Recomendo: Slash (Slash e Anthony Bozza)

Analfabetismo Funcional terça-feira, 25 de janeiro de 2011
 Ingleses adoram um “chá”…

Desde muito novo gostei do som do Guns n’ Roses. Quando comecei a tocar guitarra passei a gostar mais ainda, especialmente em razão da guitarra estridente e ao mesmo tempo melodiosa de Slash. Estranho é que foi preciso alguém me dar de presente a biografia (outra obsessão minha) desse grande músico para eu criar interesse de lê-la. Mas depois que comecei a leitura, devorei-a!

O fato é que li e gostei muito. Slash tem uma história de vida formidável e, a exemplo de outras biografias que já recomendei por aqui (Tim Maia, Paulo Coelho e Nelson Rodrigues) é um porra louca que sempre viveu a vida intensamente e teve sérios problemas com drogas e/ou álcool. E, como não poderia ser diferente, depois de anos de living la vida loca acabou ficando meio sequelado.

Mas a biografia vai além de contar sua vida. Conta sua versão dos fatos e todas as polêmicas que envolveram os Guns n’ Roses. Os xiliques e crises de Axl, as infinitas discussões, os problemas com a justiça, as memoráveis turnês, o processo de criação e gravação dos discos, a lendário confusão no show de St. Loius, as viagens profundas nos mundos das drogas, as sacanagens dos produtores e empresários, orgias e tudo mais que se pode imaginar na vida de um cara que foi de praticamente mendigo a rock star.

Nas 100 primeiras páginas, Slash (com a co-autoria de Anthony Bozza) relata de forma simples, direta e eficiente sua infância e sua adolescência. A propósito, poucos sabem (ao menos eu não sabia), mas Slash, cujo real nome é Saul Hudson, é inglês – nasceu em Stoke-on-Trent, mesma cidade natal de Lemmy Kilmister, do Motörhead – e com poucos anos de vida mudou-se para Los Angeles. Foi cleptomaníaco, trabalho em diversas lojas e chegou a ser campeão de bicicross, além de sempre ter sido aficionado por animais, em especial répteis.

Em seguida, a biografia de Slash confunde-se com a história da banda que o fez famoso. Todos os principais escândalos estão ali. Algumas partes sombrias são detalhadamente relatadas como uma obscura bad-trip provocada por uma combinação explosiva de heroína e cocaína. Também são registrados os momentos de glória e luxo propiciados pelo sucesso da banda. As últimas 100 páginas são destinadas a explicação dos motivos que o levaram a sair da banda, bem como sua tragetória com a Slash’s Snakepit e Velvet Revolver.

O livro tem um bom acervo de fotos como momentos marcantes na vida pessoal e na carreira do guitarrista. A 2ª edição ainda contém muitos erros de digitação e percebe-se que o revisor não foi muito atento, pois há muitas frases repetidas em parágrafos seguidos, ou parágrafos que contam a mesma história, dando a impressão que a obra foi publicada de forma inacabada. Mas esses erros não são suficientes para ofuscar essa interessante e instigante história desse ícone do rock nos anos 80.

Slash (Slash e Anthony Bozza)


Ano de Edição: 2008
Autor: Slash e Anthony Bozza
Número de Páginas: 450
Editora: Ediouro

Leia mais em: , , , , , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Pela descrição me parece um livro bem no modelo de I Am Ozzy… até as fotos xD

    Bem… vou procurar ler. Quem sabe isso me faça um fã. Com o Ozzy funcionou.

busca

confira

quem?

baconfrito