Sobre o American Idol

Televisão terça-feira, 28 de maio de 2013 – 0 comentários

Eu não vi a primeira edição de American Idol. Confissão feita, agora posso dizer sossegada que não acompanho o programa desde seu nascimento na televisão mundial, mas tenho apreço pelo mesmo. Foi lá pela quinta edição, em 2006, que eu comecei a tomar gosto pelo programa que, até então, me fazia rir com tanta gente bizarra e sem noção cantando e, após o freak show inicial, comecei a ficar encantada com as performances de Katharine McPhee, vice campeã do reality, tendo perdido para o cômico – porém talentoso- Taylor Hicks. Mas não é disso que quero falar.

 continue lendo »

Qual o segredo dos Realitys Shows

Sit.Com terça-feira, 24 de fevereiro de 2009 – 5 comentários

Numa temporada marcada pela crise em audiência da maioria das séries televisivas, é curioso observar que os principais realitys shows da tevê americana não tiveram este problema. Cada canal americano tem seu reality principal, normalmente com grande audiência, isto quando não são as principais audiências do canal. Qual o segredo do sucesso dos programas? Não saberia dizer ao certo. Talvez competição, curiosidade, emoção e prêmios ou um mix de tudo isto. Os 15 minutos de fama de pessoas “normais” têm durado muito mais do que se previa há uns 10 anos atrás, quando começaram a explodir programas deste gênero. continue lendo »

Fenômeno da Temporada: Queda Geral de Audiência

Sit.Com terça-feira, 06 de maio de 2008 – 1 comentário

A temporada 2007/08 das séries americanas entrará para a história como uma das temporadas mais turbulentas em termos de programação e de audiência. O que chama mais minha atenção ainda, é que tanto a qualidade das séries como a audiência vinha numa crescente desde os últimos cinco anos com a explosão de séries policiais (C.S.I. e sua franquia), de séries dramédias (Grey’s Anatomy e Desperate Housewives), um fenômeno de mídia (Lost) e de reality shows (American Idol e Dancing with the Stars).

Maior audiência entre as séries

No entanto, se os canais já se consideravam prejudicados pela – interminável – greve dos roteiristas, a questão se complicou ainda mais quando se observou (atráves de índices de audiência) que com a volta da exibição de episódios inéditos a partir de abril a maioria das séries perdeu uma parcela de audiência considerável.

Exemplo disso: séries como C.S.I. que tinham de 22 á 25 milhões de espectadores por episódio viram seus números despencarem para os atuais 18, no máximo, 20 milhões de espectadores a cada semana. Mas isto não aconteceu somente com as séries, o grande líder da audiência americana, American Idol, rendia na temporada passada facilmente de 27 á 30 milhões de audiência, teve que se contentar com seus atuais 22 á 25 milhões.

Será que a fórmula já se esgotou?

Parece que a greve dos roteiristas fez o espectador habitual perder o costume de acompanhar suas séries durante a semana (o que se justifica já que os episódios inéditos ficaram sendo exibidos aos poucos em alguns casos). Além disso, cada vez mais os americanos têm acesso ao sistema TiVo (de gravar simultaneamente os programas enquanto se assiste a outros) e os já famosos downloads, através da internet. Todos estes fatores podem ser apontados – juntamente com a qualidade atual das séries – como indicativo desta queda geral de audiência.

Outro fenômeno no mínimo curioso desta temporada é que nenhuma série estreante conseguiu chamar a atenção suficiente do grande público. Exemplos como Pushing Daisies, queridinho da mídia (e meu também) e da sitcom Samantha Who (que somente conseguiu algum destaque graças a sua exibição após Dancing with the Stars, lhe entregando uma audiência enorme mas, sem o reality lhe precedendo, a audiência da série despencou), são casos isolados, as demais séries parecem ter passado em branco este ano.

Minha série estreante favorita

No entanto, os diretores dos canais não parecem muito preocupados com isto, pois a atual situação não deve ser contornada tão cedo. Em virtude da greve, uma grande maioria das séries já havia sido renovada antes mesmo do fim da mesma, portanto, teremos poucas estréias no próxima temporada. Claro que com um aumento de marketing (atraindo os espectadores novamente) e uma ajuda extra dos roteiristas este painel pode se modificar. As perguntas que “não querem calar”: quando isto acontecerá? E de que maneira atrair espectadores que perderam interesse em séries já conhecidas do mesmo?

busca

confira

quem?

baconfrito