Snoopy e Charlie Brown: Peanuts, O Filme (The Peanuts Movie)

Cinema quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

 Charlie Brown, Snoopy, Lucy, Linus e todo o resto da amada turma do Snoopy, chega ao cinema de uma forma como nunca foram vistos antes, como animação 3D. Snoopy, o beagle mais amado do mundo – e claro, piloto – embarca em sua maior missão até hoje, quando ele alcança o céu atrás de seu arqui-inimigo, o Barão Vermelho, enquanto seu melhor amigo, Charlie Brown, inicia a sua própria missão épica. Da imaginação de Charles M. Schulz e dos criadores da saga A Era do Gelo, Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme vai provar que todo azarado tem seu dia de sorte.

Minduim provavelmente é a tirinha mais famosa do mundo, tanto pela quantidade gigantesca de merchandising quanto porque todos os personagens principais são facilmente reconhecidos ao redor do mundo. Charles Schulz morreu em 2000, e desde 2010 pertence à Peanuts Worldwide, uma empresa parcialmente da família Shulz… Tem coisas que deveriam acabar neste mundo, e essa coisa de familiar/associado/empresário/dono de direito autoral é uma delas.

Snoopy e Charlie Brown: Peanuts, O Filme faz meio que um serviço de tentar resgatar a história e os personagens da tirinha pros dias de hoje: Apesar de o filme seguir a história que segue, há vários pequenos momentos dedicados à apresentar cada personagem e suas manias, características e algumas das piadas mais comuns da obra. É algo meio esquisito de se ver na prática, mas que faz sentido considerando que Peanuts não é mais tão popular com a criançada quanto foi antes: O filme tem essa tarefa de apresentar seus personagens e características prum público que conhece muito pouco da obra (Afinal, é uma animação 3D e a pirralhada é sim o público alvo desse tipo de filme), mas ao mesmo tempo não é um filme pra quem não conhece Snoopy ou Charlie Brown.

É um amigo do papai, filho.

A história do filme parte, portanto, do começo: A Garotinha Ruiva se muda pra cidade, o Snoopy encontra a máquina de escrever, o Barão Vermelho faz sua primeira aparição… A sensação geral é tipo quando algum amigo seu te apresenta pra alguém que você já conhece, mas nenhum dos dois fala nada. A história é completamente linear, retratando quase um ano inteiro, e a sensação que passa é que cada cena é uma tira dos quadrinhos: Fim de cena, a continuação só no jornal de amanhã. Não que o filme seja parado, e em nenhum momento é chato, mas se você espera algum clímax (Ou mesmo um anticlímax), pode esquecer, assistir o filme é tipo ler uma livro-coletânea das tirinhas que saíram no jornal.

Os personagens e a situações são todas as que todo mundo já conhece. Lucy, Chiqueirinho, Schroeder, Patty Pimentinha, Linus, Sally, Marcie, Patty e todo o resto estão lá, do mesmo jeito que se era de esperar de cada um. A real é que este filme não é de modo algum uma releitura do resto da obra, muito pelo contrário: É exatamente tudo que já se sabe sobre a mesma, só que no cinema, com um visual diferente.

Aliás, o visual é incrível: Ao mesmo tempo em que transpõe pro 3D algo que sempre foi 2D, consegue manter o estilo e vejam só que babaca: a essência dos quadrinhos. Em nenhum momento o visual do filme destoa do que todo mundo já conhece, mesmo as partes ligeiramente menos estilizadas com o Barão Vermelho. O filme também faz um excelente trabalho de mesclar os momentos “comuns” da animação, com os personagens andando ou conversando, por exemplo, com os mais “absurdos” como o Snoopy dançando. O filme também conta com algumas sequências em animação 2D, tanto uma referência aos quadrinhos quanto às animações tradicionais da mesma.

Voltando um pouco pra questão do “todo mundo já conhece”, absolutamente todas as piadas, cenas e momentos costumeiros da tirinha estão no filme, seja repetidas vezes, seja só uma, pra não deixar nenhum fã chateadinho. Aliás, o filme tem várias cenas pós-crédito, então não pare de assistir até o fim do fim mesmo. De novo, não é nada que você não conheça, mas faz parte do que Peanuts é.

A trilha sonora me surpreendeu um pouco, nem tanto pelas músicas em si, mas sim porque acabaram por preferir a música da Meghan Trainor como tema principal ao invés da do Flo Rida, que inclusive foi a que apareceu em todas os trailers, mas no filme mesmo só rola uma vez. Alguém poderia argumentar que esse tanto de música pop sem peso não combina muito com Minduim, mas a verdade é que o filme, apesar de tudo que sai errado pro Charlie Brown, não é um filme melancólico, muito pelo contrário, o fim do filme não é apenas otimista como acaba tudo dando certo. Literalmente dando certo.

Eu assisti legendado, então não posso falar da dublagem, mas do original ao menos eu gostei… Só não deve ser uma boa ideia assistir as outras tantas animações em seguida do filme. Vale ressaltar que a dublagem do Snoopy e do Woodstock foi feita através de gravações do já falecido Bill Melendez (Até onde sei, não redublaram ambos no Brasil), então bem, são os personagens da forma que já conhecemos.

Já que eu falei dos dois, fica também mais uma observação: O Snoopy tem uma grande parte do filme, quase tão grande quanto à do próprio Charlie Brown, e seria interessante que este tempo tivesse sido menor… Não que seja chato, mas beira aquela coisa do excesso. O Woodstock, por outro lado, meu personagem favorito dos quadrinhos, tem relativamente pouco espaço e eu gostaria de ter visto um pouco mais dele no filme.

O filme é de produção da Fox, mas especificamente da Blue Sky Studios, responsável por Era do Gelo e Rio, e está facilmente entre os melhores que eles já fizeram ao lado do primeiro Era do Gelo e Robôs, e considerando os últimos (Era do Gelo 4, O Reino Perdido e Rio 2), uma melhora e tanto.

O filme foi dirigido pelo Steve Martino (Que dirigiu o último Era do Gelo e Horton e o Mundo dos Quem – O primeiro, um lixo, o segundo divertido, porém sem nada de mais) e cara, eu sinceramente não sei se esse cara faz alguma coisa. Porque não tem nada em nenhum dos filmes dele que indiquem que ele fez alguma diferença. Ainda mais, em Peanuts, considerando que os produtores também foram os roteiristas do filme, Craig Schulz e Bryan Schulz, filho e neto do Charles, junto do Cornelius Uliano (Produtor, diretor e roteiristas de alguns curtas): Eu não sei o quanto deste filme estava realmente nas mãos do diretor… A Fox já declarou que gostaria de fazer uma continuação pro filme, mas aparentemente a família do Schulz não quer… No mínimo meio questionável essa história aí.

Não vou mentir, eu esperava bastante deste filme… Eu esperava alguma emoção ao assistí-lo, que algo além do usual acontecesse na história, mas não acontece. É um filme divertido, é bem feito e faz um bom trabalho na adaptação das tirinhas pro 3D, mas é isso: O filme é mais competente que entretenedor (Essa palavra existe?). Se você quer se lembrar das tirinhas, dos especiais de natal ou qualquer outra coisa do tipo, vá fundo, só não espere ver nada além do que você já viu. O filme cumpre seu trabalho: Levar a obra de Schulz prum estilo mais moderno, mais próximo do público atual, mas só isso.

Snoopy e Charlie Brown: Peanuts, O Filme

The Peanuts Movie (88 minutos – Animação)
Lançamento: EUA, 2015
Direção: Steve Martino
Roteiro: Craig Schulz, Bryan Schulz e Cornelius Uliano (Baseado na Obra de Charles Schulz)
Elenco: Noah Schnapp, Bill Melendez, Francesca Capaldi, Hadley Belle, AJ Teece, Noah Johnston, Venus Schultheis, Alexander Garfin, Mariel Sheets, Rebecca Bloom, William Alexander Wunsch, Anastasia Bredikhina e Madisyn Shipman

Leia mais em: , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito