Destaques da Semana em DVD – 10 à 14/11

Cinema sexta-feira, 14 de novembro de 2008 – 4 comentários

Crônicas de Nárnia – Príncipe Caspian: Segunda aventura baseada nos livros de C.S. Lewis, mesmo após desempenho abaixo das expectativas do filme anterior, que claramente prejudicaram as bilheterias deste nos cinemas, mesmo a crítica dizendo ser este o melhor. Na trama, apenas um ano se passou para os irmãos Pevensie desde a primeira aventura, mas 1.300 anos de história transcorreram na dimensão de Nárnia, agora dominada pelos telmarinos, que baniram os animais falantes e as criaturas mitológicas. Assim, o reino precisa novamente da ajuda dos irmãos. Curiosamente, é um legítimo herdeiro dos telmarinos, Cáspian, quem clama pelos reis em nome da antiga magia de Nárnia.

Um Crime Americano: Excelente história, principalmente se pensarmos que foi baseada em acontecimentos reais, que acabou sendo prejudicada pela adaptação quase novelesca, ainda sim, o contexto é revoltante e a interpretação de Catherine Keener assustadora. Na trama, Sylvia e Jennie Fae Likens, as duas filhas de um casal que trabalha com um circo são deixadas para uma estadia demorada em Indianápolis, na casa Gertrude Baniszewski, uma mãe solteira com sete crianças. Tempos difícies, e as necessidades financeiras de Gerturdes, obrigam-na a fazer este arranjo antes de perceber como esta obrigação levará sua natureza instável a um ponto de ruptura, a ação do filme se passa em 1958.

Quebrando Regras: bobagem para fãs de lutas, pena que neste pacote não esteja incluído um bom ELENCO e ROTEIRO. Na trama, se podemos chamá-la assim, Forçado pela sua família a se mudar do interior de Iowa para a ensolarada Flórida, o jovem Jake descobre na sua nova cidade um circuito de competições de MMA (sigla em inglês para Artes Marciais Combinadas) e acaba envolvido.

As Ruínas: Inédito nos cinemas, parece pegar onda no sucesso internacional de Abismo do Medo (The Descent), mas trata-se de uma adaptação da obra de Scott Smith, que ganhou maior projeção após ser indicado ao Oscar em 1999 por outra adaptação sua, Um Plano Simples. O roteiro, que é do próprio Smith, traz a história de Jeff (Jonathan Tucker, de Pulse), um estudante de uma escola preparatória que convida os amigos a acompanharem um grupo de turistas na exploração de uma escavação arqueológica dentro de uma selva no México. O grupo passa a correr perigo quando descobre que algo maléfico e antigo vive entre as ruínas. Algo parece os observar todo o tempo. Algo irreal. Tornando seus dias mais difíceis, causando intrigas, acidentes, esse ser segue protagonizando os momentos mais tensos e apreensivos do livro. Entre indas e vindas de suspense, o racionamento de comida e água requinta a infeliz jornada dos jovens. Estão também no elenco a atriz Jena Malone (Orgulho e Preconceito) e Laura Ramsey (Ela é o Cara).

Viagem ao Centro da Terra: aventura familiar com o onipresente nesta temporada blockbuster Brendan Fraser (também na Múmia 3), aqui junto com o garoto de ABC do Amor e Zathura, Josh Hutcherson. A trama, velha conhecida de todos, acompanha Brendan Fraser como um geólogo ao lado de seu sobrinho e uma guia islandesa numa viagem ao núcleo do planeta, atrás de seu irmão. O filme é o primeiro com atores de carne e osso produzido para exibições digitais em 3D.

Hancock: Novo veículo para o sucesso crescente de Will Smith, aqui uma versão mais real de super-heróis, pena o roteiro dar uma virada na trama e acabar abrindo mão do humor sarcástico. Na trama, Hancock (Will Smith) é um super-herói diferente. Ele está sempre bêbado e mal-humorado. Quando salva o dia, o faz do seu jeito, causando prejuízos enormes à cidade e à sua própria imagem. É então que entra em cena Ray Embrey (Jason Bateman), um relações públicas, que depois de ter sua vida salva por Hancock decide mostrar ao mundo que por baixo dos óculos escuros, a bermuda larga e a boca suja existe um herói de verdade. Pelo menos temos a estonteante Charlize Theron no elenco como colírio.

Anaconda 3: sim você não leu errado, os produtores americanos ainda não desistiram da franquia da cobra gigante, pelo menos, não está ocupando lugar de outros filmes nos cinemas, chega diretamente em dvd, com ninguém mais, ninguém menos que David Hasselhoff (Mitch B de S.O.S. Malibu) no elenco. Na desculpa de contar uma história, um cientista realiza testes com duas cobras gigantes em um laboratório na Europa. O gerente do local acaba abusando da experiência e deixa as duas monstruosas criaturas escaparem. Elas estão chegas de fome e vão direto para um local movimentado para se alimentarem. Para piorar, uma delas está prestes a ter uma ninhada de cobras gigantes. Para resolver a situação, um matador de cobras é chamado e ele terá de lutar contra o tempo para evitar o pior. Chega a ser hilário!

Um Crime Americano (An American Crime)

Cinema quinta-feira, 21 de agosto de 2008 – 7 comentários

Um Crime Americano é baseado na história real que chocou a nação em 1965. O filme reconstrói um dos crimes mais chocantes já cometidos a uma só vítima. Sylvia e Jennie Fae Likens, as duas filhas de um casal, que trabalha em um parque de diversões, são deixadas para uma estadia demorada em Indianápolis, na casa Gertrude Baniszewski, uma mãe solteira com sete crianças. Tempos difíceis, e as necessidades financeiras de Gertrude, obrigam-na a fazer este arranjo antes de perceber como esta obrigação levará sua natureza instável a um ponto de ruptura e horror.

Filmes de tortura já são meio revoltantes. Filmes de tortura de garotinhas bonitinhas, como a Juno [A Ellen Page, não o atillah] são muito revoltantes. Mas um filme de tortura de garotinhas por uma véia FDP e um monte de pirralho, baseado em fatos reais, é o que?

Tudo começa mostrando a vida de Sylvia Likens e sua irmã, Jennie, filhas de um casal que trabalha em feiras estaduais, aquelas feiras americanas que vocês provavelmente já viram nos Simpsons. Acontece que, como eles viajam muito, não tem com quem deixar as filhas, mesmo elas não querendo ficar com ninguém, mas acompanhar os pais. A mãe de Betty, avó das meninas, chega a ser considerada, mas sabe-se lá porque descartaram a idéia. E acabam deixando as filhas com Gertrude Baniszewski, que já tem outros trocentos filhos, por uma módica quantia de 20 doletas por mês. Acontece que Gertrude é uma doida varrida, que tem um senso próprio de verdade e justiça. Quando um dos pagamentos atrasa, por exemplo, ela resolve punir as duas, como se fosse culpa delas.

“Eu te espanquei, mas não é nada pessoal, você sabe, né?”

Mas Sylvia e Jennie fazem amigas, como Paula, que até conta um segredo para Sylvia, que essa usa pra salvar a amiga em determinado momento. Isso devia ser bom, certo? Mas não é. Paula fica putinha, e resolve falar pra mãe que Sylvia anda espalhando “mentiras” sobre ela. E quem é a mãe de Paula? Yeah, Gertrude. Que basicamente deixa as duas se estapearem no meio dos outros moleques. Quando a “boataria” [Já que não é nenhuma mentira] começa a rolar mais pesada, Gertrude resolve punir a garota de um modo mais exemplar: Oficialmente, manda-la para um reformatório. Mas na verdade ela é trancada no porão de Gertrude. E começa a ser torturada por Gertrude. Até que a véia se cansa, e começa a supervisionar as torturas feitas pelas crianças. E puta que pariu, como você fica com raiva desses pivetes. Eles fazem coisas extremamente cruéis sem a menor pena ou remorso.

O filme é praticamente todo baseado nos depoimentos do julgamento. E é lá que você vê a loucura de Gertrude. Ela foi a última a depor, depois de todos os seus filhos. Todos concordaram que Sylvia foi torturada, por todos eles, e sem motivo aparente. Menos Gertrude, que insiste que todos lá são mentirosos, inclusive seus filhos. Ela alega que Sylvia era uma péssima garota, que era má, coisa que você vê que não é verdade no decorrer do filme. E não há muito mais o que falar do filme sem estragar tudo. Mesmo que você saiba como vai terminar, vá ver. Se não sabe nada sobre ele, vá ver também, mas não pesquise sobre. Quanto menos você souber, melhor.

“Meritíssimo, a ré é uma FDP…”

Mas não recomendo que você vá ver se tiver estômago fraco ou for sensível. As torturas são gratuitas e agressivas. O filme é, com o perdão do clichê, um tapa na cara, principalmente de religiosos. Do espectador, de modo figurado, é claro. Sylvia sofre de outras maneiras. Ou tinha tapa também? Não me lembro, muitas torturas em um curto periodo de tempo…

Um Crime Americano

An American Crime (92 minutos – Drama)
Lançamento: EUA, 2007
Direção: Tommy O’Haver
Roteiro: Tommy O’Haver, Irene Turner
Elenco: Ellen Page, Catherine Keener, Hayley McFarland, Ari Graynor, Evan Peters, Bradley Whitford, Hannah Leigh Dworkin, Scout Taylor-Compton, Carlie Westerman, Nick Searcy

Estréias da semana – 22/08

Cinema quinta-feira, 21 de agosto de 2008 – 4 comentários

O Procurado (Wanted)
Com: James McAvoy, Morgan Freeman, Angelina Jolie, Terence Stamp, Thomas Kretschmann, Common, Kristen Hager, Marc Warren, David O’Hara, Konstantin Khabensky
Wesley Gibson é um bundão. Um merda. Um nada. Quase um théo. 25 anos nas costas, criado pela mãe, depois do assassinato do pai. Até que Wes conhece Fox, uma assassina da Fraternidade, e por acaso uma gostosa de primeira. Fox vai treinar o moleque pra ser um assassino fodão da Fraternidade. E pra vingar a morte do pai. Filme baseado [E não adaptado, VSF] na série Wanted, criada por Mark Millar e J.G. Jones.

Reflexos da Inocência (Flashbacks of a Fool)
Com: Daniel Craig, Harry Eden, Eve, Miriam Karlin, Jodhi May, Helen McCrory, Olivia Williams, Felicity Jones, Keeley Hawes, Sid Mitchell
Joe é um ator famoso, cheio da grana e babaca que recebe a notícia de que seu melhor amigo de infância/adolescência morreu. Por conta disso, volta à sua cidade natal para o funeral, entra em parafuso e começa a se lembrar de acontecimentos do passado.

Um Crime Americano (An American Crime)
Com: Ellen Page, Catherine Keener, Hayley McFarland, Ari Graynor, Evan Peters, Bradley Whitford, Hannah Leigh Dworkin, Scout Taylor-Compton, Carlie Westerman, Nick Searcy
Vocês podem ler a descrição do Eric, se quiserem. Mas ele é noob. Tanto que o filme só estréia agora, no fim de Agosto.
Enfim, em 1965, Sylvia e Jennie Fae Likens, filhas de um casal que trabalha naquelas feiras estaduais americanas, são deixadas pelos pais com Gertrude Baniszewski, uma nativa de Indianápolis. Não de graça, é claro. Só que Gertrude é uma maluca, que acha que pode castigar as filhas dos outros, torturando até a morte.

Mandela – A Luta pela Liberdade (Goodbye Bafana)
Com: Joseph Fiennes, Dennis Haysbert, Diane Kruger, Shiloh Henderson, Tyrone Keogh, Patrick Lyster, Faith Ndukwana, Mehboob Bawa, Garth Breytenbach, Adrian Galley
Um carcereiro branco, racista e sul-africano, em plena época de apartheid, conta a história de sua convivência com um prisioneiro negro que ele vigiou por trinta anos: Nelson Mandela.

Estréias da semana – 30/05

Cinema quinta-feira, 29 de maio de 2008 – 0 comentários

As Crônicas de Narnia – Príncipe Caspian (The Chronicles of Narnia: Prince Caspian)
Com Ben Barnes, Georgie Henley, Skandar Keynes, William Moseley e Anna Popplewell

Com um nome menos bocó do que “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa” e um princípe que parece ser um Orlando Bloom genérico, As Crônicas de Nárnia ganham seu segundo episódio nos cinemas, com O Príncipe Caspian. 1300 anos se passaram desde a última batalha com a Feiticeira Branca e mesmo com a véia derrotada, o mal acabou se alastrando por Nárnia. Os bichos não falam mais, as árvores não andam, enfim, nem parece que é um filme da Disney. Quando o rei Caspian morre, seu irmão dá um golpe e faz com que o Caspianzinho precise solicitar a ajuda de seus amigos Peter, Edmund, Susan e Lucy, os mesmos pirralhos remelentos do último filme pra acabar com o reino de maldade que se instalou em Nárnia e poder recuperar seu trono de volta.

Um Crime Americano (An American Crime)
Com Ellen Page, Catherine Keener e Bradley Whitford

Baseado na história real que aconteceu em 1965, o filme reconstrói um dos crimes mais chocantes da época. Sylvia e Jennie Fae Likens, são duas filhas de um casal que trabalha com um circo são deixadas para uma estadia demorada em Indianápolis, na casa Gertrude Baniszewski, uma mãe solteira com sete fedelhos. Tempos difíceis e os calotes de Gerturdes, obrigam-na a fazer este serviço antes de perceber como esta obrigação levará sua natureza instável a levará até uma situação limite.
A situação limite? Ah, ela só prende as meninas no porão por uns 3 meses.

Um Amor para Toda a Vida (Closing the Ring)
Com Shirley MacLaine, Christopher Plummer e Mischa Barton.

Em 41, Ethel Ann passa o rodo na galera inteira e acaba despertando amores em 3 amigos: Teddy, Jack e Chuck. Mas Ethel só tem olhos para Teddy. Como nem tudo são rosas, os caras são convocados para a guerra. A situação é a seguinte: ela está apoixonada pelo nº 1 e pede pro nº 2 cuidar do cara. O 01 morre, o 02 acaba casando com ela e tendo uma filha. Muito tempo depois 02 bate as botas e pra ajudar Ethel tem uma relação complicada com a filha que não conhece nada da vida da mãe. Somente o 03, inútil na trama até então sabe o segredo que ela carrega e que está prestes a ser revelado quando um garoto acha o anel que o 01 havia dado pra ela. É um rolo dos diabos. Entenda melhor e saiba se o filme é bom com a resenha que o Théo fez pra ele.

busca

confira

quem?

baconfrito