, metade predador. Essa violenta criatura acaba fazendo com que a nave caia novamente na Terra. Assim, em uma pequena cidade do meio-oeste norte-americano, as duas raças entram novamente em conflito, causando uma verdadeira carnificina.

Dançando para a Vida: Inédito nos cinemas este drama inglês vale o destaque pela presença da jovem Emma Watson, mais conhecida como Hermione no universo de Harry Potter. O filme é baseado em obra homônima de Noel Streatfeild, é ambientado na década de 1930 em Londres. É a história das órfãs Pauline, Petrova e Posy Fossil, que são adotadas pelo excêntrico explorador Professor Matthew Brown e criadas por Sylvia, sua sobrinha altruísta. Quando o Professor desaparece, Sylvia tenta dar conta das despesas alugando quartos para hóspedes cujos atos mudarão suas vidas para sempre. As garotas são matriculadas na escola de teatro e começam a trabalhar nos palcos. Isso combina com os desejos da ambiciosa Pauline, que está ansiosa para atuar; e com a vontade de Posy, uma dançarina nata; mas Petrova, que deseja ser aviadora, sofre com a frustração e o desapontamento. As irmãs juram colocar seus nomes nos livros de história e esse desejo mantém a família unida a qualquer preço. A vida no mundo do show business é bem-sucedida, mas corações são partidos e lições aprendidas nesta encantadora história.

Homem vs. Natureza nos cinemas

Primeira Fila sexta-feira, 09 de Maio de 2008 – 2 comentários

Vira e mexe o cinema resolve retratar o covarde conflito da raça humana frente a Mãe Natureza, uma questão sempre curiosa e mórbida (já que sabemos quem vence). Os gêneros enquadrados nesta temática, normalmente, se restringem a dois: os filmes catástrofes e o desgate físico/psicológico do Homem, isolado socialmente, tendo que enfrentar as agruras da natureza.

Os filmes catástrofes, já tema nesta coluna, sendo meu guilty pleasure favorito, são, atualmente, um subgênero de blockbusters: muito dinheiro envolvido, elenco reconhecido pelo público, mas o que interessa mesmo é a Mãe Natureza (na forma de meteoros espaciais, tempestades, ondas mortais, vulcões e etc), destruindo tudo que passa na sua frente junto a algum draminha familiar/romântico para nos identificarmos com os personagens que não irão morrer.

Porém, quando as tramas se concentram nos personagens, principalmente no comportamento deles, frente ao isolamento e a dureza de sobreviver ao ambiente selvagem e desconhecido, somos brindados com excelentes filmes como: O Naúfrago (com Tom Hanks e Wilson, você lembra?), O Homem Urso (documentário imperdível, já disponível em dvd) e O Sobrevivente (que, vejam vocês, é dirigido pelo cineasta Werner Herzog, também responsável pelo documentário acima, já disponível em dvd). Herzog, inclusive, é o principal nome deste cinema mais autoral que repetidamente busca em sua filmografia apontar as consequências do confronto Homem vs. Natureza.

No entanto, o filme que me inspirou a escrever a coluna é Na Natureza Selvagem, com direção de Sean Penn, ainda exibido em alguns cinemas e que irá ser lançado em dvd, agora, em Maio. Numa primeira impressão, a trama (no velho esquema baseado em fatos reais) parece ser apenas mais um filme de estrada (road movie), onde Christopher McCandless, um jovem recém-formado, decide viajar pelos Estados Unidos em busca de liberdade e aventura. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após 2 anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca.

Não sei vocês, mas eu não sabia como a história real terminava (obviamente, imaginava). Assim, esta viagem (física e mental) de Chris para exorcizar seus demônios, principalmente se livrar da hipocrisia e falsidade familiar (neste ponto o roteiro comete pequeno equívoco ao enfatizar com demasia esta questão familiar, como se fosse somente este o motivo da viagem de Chris) retrata, para mim, a busca por uma utopia muito interessante pela ótica de um personagem tão obstinado pela dita L-I-B-E-R-D-A-D-E.

Dos filmes que estavam na corrida do Oscar deste ano, Na Natureza Selvagem me parece ser um dos injustiçados, afinal, este belo filme foi somente indicado nas categorias de ator coadjuvante, para o veterano Hal Holbrook (numa participação emocionante, observem seu olhar), e de montagem. Além disson, a trilha foi composta pelo músico Eddie Vedder, que casa muito bem com o espírito indômito do personagem e do filme.

confira

quem?

baconfrito