Os Irmãos Cara-de-Pau (The Blues Brothers)

Bogart é TANGA! domingo, 04 de abril de 2010

Um ladrãozinho de 5ª categoria sai da prisão e, junto com seu irmão, descobre que o orfanato em que se criaram está pra ser fechado por conta de impostos atrasados. Decidem reunir sua banda de blues pra fazer um último grande show pra levantar a grana necessária. Pronto. O enredo é esse aí. Bem simples, né? Mas adicione os Johns Belushi e Landis; blues e rock’n roll; perseguições em alta velocidade (MUITAS perseguições em alta velocidade); blues e rock’n roll; Ray Charles, John Lee Hooker, James Brown e Aretha Franklin; blues e rock’n roll; Steven Spielberg atuando (!!!) e mais blues e rock’n roll e você terá umas das mais geniais comédias do cinema.

John Landis é foda. Sinto raiva quando vejo pessoas como ele. Sinto que, não importa o que eu faça na vida, nunca serei foda como ele. Existem três coisas que John Landis escreveu e dirigiu, que eu morreria feliz se tivesse feito: Um Lobisomem Americano em Londres, o clipe do Miguel Jáqueson Michael Jackson, Thriller e Os Irmãos Cara-de-Pau. Pronto. Três dessas merdas no currículo já me bastavam.

Lobisomem Americano… é foda porque, bom, porque é foda. O melhor filme de lobisomem da história (Alguém discorda?). Thriller é foda porque, bom, porque é foda. Simples. Agora, dizer porque Os Irmãos Cara de Pau (Ou simplesmente The Blues Brothers) é foda, vai ser a tarefa a que vou me propor agora. E vou me esforçar em deixar em algo legível, porque poderia escrever um livro dizendo tudo o que essa obra-prima tem de genial.

The BB foi escrito por Dan Aykroyd (Que também atua no filme, como o Blues Brother mais novo, Elwood Blues), em parceria com o próprio John Landis. Num desses maravilhosos acontecimentos do destino, The Blues Brothers é um daqueles roteiros perfeitos: Uma boa trama, uma idéia original e que consegue mesclar perfeitamente diversos tipos de gênero como comédia, musical e ação.

Mas pra parar de enrolação, o filme começa com John Belushi (Me pergunto, o que essa fera não teria aprontado mais se não tivesse morrido…) saindo da prisão, na condicional, depois de ter passado três anos na prisão de Joliet, que agora passa a ser incorporada em seu nome: ‘Joliet’ Jake Blues. Quem o aguarda do lado de fora é seu irmão mais novo: Elwood Blues. Um diálogo absurdamente engraçado sobre a razão de Elwood buscar Jake no presídio com um carro de polícia usado, trocado por um microfone, é o que dá o empurrão pro filme começar.

Depois de Jake e Elwood descobrirem que o orfanato em que foram criados está pra ser fechado por conta de cinco mil dólares em impostos não pagos e após a madre-superiora repudiar a quantia oferecida pelos dois (Adquirida de maneira não-convencional), os Blues Brothers são enviados a uma igreja onde o Revendo é nada mais nada menos que James Brown. E só ele pra dar a “iluminação divina” à Jake de como conseguir o dinheiro: juntar novamente a antiga banda e fazer um único show para levantar esse dinheiro.

 We’re on a mission from God

Perseguições; MUITA DESTRUIÇÃO; músicas interpretadas pela banda e por grandes nomes da Motown; nazistas; uma antiga namorada de Jake com crise de ciúmes e muitas armas à disposição (No caso, a atriz Carrie Fischer fazendo outra coisa além da Princesa Léia) é o que se segue nos fantásticos 100 minutos restantes de filme. Tem até uma ponta de Steven Spielberg perto do final, como um funcionário da Prefeitura, encarregado de receber o dinheiro dos impostos. O filme tem tantas gags, tantas cenas boas, que não adianta ficar tentando dizer pra vocês o quão bom é filme. ELE É MUITO BOM. Ponto.

Vale lembrar que Os Blues Brothers são uma criação de John Belushi para o Saturday Night Live, talvez o maior celeiro de humor de qualidade dos EUA. Ah, outra coisa, além do disco da trilha-sonora para o filme, Os Blues Brothers gravaram diversos outros discos, além de coletâneas com músicas cantadas por eles para o SNL e em shows pelos EUA.

E não, não vou nem comentar o título em português muito menos a continuação: Os Irmãos Cara-de-Pau 2000. Nem fodendo.

Os Irmãos Cara-de-Pau

The Blues Brothers (133 minutos – Comédia)
Lançamento: EUA, 1980
Direção: John Landis
Roteiro: Dan Aykroyd e John Landis
Elenco: John Belushi, Dan Aykroyd, James Brown, Cab Calloway, Ray Charles, Aretha Franklin, Carrie Fisher, John Candy, Frank Oz e Steven Spielberg.

Leia mais em: , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Bom, eu não tenho muito o que comentar sobre esse filme, porque eu sou viciada nele.
    As músicas também, eu nem falo. Descobri o meu lado Blues com esses carinhas.
    É como você disse, “os caras são fodaaaa!”
    Mas eu juro que nem em um milhão de anos acharia o Steven nesse meio. xD
    Muito boa a resenha, continua assim (babando os BB).

    p.s.: ou é o meu pc que tá com defeito ou é a equipe do blog que tá bem na preguiça, né? Quero saber quando alguém vai ter a CORAGEM de mudar o painel da equipe. Eu quero ver o harry aí. O ano já começou, tá? Carnaval passou faz tempo.

  • @Durango Tig
    Estagiário não tem direito à foto na área da equipe, cara. Só os mais aptos sobrevivem.

  • Pizurk

    Pelo que eu fiquei sabendo, estagiário num assume a NEW EMO assim que entra, não.
    Manda outra desculpa boa aí que eu respondo. ;)

  • Sim, outra coisa. Texto de estagiário num passa na revisão mais não, é? Não que eu me ligue muito a detalhes, nem que o mesmo tenha prejudicado a compreensão do texto, mas uma pessoa que tem o trabalho de “revisor” deveria ter uma atenção das boas, na hora da leitura:

    “Falando nisso, é um mal negócio levar sua mulher mulher pra um show indie, dependendo do tipo.”

    Tá foda, né, fio? Começa destruindo uma parte de teus clones…

  • @Durango Tig
    Esse trecho aí tá nesse meu texto?
    Então vá à merda e comente no próprio post de origem.

  • @Durango Tig
    Pera, cê tá dizendo que você, e não eu, decide o que os estagiários que eu contratei fazem ou deixam de fazer? Cê vai pagar a hospedagem também? Quem sabe cê vai escrever textos pra cá? Ah, pera, cê não teve nem capacidade de mandar uma tentativa. Mals ae.
    E essa história de “clone seu” já encheu o saco. Ou cê vira o disco, ou vou começar a barrar seus comentários. Assim como eu prezo pela qualidade dos textos do Bacon, prezo por uma qualidade mínima nos comentários também. E os seus não tão contribuindo em nada.

    Quanto à revisão: Cê vai contratar o Pasquale pra revisar pra gente? Opa, acho que também não, hein. E sério que isso ae prejudicou sua compreensão do texto? Porra, cê é burro pra caralho.

busca

confira

quem?

baconfrito