Lollapalooza 2013

Música quarta-feira, 03 de abril de 2013 – 2 comentários

Pois é galera, finalmente um festival me fez levantar dessa cadeira e ir conferir a parada ao vivo, sem o filtro das já famigeradas transmissões do Multishow. E te falar, apesar desse ser o primeiro festival de grande porte que eu fui, acho que dá pra dizer que o Lollapalooza se saiu melhor que os seus equivalentes no Brasil. Ou vão dizer que cês preferem o line up vergonha alheia do Rock in Rio e toda aquela sustentabilidade panfletária do SWU?

 continue lendo »

Orloff Five – Saiba como foi o show, véi!

Música segunda-feira, 08 de setembro de 2008 – 6 comentários

Pois bem, já tem um tempo que vocês estão sabendo do Orloff Five por aqui. E não foram por que são noobs.

DJ Tittsworth, Vanguart, Melvins, Plastiscines e The Hives quebraram tudo (no bom e no mal sentido), e foi por aqui que você ficou sabendo de muita coisa antes de qualquer site aí. QUAL É O SITE MAIS QUENTE DA GALÁXIA MESMO?

Então vamos aos shows. Será que minhas previsões estavam certas?

DJ Tittsworth

Cheguei na metade da apresentação do cara, mas foi o bastante pra ver que ele faz uma discotecagem bacana, fato. Alguns remixes são bem fraquinhos, isso é fato, mas se torna irrelevante principalmente quando ele está em um show onde só consegue agitar a galera ao som de Nirvana. Ao ver que isso deu resultado, resolveu investir e, pelo menos o tempo que eu estive lá (o cara não só abriu a casa, mas tocou no intervalo das bandas E no fim), rolaram 5 sons da banda.

Erro dos produtores do festival ao trazê-lo ou erro do cara na montagem da playlist? Pois bem, acho que foi mais cagada dos produtores, mesmo, afinal, não é só porque o cara é DJ que ele tem que agradar aos fãs de Melvins e Hives, que dominavam o local. É por isso que eu digo que NÃO iria em um evento com discotecagem com o cara, até porque ele cortou uma música do AC/DC logo no começo. NINGUÉM faz isso. Mas eu não iria pela indiferença, mesmo, então, primeiro acerto na previsão: show descartável.

Vanguart

A casa ainda estava relativamente vazia, e esta banda serviu mais para testes gerais do que pra realmente fazer um show. No início, o som estava altíssimo, tive que me afastar do palco para não perder completamente a audição no ouvido direito, que está chiando até agora. Sério. A acústica estava quase uma merda, mal dava pra entender o que o vocalista falava/cantava. O som também não agradou a muitos, principalmente à mim. Outro erro dos produtores, que deviam ter chamado uma banda nacional mais próxima do que realmente valia mais à pena ali. Já havia sugerido Matanza ou Astronautas. Será que eu vou ter que fazer os festivais daqui pra frente, porra?

Descobri também que eu estava certo em relação a Hey Yo Silver, quando disse que se os caras tocassem sons desse gênero a coisa valeria à pena. Não deu outra, foi o som que mais agitou a galera. De resto, o show foi bem chato. 2×0 pra mim.

Melvins

Dale Crover é o cara. Não, Dale Crover é um deus. Ele realmente é o melhor baterista do mundo, não tem pra ninguém. Ele ainda conta com um segundo baterista, que toca em uma bateria menor e não aparece lá muuuito no show, mas É respeitável por estar ao lado de um deus. Ou eu estava vendo dobrado?

A pegada stoner dos caras é bem marcante, e a sonzeira é bem diferente E vibrante do que você está acostumado a ouvir. Dar uma chance ao som dos caras é uma boa, mas descobri uma coisa: Eu sempre pensei que era xiitismo parar de ouvir uma banda quando você acha algum integrante idiota. King Buzzo me fez queimar a língua ao se mostrar um extremo cuzão. Um extremo cuzão. Dale Crover e um roadie de TANGA foram os únicos que realmente interagiram com a platéia, de forma bem humorada E animada. Jared Warren estava frio, e King Buzzo extremamente provocante. Como líder da banda, era obrigação do cara prestigiar aos fãs, não cagar e andar para eles. Os caras simplesmente não se animaram em palco, não tocaram clássicos e Buzzo ainda cometeu a audácia de cantar o hino dos EUA enquanto era extremamente vaiado, há 2 músicas do término do show. No final do último som, tacaram um copo de cerveja no cara e, após ele terminar de fazer o que ele faz de pior, que é CANTAR, o puto simplesmente abandonou o palco, esfriando mais ainda o show e deixando a animação por conta do baterista, a única coisa que realmente valia à pena ali. Creio que não é só comigo, mas vai demorar pr’eu ouvir um álbum dos caras de novo. Frescura? Cara, quando você vive música, você sabe o que tá vivendo.

Resumindo, realmente a maioria ficou entediada e, apesar da cagada, o show foi imperdível graças à Crover. O cara promovia arrepios. E 3×0 pra mim.

Plastiscines

O show mais entediante e ensurdecedor da minha vida. E essa segunda parte só pode ser um sinal: Visualmente a banda é boa, principalmente quando você começa a imagina-las peladas. Agora, em relação ao som, nem quem dizia gostar da banda gostou. A cada som, eu perguntava “Já acabou?” – e a cada som, um cara do meu lado zoava a banda, e dizia “Depois dessa merda vai ser Hives, hein!”. Mas o melhor estava mais próximo ao palco, a galera gritando sem parar algo como “HIVES! HIVES! HIVES!…” – Eu nunca estou errado. 4×0. Sem mais, o show foi uma merda, foi irritante e só prova que essa onda indie é a coisa mais imbecil dos últimos tempos. Você PRECISA ser um RETARDADO pra gostar dessa banda.

The Hives

Não dá. Sério, não dá pra escrever sobre esse show. Uma depressão enorme bate em meu peito quando eu penso “Eu fui no show do The Hives”… ao invés de “Eu estou no show do The Hives”. Cara, foi simplesmente o show mais espetacular de todos os tempos. Liguei pro estagiário para xingá-lo e dizer isso, e foi quando ele disse “Com certeza não foi melhor que o do Motörhead!”. Na hora eu confirmei, mesmo não tendo ido no show, mas pensando bem… The Hives chutou bundas, com vontade. Acabou com qualquer um. The Hives simplesmente me fez ter medo de existir um show mais empolgante que o do AC/DC, por exemplo. The Hives empolgou até quem estava sentado, na área vip. The Hives é a melhor banda do mundo até alguém empolgar mais.

O vocalista Howlin’ Pelle Almqvist não dispensou fã algum, o cara simplesmente andou o palco inteiro, o show inteiro, batendo em todas as mãos que via pela frente. Parecia que o cara olhava nos olhos de cada um presente na casa, era incrível. Por um momento, eu pensei que ele iria falar pra banda parar de tocar pra conversar com a gente. Quando ele percebia que ninguém estava entendendo nada, ele soltava pérolas como “diz aí!”, “batam palmas” e “tira o pé do chão!”. Por um momento eu pensei que o cara iria parar a banda e virar a nossa platéia – o show era nosso. Nunca os fãs foram tão valorizados. Nunca um fã chegou tão feliz em casa. “Agora eu posso morrer”.

O guitarrista Nicholaus Arson deixou Sérgio Serra (Ultraje a Rigor) no chinelo. NO CHINELO. O cara é a loucura em pessoa, e duvido que ele realmente precise de drogas pra ficar daquele jeito – ele não vacilou, simplesmente foi o psicopata obsessivo da noite. Matou a FACADAS a decepção de TODOS – sim, TODOS – os presentes com as bandas anteriores (ou com A banda anterior), jogou umas três palhetas POR MÚSICA para os presentes e as pedia de volta, o que era mais hilário. O cara é foda.

Chris Dangerous também teve seu show à parte, jogando as baquetas para o alto e também para o público. Às vezes parecia que o cara mirava, vi uns três levando baquetada na cabeça. E é isso que faz a diferença: A interação da banda, a forma em que nós viramos mais um integrante dela. E foi exatamente assim que eu me senti quando cheguei em casa: “Meu show foi demais!”. The Hives é simplesmente a banda que deveria tocar todos os dias por aqui. Esse dificilmente sairá do posto de melhor show da minha vida.

Tudo começou com A Stroll Through Hive Manor Corridors, o som rolava enquanto a banda nem estava no palco ainda. O som acabou e eles chegaram na voadora com Hey Little World, obviamente empolgante. Já era o melhor show da noite. Eis que tocam Main Offender, a platéia já entrava em êxtase. A Little More For Little You veio logo em seguida, extremamente empolgadora. Walk Idiot Walk acaba não sendo tão empolgante sonoricamente falando, ao vivo, mas quem disse que alguém ficou parado?

Falando em ficar parado, foi aqui que as gargantas começaram a sangrar: A.K.A. I-D-I-O-T, uma explosão. Uma PUTA explosão. A Thousand Awnsers era um som que eu ainda nem conhecia, seria um side b? Era bacana. E It Won’t Be Long voltou a tirar do chão aqueles que, como eu, não conheciam a faixa anterior, então preferiram prestar atenção – o que não deixa de ser errado, afinal. E a coisa ficou feia de vez quando tocaram Die, All Right!.

Em Diabolic Scheme eles mostraram que conseguem empolgar mesmo com um som relativamente diferente do apresentado até então. Mas o melhor está por vir: em You Dress Up For Armageddon, o som mais cervejada da banda, os caras simplesmente ficaram paralizados em palco por uns 30 segundos antes do último refrão. Impressionante, um estágio superior ao êxtase surgiu aqui. You Got It All… Wrong veio após um “vocês gostam de canções de amor?” (em inglês, claro), e foi quando começou o bate cabeça mais nervoso da noite. E o melhor sempre está por vir: Two Timing Touch and Broken Bones quebrou tudo.

Eis que os caras começaram a falar que iam tocar o último show, e eu interpretei como último som lançado, ou seja: Novo single. Mas não, vieram com Return The Favour, como se fosse o último som da noite. Foi quando saíram do palco, e o público demorou um certo tempo para começarem a pedir por Bis. Quando os caras voltaram, foi com as duas pernas na costela: Bigger Hole To Fill soou como um hino, há quilômetros dali. Hate To Say I Told You So abalou a estrutura da casa, provocou o segundo terremoto de São Paulo. Tick Tick Boom veio pra não ser mais só o melhor som da banda, mas como o som mais espetacular do rock contemporâneo. Todos vomitavam suas gargantas, era incrível. Pulmões voavam, uma cratera se abria no chão… e o melhor show de muitas vidas ali chegava ao fim.

E tudo isso que eu escrevi foi só 1% do show. 10×0 pro Hives.

Sentiu falta de vídeos e fotos? Isso vai ser por sua conta. Envie para contato@atoouefeito.com.br fotos e vídeos do show, e até mesmo seu texto. Nessa sexta, tudo isso pode estar por aqui!

Tyrannosaurus Hives (The Hives)

Música sexta-feira, 05 de setembro de 2008 – 1 comentário

Terceiro álbum da banda e, aparentemente, o último: é o que os caras dizem. Marketing? Talvez. O que importa é o álbum ser bom, e é isso que veremos agora.

Faixa-a-faixa

Abra Cadaver abre o álbum já trazendo empolgação, marcando uma nova mudança. Aparentemente, toda aquela energia do início de carreira voltou numa dose relativamente menor, mas a agressividade realmente ficou pra trás. Two-Timing Touch and Broken Bones já traz uma dúvida: Os caras fundiram os dois álbuns anteriores? Bom, a resposta é não. E esta faixa é, além de empolgante, uma das melhores da história da banda. Quem sabe a melhor do álbum. Walk Idiot Walk chega pra dizer que o posto de melhor som do álbum é dela, ainda mais pela agressividade da letra. Mais um som marcante, mas não chega a ser o melhor do disco. Chega a ser um hino.

No Pun Intended te faz esquecer dessa de “melhor música do álbum”, tendo em vista a energia que esta faixa transborda. Dançante, você sente nos ouvidos a evolução do Garage Rock. Os caras evoluíram bastante do segundo álbum pra este, indiscutível. A Little More for Little You é o som mais divertido do álbum, quase que completamente diferente do que a banda está acostumada a fazer. Repeat certo, e a letra gruda que é uma beleza. Vai por mim. B is for Brutus chega a ser indescritível, ouvir esta faixa é uma experiência e tanto. Sabe quando você para o que você está fazendo e começa a acompanhar não só a letra, mas a bateria E a performance ao vivo da música? Você faz um air The Hives, cara. Sonzeira.

Com See Through Head você já está em outro planeta, e a empolgação continua. Outro som indescritível, incrível. Não dá pra escrever enquanto eu pulo freneticamente, desculpem. E se a especialidade dos caras era fazer umas faixas mais puxadas para o surf, Diabolic Scheme já foge da praia e parte para um lado mais… não sei dizer. Sei que a faixa é um suspense sensacional, uma das melhores músicas “experimentais” dos caras. Qualidade musical nas alturas. Missing Link esbanja energia, explode empolgação após um som completamente fora do padrão. Foda.

Love in Plaster é a faixa que vai fazer você ficar rouco e quebrar o botão repeat. ESTOURE seus pulmões gritando os versos desta sonzeira espetacular. Dead Quote Olympics traz a batida mais animada do álbum, mostrando que os caras sabem BEM dosar empolgação e animação entre as faixas. Já Antidote é um mais leve, o que não é ruim. Os caras SABEM dosar, como eu havia dito. Uptight é mais um daqueles sons para se balançar a cabeça e bater com o pé no chão, mas ele não se resume a isso. O riff é ótimo, a distorção é quase perfeita. Eis que The Hives Meet the Norm encerra o álbum com peso E animação, com uma pequena dosagem de suspense, fechando com chave de ouro um álbum que… RÁ, eu não vou soltar esse clichê, podem ficar tranquilos.

Crítica geral

Tyrannosaurus Hives é o álbum que marcou a originalidade da banda. Primeiro um álbum completamente agressivo, depois um álbum mais Rock Contemporâneo, e agora algo enrotulável. Com certeza, o segundo melhor álbum da banda no quesito The Hives, e o primeiro no quesito originalidade.

Num primeiro momento, o álbum decepcionou a muitos, e eu não entendo por quê. Talvez os putos se basearam no single, Walk Idiot Walk, que, por mais que seja um hino, não é a melhor faixa do álbum e nem devia ter sido o primeiro single. Os caras foram oportunistas, era o assunto da vez. Mas… e depois disso?

O que muita gente diz é fato: Hives lança um álbum e bota uma música na boca de todo mundo… e depois some. Os singles à seguir fazem um sucesso mais momentâneo, infelizmente. Este álbum merecia mais singles, principalmente por supostamente ser o último álbum da banda, que mais tarde retornaria com um novo álbum, inferior. Bom, Tyrannosaurus Hives é excelente, e é questão de fã dizer se é melhor ou não que o primeiro. O que você acha?

Tyrannosaurus Hives – The Hives


Lançamento: 2004
Gênero musical: Rock
Faixas:
1. Abra Cadaver
2. Two-Timing Touch and Broken Bones
3. Walk Idiot Walk
4. No Pun Intended
5. A Little More for Little You
6. B is for Brutus
7. See Through Head
8. Diabolic Scheme
9. Missing Link
10. Love in Plaster
11. Dead Quote Olympics
12. Antidote
13. Uptight
14. The Hives Meet the Norm

Veni Vidi Vicious (The Hives)

Música sexta-feira, 05 de setembro de 2008 – 0 comentários

Enfim temos o álbum mais conhecido da banda, o álbum que trouxe o The Hives à maioria aqui, o The Hives que você conhece. Em relação ao álbum anterior, a agressividade quase é inexistente neste álbum, e a simplicidade transa em diversas posições com um ritmo mais dançante, uma coisa mais… alegre. Duvida?

Faixa-a-Faixa

Declare Guerre Nucleaire já traz um clima diferente do primeiro álbum, fazendo você se perguntar: Cadê a agressividade e a velocidade? A simplicidade predomina aqui, e o ritmo é apenas dançante. Die, All Right! já é um misto dos dois, e pra quem conhece a banda a sensação de estar faltando algo é marcante. Realmente, está faltando uma coisa: Toda aquela energia. O Garage Punk se foi, agora nos resta uma banda relativamente diferente das outras, mas com a mesma proposta de muitas. A Get Together To Tear It Apart é levemente nostálgica, não fosse a sensação predominante: ESTÁ faltando algo. Mas temos aqui a faixa que mais se aproxima ao The Hives que você conhecia.

Eis que você está convencido de que The Hives está com uma nova proposta, talvez… inovadora. Pra banda, é claro. Main Offender é o som que te convence de que, porra, a banda tá com um som novo, mas nem assim deixa de ser sensacional. Você se desgruda do passado, aceita a simplicidade, a influência do rock mais setentista, ainda de garagem, e acompanha a letra dessa sonzeira empolgante, batendo com os pés no chão, imitando a bateria. Outsmarted é mais um som nostálgico, e é quando você levanta da cadeira e começa a quebrar tudo. Um dos sons mais empolgantes do álbum, fato.

Hate To Say I Told You So é um dos grandes clássicos da banda, todo mundo conhece este som que, honestamente, NÃO É o melhor trampo dos caras. Envolvente, vibrante, um grande acerto na carreira dos caras, o melhor som do álbum. Mas não da banda. Introduced The Metric System In Time já chega na voadora, com um ritmo alucinante que logo se acalma, trazendo novamente a fusão do dançante com o agressivo. Find Another Girl é uma surf music BEM bacana, os caras sabem sair da rotina e impressionam de uma forma BEM positiva com um som completamente excelente. Sem mais.

Statecontrol é uma das faixas mais dançantes do álbum, mas isso não significa que ela seja uma das melhores – é meio repetitiva. Inspection Wise 1999 é uma música para balançar a cabeça, não chega a ser muito boa nem muito ruim. Meio termo? Knock Knock sim apresenta uma qualidade superior, trazendo o álbum de volta à normalidade – agora sim, Hives! Supply And Demand encerra o álbum de uma forma respeitosa, sem dúvidas. Garage Rock total, agressividade moderada e um ritmo que vai fazer você querer ouvir o álbum inteiro novamente. Ou pelo menos as melhores do álbum, e obviamente esta faixa está dentre elas.

Crítica geral

É claro que esperar por um álbum tão nervoso quanto o primeiro seria um grande risco. Talvez The Hives não quis só inovar, mas também se adaptar a um estilo mais “aceitado” na época, o que foi um grande acerto. O álbum foi muito bem criticado na época, e a banda era uma das melhores do momento. Momento este que marcava a decadência do Rock, onde poucas bandas como esta insistiam em fazer o gênero respirar.

O álbum marcou, mas é fato que a saudade bateu. É realmente difícil aceitar que uma banda inove no repertório, mas todos deram uma chance ao álbum. Ele merece. E DEVE entrar na lista de melhores discos do Rock Contemporâneo, e é uma pena que uma banda como esta não seja tão valorizada como devia. Então, recomendação final: Pegue o álbum e escute no último volume.

Veni Vidi Vicious – The Hives


Lançamento: 2000
Gênero musical: Rock
Faixas:
1. Declare Guerre Nucleaire
2. Die, All Right!
3. A Get Together To Tear It Apart
4. Main Offender
5. Outsmarted
6. Hate To Say I Told You So
7. Introduced The Metric System In Time
8. Find Another Girl
9. Statecontrol
10. Inspection Wise 1999
11. Knock Knock
12. Supply And Demand

Barely Legal (The Hives)

Música sexta-feira, 05 de setembro de 2008 – 1 comentário

The Hives é conhecido por muitos como a banda da música d’O Beijo do Vampiro, mas saibam que os caras vão muito além disso. Este é o primeiro álbum da banda, e é um dos álbuns mais agressivos da década de 90 pra uma banda semi-mainstream, convenhamos. Bóra?

Faixa-a-faixa

Well, Well, Well já chega quebrando tudo. Marcante, não há como duvidar: O álbum vai entrar pra sua coleção de favoritos. Ritmo bem punk com uma pegada de garage rock, por aí. Pesado. Veloz. E é assim que Aka I-D-I-O-T é, dando continuidade à PEDRADA e confirmando as suspeitas de que Barely Legal JÁ É um dos seus álbuns favoritos. Não dá pra descrever a sensação que esta sonzeira cabalística passa, só dá pra dizer que é a melhor faixa do álbum. Here We Go Again mantém o estilo, mas traz um ritmo mais diferente, menos veloz. Se a faixa anterior tem um refrão viciante, essa aqui vai te obrigar a decorar a letra inteira.

I’m A Wicked One traz de volta a velocidade, e a energia desses caras se torna algo impressionante nessa altura do álbum. Pra quem gosta do estilo, não tem essa de “ain, o baterista é MUITO re-pe-ti-ti-vo!”, tem essa de “PORRA, esse cara teve que amputar os braços depois da gravação deste álbum!”. Pauleira extremamente raíz, os caras sabem fazer a lição de casa. Automatic Schmuck pode ser ainda mais empolgante que a segunda faixa deste álbum, levando em consideração seu ritmo frenético. Eu disse pode ser? Esse É o som mais empolgante, definitivamente. Torcicolo é obrigatório ao “ouvir” a faixa, se é que vocês me entendem. E falando em empolgação, King Of Asskissing é O SOM para um bate cabeça PROFISSA. Sabe daqueles shows em que até sai morte? Então, esse som toca nesses shows. Não dá pra ficar parado diante a essa velocidade, agressividade e transa perfeita entre instrumentos, vocal e você pulando feito louco.

Hail Hail Spit N’ Drool pode não ser tão veloz, mas mantém sua empolgação em um ritmo alucinante e crescente. Ela te prepara pra próxima faixa, Black Jack, a faixa que vai fazer você quebrar o repeat do seu som. Suspense, agressividade e uma letra que GRUDA, é quase um hino. A qualidade desse som é superior às outras faixas, fato. Aqui os caras deixam de lado aquela pegada mais punk e dão mais detalhes aos versos, pontes, refrão e até mesmo solo. Uma faixa e tanto. What’s That Spell… Go to Hell! chega atropelando, é quando o álbum “volta ao normal”, ou algo do tipo. Se você está vivo até aqui, parabéns!

Theme From… é uma faixa mais… dançante. Mas não estamos falando de um TANGO, por exemplo – estamos falando de uma das faixas mais oldschool do álbum. Uptempo Venomous Poison traz mais uma batida viciante, impedindo que o gênero saia da linha por momento algum. Oh Lord! When? How? é a faixa que mais se aproxima do The Hives que você conhece, e isso não é algo ruim. Acho que você deve tirar suas próprias conclusões, inclusive. The Stomp é um som instrumental que traz uma pitada de surf music, um lance experimental bem bacana. E dançante, claro. Eis que Closed For The Season encerra o álbum com chave de ouro, marcando empolgação, velocidade, agressividade… enfim, marcando. The Hives é a banda mais sensacional do momento, só falta todo mundo saber disso. Infelizmente, a banda não ficou muito conhecida aqui, apenas mais tarde… e ainda assim esta obra prima passou batida.

Crítica geral

Em uma década dominada por Grunge e Pagode, as bandas Garage Rock tinham lá seu espaço, mas dificilmente alguma banda do gênero bombaria, assim como poucas bombaram. Isso chega a ser incompreensível, até, tendo em vista que um álbum com a qualidade de Barely Legal deveria ser lembrado tanto por fãs de Garage Rock quanto por Punks mais descolados, daqueles que não se importam quando a banda usa terno e gravata e muitas outras coisas que também são incompreensíveis.

O fato é que bandas do gênero influenciaram as melhores bandas, mas The Hives não teve esta sorte. Com um vocalista tão maluco quanto Iggy Pop no palco, talvez a cena sueca tenha este álbum como histórico, ou talvez eu precise ouvir mais bandas de lá e perceber que Hives AINDA não é tão bom assim. Obviamente isso seria ironia, tendo em vista que Barely Legal é sim uma obra prima, é um dos álbuns mais empolgantes da minha coleção e o melhor álbum de uma banda que sempre procurou inovar, mas bem que devia ter mantido as raízes.

Barely Legal – The Hives


Lançamento: 1997
Gênero musical: Garage Punk
Faixas:
1. Well, Well, Well
2. A.K.A. I-D-I-O-T
3. Here We Go Again
4. I’m A Wicked One
5. Automatic Schmuck
6. King Of Asskissing
7. Hail Hail Spit N’ Drool
8. Black Jack
9. Whats That Spell?… Go To Hell
10. Theme From…
11. Uptempo Venomous Poison
12. Oh Lord! When? How?
13. The Stomp
14. Closed For The Season

Previsões para o Orloff Five

New Emo quarta-feira, 03 de setembro de 2008 – 4 comentários

Não sabe o que é o Orloff Five? Porra, é o show que vai trazer The Hives e Melvins pro Brasil, véi. Cê não precisa saber mais nada.

Mas, pensando bem, precisa sim. Afinal, eu estive refletindo: The Hives é uma banda espetacular, mas seu último lançamento foi um pé no saco – e, é claro, os caras estão aqui para divulgá-lo. Melvins é uma banda que não é a minha praia, os caras me agradam MESMO quando estão juntos ao Jello Biafra. DJ Tittsworth eu não conheço mas já não me agrada logo pelo nome; Vanguart é uma banda brasileira que se denomina “Folclórica / Folk Rock”, isso é extremamente duvidoso; e Plastiscines é uma banda “Disco / Thrash / Glamurosa” FRANCESA. PRA QUE ficar empolgado, eu me pergunto?

Então vamos falar de banda a banda, indo por ordem de apresentação.

DJ Tittsworth (18hs e intervalo entre as bandas)

Pra começar, segundo a revista XLR8R, ele é o DJ mais quente da América. Ganha nosso respeito ou a revista devia evaporar? Pois bem, DJ’s sempre podem ser um problema, mas eu acho que o cara pode sim ser um diferencial bacana no show. Esse tipo de som não é mesmo a minha praia, mas eu nunca dispenso ou desmereço um ritmo bacana. Não aposto no cara, mas também não sou contra. Como ele abre o show, até posso descartá-lo, mas penso em dar-lhe uma chance.

Navegando pelo YouTube, achei um remix de Thunderstruck, do AC/DC:

Por um momento o som parece ser um Funk Carioca, mas não curti a bagaça em um todo. Espero que o cara tenha uma playlist boa em mãos, não quero usar um MP3 Player logo no início do evento.

Vanguart (19hs)

Neil Young e Bob Dylan são as inspirações dos caras. Eu nunca havia escutado a banda antes, até porque meu preconceito por bandas nacionais dos últimos tempos é grande e óbvio. Ao me deparar com este Folk Folclórico, minhas expectativas até cresceram quando ouvi a faixa Hey Yo Silver, mas quase dormi com o resto. Sério.

Música ao vivo, dá até pra analisar melhor. Se os caras tocarem só sons nessa linha, o show pode ser bem bacana. Mas, infelizmente, a parte do sono VAI vir. Já estou preparando Velvet Revolver no meu MP3, para compensar. Não espero nada dessa banda, creio que o show será chato. Bem chato.

Melvins (20hs)

Os tiozões do Melvins, que tanto inspiraram bandas ESPETACULARES, prometem chegar para conquistar alguns dos pirralhos na platéia e entediar a maioria, já que dificilmente teremos… tiozões por ali. É fato, na fila dos ingressos havia umas garotinhas com camisetas do Blink 182 que achavam o vocalista do The Hives bonitinho, era esse o motivo da compra do ingresso. Obviamente soltaram a pérola “Enquanto eles (Blink 182) estiverem vivos, eu ainda tenho esperança!”.

A fusão de Jello Biafra com os caras do Melvins foi a melhor fusão de todos os tempos, vence até Probot. Já só os Melvins não fazem um som que me agrada muito, mas isso é relativo. Algumas faixas dos caras são espetaculares, talvez eu só não vou com a cara do vocalista. Mas garanto que não farei parte dos entediados.

Dale Crover é um baterista e tanto, é fato. Esse som aí é o Hooch, e acabo de perceber que eu posso até VIBRAR neste show. A performance dos caras ao vivo é FODA, véi! A apresentação promete, absolutamente imperdível. E eu preciso ouvir mais coisas da banda.

Plastiscines (21:30hs)

Aqui chega a grande escória do show, na minha opinião. É revoltante não botarem essa banda como banda de abertura. Olha isso:

OLHA O QUE EU VOU TER QUE AGUENTAR, VÉI! Ah não, vou preparar PANTERA pra ouvir nesse… show. Isso é banda pra Tim Festival, não pra um festival com MELVINS e THE HIVES, PORRA! Eu espero encontrar o organizador desse show por lá, a gente tem muito o que “conversar”.

Enfim: Uma merda, dá náuseas e vai durar mais de uma hora.

The Hives (23hs)

Taí a banda mais esperada, a banda que dispensa apresentações. Fãs da novela O Beijo do Vampiro, da Globo, se DESESPERAM e entram em cena! Apesar de o último álbum ter sido um cocô, os Hives vão quebrar tudo e não há o que discordar.

Olha isso, cara. É de endoidar. Vai sair MORTE nesse show, véi! Os caras empolgam DEMAIS, e serão capazes de esconder a cagada das bandas anteriores. Ou da banda anterior, é claro. Principalmente se a tática do MP3 Player funcionar.

Enfim, não há mesmo o que se falar, os caras são bons e vão quebrar tudo. Pelo que tudo indica, você VAI precisar de uma empolgação extra, e é aí que eles entram. Afinal, porra, por que fizeram um festival com bandas TÃO diferentes? É claro que isso acontece muitas vezes, mas não deixa de ser revoltante. Por que não fizeram shows em dias diferentes, ou apenas pegaram bandas na linha de Hives e Melvins? Sei lá, poderia rolar Matanza, Ultraje a Rigor ou Astronautas, até. Em relação ao DJ, ok, deixa o DJ lá. Mas Vanguart e principalmente Plastiscines me incomodam muito, achei essa uma estratégia “caça-níquel” E “atirando pra todos os lados” DEMAIS.

Resumindo, Melvins e Hives farão o show. E não duvido que Melvins faça um show ainda mais espetacular que Hives. O Orloff Festival já é melhor que muito festival por aí (eu ouvi Tim Festival?), principalmente por trazer uma banda tão aguardada como o Hives. Ano que vem teremos QOTSA, produtores?

De resto, se liga nos preços:

Pista: R$ 100,00
Mezanino: R$ 160,00
Camarote: R$ 180,00

Obviamente, estudantes pagam meia. Mais informações no site do Via Funchal, ou no telefone (11) 3044-2727. O Via Funchal fica na Rua Funchal, 65 – São Paulo/SP, e a abertura dos portões é ás 17 horas. O show começa às 19 horas. O evento também tem um site, claro.

SIGA O AOE NO TWITTER: A cobertura do evento, em tempo real, será feita por lá!

Se vocês puderem ajudar na divulgação deste fato, melhor ainda! Vamos tentar cubrir o show para o maior número de pessoas possível. Tá esperando o quê? Corre pra lá, siga a gente e diz pros seus seguidores algo como “O @atoouefeito vai cubrir o Orloff Festival neste sábado (6). Sigam-no!”, eu agradeço. :god:

Won’t Be Long é o novo clipe do The Hives!

Música sexta-feira, 29 de agosto de 2008 – 0 comentários

Sim, todos nós sabemos que o último álbum do The Hives, Black and White Album, ao contrário dos outros três, que são sensacionais, é uma porcaria. Porém, os caras estão vindo pro Brasil pra um show obviamente histórico em SP, o Orloff Five (e em outros estados também), e ainda vai rolar uma sessão de autógrafos por aqui no dia 4 de setembro, lá na FNAC Paulista (Avenida Paulista, 901, às 19:00 hs – serão distribuídas 150 senhas, anotaí pra mais informações: 11 2123-2000 ou www.fnac.com.br).

Provavelmente ouviremos Won’t Be Long nos shows, e é esse o novo clipe do The Hives:

Sim, nada demais, mas os caras estão pra vir e qualquer notícia é válida. Já garantiu seu ingresso? Noob.

The Hives confirma mais shows no Brasil!

Música terça-feira, 24 de junho de 2008 – 1 comentário

BELEZA, VÉI! Agora não só eu, mas VOCÊ não vai perder esse show. Além de se apresentarem no Orloff Festival, como dito aqui, os caras marcaram mais duas datas. Se liga:

5 de setembro
Brasília (Porão Do Rock Festival)

6 de setembro
São Paulo (Orloff Festival)

7 de setembro
Rio De Janeiro (Circo Voador)

Isso, é claro, foi tirado do MySpace dos caras. E aí, vai perder?

The Hives e Melvins vão se apresentar no Brasil!

Música segunda-feira, 16 de junho de 2008 – 2 comentários

No dia 6 de setembro (num SÍBADO, dia de VERDADE pra um show), vem aí o Orloff Five, evento que promete trazer as bandas como Plasticines (QUEM?), e, o melhor: MELVINS E THE HIVES!

Véis, cês não fazem NOÇÃO de como eu tenho esperado por esse dia: anunciar a vinda do THE HIVES ao Brasil. PUTA MERDA! E, pra melhorar ainda mais, MELVINS! CARÍI!

Bom, o último álbum do The Hives foi BEM infeliz, mas ao menos temos os três álbuns anteriores como consolo (no sentido musical da coisa, não estamos falando de sondas anais). O Melvins faz um trampo e tanto, ainda mais quando os caras se uniram com o mestre Jello Biafra e formaram a banda de dois álbuns Jello Biafra with the Melvins. Seria EXTREMAMENTE DO CARÍI se eles viessem nessa formação, aliás. Mas aí seria pedir demais.

Bom, tudo que eu sei é que o show vai rolar em São Paulo, e, se tudo correr bem, finalmente posso anunciar que JÍ VOU GARANTIR MEU INGRESSO!

Tick Tick Boom – Saiba nossa opinião sobre o som novo do The Hives!

Música terça-feira, 14 de agosto de 2007 – 1 comentário

PARE TUDO. Vamos falar de The Hives. Os caras começaram com o álbum Barely Legal, em 97, com uma sonzeira SENSACIONAL. Rock de garagem com uma pegada punk única, qualquer banda era TANGA perto de The Hives. Em 2000, os caras gravaram o álbum Veni Vidi Vicious, que fez a banda ser conhecida por mais gente, e principalmente por VOCÊ, que assiste novela – A faixa Hate To Say I Told You So fez parte da trilha sonora da novela O Beijo do Vampiro, da Globo. Os caras voltaram com um som fraco, mas ainda eram empolgantes.

Em 2004 os caras resolveram fundir os dois álbuns antigos pra lançar o disco Tyranossaurus Hives, que também serviu pra anunciar o possível fim da banda. Com a sonoridade melhor que o segundo álbum, esse seria um bom disco de encerramento, mas os caras estavam apenas fazendo cu doce.

The Black and White Album é o novo álbum da banda sueca, e será lançado no dia 8 de Outrubro na Inglaterra e no dia 9 de Outubro nos EUA. Hoje, dia 14 de Agosto, o novo single, Tick Tick Boom, foi colocado para download pela banda, apenas para os EUA. Se você também ficou puto com isso, calma, a gente disponibiliza o vídeo ao vivo desse som por aqui:

Duas coisas: SENSACIONAL. LOL.*

Não é mais aquela pancadaria do primeiro álbum ou o som mais limpo do segundo, mas mais uma vez a banda uniu as duas coisas, ao menos nessa faixa. Rock de primeira, daqueles que fazem você se perguntar por que DIABOS pessoas gostam de bandas de Indie Rock. Ou de Beatles.

A primeira impressão que esse som me passou é que o novo álbum dos caras tem tudo pra ser BOM. Enquanto o álbum não é lançado, bolem planos pra trazer essa banda pro Brasil.

busca

confira

quem?

baconfrito