Da arte

Analfabetismo Funcional terça-feira, 08 de Janeiro de 2013

Num mundo em que o dividir e conquistar tem se tornado mais e mais frequente, há algo que une, mesmo que fracamente, uma quantidade razoável de gente. Que une nós do Bacon, entre nós mesmos e entre muitas outras pessoas, pessoas estas que às vezes odiamos, às vezes adimiramos ou sequer sabemos que existem, mas o fato é que estamos todos juntos.

Já pararam para pensar na escrita? Quero dizer, surgiu alguns milhares de anos atrás, como um avanço para as pinturas e esculturas, e se desenvolveu por muito tempo, até que chegou na estrutura básica que ainda temos hoje, com regras, ordens gramaticais, tipos de palavras, conjugações, enfim, todo um sistema baseado na ordem, para que assim fosse mais fácil a comunicação entre pessoas do mesmo lugar, da mesma cultura. Claro, a escrita de hoje é bem diferente do que era há algumas centenas de anos; é mais cheia, mais complexa e mais completa, mas a base continua lá.

Ainda com o passar do tempo, vimos que a escrita não precisava depender de um contato direto, ou seja, podia ser transferida, podia viajar longas distâncias sem se perder e sem se alterar. Bom, ao menos na teoria. Mas o ponto é que vimos que a escrita não podia e não precisa ficar restrita à um meio, e aí criamos a comunicação. Ou melhor falando, utilizamos a escrita de outros modos: Livros, papiros, placas. E aplicamos esta nova tecnologia em funções, que mais tarde chamaríamos de cargos e empregos: Comunicadores, jornalistas, cronistas, autores. E daríamos à essas funções a generalização de “arte”, o que significa dizer que mais que uma função, tais coisas poderiam estar sob o jugo da inspiração, da técnica, do trabalho, do talento.

Bem, o tempo passa, e apesar de as linhas acima poderem parecer óbvias, não são. Com a difusão da escrita, e consequentemente das funções que a exigia, a escrita ficou banalizada. Como dizia a minha avó, “quando você aprender a ler, vai ler tudo que vir pela frente”. E apesar de muita gente não ler um aviso grande de perigo que está bem na sua frente (E consequentemente se dar mal por causa disso), até hoje eu (E creio que muita gente) anda na rua lendo tudo que é outdoor, letreiro, cartaz e propaganda que vê por aí.

E enfim chegamos ao tópico do post: A escrita nos une a nós. Gente que escreve para blogs, publicitários, marketeiros, autores, jornalistas. E bem como a escrita em si, ficamos à mercê da técnica, da inspiração, da boa ideia, do talento, da habilidade. E, também como a própria escrita, ficamos banalizados. Apesar de estarmos sob as leis que regem a escrita, ou melhor, a arte, ignoramo-as. Talvez por curiosidade, por crueldade, por não nos atentarmos à elas. Pode ser que seja proposital, mas pode ser que não. Não pensamos se estamos aptos à fazer o que fazemos, se temos o direito, se somos capazes, se o que faremos não irá afetar o próximo. Não pensamos, talvez.

E o problema mora aí. Talvez seja por mal, por egoísmo, mas talvez não seja, o que é ainda pior. Isto, estas linhas, não são altruísmo, são uma confissão. É fato que só talento não basta, mas suspeito seriamente que apenas técnica, treino e estudo também não sejam o suficiente. Não que não possa ser bom, agradável, recompensador, sem eles, mas também não será a mesma coisa. Talento bruto é um desperdício, mas apenas habilidade também é. De modos diferentes, mas com o mesmo resultado.

Cansei e canso de ver só técnica, quero o talento, mas não quero o talento sem o esforço. Cansei de todos nós, de mim, de você e de quem escreve o que eu gosto e o que desprezo, e de quem escreve o que vocês gostam e o que desprezam. Devíamos pensar mais em nós e na escrita do que em mim e você. Estou certo de que é melhor assim, melhor para todo mundo. Talvez só desejo de fazer não basta, seja necessário algo mais, e junto deste algo mais, a aprovação própria, pensada, responsável, e a aprovação do outro, qualquer outro.

Há algo que une todos nós, mas que não deveria unir a todos nós. Deveria e deve sim unir, mas não a todos, apenas alguma parte, e talvez (E muito provavelmente) muitos de nós estaremos fora. E por mais que não gostemos de tal resolução e gostemos de fazer o que fazemos, será melhor para quem faz e para quem não faz, que quem não faz do modo como deria ser, fique de fora. Nós, todos nós, romancitas, bibliógrafos, novelistas, blogueiros, críticos, contistas, analistas, autores, publicitários, jornalistas, escrevemos, mas talvez (e provavelmente) não deveríamos.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito