O Terror de Edgar Allan Poe

Livros sexta-feira, 13 de junho de 2008

Hoje, sexta feira 13, nada como arranjar algo que seja relacionado ao tema para combinar com esse dia, não é?
Eu pretendia escrever algo falando sobre os livros de Poe, mas quando vi que suas histórias estão sobre domínio público, não poderia perder essa chance de falar sobre as que mais gosto e que acho que combina mais com esse dia considerado maldito para alguns e apenas mais um dia para outros.
Mas isso não vem ao caso, pelo menos eu acho. Edgar Allan Poe foi um autor de diversos contos e poemas, muitos com o terror e o suspense como principal tempero para chamar a atenção de seus leitores, fascinados com seu estilo de narrativa que mesmo sem entrar em muitos detalhes, faz com que uma cena seja criada.
Mas mesmo sendo O CARA pra fazer histórias com finais surpreendentes e muitas vezes trágicos, muitos outros autores se inspiraram nelas para criar seus próprios personagens, como Conan Doyle, que se inspirou em Auguste Dupin e seu raciocínio analítico para criar seu mais conhecido personagem, Sherlock Holmes.
Eu poderia ficar escrevendo sobre Poe aqui por horas mas tenho certeza que vocês não leriam, então vamos a parte que interessa, que são as histórias que melhor podem representar o gênero escolhido para o dia de hoje. Já adianto que aí está o que eu considero o melhor, então, não me venham com essas de “noça kra, vossê eskçeu akela lá!“.
Vamos começar com uma história de 1843, intitulada O gato Preto. Nessa história, somos apresentados a um personagem que tem um grande amor por animais, em especial um gato preto chamado Plutão. Apesar de amar o animal, ele não tem controle sobre alguns impulsos que foram surgindo no decorrer dos anos, que pro fim acabam fazendo com que ele dê fim ao pobre animal. Pouco depois, surge outro gato idêntico ao que ele havia dado fim, que é adotado por ele. Logo depois disso, as coisas seguem um rumo muito surreal…
Nota do editor: O que acontece? Espetinho de gato? É NóIS. – théo
Bom, essa foi legal pra começar, mas se é pra ter uma amostra do que é terror, isso não é suficiente. Então vamos seguir em frente, agora com um conto que pode lembrar algum tipo de fábula, mas os elementos malignos estão lá. Esse conto é o chamado Hop-Frog ou Os Oito Orangotangos.
Um bobo da corte e um rei com seus ministros e uma festa a fantasia, todos fatores que isolados não dizem nada, mas que no controle da narrativa de Poe tomam um rumo muito diferente do que poderia ser imaginado por qualquer autor conhecido. Não falarei mais sobre esse conto, ele é bom demais pra ser estragado com o que eu poderia dizer.
Os poemas de Poe não são diferentes, trazendo toda a angustia e sofrimento característicos de seus contos. Dá uma olhada no conto O Corvo que ali você tem uma boa idéia do que estou tentando expressar.
É tão difícil tentar colocar o que eu acho de melhor dele por aqui, que prefiro deixar essa tarefa assim, incompleta. Cabe a cada um de vocês saber o que escolher dele, mas já adianto que seja lá qual for sua escolha, ela será perfeita, afinal, se estamos falando de Poe, tudo o que ele escreveu é digno de apreciação.
Mas mesmo assim, não posso deixar de citar outras histórias que merecem atenção, como O Poço e o Pêndulo e A Queda da Casa de Usher. Seria muita sacanagem minha não citar elas aqui e correr o risco de vocês acabarem as ignorando.
Espero que isso tenha ajudado vocês a terem uma pequena noção de como é o estilo dele, e que hoje, sexta feira 13 vocês sacrifiquem um bode vocês tenham um dia repleto de circunstâncias estranhas e fatos inexplicáveis.

Leia mais em: , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito