O Mágico de Oz (Lyman Frank Baum)

Livros quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Feriado é feriado, e eu, como todo bom procrastinador, aproveito meus feriados para fazer coisas que não fazem com que eu queira matar alguém, o que me levou (Hoje, dia 15) à ler o grande clássico O Mágico de Oz, e vou dizer, as coisas eram melhores antigamente porque as crianças não eram iludidas com histórias legais.

 Where the dogs of society howl.

Vou direto ao ponto: Esperava mais. Eu sei, são 111 anos desde a publicação, muita coisa muda e tudo mais, mas criou-se uma “coisa” tão grande em cima da história, com as diversas adaptações, as sequências e toda a “cultura popular”, que eu esperava uma história mais desenvolvida, mais aprofundanda e mais… Melhor.

Não, a história não é ruim, e de fato, é criativa mesmo para os padrões atuais, mas não é uma grande demonstração de domínio da escrita, é rasa, com repetições, sem grandes “momentos” e sem desenvolvimento. Acabei de ler o livro, e em nenhum momento eu fiquei “preocupado” ou querendo saber o que vinha à seguida. Sim, eu já sabia sobre Oz e tal, mas “ok” é o que melhor descreve o “processo de leitura” do livro, não que isso seja péssimo, mas também não é bom.

Uma coisa que chamou minha atenção (E originou o primeiro parágrafo do post), foi a quantidade de violência do livro. Não que tivesse grandes cenas de batalhas (Aliás, não tem nenhuma grande cena), mas morre tanto bicho/criatura que para um livro infantil fica meio estranho… Sençacionalmente cruel, mas ainda sim meio impróprio para crianças.

Não posso deixar de pensar no quão foda seria o livro que a história e os personagens tivessem sido bem desenvolvidos, dando ênfase nos momentos certos (Que são descritos em pouquíssimas linhas) e com mais descrições… Aliás, não me lembro exatamente do filme de 39, mas ouso dizer que é tão bom (Senão melhor) que o livro.

 Não importa o quão errado seja, sempre pode ser pior.

Enfim, um bom livro, com uma boa história disperdiçada. Claro que nas sequências a coisa foi desenvolvida, mas sinceramente não tenho vontade nenhuma de ler qualquer uma delas, até porque o livro foi escrito sem prever nenhuma sequência (O que é bom e ruim neste caso). O Mágico de Oz é um daqueles tristes casos em que vale mais pelo “legado” e influências do que por si próprio, uma boa leitura caso você não queira ter grande trabalho ou queira se decepcionar com os sapatinhos de prata.

O Mágico de Oz


The Wizard of Oz
Ano de Edição: 2010
Autor: Lyman Frank Baum
Número de Páginas: 176
Editora: L&PM Pocket

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Daniel

    Essa coisa de legado da história é foda. Tem coisa pior que ver uma referência dentro de um filme/livro/piada sobre uma obra que você não conhece?
    Lembro de um amigo meu querendo discutir comigo sobre o Drácula de Bram Stoker sem ler o livro, apenas com base no filme.
    Tava lendo a Torre Negra e tem um bom quarto livro fazendo referência ao Mágico de Oz. Tenho que ler esse negócio.

  • Salvador da lingua

    Como um pretenso artigo sobre um livro tem esses erros bobos gramaticais e ortográfico?

busca

confira

quem?

baconfrito