As Viagens de Gulliver (Gulliver’s Travels)

Cinema quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

 Lemuel Gulliver é só mais um nerd fracassado, que trabalha na distribuição de correspondências na redação de um jornal e é apaixonado por uma das editoras, Darcy Silverman. Para não deixar transparecer seu lado fracassado, Gulliver acaba dizendo à ela que adora viajar e escrever matérias sobre as viagens e Darcy dá a ele uma matéria para fazer no folclórico Triângulo das Bermudas. Para manter a faceta, Gulliver aceita. Mas misteriosos problemas acontecem durante a viagem e ele vai parar no reino de Lilliput, onde as pessoas são minúsculas e ele, gigante. Sentindo-se grande pela primeira vez na vida, Gulliver inventa várias histórias para conquistar a admiração dos moradores do pequeno reino, o que não conseguiria back in home. Mas aprenderá que a mentira tem perna curta e nunca é o melhor caminho.

Eu poderia dizer que “para as crianças, é uma história de aventuras, cheia de criaturas fantásticas e de humor escatológico e, para os adultos, é o olhar implacável sobre o homem, suas instituições e seu apego irracional ao poder e ao ouro”, mas aí eu estaria copiando a contra-capa do livro que inspirou o filme e mentindo sobre o longa em si, que é uma bobagem sem tamanho. E já passou do tempo em que seria coerente dizer que Jack Black poderia salvar um filme sozinho.

Sim, já passou do tempo. Olhemos os últimos filmes dele: Os que se salvam, o fazem não por tê-lo no elenco, mas por diversos outros motivos. Exemplos: King Kong, que o título já diz o que mais vale no filme, isso sem contar as boas atuações de Naomi Watts e Adrien Brody; Escola de Rock, que se vale mais do excelente repertório musical do que do protagonista; e Trovão Tropical, que, apesar do bom desempenho de Black, tem sua força no roteiro, na direção e atuação de Ben Stiller e, claro, em Robert Downey Jr. Como se vê, Black não é exatamente um Jim Carrey ou um Steve Carrell. Eddie Murphy, talvez.

 Jack Black normal já é chato, imagina um gigante

As Viagens de Gulliver é um festival de escolhas erradas, de vergonha alheia total. E com gags de gosto duvidoso, que, mesmo para os apreciadores do humor escatológico, não devem provocar riso algum. Talvez alguém na sala dará uma risada breve, discreta e forçada, apenas por se sentir obrigado, já que o cartaz diz “comédia”. Destaco dois momentos em que a minha vontade era apenas de me esconder em algum lugar entre as cadeiras e fugir do filme: O momento, logo após Gulliver ser capturado, em que um personagem diz “Unlucky” e algo cai sobre ele e quando tem um incêndio no castelo e Gulliver é chamado para resolver o problema. Sim, desse jeito mesmo que você pensou.

Há dois pontos positivos no filme, que não o salvam e nem o tornam digno: O teatro que Gulliver monta em Lilliput e as encenações lá feitas; e Jason Segel, o Marshall de How I Met Your Mother, que sempre surge bem em cena, provando ser um dos grandes atores cômicos da atualidade e conseguindo fazer rir mesmo em um filme como esse. Do restante do elenco, ninguém se salva. Atenção apenas para Emily Blunt, a princesa do reino, que não leva o filme a sério e brinca com sua personagem, declamando suas falas, enquanto quase dança, tal qual fez Anne Hathaway em Alice no País das Maravilhas.

 “Olha, um pateta gigante!”

O 3D não oferece nada de novo e é descartável, como na maioria dos filmes. Nada de novo, roteiro formulaico, diálogos horríveis, direção fraca, atuações fracas… Não tem como não classificar As Viagens de Gulliver como o pior filme desse início de 2011 – e olha que temos Desenrola, hein. Mas há quem goste, na sessão em que eu assisti ao filme, havia uma mulher na fileira da frente que ria a quase todo o instante. Fazer o quê, né? Ao menos é curto, apenas 85 minutos.

Antes do filme começar, há o novo curta de Scrat, de A Era do Gelo. Engraçado, mas nada de especial, já que segue a fórmula de todos os outros três curtas do personagem.

As Viagens de Gulliver

Gulliver’s Travels (85 minutos – Comédia)
Lançamento: EUA, 2011
Direção: Rob Letterman
Roteiro: Joe Stillman e Nicholas Stoller, baseados no livro de Jonathan Swift
Elenco: Jack Black, Jason Segel, Emily Blunt, Amanda Peet, Billy Connolly

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito