Astronauta – Magnetar (Panini Comics/Maurício de Sousa Editora)

HQs segunda-feira, 26 de novembro de 2012 – 2 comentários

Fazia talvez dez anos que eu não comprava algo do Maurício de Sousa. Aprendi a ler com as estórias dele, mas com o avançar dos anos fui me distanciando daqueles gibis aos poucos. Até que recentemente, depois de tanto tempo, comprei de novo uma revistinha com aquele velho selo do Bidu… Ou melhor, não é revistinha nenhuma, nem gibi. É uma graphic novel, tem setenta páginas, foi recém-lançada e é uma das melhores coisas desse ano nesse país em matéria de quadrinhos. Sério.

 continue lendo »

HQ Biográficas

HQs sexta-feira, 17 de dezembro de 2010 – 4 comentários

Biografias tem se tornando uma nova febre da mídia, principalmente quando trazem detalhes da vida de celebridades e/ou pseudo-celebridades. Só que se antes as biografias eram um ramo quase exclusivo da literatura e, sendo vez ou outra, apresentadas nos cinemas, hoje as histórias de vidas também invadiram os quadrinhos.

Aqui no Bacon o Delamare já escreveu um artigo muito bom sobre esse assunto. Mas, resolvi abordar essa nova vertente que vem crescendo a cada dia, principalmente nos Estados Unidos. continue lendo »

Versão “teen”

Nona Arte quarta-feira, 17 de novembro de 2010 – 2 comentários

O fato é velho, mas não deixa de ser verdadeiro: Maurício de Souza está publicando a Turma da Mônica Jovem, uma versão dos bons e velhos quadrinhos da Turma em estilo mangá. Até alguns dias atrás, eu não havia sequer tocado uma dessas revistas, por mera falta de interesse. No entanto, mês passado, fui ao dentista, e me encontrei num dilema: Eu só seria atendido em uma hora (Aparentemente, o puto que estava sendo atendido tinha um bueiro no lugar da boca); a bateria do celular estava prestes a descarregar, portanto, nada de Tetris ou outro jogo qualquer; não estava com minha mochila, o que significava nada de livros/material de estudo/palavras cruzadas. Minhas opções se resumiam a uma pilha de revistas (Quem, Caras, Claudia e um punhado de revistas em quadrinhos) do ano passado, e TV aberta num final de tarde. Escolhi as revistas, e, entre elas, havia uma da Turma da Mônica Jovem. Colocando meu dever profissional como colunista acima do orgulho social (Uma coisa é ser visto lendo Guerra ao Sol, de Preacher; outra coisa é ser visto lendo Turma da Mônica Jovem), agarrei a revista e a li.

Meu veredito? Nada ou pouco mudou. continue lendo »

A Primeira Vez

Nona Arte quarta-feira, 03 de novembro de 2010 – 4 comentários

Eu não sei vocês, mas eu aprendi a ler antes dos quatro anos de idade. Atribuo isso a meus pais, outras duas traças que, querendo me tornar semelhante a eles, me ensinaram a ler e “escrever” (Minhas letras cursivas são sofríveis até hoje) bem antes de entrar para a alfabetização, ou seja lá como chamam isso hoje.

Aos oito anos de idade, já tinha lido todo o Sítio do Picapau Amarelo, a meia dúzia de livros infantis de Érico Veríssimo e começava a olhar, cobiçoso, para uma coleção d’O Tesouro da Juventude, encadernada em couro vermelho, que repousava nas estantes da biblioteca de casa. Inquietos com a minha sede por leitura, de certo modo já perigosa (Sim, perigosa. Não foram poucas as vezes em que fugi das aulas ou do intervalo para invadir a biblioteca e ler o que diabos houvesse lá), meus pais resolveram prestar mais atenção ao monstro que haviam criado. Resolvidos a não ser mais chamados pela diretora da escola devido ao meu “mau comportamento”, fizeram a assinatura daquilo que, na época, era algo no nível de epicidade de ter um Super Nintendo, ou SNES (Eu ainda tenho o meu!) ou um Mega Drive/Sega Genesis: as revistas da Turma da Mônica. continue lendo »

Quadrinhos compactos – Parte IV

HQs sexta-feira, 25 de junho de 2010 – 1 comentário

Se tem uma coisa que acho na qual acho que o Brasil sempre foi bom é na sua vocação para humor, pelo menos no mundo da tira. São diversos personagens que ganharam as páginas dos jornais ao longo dos anos, e que deixaram sua marca principalmente através do sarcamo.

Como eu disse no último artigo, o cotidiano é um dos ingredientes de sucesso para as tirinhas que lemos nos jornais, e no Brasil isso não é diferente, apesar de que a aqui um dos temas mais recorrentes não é a inocência infantil, mas a libertinagem… continue lendo »

Nem só de HQs americanas vivem os Quadrinhos IV

HQs sexta-feira, 07 de maio de 2010 – 4 comentários

Fechando essa viagem turística além dos quadrinhos americanos falarei um pouco de nossos quadrinhos tupiniquim. E não, não vou falar de Maurício de Sousa. O pai da Mônica e sua turma eu vou abordar em uma outra coluna, ou não.

Mas a verdade é que temos bons quadrinhos perdidos no Brasil, apesar da nona arte nacional não ter um grande incentivo, mantendo nossas obras sequenciais lançadas em álbuns direto nas livraria e lojas especializadas. continue lendo »

busca

confira

quem?

baconfrito