Janela Indiscreta (Rear Window)

Bogart é TANGA! quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2013

 Pois bem, tangas, estamos numa época em que muito se houve falar do titio Hitchcok, vide o filme com a Scarlett Johansson o Anthony Hopkins que está vindo por aí. E bem, eu ainda não vi a cinebiografia, mas já vi o que eu chamaria de imprescindível para quem pretende conhecer a arte desse fantástico diretor. Você já deve ter escutado algo sobre filmes clássicos dirigidos por ele, como Psicose, Os Pássaros e este que é objeto da resenha de hoje, Janela Indiscreta. O filme é assim, excelente! Mas merece uma análise atenciosa dos seus mais diversos e deliciosos aspectos, se a tentativa for fazer justiça ao trabalho realizado.

O filme conta a história de L. B. Jeffries, um fotógrafo que fraturou uma das pernas e tem que ficar recluso em seu apartamento enquanto se recupera. Recebendo visitas regulares de uma enfermeira e da cocota apaixonada (Grace Kelly), Jeffries começa a observar os vizinhos do condomínio pela janela, na intenção de livrar-se do tédio. Mas né, a gente sabe que na vida alheia a gente não mete a colher e não demora muito para que o fotógrafo testemunhe (Ou imagine) fatos que não deveriam ser vistos. Acontece que o cara vê a movimentação de um casal vizinho, onde misteriosamente a esposa desaparece após uma briga, e com a ajuda de sua noiva Lisa, começa a desenvolver uma grande versão para o desaparecimento da mulher.

E agora eu não sei nem por onde começar a babação de ovo. Sério. É tudo muito incrível e bem pensado. Pra se ter uma ideia não há nenhum momento onde eu possa dizer que achei o filme entediante ou datado, sabe como? A impressão é que estamos assistindo um ótimo filme de suspense, daqueles que você quer saber o que acontece no final. Na realidade, é refrescante ver como a parte técnica consegue atualizar o longa e como a discussão em torno da privacidade continua tão moderna.

Este, na verdade, é um dos pontos primordiais da obra: A privacidade e a linha tênue que divide a minha e a sua. A mulher O ser humano é um bicho naturalmente curioso, o que muitas vezes pode gerar situações inconvenientes oriundas da invasão da vida alheia. Até onde se deve ir? Até onde espionar alguém pode ser algo puramente ingênuo e insignificante? Até mesmo por que existe aquela máxima de que de perto ninguém é normal. E se você descobrir algo realmente perturbador? E mais: Já pensou na possibilidade de alguém estar dissecando a sua vida nesse exato momento? Julgando seus passos? O que você faria?

Pode até parecer piada falar em privacidade nesses tempos em que a era da internet joga na sua cara o que seus amigos comem no almoço e na janta (Valeu, Instagram!) ou como digerem isso, mas não dá pra ignorar o fato de que todos nós temos direito a preservação da intimidade. Constitucionalmente falando, o negócio é ainda mais profundo, já que faz parte das garantias fundamentais já previstas o direito a inviolabilidade do domicílio e da correspondência, por exemplo. Por essas e outras razões, acho genial a discussão, principalmente porque não há opinião unânime.

 Eu sei por que você quer olhar a vizinhança.

Mas além de toda essa discussão sociológica, o filme ganha pontos extras na parte técnica. Hitchcok é mesmo do caralho quando se trata de inovação. Assim como em Psicose, o diretor gravou cenas especiais em Janela Indiscreta (Presentes no final do longa), com câmeras em zooms pouco usados na época. A perspectiva inovadora é um ponto bacana e que deixa tudo mais ágil aos nossos olhos acostumados à dinâmica.

Cativa também o detalhe de que o filme todo se passa em apenas um local, o condomínio onde L. B. Jeffries mora. Nós acompanhamos tudo de camarote, mas sem sair dali, daquele apartamento. A experiência é única e coloca o expectador na pele do isolado fotógrafo, uma sacada de roteiro muito grande e criativa. Acredito que além da genialidade, este fato confere um charme à produção. Cito aqui também a trilha sonora excelente e as cenas de suspense daquelas que fazem você pensar: Não entra aí não, moça!

E falando em charme, simplesmente não dá pra ignorar a presença da diva Grace Kelly. Eu juro, gente, essa mulher tem uma aura em volta de si que não dá pra explicar. A primeira cena dela é simplesmente irretocável, quase como um vislumbre de um anjo ou uma deusa ao despertar difuso de Jeffries. Além de toda a beleza e presença emblemática, a atriz é competente na atuação e coadjuvante fundamental na história toda. E ainda, cabe destacar as atuações de James Stewart como protagonista e Thelma Ritter como Stella, a enfermeira cheia de conselhos divertidos.

Pra finalizar, acredito que Janela Indiscreta seja um daqueles filmes eternos que fazem parte do rol dos clássicos. Quem ainda não viu, certamente precisa ver. Há nele toda a junção dos melhores aspectos do cinema: Técnicas de filmagens surpreendentes, uma atriz consagrada (Com razão), roteiro sensacional e uma discussão pertinente. Lembrando que o filme foi indicado a 4 importantes Oscar: Melhor roteiro, diretor, trilha sonora e fotografia. Indico com paixão, sem medo de errar! Desgrude um pouquinho das comédias e vá ver um suspense de verdade. Você não vai se arrepender.

Janela Indiscreta

Rear Window (112 minutos – Suspense)
Lançamento: EUA, 1954
Direção: Alfred Hitchcok
Roteiro: John Michael Hayes
Elenco: James Stewart, Grace Kelly e Wendell Corey

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Muito foda esse filme. Hitchcock coloca o protagonista no nosso lugar, o de mero espectador. Perfeito.

busca

confira

quem?

baconfrito