Paranóia com livros

Analfabetismo Funcional segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Na semana passada, falei sobre curiosos que ficam se acotovelando a volta de pessoas que carregam livros, tentando descobrir o que estão a ler, essas coisas. Mas esqueci de falar uma coisa: a melhor maneira de conseguir o título de um livro. Se for uma garota, pergunte a ela. Certa vez conheci uma garota que estava lendo um livro chamado Charlotte, que era muito legal e saí com ela algumas vezes. Infelizmente só lembro do nome do livro, o dela não. Se for um homem… bom, sei lá, nunca perguntei pra um cara o que ele estava lendo. Esbarre nele até que derrube o livro, ou pegue ele e saia correndo.
Mas essa semana falarei sobre paranóia com livros. Eu diria que trato os meus de uma maneira um pouco incomum, mas não de maneira tão estranha quanto alguns conhecidos meus e algumas histórias que ouvi por aí, algumas dessas que irei falar por aqui.
Primeiro de tudo, vamos a minha paranóia. Tudo começa na hora de comprar eles. Logo na livraria, não aceito ajuda de ninguém, desde o dia que ouvi um atendente falando que o livro do Senhor dos Anéis era baseado no filme. Normalmente já chego lá sabendo o título que quero, então é só questão de procurar. Quando finalmente acho, pego uns 4 ou 5 volumes iguais, e observo alguns detalhes: As bordas, para ver se estão limpas; se tem alguma dobra de erro de corte na páginas; se as folhas estão todas do mesmo tamanho; se a costura de cada volume está bem feita; se há cola entre algumas páginas, algo que dificulta a abertura e pode rasgar se forçar demais; essas coisas que quase ninguém percebe. Dependendo do título que quero, demoro em média 20 minutos só nesse processo. As vezes cheiro as páginas para ver se tem um cheiro bom, mas só as vezes. Quando vou ao caixa, faço um pequeno saque na parte de marcadores de livros, pegando o máximo possível para adicionar a minha coleção, que já conta com mais de 80 diferentes, sem contar os que estão no meio dos livros.
Durante a leitura não os abro muito pra não forçar o miolo das páginas, para que a cola não arrebente e para que o volume não fique torto. E quando finalmente chega o momento de colocar ele na prateleira, ele está quase da mesma maneira que saiu da loja, praticamente novo.
Mas isso não é tão estranho assim. Perto de outros, isso é coisa pequena. Já vi gente lambendo as bordas, para ver se as páginas estavam alinhadas EXATAMENTE. Já presenciei uma discussão em uma loja entre um senhor que estava com 6 livros a seu lado, todos iguais, e conferia página por página para ver se tinha letras apagadas e, como ainda não tinha achado nenhum de seu agrado, discutia com o vendedor para trazer mais volumes para que ele analisasse. Um vizinho meu, quando chegou sua primeira edição de Harry Potter e o Cálice de Fogo importada, vi ele colocar o livro em um pacote lacrado e esperar meses até que saísse a versão traduzida do livro, porque não queria estragar o que ele chamava de raridade.
É, eu conheço gente estranha. Para conservar os livros, eu pelo menos uma vez por ano abro todos eles e os folheio para que as páginas não grudem, algo que tenho medo que aconteça. Demora em média umas 6 horas para fazer isso com todos, mas vale a pena, pois quando termino a prateleira fica totalmente diferente. Sobre a maneira de arrumar, não existe uma exata. Eu coloco os livros de uma maneira que eu ache que fique interessante para quem for ver, nada de ordem de altura ou editora, tem que ficar numa ordem que pareça interessante. No momento, está alternada entre livros em pé e deitados. mas pelo que vi nos comentários dessas colunas logo no começo, tem gente que joga todos os livros em um sofá, embaixo da cama, na geladeira e em lugares muito ridículos. Meu sonho é ter um quarto como o da Yomiko Readman, protagonista de Read Or Die e estou chegando perto disso, já.
Enfim, só pra finalizar, só um aviso simples, mas nada importante: Se sua paranóia, sua vontade de proteger seus livros ou qualquer outro objeto inanimado for superior a alguma coisa real, procure um médico. Loucura por livros não é algo bom, e posso garantir que deixa seus bolsos vazios, sem dinheiro pra mais nada…

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Ches

    Caraca!
    Quando compro meus livros
    só do uma foleada para ver se não tem paginas
    grudadas!
    Mas cara..Lamber é fogo!

    o_ó

  • Pizurk

    Eu acho muito estranho essa gente que compra as coisas pra não usar…
    Porra, é igual aqueles malucos que compram um Dodge Viper e deixam na garagem, qual a graça? Tem que fazer o bicho ir comer asfalto!
    Livros, idem
    Peguei o primeiro volume de Musashi emprestado, devorei, e tou querendo comprar os dois volumes pra mim, e pretendo emprestar pro máximo de pessoas possivel, pra ler aquela maravilha [Apesar de ser um folhetim compilado em forma de livro, é muito bom, na minha opinião]

  • Gosto de livros, sempre tenho uns 4 ou mais pra ler, mas sem paranóia. Ruim gostar de certas coisas, como você disse faz a gente gastar dinheiro.

  • Nunca fui muito obssecada com a aparência dos meus livros não, só olho se não está muito feio na hora de comprar, dou aquela folheada geral e pronto. Fora que ultimamente estou comprando mais pocket books para não gastar tanto dinheiro, então como a qualidade do livro já é meio ruim…
    Tenho uns amigos que agem dessa forma que você descreveu com quadrinhos… o foda é que aí você quer presentear com aquele quadrinho/livro que você SABE que o sujeito quer, mas tem medo de ter algum arranhado que você não viu e o cara ficar doido…

  • Leonardo

    Eu tenho algumas manias com livros… mas não chego a tanto… eu gosto mesmo de comprar livros em sebos, porque eu gosto da idéia da informação compartilhada, mas não sou muito de comprar livro bagacento, a não ser raridades…

    @Pizurk -> Compra sim!! Eu li os dois volumes e te digo, mais que um romance de samurai, é uma aula de geografia e história do japão feudal. ótima leitura… agora que já li estou comprando os quadrinhos do Vaganbond, essa edição de luxo. ótimo pra complementar visualmente o que li no livro.

  • Leonardo

    Corrigindo: Vaganbond == Vagabond… maldito teclado… heheheheh

  • Grivu

    Nooormalmente eu só garanto que todos eles estejam em perfeita condição e nos devidos lugares(aqui na minha casa/estúdio é onde eu e o pessoal fazemos a maior parte do trabalho, e consulta de livros geralmente é essencial e são muitos, por isso a necessidade de posições marcadas), mas em determinados casos, como a coleção de luxo do Sandman, eu tenho até medo de encostar no livro, para não ”gastar”. Yep, eu tenho um problema =(((

  • Achei que era só eu que ficava analisando as bordas, e os tamanhos das páginas antes de comprar um livro. Aliás, eu faço isso com revistas em quadrinhos também. Estaria eu num estágio avançado da doença?

    Muito boa a coluna!

    P.S.: O que você falou pro cara que disse que o livro do Senhor dos Anéis era baseado no filme?

  • bia

    no máximo eu olho a capa pra ver se não está amassada.
    e mesmo assim, depois que eu leio, ela fica toda amassada.

    sem nóia.
    o importante é o conteudo do livro.

  • Eu já cheguei ao ponto de comprar 2 volumes iguais, um pra ler e outro pra guardar. E já desfiz amizade com gente que devolveu o livro com orelha.

  • Regina

    Não sou paranóica. Devia ser. Guardo até hoje meu livro esquartejado por alguma alma maligna que até hoje não consegui achar para expurgar do mundo a chutes do meio do *.

    E concordo, livros te deixam sem dinheiro pra NADA. Eca.

busca

confira

quem?

baconfrito