A Vida é Dura: A História de Dewey Cox (Walk Hard: The Dewey Cox Story)

Cinema segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Ei, você. É, você que está lendo essas palavras e decidindo se lê ou não esse texto. Ou você aí, que está casualmente olhando este brilhante e gorduroso site, procurando algo pra ler também depois de todo o esforço de cinco minutos no RedTube. Pois bem, eu acho que você deveria ler esse texto aqui. Sério. É que eu vou falar da coisa mais filhadaputamente legal que eu encontrei esses dias em matéria de cinema. Vem comigo.

Quando assisti Walk Hard pela primeira vez, achei que fosse um filme recente. É que mesmo tendo sido lançado em 2007, ele permaneceu até pouco tempo estranhamente desconhecido do meu círculo de amigos que gostam de uma coisa assim. E por “uma coisa assim” eu quero dizer, é claro, “uma comédia musical biográfica sobre um cantor fictício”. A mistura pode parecer bizarra, mas… Tá, é bizarra. O filme é bizarro sim, e por vários motivos. Vou tentar explicar pra vocês.

Primeiro, tem um humor pastelão que nunca se degrada ao ponto de chegar ao nível de filmes como Todo Mundo em Pânico (Não por falta de tentativa), mas também nunca chega a ser totalmente “saudável”. O alívio cômico acontece por meio do absurdo, desde o início. Vejam bem, é que Dewey Cox, nascido na pequena Springberry, Alabama, passa por uma experiência traumática quando era criança, onde acidentalmente corta ao meio seu irmão mais velho, Nate, enquanto os dois brincavam de luta de facões. Sim, facões. Logo depois de apostarem corrida pilotando tratores e outras coisas inocentes supostamente comuns entre as crianças do Alabama nos anos 50. Dewey, traumatizado pra sempre pelo fato, perde o olfato. Seu pai nunca o perdoou pelo ocorrido, falando sempre que possível que “a criança errada morreu”. E tudo piora quando, aos 14 anos, Dewey monta uma banda de rock, o que deixa a pequena cidade altamente religiosa em polvorosa. É assim que, expulso pelo pai, pela cidade e acompanhado pela namorada de doze anos (Ele tem quatorze, aliás), Cox sai para o mundo para tentar viver da música. É o início de uma longa jornada. E da bizarrice.

O caminho percorrido pela figura de Dewey Cox durante o filme nos guia por várias vidas, décadas e homenagens – ou talvez sejam só paródias mesmo, ou os dois. No personagem, vemos refletidas as vidas de muitos artistas da vida real; em sua maior parte, ele é baseado em Johnny Cash (Cuja cinebiografia, Johnny & June, havia saído dois anos antes de Walk Hard), mas através do filme ele também tem momentos de Roy Orbison, Ray Charles, Jerry Lee Lewis, Jim Morrison, Neil Diamond, além de eventualmente virar ativista político, que nem Bob Dylan e pirar com a música como Brian Wilson (O gênio maluco dos Beach Boys). Dewey também interage com artistas como Elvis Presley (Interpretado por Jack White), o Big Bopper, Buddy Holly e até os Beatles (Jack Black é o Paul McCartney, aliás).

Dewey Cox, mesmo beirando o ridículo algumas vezes, teve grandes feitos na carreira. Sua canção mais famosa, Walk Hard, se tornou hit 35 minutos depois de ser gravada, e uma versão dessa mesma música possivelmente criou o punk rock quase uma década antes do seu início oficial. Ele também provavelmente provou todas as drogas alucinógenas não-imediatamente-letais conhecidas pelo homem, e também dá pra falar em todas as mulheres que Cox conquistou, os mais de vinte filhos que teve e sua imensa contribuição para a música mundial.

Walk Hard é um daqueles filmes que ou você odeia ou adora. É uma mistura curiosa de profundas referências ao rock, humor bizarro e canastrices em geral, o tipo de coisa que só vendo pra testar se você tolera ou deixa de lado pra sempre. Apesar disso, o filme tem muitos méritos: Testar nossa capacidade de reconhecer as múltiplas referências, bons momentos realmente engraçados, mas talvez o maior seja sua trilha sonora, que aliás deve ser baixada comprada tão logo se termine de ver o filme. O ator que interpreta Dewey Cox, o comediante John C. Reilly, realmente canta e toca na maioria das faixas, e muito bem por sinal. A faixa principal, a já citada Walk Hard, foi composta por ele e lhe rendeu uma indicação ao Grammy. Sintam só:

E a cada vez que Cox muda de “movimento”, suas músicas nos levam junto, como quando ele entra na luta pelo direito dos anões, que nem Bob Dylan tinha feito:

Ou quando ele acidentalmente inventa o punk:

Ou quando ele entra de cabeça nos anos 70 e faz uma versão disco de Starman, do David Bowie:

E eu poderia encher essa página de exemplos, mas acho que você entenderam. O que eu quero dizer com isso tudo, com esse texto todo, é o seguinte: ASSISTAM ESSA PORRA. Sério. Vale à pena.

Ah, e Walk Hard foi um desastre nas bilheterias, faturando 20 milhões de dólares, tendo gasto 35 pra ser feito. Justo ou injusto? Vocês que me dizem. Se bem que, a minha opinião, foi uma injustiça total, mas enfim. A dica pro filme do próximo final de semana está dada. Não assistam com crianças nem namoradas chatas.

Vida longa e próspera, até a próxima. E lembrem: Walk hard, walk bold

A Vida é Dura: A História de Dewey Cox

Walk Hard: The Dewey Cox Story (96 minutos – Comédia musical)
Lançamento: EUA, 2007
Direção: Jake Kasdan
Roteiro: Judd Apatow, Jake Kasdan
Elenco: John C. Reilly, Jenna Fischer, Raymond J. Barry, Margo Martindale, Kristen Wiig, Tim Meadows, Chris Parnell, Matt Besser

Leia mais em: , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Maycom Cardoso

    Porra estava procurando esse filme algum tempo atrás, mas não lembrava o nome.

    Muito bom o texto!

  • FooFighter

    É a Pam do The Office ali???

  • Sim.

    IMDB é seu amigo: http://www.imdb.com/name/nm0278979/

  • FooFighter

    Cara, eu até fui ao IMDB… mas quando vi que o elenco do filme não estava ordenado pela relevância do personagem ou ator, larguei de mão.

  • E é por isso que, quando em dúvida sobre um ator, eu vou na página do ator. Mas eu sou excêntrico, provavelmente.

  • FooFighter

    Excêntrico talvez, mas chaaaaaaaaaato definitivamente hehe

busca

confira

quem?

baconfrito