A sinceridade no cinema

Cinema terça-feira, 30 de julho de 2019 – 0 comentários

Considerando que tem duas pessoas aqui no Beico oi Jo e uma delas só faz texto de cinema, eu normalmente me afasto da coisa, mas vou mudar isto aqui: Vamos falar sobre filmes. E coorporações. E produto e arte. E, quem sabe, sobre gaivotas.

continue lendo »

O Custo da Arte é o Pé de Meia

Cinema, Televisão quarta-feira, 14 de junho de 2017 – 0 comentários

Eu tenho uma coisa em relação à atores que ficam muito tempo num mesmo papel: Eu digo que eles “desistiram de atuar“.

 continue lendo »

Pense Em Mim

baconfrito quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 – 1 comentário

2017 começou há pouco mais de uma semana… Gente morrendo, crise, guerra, terrorismo… 2016 não foi particularmente diferente de ano nenhum pra falar a verdade. Sempre tem guerra, sempre tem mortes, sempre tem problemas. Pessoalmente, 2016 foi um ano muito melhor que 2015. 2015 foi uma merda. E sei que a Nelly concorda comigo. Mas 2016 ganhou notoriedade por tirar do público diversos ídolos, então vamos falar sobre continue lendo »

Qual o valor do entretenimento?

Cinema segunda-feira, 02 de maio de 2016 – 0 comentários

Quando se trata de uma resenha, uma avaliação, uma análise dos méritos de uma obra qualquer há duas posturas a serem adotas: “É ruim, mas me diverte, então toma uma boa nota” ou “É ruim, mas me diverte, mas ainda é ruim, então toma uma nota ruim”. A postura não é o importante, mas sim a relação que ela leva em como uma obra será aproveitada.

 continue lendo »

Mea Culpa: Confissões Artísticas

baconfrito segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 0 comentários

Acho que deveria. O Bacon é um site de entretenimento, e a verdade é que entretenimento não é arte. Ou vai chamar o BBB de arte? Os contos eróticos (Li tantos)? Transformers? Ou ainda Howard, o Pato? Se bem que Howard, o Pato provavelmente é arte. Vai entender. continue lendo »

O Preço do Conteúdo

baconfrito segunda-feira, 25 de maio de 2015 – 0 comentários

Vocês concordam que informação deve ser valorizada, e, portanto, que dentro de um plano capitalista, esta tenha um preço “físico”, medido em dinheiro? E, de forma mais geral, a arte? A beleza de uma criação (Ainda que não totalmente original), e suas consequências (Tanto derivadas da contemplação quanto de reações à obra inicial) podem ser quantificadas numa moeda, seja qual for? continue lendo »

Falando sobre My Generation

Música sexta-feira, 15 de março de 2013 – 4 comentários

Em 1965, a banda britânica The Who lança seu disco de debut, My Generation. A música homônima, um dos maiores sucessos do grupo, fala sobre como a geração que eles faziam parte não era entendida pelos outros. Hoje eu botei um disco deles na vitrola, uma coletânea, e a primeira música foi justamente a referida e me levou àquele momento de epifania que a gente só vê nos filmes. Parafraseando a música, irei falar sobre a minha geração. continue lendo »

Não lutemos contra o amanhecer (Ou “Desculpa qualquer coisa”)

Analfabetismo Funcional terça-feira, 12 de março de 2013 – 1 comentário

Agora que devo deixar esta coluna, não me lembro de nenhum momento de despedida num livro. Não que não tenha, tem um monte, mas simplesmente não ocorre nenhum. Parece algo banal, mas não é… Não nos livros. O ponto é que, normalmente, ou as pessoas morrem ou vão para o mundo das fadas ou vão embora, sem despedidas. Quero um grande momento. continue lendo »

O custo da arte

Música terça-feira, 23 de outubro de 2012 – 0 comentários

Aproveitando que eu trato de muitos assuntos chatos e não sou nada engraçado, vou falar sobre o custo da arte, tema que considero bastante relevante mas que não deve retirar muitas gargalhadas de ninguém, pegando um gancho em texto do Gustavo Medina sobre os sete anos do disco In Rainbowns do Radiohead, álbum este que quebrou alguns paradigmas da indústria fonográfica. continue lendo »

O Produto e a Obra de Arte

Clássico é Clássico segunda-feira, 25 de outubro de 2010 – 7 comentários

Alô criançada, o Bozo chegou!.

Hoje vou falar de um dualismo que existe no mundo. E porque não, no mundo do cinema. A dicotomia entre a idéia produto (Proveniente do seio do capitalismo) e o que entendemos com arte. Ou seja, hoje é dia de ofender a “vanguarda”! How cool hã?

 Não zoa a gente, somos alternativos

Mas antes vamos as respostas do Panorama – Vilões Clássicos I. continue lendo »

busca

confira

quem?

baconfrito