Cês tão fazendo o Homem Aranha errado

Games terça-feira, 10 de julho de 2018

Eu não sei vocês, mas eu gosto do Homem-Aranha… Nunca foi meu superheroi favorito, é verdade, mas eu gosto do personagem, tanto que, através dos anos, ele me acompanhou um muito tempo: Foi um dos meus bonecos de brinquedo favoritos, foi o primeiro filme que eu vi na estreia e foi também o personagem cujos jogos eu mais joguei ao lado de Crash Bandicoot e Lara Croft… E tem um novo jogo dele saindo em breve.

Tem quase um mês que a E3 2018 acabou, e com ela veio também mais vídeos do novo jogo do Homem-Aranha pelo Insomniac Games, mas primeiro vamos voltar pra 2016, quando o trailer acima foi divulgado. Foda, certo?

O Homem-Aranha já teve muito jogo, muito mesmo, e eu joguei vários deles: Nos Gameboy, no Master System, nos PlayStation, Nintendo 64, em simuladores diversos, em arcades, celular… Entre séries principais, stand alones e spin-offs, eu vi todos os tipos de jogos do amigão da vizinha, das participações em jogos de luta até o bom e velho “web swinging through New York”, pra não falar nos puzzles, race games, plataformas e os vergonhosos cassinos de celular. Eu vi a evoluções dos jogos do Homem-Aranha desde a metade da década de 90 até os dias de hoje, e fui atrás de coisas que são mais velhas e eu nunca tinha jogado… E é indiscutível que o melhor jogo do Homem-Aranha é o Homem-Aranha 2 pro PlayStation 2.

E é muito louco dizer isso porque o personagem já teve mais de uma dezena de jogos depois disso… Pra não falar que é um jogo baseado num filme baseado num quadrinho… Pra não falar que é uma continuação, e todos sabemos que continuações são bem meh… Mas cara, olha isso:

Meu deus, que jogador ruim.

Esse jogo era incrível. Você podia entregar pizzas, socorrer barcos afundando, salvar trabalhadores pendurados em prédios e estourar balões de crianças. Porque bastava resgatar um balão pra saber que você não queria nunca mais resgatar um balão de um pirralho qualquer. Mas mais importante que isso tudo, mais importante que a história, os gráficos, os controles, as missões, era o fato de que, pela primeira vez, Manhattan estava na sua mão. Pela primeira vez você não atirava teias no céu e não torcia pra não cair num chão chato ou muitas vezes inexistente. Pela primeira vez você podia balançar de prédio em prédio como bem quisesse, escalar o Empire State e se jogar de lá de cima, ver quão rápido você dava conta de campangas e se o Sentido Aranha era isso tudo mesmo, e pela primeira vez você podia descobrir que o prédio do outro lado da rua era mais alto que o anterior e que tinha um colecionável lá em cima, que saltar do Empire State e acertar o chão te mataria, que dá pra pendurar capangas em postes e que se jogassem uma garrafa ou atirassem em você, dava pra desviar.

Parece absurdo dizer isso, mas esse jogo do Homem-Aranha te ensivana o que era voar, e fazia isso muito melhor que qualquer simulador e (Com toda e absoluta certeza) melhor que os jogos do Superman.

Desde então, alguns jogos seguiram a mesma fórmula criada, adicionando coisas ou modificando outras. Teve bons jogos nesse meio, com certeza… E ainda assim nenhum deles fez o que esse aí conseguiu: Te mostrar o que é ser o Homem-Aranha. Desde os consoles da sétima geração (A anterior a nossa), os jogos do Homem-Aranha passsaram a incorporar mais de outros estilos e franquias; em outras palavras, o que que estava fazendo sucesso e se encaixava, acabava nos jogos. Spider-Man: Web of Shadows foi o primeiro jogo dessa geração, dá uma olhada:

Tem coisas novas, tem coisas bem legais, gráficos melhores… Mas tem algo errado.

Se é pra ver um vídeo só, é este vídeo aqui:

Homem-Aranha 2 mudou o estilo de jogos do personagem, algo que, na época, era necessário fazer urgentemente já que o estilo tradicional 2D ou o 3D com teia no céu já não funcionava… Esse estilo novo mudou completamente os jogos do personagem, e desde a sétima geração de consoles, e Homem-Aranha sempre foi jogo de console (Mesmo com uma ou outra intrusão no PC), vem mudando mais ainda. O problema é que ainda não acertaram esse novo estilo do jeito que Homem-Aranha 2 acertou.

Vejam o vídeo do Web of Shadows alí em cima: Logo após alguns segundos, a teia está de volta no céu. Pareceria realista se o personagem estivesse cinquenta metros mais abaixo, se balançando, mas ele não estava. Isso não aconteceria em Homem-Aranha 2, mas acontece em Web of Shadows. Do mesmo jeito que a teia em Friend or Foe parece serpentina em spray. Do mesmo jeito que Shattered Dimensions te deixa mais correndo no chão que fazendo qualquer outra coisa. Do mesmo jeito que The Amazing Spider-Man é um simulador de queda livre permanente com quick time events.

IT LOOKS COOL AS FUCK. Mas cê não tá fazendo nada daquilo. Não de verdade.

E isso nos traz de volta pro Spider-Man da Insomniac… Pra mim é tão claro porque eu já vi isso tudo antes… Eu já joguei isso tudo antes.

O combate é um Shattered Dimensions: Você se posiciona certo e aí ativa um takedown “personalizado” pra sua posição e a posição do inimigo.

Você se movimenta apertando um único botão pra nevegar o mapa através de pontos pré determinados que nem em The Amazing Spider-Man, o jogo do primeiro filme do reboot… Que nem Spider Man, o jogo do primeiro filme lá da primeira trilogia. Nem o Homem-Aranha do Atari fazia isso.

Você usa o Sentido Aranha pra desviar de ataques e emendar os seus próprios, que nem em Homem-Aranha 2 e Ultimate Spider-Man.

Interagir com elementos do cenário pra atacar inimigos é novo… Que nem dá pra fazer em Battlefield e Mortal Kombat e Red Faction e Dragon Ball Z e Witcher 3 e mais algumas dezenas de jogos há uns bons 15 anos.

E aí tem os quick time events “em pessoa”, do mesmo jeito que Spider-Man 3 já tinha, enquanto você lutava com o Duende-qualquer-coisa do James Franco. Do mesmo jeito que God of War fez em 2005. Isso é 13 anos antes desse jogo começar a ser feito.

Olha essa imagem final: Um helicóptero todo fodido pendurado à poucos metros do chão por um monte de teias. Isso é legal pra caralho. Do mesmo jeito que é legal pra caralho perseguir o tal helicóptero e desviar dos tiros de bazuca que estão lançando dele em você… E disso tudo a única coisa que você faz é pular de mesa de escritório em mesa de escritório.

E nem mesmo isso é algo novo.

Eu nem vou falar da história porque, à bem da verdade, a maioria das histórias recentes boas do Homem-Aranha são excessões… Das quais esta não faz parte.

Este vídeo aí em cima é o mais recente, da E3 deste ano, e só de ver me dá agonia. A mudança de direção, ainda no ar, aos 0:27 segundos, me dá agonia. É um jogo bonito… Não exageradamente bonito, mas ainda assim muito bom. E o combate é mais da mesma porcaria. E o web swinging é mais da mesma porcaria. E a história é mais da mesma porcaria.

Eu não quero Homem-Aranha 2 de volta. Eu literalmente copiei meu disco pro PS2 esta semana porque o primeiro não rodava mais e o jogo é foda, e ainda assim eu não quero ele de volta. O uppercut aos 0:56? Aquilo é puro Homem-Aranha 2. O que não é, é a puxada de capanga, ainda no ar, aos 0:58. Meu deus do céu, esse jogo não sabe o que é física.

Esse jogo não sabe o que é física e quanto mais eu assisto menos eu suporto a coisa toda. Essa deslizada aos 1:05 e de novo aos 1:08 (E de novo anos… E de novo anos… E de novo anos…) vem direto de Batman: Arkham Asylum e esse é um jogo de 2009. Tem dez anos, caralho. Esses dodge-piruleta-estrela-de-lado? Ultimate Spider-Man, 2005.

E aí vem a porta do carro, que se repete com barris, pedaços de pilastras, blocos de concreto, capangas… Aí o personagem sobe verticamente, correndo pela parede, sem momento nenhum. E então ele lança teia, pra não perder momento, e não bota potência nenhuma na teia. A balançada aos 4:53? Caralho. Mas ter pomba decorativa voando é importante.

Quantos helicópteros vão cair nessa porra de jogo?

E aí, claro, tem um novo Sexteto Sinistro. Cinquenta anos de publicação e ainda não deu pra criar outro grupo. Sinceramente, não sei o que me deixa mais puto: A completa irrealidade do jogo ou a falta de criatividade.

… Não, é a física. A falta dela me deixa puto. Sabe porque? Porque é o que faz qualquer fantasia ser interessante: Compará-la com o real. É o que faz os superherois serem interessantes: Serem mais que as pessoas normais, fazer mais do que elas – do que nós – podemos fazer, no nosso mundo. É por isso que voar com o Superman é legal. É por isso que balançar numa teia é legal. É por isso que dirigir um tanque de guerra por cima de telhados é legal. Porque ninguém consegue fazer de verdade, mas que quando você vê, é um cara voando, é um cara balançando de prédio em prédio, é a porra dum carro com mísseis DE VERDADE na porra de um telhado DE VERDADE. Não importa se é o que você vai ver ao olhar pela janela, o que importa é que DARIA PRA ACONTECER porque é o MUNDO REAL. Mesmo que seja tudo de mentirinha.

Mas bater em alguém do jeito que o jogo faz aos 3:04? Não. Aquilo não dá. Não importa se uma aranha radioativa te picou e você lança teias e se pendura em prédios e pula mil vezes mais alto que alguém normal: Aquilo alí é impossível. Porque o Homem-Aranha ainda é um nerd picado por uma aranha radioativa que vive em Nova Iorque. Dá pra entender isso? “Nerd”, “aranha”, “radioativa”, “Nove Iorque”: São conceitos que só funcionam pra nossasempre a Terra. E mesmo que não fosse, seria a Terra. É sempre a Terra.

Como eu odeio gameplay com comentário… Mesmo sendo dos produtores.

Spider-Man 2 foi incrível. Não dá nem pra dizer que é nostalgia, eu joguei o treco esta semana mesmo. Aquele jogo foi incrível. E eu não quero ele de volta por nada nesse mundo. Eu quero uma coisa melhor. Eu quero o próximo bom Homem-Aranha. Eu quero um Homem-Aranha que faça o mesmo que o 2 fez: Que me dê Nova Iorque como uma cidade inteira e me deixe fazer o que eu quiser. Que me dê a sensação de velocidade e vertigem ao passar dos 400 quilômetros por hora numa teia (E sim, o jogo mostra seu recorde de velocidade). Que me deixe lutar com super vilões e resgatar pessoas normais. Que me deixe bater em capangas e trabalhar pro JJ. E eu quero que o jogo faça isso bem.

Eu quero que esse jogo tenha o impacto em mim que Homem-Aranha 2 teve, mas com controles melhores, e gráficos melhores, e uma história melhor (E, de preferência, não adaptada de um filme), e um Peter Parker que não seja um merda. Porque, normalmente, Peter Parker é um merda. Esse jogo tem que ser melhor que Homem-Aranha 2. Muito melhor. Homem-Aranha 2 é previsível e repetitivo e tem gráficos ruins e tem poucos personagens e não te deixa nadar e também tem uma merda de um sistema de câmera lenta. Eu absolutamente odeio câmera lenta pro Homem-Aranha: O desgraçado é pra ser rápido, deixa ele ser rápido um beijo, Flash, que jeito melhor de me mostrar que ele é rápido que de deixando FAZER AS PARADAS DE FORMA RÁPIDA Ô CACETA.

Eu cansei dos Homem-Aranha desta geração. Lançar teia é uma bosta, bater em vilão é uma bosta… Porque as coisas mais legais só acontecem em cutscenes e quick time events? Porque a gente ainda tá batendo em gangue do mesmo jeito que já fazia há quinze anos? Por que eu olho prum minimapa e sei exatamente o que fazer com ele? Por que responder à chamados randômicos de violência na cidade ainda é um ponto de chamada pro jogo? Por que caralhos a simulação de um mundo crível ficou pior do que era há tantos anos atrás? Eu nem joguei esse jogo e já cansei desse filho da puta se balançando de costas enquanto está sendo atacado.

Me dá um jogo que me deixa ser o Homem-Aranha em 2018. Eu quero um jogo do Homem-Aranha em 2018. Que se jogue como se joga em 2018. Que sinta como 2018. Que tenha mecânicas de 2018. Eu cansei de gráficos de 2018 num jogo de 2009. E cansei mais ainda de ter que voltar pra 2004 pra jogar Homem-Aranha.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito