Clássicos do Horror – ETs

Clássico é Clássico segunda-feira, 17 de Maio de 2010

Eu já cansei de falar que, na minha andança pelo gênero de terror, muitas coincidências me surpreenderam. Seja a extrema qualidade de obras cujo assunto é possessões demoníacas ou a falta de criatividade dos títulos escolhidos para filmes de Múmia. Hoje não poderia ser diferente – nesse gênero que mistura Terror e Sci-Fi (talvez os dois gêneros de maior sucesso da década de 80) – a minha descoberta foi quanto a grande quantidade de remakes/sequências de grande qualidade de filmes com essa temática.

Vampiros de Almas

(Don Siegel, 1956)

Eu já cansei de falar como os momentos cinematográficos refletem na sociedade contemporânea a eles. A explosão de filmes de invasão alienígena da década de 50 se mostra só mais um exemplo. Quer ver? O que acontecia nos EUA naquela época? Guerra fria, medo do comunismo, Macartismo, paranóia referente à invasão e infiltração. O que mostravam os filmes de alienígena nas telonas? Invasão, infiltração, controle de mentes, ataque aos EUA e 90% das ameaças vindo de Marte – o planeta vermelho. Um exercício ainda mais legal (ou não, porque ambos os filmes são péssimos): compare o sentimento de paranóia do original, com a mensagem ambientalóide de O dia em que a Terra Parou (OITO PIZURK? OITO?).
Mas voltando ao filme, Vampiros de Almas tem uma importância para o gênero Terror/Sci-Fi, equivalente ao que O Poderoso Chefão teve para os filmes de máfia, ou Tubarão para os blockbusters. E não é a toa: unindo uma direção carregada de tensão e objetividade, um roteiro extremamente paranóico (pessoas sendo substituídas, por clones que conservam todas as lembranças) e um momento histórico propício (com todo mundo paranóico, antes mesmo de entrar na sala de cinema), a obra se consagrou um dos maiores e mais fundamentais clássicos do gênero.
Ganhou um remake muito bom em 1978, dirigido por Philip Kaufman, e um bem fraquinho em 2007 estrelado por Nicole “Minha atuação varia conforme a lua” Kidman e Daniel Craig.

Alien – O Oitavo Passageiro

(Ridley Scott, 1979)

A única obra da lista a constar em nosso Top 100, Alien carrega todas as honrarias que tal título lhe reserva. O clima claustrofóbico e extremamente artificial, junto ao sentimento de “armadilha”, tornam Alien um dos filmes mais tensos já feitos. Some isso a um conjunto de pequenas felicidades, que somadas tornam a obra magistral – a direção inspirada de Ridley Scott, a atuação marcante de Sigourney Weaver, um dos melhores trailers da história do cinema e o lendário Alien de H.R.Giger. Obrigatório para quem gosta e quem não gosta do gênero.

Enigma de outro mundo

(John Carpenter, 1982)

E.T. – O Extra-Terreste havia acabado de sair, e como vocês podem imaginar, todos estavam babando por aquela figura carismática. Menos John Carpenter. Nesse mesmo ano, o diretor de Halloween fez um remake melhor e não muito fiel, do bom O Monstro do Ártico, de 1951, e atingiu o auge de sua carreira, apesar do fracasso nas bilheterias. A história do vírus replicante nos confins do ártico é quase uma recriação de Alien, o que só acaba por comprovar que a fórmula “claustrofobia + paranóia” encaixa muito bem nessa temática. Além disso, o filme protagonizado por um Kurt Russel novinho, me fez pensar em algo. Sendo um dos filmes que mais assisti no Cinema em Casa, me pergunto – quando voltaremos a ver uma emissora com culhões de passar um filme gore como esse no meio da tarde? Trocar filmes chocantes/perturbadores por filmes de relacionamento “teen”, só me leva a crer que a juventude puta falta de sacanagem é culpa nossa.

Aliens – O Resgate

(James Cameron, 1986)

Considerado em inúmeras votações, a melhor sequência da história do cinema (De Volta Para o Futuro II e Poderoso Chefão II querem falar com vocês) o 3o filme da quatrilogia Alien, joga por água abaixo aquele clima de tensão e abraça a artilharia pesada. Estamos falando do diretor de Exterminador do Futuro e True Lies, afinal. Na obra, Ellen Ripley (Sigourney Weaver revivendo o papel, e sendo indicada ao Oscar dessa vez) encarna de vez o arquétipo de heroína e vai salvar um bando de famílias de uma invasão de Aliens (lembrando que apenas um já causou MUITO estrago). Um clássico da ficção científica, que acaba por ser didático – demonstrando como diferenciar um filme de ficção feito pelo diretor de Blade Runner, e outro dirigido pelo megalomaníaco de Exterminador do Futuro I e II, e Pocahontas: Smurfs with Guns version.

Agora vou torcer um pouco pro Pizurk ser abduzido. Se isso não acontecer, semana que vem, abordaremos outro tema clássico do terror.
GO ALIENS GO!

Leia mais em: , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito