O Exterminador do Futuro: Gênesis (Terminator Genisys)

Cinema quinta-feira, 02 de julho de 2015

 Quando John Connor (Jason Clarke), líder da resistência humana, envia o Sargento Kyle Reese (Jai Courtney) de volta para 1984 para proteger Sarah Connor (Emilia Clarke) e salvar o futuro, uma mudança inesperada nos acontecimentos cria uma linha do tempo fragmentada. Agora, o Sargento Reese se encontra em uma nova e desconhecida versão do passado, onde ele encontra aliados improváveis, incluindo o Guardião (Arnold Schwarzenegger), novos e perigosos inimigos e uma missão nova e inesperada: Redefinir o futuro…

Depois de um fiasco feito o de O Exterminador do Futuro: A Salvação, é de se esperar que o anúncio de novos filmes de uma franquia sejam acompanhados por uma mistura de reprovação, medo e esperança. E o que cê faz nesses casos? Acompanha tudo e fica puto com o desenvolvimento da coisa? Arruma um emprego no estúdio e mata todos os envolvidos? Ou você só esquece isso e vai viver sua vida enquanto os detentores dos direitos fazem o que querem com a franquia, e você analisa quando tiver pronto? Se você respondeu a terceira opção, parabéns. Você tende a ser mais inteligente, bonito, perder menos cabelo por coisas que não valem a pena e principalmente tem um nível de cortisol decorrente de estresse menor no sangue.

E o motivo é simples: Ficar acompanhando, se estressando, se descabelando, putaço da cara porque estão “estragando minha franquia favorita”, além de não adiantar nada, também te faz pegar birrinha da coisa. Eu, por exemplo, não li notícia nenhuma sobre O Exterminador do Futuro: Gênesis. A única coisa que eu vi, e nem foi por eu ter ido atrás, acabou sendo o trailer que passou antes de outro filme qualquer ae. E olha, em partes, isso fez bem pra minha opinião sobre o filme. O que eu vi de gente reclamando que os trailers prometem uma coisa diferente do filme não foi pouco. Mas eu aproveitei e muito bem, por sinal.

Claro, apesar de todo o respeito com a franquia, mandaram tudo pra vala com essa história de mudar o passado. Ou talvez só fizeram igual a galera cheia de marotagem da Marvel, que poe tudo que não tem certeza se vai ficar bom em outro universo, plano, dimensão ou seja lá o que for, e vão testando. Nesse caso, até que funcionou bem, tendo em vista que é um filme de ação misturado com ficção científica e um toque de humor autorreferente. Em outras palavras fizeram com que a franquia Terminator se transformasse, de certa forma, em Os Mercenários.

 Imagina que louco o personagem do Schwarzenegger no Mercenários 4 é na verdade um exterminador?

Claro que, ao contrário da franquia do tio Stallone, aqui o roteiro ainda tem alguma importância, então preste bem atenção: Vai ser um vai e vem no tempo que se você não ficar ligeiro vai perder o bonde da história. Cê já deve conhecer toda a firula do John Connor ter mandado o Kyle Reese pro passado pra proteger mamãe Sarah Connor [Afinal, tá ali em cima, na sinopse]. O que ele não esperava é que Sarah Connor fosse a Emilia Clarke não precisaria de ajuda; ao contrário, iria salvar a bunda viajante no tempo dele. E com um T-800 na garupa!

Obviamente, devido à esses fatos, tem o velho conflito do “você não pode confiar nele”/”eu confio mais nele que em você” e toda aquela coisa, mas conforme a história vai se desenrolando, dá pra perceber que se trata de, na verdade, uma linha do tempo paralela aos eventos que nós já conhecemos do primeiro e segundo filme [O terceiro e quarto são sumariamente ignorados]. Eu acho é pouco, na verdade. Mas o que importa, nesse caso, é que temos previsão de mais dois filmes dessa espécie de spin-off da franquia sem sair da franquia.

“Mas e o filme, caralho?” Você deve estar se perguntando, irritado. Não fique, jovem padawan. A diversão do filme é grande, se você não esperar muita coisa. Crie porcos, mas não crie expectativa, que você vai se dar muito melhor. O filme tem autorreferências? Se passa em atos? Tem uma melação pra agradar o público feminino padrão? Tem um elemento família pra dar liga naquela família que foi assistir a bagaça, melhor família? A resposta pra tudo isso é sim, como não poderia deixar de ser hoje em dia em um blockbuster padrão. E queira ou não, as franquias de sucesso todas se tornaram blockbuster padrão. Só não vê quem não quer. Isso é uma coisa ruim? Não necessariamente, como podemos notar nesse caso. Porque se você quiser ver os clássicos, tem os filmes antigos pra isso. E talvez viagem no tempo, sei lá.

O Exterminador do Futuro: Gênesis

Terminator Genisys (126 minutos – Ação)
Lançamento: EUA, 2015
Direção: Alan Taylor
Roteiro: Laeta Kalogridis e Patrick Lussier, baseados nos personagens de James Cameron e Gale Anne Hurd
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Emilia Clarke, Jai Courtney, Jason Clarke e J.K. Simmons

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito