E as comédias?

Cinema sexta-feira, 03 de agosto de 2012

Tão tá, sejamos sinceros. Sempre na vida, dentro daquilo que você curte muito, vai ter algo que você não curte tanto assim. Ficou confuso? Eu explico. Pela milésima vez aqui, vou reafirmar o quanto eu gosto de cinema, porém, a sétima arte por si só é extensa e possui gêneros, enfoques, regionalismos, intenções diferentes. Dentro do tema, não é tudo que eu gosto. E hoje eu não estou falando de um filme específico, estou generalizando mesmo. Por quê? O gênero comédia é uma coisa que me broxa. E nem adianta me olhar desse jeito, afinal eu não estou sozinha nessa. Os machos aqui do Bacon também expuseram a opinião e o resultado não foi muito diferente. Na verdade, eu até desafio você que tem um tesão estranho em arranjar defeito em cada texto desse site alguém a me converter. E pra você que vai citar Adam Sandler, Will Ferrel, Ben Stiller, eu só tenho algo a dizer:

Não, sua anta, a intenção não é conhecer “grandes nomes” da comédia, até porque eu assisti parte delas. Confesso que pelo (Des)gosto pessoal, eu tenho um número menor de comédias no currículo, mas acho que isso não faz diferença no ponto onde eu quero chegar. A realidade é que em um certo momento eu me perguntei porque é que as comédias eram sempre tão sem graça. E sem graça é um puta de um eufemismo, convenhamos. Por isso, buscando uma ajuda com meus colegas do Beico, eu fiz o que de início era pra ser um debate (Porque na minha cabeça, eu jurei que alguém pudesse defender com paixão a classe humorística), mas para minha surpresa o negócio descambou para um aglomerado de opiniões muito similares. Sendo clara: Comédia é mesmo uma bosta.

 SENSACIONAAA…NOT.

A começar por algo que eu nunca entendi. Por que caralhos o negócio tem que apelar para situações bizarras (Normalmente envolvendo sexo, vômito, diarreia, tombos)? Sério. Isso me deprime. Não vejo mal em você rir de uma situação isolada, mas botar isso num filme e tentar alavancar o humor com base nisso me faz desacreditar do mundo. Isso sem contar os personagens mal construídos, afetados e estereotipados. Não dá pra manter um fluxo mental assistindo um filme desses, tamanha a inconsistência de tudo. A cada cena escabrosa eu vou desistindo do filme e chego lá no final sem fé nenhuma.

 E esse cara é o Capitão América…

Mas a minha opinião é… A minha opinião. O Yuri, por exemplo, acredita que pra falar de comédia é essencial levar em consideração o gosto pessoal de quem vê. Já o Chefe defende que comédia é aquilo que te faz rir, independente de ser voluntária ou não. O Higgor compartilha uma opinião mais parecida com a minha e acha que as comédias lançadas andam fazendo mais do mesmo, repetindo situações, atores e fórmulas batidas. Já o Arthur não foi o único, mas destacou o quanto o humor negro tem potencial, mesmo difícil de encontrar por aí.

Porém, ficar nessa xurumela não levaria a lugar nenhum. Eu queria nomes. Pensando nisso pedi para os participantes do debate citarem atores, diretores, obras. Foi aí que o negócio começou a divergir. O Yuri defendeu o humor negro e as coisas que de tão extremamente babacas se tornam engraçadas, como por exemplo, South Park (Que não é filme. Fidaputa). Pizurk levantou o nome do grupo inglês Monty Python como um exemplo de excelente humor. Não que eu ache lá grande coisa nenhum dos dois, mas tenho que concordar com o Yuri que os ingleses passaram um pouco do ponto, não é tudo que me faz rir (Pressinto pedradas dos fãs de Monty Python). Já eu, citei nomes como Quanto Mais Quente Melhor, Chaplin, alguns filmes Sessão da Tarde e um ou outro bem pontuais, nos anos 90, 2000. Dá pra citar ainda o lendário Mr. Bean, exemplo vivo de que o humor não precisa ser necessariamente apelativo, quiçá falado.

Nota do editor: Se você for ver bem, South Park, Monty Python e Mr. Bean vieram de séries e, pelo sucesso das mesmas, fizeram filmes. E Monty Python não é pra todo mundo, mesmo.

E olha criaturas, eu tentei gostar dessa porcaria toda. Eu fiz a lição de casa, fui ao cinema ver alguns lançamentos. Meus olhos ardem até hoje com a lembrança. A começar pela viadagem sem fim que é Se Beber Não Case 2. Fazfavor, quanta cena desnecessária. Aquilo pra mim foi de tal escrotisse que eu chego a ter que inventar palavras pra definir tamanha derrota. Depois eu fui ver Esposa de Mentirinha com o Adam Sandler e eu não vi nada de diferente dos últimos 50 filmes dele. Tentei até filme tupiniquim e MEDA. Cilada.com, além de se inspirar em filme (Ruim) gringo, é sofrível. Atores fracos, clichês, frases decoradinhas e final ruim de dar dó.

 O nome deveria te dizer algo.

E passando por tudo que conversamos, eu cheguei a algumas conclusões. A primeira é a de que o negócio tá piorando com o tempo. Quanto mais os anos avançam e o retorno financeiro fala mais alto, os filmes caem em qualidade (O que fica assustador pra um gênero onde qualidade nunca foi o forte). Segundo, há exceções. Pouquíssimas, mas ainda há. Consequentemente, você as encontrará nos filmes mais antigos. Terceiro, quando o foco for a sátira e o humor negro, as chances de ser merda são bem menores. Quarto, o gosto pessoal sempre vai influenciar, sejam comédias bagaceiras ou as recheadas de conteúdo.

Bem, eu sou totalmente broxada com essa parte do cinema e acredito que não será tão cedo que irei mudar minha opinião. Pouco me chama a atenção, me faz rir com gosto ou considerar o conjunto um filme bom. Normalmente esse humor forçado, pedante, me dá vergonha alheia, uma sensação de humilhação. E não é implicância. Acho que espaço e ingredientes pra fazer coisa legal tem aos montes. O complicado é deixar as comédias nas mãos das mesmas pessoas sempre. Humor é muito relativo? É. Mas isso não quer dizer disseminar qualquer porcaria mundo afora, idiotizando quem vai ao cinema. Humor é pra relaxar sim, pra dar um descanso pra mente, mas isso não deveria ser subentendido como um convite a deixar o cérebro na porta e só pegar de volta na saída. Tem alguma coisa muito errada nissae. Eu acho e não abro. E você, aí do outro lado, que que você acha hein?

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • ss7

    tenho que concordar.. Comédias são fracas e a cada ano que passa elas pioram (muito).

    já esses filmes besteiróis (será esse o plural de besteirol??) são lamentáveis.. impossível de assistir

    ps.: a parte do mr. bean na abertura das olimpíadas foi épica!

  • jão

    Eu acho que o Ben Stiller devia mudar de profissão (mas do Adam Sandler eu gosto). Quanto ao besteirol, a censura devia ser ‘inadequado p/ maiores de 13 anos’.

  • Jo

    Mr. Bean e Monty Python não são isso tudo que a negada cult aí diz também não. Eles tem seus momentos, assim como muitos outros. E esses desenhos de “humor negro” são os maiores causadores de vergonha alheia (South Park, Family Guy, Simpsons, Etc…). E olha que a única coisa que me faz rir é humor negro. Mas é claro que é tudo questão de gosto como foi dito aí. Mesmo que seja mau gosto.

  • Esqueceram do grande Leslie Nielsen.

  • Loney

    Esses desenhos “adultos” são sempe um saco, incrível.

  • Assim como qualquer outra comédia Family Guy, South Park têm seus momentos vergonhosos… Mas geralmente dou muita risada.
    Filmes que vão fazer doer sua barriga de tanto rir serão difíceis de encontrar, pq isso muda de pessoa para pessoa. Mas tem muita coisa boa por ai. Falem o que quiser, mas, Adam Sandler, Ben Stiller, Chris Rock e Rob Schneider fazem filmes engraçados sim.

  • Pedro

    Sinceramente, ficou muito vazio a sua opinião sobre comédia. Falar “eu não gosto de comédia pq eu vi se beber n case 2 e não gostei” chega é ser bobo. É como falar “eu n gosto de drama pq vi Crepúsculo e achei ruim, e deve ser drama aquilo né?”…
    Pelo amor do cinema, se vc gosta mesmo de filmes procure comédias boas, não precisa ser clássico/hipster como Monty Python e nem besteirol. As melhores comédias são de gênero misturado como Alta fidelidade que tbm é drama, ou sei lá Dazed and Confused que é filme nostalgia.

  • TRÓU

    Eu gostei de você. A maioria das pessoas lê o primeiro parágrafo, ignora o resto do texto e faz um comentário. Mas você, não. Você escolheu um parágrafo aleatório, o leu, ignorou o resto do texto e fez um comentário. É preciso ser homem para fazer isso que você fez. Com O maiúsculo.

    Palmas para você.

  • Pedro

    Sempre feliz em agradar. ;D
    Mas a culpa n foi minha, se o tentar ver comédia dela é ir no cinema ver se beber não case 2 e não qualquer outro filme é melhor falar né? Rottentomatoes e IMDB tão ai pra isso.

  • eu gosto de monty python
    não é uma parada que eu assista e ria até morrer, mas curto bastante.

  • ClaytonSlayer

    É… comédia boa realmente é muito difícil. A distância cultural entre Brasil e EUA também colaboram, uma vez que os caras são a grande indústria da coisa. Mas, sinceramente, para que a comédia tenha um selo de ruindade sem precisar nem assistir, basta que ela seja “romântica” . Comédias românticas são a forma mais rasteira de cinema(?). São os livros de auto-ajuda do celuloide. (ainda usa celuloide?)

  • Jade

    Meu Deus, pararam de dar interpretação de texto no primário e eu não tô sabendo? Eu devo ter citado Chaplin, Billy Wilder, só porque eu NÃO assisti outras comédias a não ser as do referido parágrafo né? Tsc, tsc, tsc, é uma coisa de louco mesmo. Hahaha

  • Pedro

    O meu problema foi vc ter colocado Chaplin e Billy Wilder no mesmo patamar que essas outras comédias. Como já dito, vc compara crepúsculo com crepúsculo dos deuses? Então aprenda a ver filmes que prestam. E precisava ficar ofendida…?

  • Se você acha que o texto foi baseado SÓ em Se Beber Não Case 2, parabéns. Volte pras aulas de interpretação de texto.

  • Pedro

    Tá bom então. Vou tentar melhorar o meu argumento. Você não pode dizer que um gênero inteiro do cinema é ruim citando apenas filmes ruins. Vide no texto “Por que caralhos o negócio tem que apelar para situações bizarras (Normalmente envolvendo sexo, vômito, diarreia, tombos)?”; “Isso sem contar os personagens mal construídos, afetados e estereotipados”. Então todas as comédias são assim? Ela até chega a falar “a intenção não é conhecer “grandes nomes” da comédia” mas ai tá querendo demais n é? Ninguém espera que vc goste de filmes ruins, então n é preciso ver eles.
    E pra um site que só fala de opinião vcs fecham o cu bem fácil

  • Melhorou o argumento, cara. Mas acho que você esqueceu do trecho que fala que o negócio tá piorando com o tempo. Ou seja, a escatologia não existia em grande escala antigamente [Ou você vai me dizer que piadas de vômito, merda e porra eram comuns antes de O Pestinha e aquela cena antológica da galera vomitando no gira-gira?]

    Mas acho que a principal questão da comédia é você se predispor a rir. Quando cê vai ver uma comédia com os amigos cê já chega zoando, tem as piadas internas e etc, então o riso gira mais. Já quando cê vai ver algo sozinho [Coisa que a Jade faz, se você é leitor antigo do bacon vai se lembrar disso], vai precisar de algo mais pra rir.

    Quando à fechar o cu: Se o seu tá aberto, é problema sexual seu, cara. O meu tá sempre bem fechadinho, já que a hemorróida tá sob controle.

busca

confira

quem?

baconfrito