Vocês compram novos livros?

Analfabetismo Funcional terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Eis que, milagrosamente eu não pedi licença, então venho, mais uma vez, falar de livros com vossas senhorias. Aliás, fiz um post fodão na última coluna e cês nem se manifestam né? Mas a questão aqui é outra… Cês compram para ler? Quero dizer, vocês alimentam o mercado que vocês consomem, para que este lhe proveja mais coisas?

Falei, em alguns outros posts meus (E que não procurarei agora), que eu comprava muitos livros, apesar de já ter muitos que eu ainda não tinha lido. Bem, é claro que eu não os tenho apenas para deixá-los na estante: Já faz um tempo de parei de comprar livros e venho me dedicando a ler os que já tenho. E isso é muito bom, se não para o dono da livraria, para mim.

Obviamente, conforme leio, a quantidade de opções que tenho para o “próximo livro” vai diminuindo, e agora, em que as opções que me restam são grandes, pesadas e um tanto chatas (Coisas como uma análise da vida e obra de Sartre e trilogias – incompletas, é claro – que misturam religião e ficção), vejo-me, novamente, querendo ter coisas novas. Sim, vou me forçar a terminar de ler tudo que já tenho antes de comprar outras coisas, mas devo admitir que a perspectiva de levar meses para ler toda a obra de Agatha Christie não é algo tão agradável assim.

Mas ainda que para mim demore mais um ano, e vocês? Vocês compram? Vão nas livrarias, mesmo sabendo que é mais caro, para ter a satisfação de sair com o livro de lá? Ou compram pela internet, que é mais barato? Entram em revistarias e sebos, “só pra ver se tem algo bom” e saem de lá com uma sacola? Ou ainda frequentam uma loja de quadrinhos, que nem o Kirk?

Quero dizer, feliz ou infelizmente, a escrita/literatura virou um mercado, e por mais que tenha gente que se dedica à isso apenas por amor que nem a gente do Bacon, esse mercado precisa ser “efetivo”. Em outras palavras, para que você tenha coisas novas (Não necessariamente obras novas, mas uma edição melhor, uma publicação de melhor qualidade, etc.) você deve recompensar esse mercado. Injusto talvez, mas é assim que é.

Por mais ações como “leia e comente minha websérie” que existam, e são coisas legais, uma nova forma de mostrar apoio e interesse à coisa, o melhor e mais efetivo modo é comprando. Independente do tipo de livro, do autor, da editora: Um bom trabalho deve ser recompensado. Outro dia mesmo falei de Neon Azul e da Editora Draco. Eu posso achar o que você comprar uma merda, mas se isso ajuda o mercado, isso me ajuda e ajuda quem faz um trabalho que eu gosto.

Eu sou, de certo modo, contra e-books, edições pocket com papel manteiga e a gigantesca maioria de coisas que tenham “sucesso adolescente” na sinopse, mas independente de eu gostar ou não (E eu não gosto), são coisas como House of Night que garantem que coisas como Calvin and Hobbes estejam na prateleira. E é difícil pra caralho reclamar disso.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • ClaytonSlayer

    Cara, compro livros, tanto via internet, como na livraria. Mas não coleciono. Depois de lidos, faço uma doação. Bibliotecas comunitárias, amigos, qualquer um. Acho que o conhecimento (mesmo que seja cultura inútil) tem que girar, não pode ficar ganhando pó na prateleira. Só guardo os de gastronomia, pois são de uso constante.

  • Loney

    Aí sim cara. Aqui em casa tem pastas e pastas com receitas também, mas devo admitir que não possuo tal desprendimento.

  • Luiz Carlos Santos

    Eu compro sim livros. Não sou exatamente um colecionador, mas se são obras de um autor ou gênero que eu goste, eu compro os livros deles. No meu caso, seriam os livros da série Sherlok Holmes, e várias obras de Machado de Assis e John Grisham. Pretendo no futuro ler tudo o que for possível do Stephen King, que já que achei geniais alguns filmes baseados em suas obras, como “Conta Comigo” e “À Espera de um Milagre”, além da coleção “A Torre Negra”, tão bem falada em vários posts aqui do Bacon, que é umas das obras que certamente lerei no futuro. Ainda sobre o fato de coleção, não acho necessário ter TODA a obra de um autor, mas é legal você ver na estante vários livros de um autor legal, isso dá certamente uma boa impressão aos seus amigos e namorada(s). Ou vão dizer que não é bacana você chegar na casa de alguém e ver uma estante, cheia de bons livros ?

  • Loney

    O dia que eu tiver uma biblioteca em casa eu nunca mais vejo o sol, cara =D
    E eu ganhei a coleção da Agatha, e resolvi organizar a parada ontem, cara, preencheu duas prateleiras =X

  • Luiz Carlos Santos

    ahahahaha, também não precisa exagerar. Eu gostaria de ter um espaço na minha casa igual do que vi no filme “Alta Fidelidade”, com o John Cusack, ou um espaço como o do cantor Ed Motta, que ví uma vez numa revista, que no caso deles eram uma coleção enorme de vinis, de todos os tipos, de várias épocas. Eu faria com livros, filmes e talvez até vinis. Um lugar de relaxamento, onde você pudesse numa noite chuvosa, chegar o colocar uma musica bem legal e ler aquele livro que te prende por horas a fio.

  • Loney

    Eu fico dividido, porque bibliotecas tem vitrais gigantes numa das pontas, e isso é foda, mas é sempre alí que os Jason da vida aparecem =/

  • manoel

    Compro livros pela internet, mas antes folheio nas lojas. Não livros top de prateleira, pq sempre me arrependi na leitura. Aliás, só de e sobre Sarte neste ano comprei 7 livros.

    Comprei um Kindle PW no mês passado e foi umas das melhores coisas que comprei até hoje. Além de livros bem mais baratos e gratuitos (tem muuita coisa boa), mando pra ele vários textos que encontro pela web. Estreei nele a única coleção que li até hoje: a sequência de 2001, 2010, 2061 e 3001, de Arthur Clarke.

busca

confira

quem?

baconfrito