Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros

Cinema segunda-feira, 07 de novembro de 2011

Quando o assunto é blockbuster, logo me vem à mente a figura do cineasta Steven Spielberg. O cara é especialista em filmes-pipoca dos bão, sempre aliado à efeitos especiais de cair o queixo. Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros é mais um daqueles onde o cineasta mostra todo seu potencial de entretenimento, elevando ao máximo a experiência de assistir filmes de ficção e fantasia. Você pode até ter decorado a maioria das cenas de tanto ver os reprises no domingo à tarde, mas eu nunca vou enjoar de ver a cena de um T-Rex giga (Um robô animatrônico de 13 toneladas!) transformando um carro numa lata de sardinha. E vamos combinar que dá até pena de ver os documentários da BBC sobre a pré-história depois do efeito Jurassic Park nas nossas vidas – se aquilo lá é dinossauro, lata de lixo é Transformer.

O filme conta a história do bilionário John Hammond, um excêntrico idoso que idealiza (E constrói) parques temáticos. Sua mais nova empreitada, numa ilha da América Central, é um parque com dinossauros clonados à partir do DNA encontrado no interior de um mosquito pré-histórico, conservado dentro de âmbar. Preenchendo as falhas do DNA encontrado com os de uma perereca rã, os geneticistas do parque conseguem com sucesso recriar as mais diversas espécies de dinossauros. Tudo parecia ir muito bem, até uma das criaturas atacar um dos funcionários do parque. Preocupados, os investidores resolvem testar a viabilidade de abertura ao público, exigindo do bilionário um aval de quem manja do assunto. Assim, o Dr. Alan Grant e a Dra. Ellie Sattler, um paleontólogo e uma paleobotânica, são convidados à conhecer o paraíso pré-histórico e dar o veredicto sobre a salubridade do lugar.

 Gordo fazendo gordice.

Para a visita de estréia, além dos especialistas, estão presentes o advogado Donald Gennaro, o matemático Ian Malcolm e os netos de Hammond, Lex e Tim. Acontece que, durante o passeio, o programador do parque, Dennis Nedry, põe em ação um plano para contrabandear embriões de dinossauro numa transação milionária. O plano acaba resultando na queda geral do sistema, o que afeta diretamente o esquema de segurança do lugar. E agora preso dentro do parque numa tempestade torrencial, o grupo tem de se virar para sair ileso da ilha.

A história contém furos, viagens e coisas difíceis de engolir, mas ela fica bem maquiada com os incríveis robôs criados especialmente para o longa. Foram usados diversos bonecos animatrônicos, que recriaram com fidelidade os bichos pré-históricos. Um historiador foi contratado para inspecionar os efeitos especiais a fim de direcionar o trabalho para a máxima sensação de realidade. E porra, como conseguiram atingir o objetivo! Esqueça o fundo azul, os cabos apagados e animação gráfica. O cuidado especial com direito a pele, olhos e mucosas, tornou os bichos muito mais palpáveis.

Realmente não dá pra reclamar da parte técnica, tudo é muito bem feito. Os efeitos visuais, vencedores de Oscar, são excelentes; a trilha sonora é lendária e fecha completamente com o clima do longa, rolam também boas interpretações do elenco. Mas é inegável a aura surreal de certas cenas, sem falar nos personagens rasos, pouco desenvolvidos (Psicologicamente, que fique claro, até porque fisicamente todo mundo é capaz de bicudar um dinossauro, néan?). A impressão que dá é a de um filme que se preocupou muito em ser impressionante nos mínimos detalhes, mas esqueceu de aprofundar a história.

Juntando tudo, o resultado é bacana. Jurassic Park é entretenimento que empolga, enche os olhos e nos faz perguntar “como é que fizeram isso?”. E juro, isso basta. As falhas não chegam a comprometer as partes boas, mas também não elevam o longa à nota máxima. Porém, o filme é perfeito para aqueles dias brainless onde você não quer ter muito trabalho. Porque vamos combinar, assistir filme cabeça todo dia não rola. Então pega a pipoca, joga um pouquinho de Fondor e aproveita o passeio!

Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros

Jurassic Park (127 minutos – Aventura)
Lançamento: EUA, 1993
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Michael Crichton e David Koepp
Elenco: Sam Neill, Laura Dern, Jeff Goldblum,Richard Attenborough, Joseph Mazzello e Ariana Richards

Leia mais em: , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Ricardo G. Souza

    Esse filme merece um 10. Pra mim ele tem uma das melhores trilhas do cinema e também uma das melhores cenas, que é quando ele avistam o brontossauro pela primeira vez e a trilha sonora vai acompanhando a cena, chegando no seu ápice bem no momento em que o dinossauro cai no chão tremendo tudo. Casou perfeitamente, é lindão ver isso.

    To lendo o livro agora. Claro que não preciso soltar um cliche dizendo “o livro é melhor”, mas eu não consigo imaginar uma adaptação melhor, foi muito bem feita. 

  • Jade Zamarchi

    Puta cena linda mesmo! E bem, eu ainda não li o livro, mas já li um artigo pontuando as divergências básicas entre os dois. Menos mal é saber que o próprio autor foi quem adaptou a história pro cinema. Mas na minha opinião, Jurassic Park não merece 10. Dá pra traçar um paralelo com Avatar que também é indiscutível nos efeitos visuais, mas que nunca ganharia meu 10.

  • Loney

    Não, pera lá. Avatar é uma adaptação discarada de Pocahontas, Jurassic Park é uma história original, tem atuações melhores um diretor melhor. Comparar os dois é como comparar a banda original e a banda cover.
    Quanto ao livro, ninguém dá bica em dinossauro (tem até armas na história, vejam só!) e os personagens não são tão aprofundados mesmo, é mais dinossauro-dinossauro-dinossauro-dinossauro-ciência-dinossauro-dinossauro-ovo-dinossauro-dinossauro-dinossauro-resgate-dinossauro.

  • Loney

    dEscara.

  • Ricardo G. Souza

    exato. O livro foca muito em biogenética e ciência. Também tem um “mistério” no ar. O filme ficou mais uma aventura.
    Mas bosta, ainda não terminei haha

  • Jade Zamarchi

    Comparação no sentido história bosta + efeitos incríveis. Nesse aspecto os dois são parecidos e não merecem 10.

  • Jade Zamarchi

    Eu falei “bosta”? Ops. 

  • Loney

    Verdade, mas só um deles tem dinossauros, e dinossauros são INFINITAMENTE mais legais que ETs.

  • Ricardo G. Souza

    RAWWRR

  • ClaytonSlayer

    Qualquer coisa é mais legal que um smurf com problemas na glândula pituitária. E Alien, que tem uma mistura de ET com dinossauro? Isso sim é duca!

busca

confira

quem?

baconfrito