Overdose Adaptações: Rede de relações gamísticas Pt. 1

Nerd-O-Matic quinta-feira, 10 de julho de 2008 – 9 comentários
Cês sabiam que quando o sapo macho não atrai mais as fêmeas ele troca de sexo para continuar se reproduzindo? Sapo velho é exemplo de adaptação ruim.

Aproveitando o Overdose Adaptações, vamos falar nessa coluna sobre todos os tipos de conversões entre vídeo-games e as outras mídias existentes. Como sempre, vocês provavelmente sentirão falta de uma porrada de jogos aqui. Mas também, como sempre, eu só falo dos jogos que eu conheço e já joguei. Compromisso com a credibilidade jornalística, sabem como é.

Adaptações Boas

As adaptações boas são bastante raras. Só consegui lembrar de umas poucas adaptações inquestionavelmente boas:

Silent Hill
Dos games para o filme: O clima de horror e paranóia constante foi levado de forma íntegra para o filme. Não foi sucesso de público nem de crítica, mas é, inquestionavelmente, Silent Hill.

Lord of the Rings
Dos livros para os games: nunca deu muito certo. Sério, só saiu bomba. Nem procurem.
Dos livros para o cinema e então para os games: Aqui ficou bom. A série Battle for Middle Earth rendeu um dos melhores jogos de estratégia disponíveis até hoje.

Lego
Dos brinquedos para os games: ESPETACULAR, uma das misturas mais improváveis e que mais deu certo em forma de paródia de Star Wars e Indiana Jones. Não deu tão certo no lance do Bionicle Heroes, mas esse dá pra esquecer.

Dune
Dos livros para os games: fundou a era de ouro dos jogos de estratégia, e os ecos da série Dune são ouvidos até hoje nos jogos de estratégia. Méritos extras por vir direto dos livros para se tornar um jogo.

Final Fantasy

Caralho, a parada saiu em Blu-ray

Dos games para o cinema: Gerou duas animações complexas demais para as massas (The Spirits Within e Advent Children), que requerem um certo conhecimento prévio da série de jogos. Mesmo sendo pouco acessíveis, ainda assim são espetaculares e demonstram o poder criativo e gráfico dos estúdios da Square. Pau-a-pau com a Blizzard no quesito excelência em tudo que faz.

Dos games para os animes: Assisti dois (Unlimited e Legend of the Crystals) e paguei pau para os animes. Novamente, parece que fazem mais sentido para o público que acompanha a série, mas o fato de existir esse pré-requisito não torna o material ruim.

Outro ponto que contribui para que Final Fantasy dê certo é a riqueza do universo da série; os enredos dos rpg’s já foram para todos os lados possíveis, desde passado medieval, mágico e cyberpunk, até o futuro… medieval, mágico e cyberpunk. Também ajuda muito o fato da série ter uma legião de fãs, principalmente no Japão. O público cativo dá força a qualquer produto que saia dentro do universo Final Fantasy.

Finalmente, ponto para a Square por não vender os direitos de tudo que se relaciona á série, e mantém mão-de-ferro no controle do uso da marca. Creio que isso contribui enormemente para a manutenção da qualidade dos produtos finais.

Adaptações ruins, porém boas

Sim, ruins mas boas ao mesmo tempo. São aquelas adaptações que não são muito fiéis ao universo original, ou então sempre parece ter alguma coisa errada. Mas, no fim das contas, você acaba se divertindo com a porcaria.

Yu-Gi-Oh!
Do anime para os games: O anime é ruim pra cacete, então nem teria como render algo bom. Surpreendentemente, o bagulho funciona muito bem como um jogo de cartas eletrônico, talvez o melhor desde Magic: the Gathering. Mas não espere por nada além disso.

Alien/Predator
Dos filmes para os games: O apelo dos monstrengos sempre foi enorme para o público gamer, e já renderam uma porção de jogos. Prefiro lembrar dos jogos bons como Alien 3, do Super Nes e o arcade de Alien Vs. Predator (Crássico total, procure nos emuladores de placas Capcom)

Matrix
Dos filmes para os games: Joguei o Enter the Matrix, no PC, e lembro que a parada captou muito bem o clima do filme. Na época também fazia parte de toda uma série de produtos que visavam expandir o universo Matrix. Meio ambicioso demais, mas até que funcionou. Não se segurava só como um jogo, entretanto.

Pokémon
Dos games para o anime e do anime para os games: Taí um caso de jogo e anime meia-boca que dão certo em conjunto. Os dois são repetitivos pra cacete, o tempo todo, e não despontam em nenhum quesito além desse. Mas não dá pra negar que é viciante e que funcionam como uma franquia poderosa. Briga de galo pra crianças.

X-Men
Dos quadrinhos para os games: Ah, saudosa época do super nintendo onde cada jogo com X-Men que saía era uma merda lancinante. As coisas só melhoraram com X-Men vs. Street Fighter e X-Men Legends. Aparentemente faltava tecnologia para conseguir dar personalidade a cada um dos mutantes.

Star Wars
Dos filmes para os games: sempre se calcando na força da franquia e na legião de fãs nerds, gerou vários jogos meia-boca, como os do Super Nintendo. Melhorou um pouco com Knights of the Old Republic mas assim, assim.Vamos ver se a coisa finalmente engrena com The Force Unleashed.

Resident Evil
Dos games para o cinema: Amado e odiado ao mesmo tempo. O primeiro filme foi do caralho, mas daí em diante foi degringolando até chegar na bosta total que foi o último filme, Hora de parar com essa merda.

Doom

Chutando bundas no filme

Dos games para o cinema: ESPETACULAR adaptação com The Rock. “Doom” ficou tão ruim que ficou bom. Captou com maestria o espírito trash da sangrenta série o que faz com que seja uma das melhores e mais fiéis adaptações já vistas de uma mídia para outra.

Destaque para a excelente seqüência final, filmada em primeira pessoa, para emular fielmente o que acontecia nos jogos. História fraca, atuações risíveis, monstros bisonhos e sangue pra caralho. Não tem como achar ruim. Quer dizer, tem: bom de tão ruim.

Na próxima semana continuaremos com o estudo das adaptações, abordando os experimentos que deram totalmente errado e fazendo um exercício criativo de pensar em quais jogos DEVERIAM ser adaptados imediatamente para outras mídias. Caralho, a gente tem que ensinar tudo pra esses caras.

Sinopse oficial de Star Wars – The Clone Wars é divulgada!

Cinema quinta-feira, 10 de julho de 2008 – 0 comentários

Devidamente copiada do Omelete:

A galáxia é consumida pelas Guerras Clônicas, uma gigantesca guerra civil que entrincheirou os malvados Separatistas e seus exércitos andróides contra a República e seus protetores, os Jedis. Para ganhar uma vantagem no crescente conflito, o Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker e sua aprendiz Padawan Ahsoka Tano são enviados em uma missão com vastas consequências, uma que os coloca face a face com o notório lorde do crime Jabba, o Hutt. Adicionando mais ameaças que aguardam os dois em Tatooine, Anakin e Ahsoka são perseguidos por Conde Dookan e seus sinistros asseclas – incluindo a misteriosa Asajj Ventress -, que não vão parar até que os Jedis tenham sido derrotados. Enquanto isso, na frente de batalha, Obi-Wan Kenobi e Mestre Yoda lideram as forças clônicas em um esforço para resistir ás forças do Lado Negro…

A animação se situa entre os filmes Episódio II e Episódio III, e deve estrear por aqui no dia 15 de agosto.

Veja um vídeo “por trás das câmeras” de Star Wars: Clone Wars

Cinema terça-feira, 08 de julho de 2008 – 0 comentários

Pra você que não tá sabendo de nada, a animação não será uma continuação: O enredo tratará o nascimento de Dath Vader, entre os filmes Episódio II e Episódio III. O longa deve estrear por aqui no dia 29 de agosto.

Confira o pôster de Star Wars: The Clone Wars

Cinema quinta-feira, 08 de maio de 2008 – 0 comentários

Pra você que não tá sabendo de nada, a animação não será uma continuação: O enredo tratará o nascimento de Dath Vader, entre os filmes Episódio II e Episódio III. O longa deve estrear por aqui no dia 29 de agosto. Se liga no trailer:

Ofertas: DVD’s da série Star Wars, Bonecos dos personagens da série Star Wars

Jumper (Jumper)

Cinema quinta-feira, 27 de março de 2008 – 5 comentários

Jumper. nome interessante. pelo menos foi o que achei da primeira vez que o ouvi. O tempo passou, a data da estréia mudou, e o que eu deveria ter conferido em fevereiro só chegou aos cinemas um mês depois. Até aí tudo bem, sou acostumado a esperar, tenho bastante prática com isso. E agora que o filme estreou, só me vem UMA palavra em minha mente: “Piloto”.

Antes que eu comece a dar minha opinião ao filme, vamos a alguns fatos dele. David Rice, o personagem principal do filme é um cara normal, até que por um motivo besta ele consegue ativar seus poderes de Jumper, algo que ele nem tinha idéia do que era. Depois de alguns testes, ele faz a coisa certa: Sai de casa aos 15 anos de idade e vai pra cidade grande arranjar dinheiro.

Chega o tempo de historinhas, tão normal nesses filmes. Ele treinando seu poder e dando umas voltas pelo mundo, e nisso se passam 8 anos. Numa visita a Londres um cara o observa, e os problemas que ele tinha arranjado na época que descobriu seu poder começam a ter mais atenção do que ele pensava. Tem umas cenas só pra dar um clima de romance a história, ele vai pra roma, e lá o cara que o observava em Londres aparece novamente, e junto com ele os Paladinos, que é como se chamam os caras maus, ou os bonzinhos, depende de seu ponto de vista. Rola uma briga, e David acaba aprendendo umas coisas e arranjando mais problemas. O problema no caso é uma pequena disputa entre Jumpers e Paladinos, que caçam uns aos outros desde os tempos passados. Só por isso, você pode ter uma boa idéia da história, então vamos a outros fatos desse filme.
O elenco é algo bem escolhido. Hayden Christensen (o Anakin de Star Wars) é quem interpreta David, cumprindo muito bem seu papel, apesar de que em algumas cenas ele fica olhando meio perdido pelas paredes, coisa muito estranha. A desconhecida Rachel Bilson (não me lembrode nenhum papel dela) está lá só pra o filme ter desculpas pra mostrar uns peitos, não que esteja reclamando, é claro. E agora, vamos falar de Samuel L. Jackson.

Na pele do agente Rowland, um dos Paladinos que parece ser o chefe, ele caça os outros com mais vontade. as cenas que ele aparece sempre são legais, menos a do final, que ele dá um sorrisinho do estilo “safadeeeenho” que foi muito tosca. O elenco tem muitos outros personagens importantes, como o pai e a mãe de David, o outro Jumper chamado Griffin, e mais uns que não me recordo agora.
Ah sim, voltando ao começo do texto, na parte do porque me veio a cabeça a palavra “Piloto”. Simples, o filme parece que foi amarrado pra ser um episódio piloto de série. A maneira que a história é contada, os fatos desconexos e o final em aberto colaboraram muito pra que eu ficasse com essa impressão. Se o filme é bom? É sim, mas não é nada daqueles que você sair pensando da sessão, relembrando das cenas e de momentos marcantes. É recomendado, mas se não puder ver no cinema, pegue quando chegar em DVD, pode ser que os extras melhorem tudo.

Jumper

Jumper (88 minutos – aventura, ficção)
Lançamento: 28/03/08 (Brasil)
Direção: Doug Liman
Roteiro: David S. Goyer, Jim Uhls, Simon Kinberg, Steven Gould
Elenco: Hayden Christensen, Samuel L. Jackson, Diane Lane, Jamie Bell, Rachel Bilson, Michael Rooker, AnnaSophia Robb, entre outros

confira

quem?

baconfrito