Vida real e poderes ficcionais – Parte I

Nona Arte quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Ah, a infância. Aquela doce época, vários anos atrás, na qual nossas únicas preocupações eram comer, dormir, brincar e inventar desculpas para não entregar a atividade de casa à professora. Não tínhamos que nos preocupar com dinheiro (Papai sempre lhe dava a fortuna de R$ 5-10 por semana, que seria gasta em pipoca, balas e revistas em quadrinhos). A vida era boa.

Uma das brincadeiras que eu mais me acostumei a observar era meus colegas brincando de super herói (Essa droga tem hífen ou não?). A brincadeira se resumia a clamar o nome, habilidades e/ou poderes de um protagonista das HQs e correr por aí trombando uns nos outros, enquanto gritavam os nomes de supostas habilidades dos supracitados heróis e faziam sons estranhos com a boca; eu continuava lendo O Sítio do Picapau Amarelo e me incomodando com a algazarra.

Depois desses dois parágrafos nostálgicos, surge a idéia (Sim, eu começo a fazer textos sem a mínima idéia do que vou falar): E se tivéssemos alguns desses poderes na vida real? Não me refiro àqueles que, vez ou outra, aparecem na Superinteressante/Galileu/Veja/etc., como o cego que realmente consegue usar sonar para se localizar espacialmente. Falo de coisas como capacidade de vôo, força sobrehumana, telepatia ou criação/modificação de energia e matéria a bel prazer.

Vamos começar com uma abordagem geral. Apesar de não gostar muito da Marvel, tem uma coisa nela que me agrada mais que a DC: Os personagens e sociedades demonstrados são mais, digamos, realistas. E, se tem algo que X-Men consegue mostrar bem, é a questão do preconceito. No mundo real, discriminamos outras pessoas beaseadas em besteiras, como cor de pele, religião, time de futebol e quantidade de raspas de chocolate no sorvete sabor menta chips. Imagine se realmente houvesse duas raças humanas, mutantes e “normais”. O que aconteceria? Exato, X-Men, mas sem as partes onde todo mundo ressuscita ou estava sendo substituído por um clone.

Isso dito, você gostaria de ter superpoderes, ao menos os mais comuns? Força sobrehumana seria legal, pelo menos até o ponto onde seus ossos se esmigalham e seus músculos viram papa ao tentar fazer malabarismo com jamantas. Visão de Raios X? Claro, por que não presentear cada mulher que convive com você com câncer nas mamas e nádegas? E, antes que você se pergunte, se você sair voando por aí, a FAB vai estar nos seus calcanhares antes que você possa pensar um “q”.

Querem ter seus sonhos e lembranças destruídos? Postem nos comentários super poderes/habilidades que vocês gostariam de ter. Terei o maior prazer em destruir os três devaneios que mais me agradarem, na semana que vem. Até lá, então.

Leia mais em: , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Poder ficar invisível. Não é algo super, mas também não é nada que vá, de fato, chamar a atenção.
    (Claro que a roupa também teria que ficar, senão seria inútil. Já pensou ter que tirar a roupa toda vez, ou pior, NO FRIO?)

  • Viajar no tempo (futuro e presente). E com praticidade e precisão! Nada de engenhocas ao estilo “De volta para o futuro”.
    … e não me venha com possíveis “efeitos colaterais”!

  • Danilo

    Regeneração, igual o poder da Claire, em Heroes. E isso inclui a imortalidade. Mas o que eu queria mesmo era viajar no tempo, igual ao Hiro.

  • Lucas

    Teletransporte, voo, regeneração de tecidos, respirar embaixo d’água e capacidade de transformar qualquer metal em ouro só tocando.

  • @Danilo Se decide, porra! Sabia que vc ia pensar em alguma coisa de HEROES… previsível.

  • Não há nada melhor do que telepatia, telecinese e “roubar os poderes dos outros” ah, lá Rogue.

    @Lucas

    Midas já tentou transformar com um toque as coisas em ouro. Nem preciso dizer que ele morreu de fome né?

  • asd

    o poder a la neo, bullet time seria bem interessante, sem ser muito apelativo, para as lutas terem alguma graça

  • Poder correr em alta velocidade(Não na velocidade da luz), e não sofrer os efeitos negativos do atrito quando se está em alta velocidade me parece legal

  • Controlar a gravidade… sem nenhuma dúvida. O resto é consequência (viajar no tempo, supervelocidade e etc)

  • Guten

    @Bruna
    Midas não chegou a morrer, mas esteve perto o bastante.

  • @Jorge Delamare e @Danilo

    Caso você pudesse viajar no tempo, poderia voltar APENAS múltiplos de 365 dias (desconsiderarei as seis horas que criam os anos bissextos por preguiça de fazer cálculos). Caso você resolvesse voltar, digamos, um ano e sete meses no passado, iria brotar no vácuo onde a Terra NÃO ESTÁ MAIS. Isso considerando só a translação da Terra. Se considerar que a própria galáxia se move, ao voltar no tempo praticamente qualquer período você morreria. :D

  • @Rafael
    Mesmo sem sentir os efeitos do atrito, você também precisaria de reflexos extremamente rápidos pra poder desviar de carros, por exemplo. E dificilmente conseguiria respirar (se você já colocou a cabeça pra fora de um carro em alta velocidade, sabe o que quero dizer). ^-^

  • Acho que o melhor poder é a regeneração estilo Wolverine mesmo. Dobrar os elementos tipo em Avatar (o desenho, não o filme) também seria legal.

  • Deus Ares Éolo

    Cara eu não seio nem por onde começar.
    mas vou tentar.
    olhem eu nasci quase morto , diferente de outras crianças que nascem com os olhos de outra cor eu nasci diferente meus olhos eram vermelhos e meus pais pensaram que eu era cego . mas com o tempo  meus olhos iam normalizado .
    quando eu tinha 10 anos todas anoites eu acordava assutado pq eu tinha DJAVUS(sonhos que se tornam realidade ).
    aos 11 anos quando eu  me cosentrava em algum tipo entorta uma colher ela aquilo se tornava se realidade .
    aos 13 anos animais chegava perto de min . como se eu fosse  uma local de descanso
    como se a paz me rodiase.
    aos 14 anos minha vó me contou que meu trataravô tinha o mesmos dom’s que eu só que eu tinha algum diferente e logo descobri.
    aos 15 anos descobri que tinha um dom que meu antepassado não tinha o dom que eu tenho um dom muito especial o dom de um elemento que era o VENTO .
    quando tinha 15 anos quase 16 descori que a cada emoçao que eu tinha o vento reagia de modo diferente ai eu fui observando durante 5 meses e descobri 
    o meu dom .
    aos 16 anos borboletas rodiavam meus pés logo amigos das escola descofiram que eu tinha algum de diferente algum anormal algum me chamavan de mutate outros de luz 
    meus pais não aguentaran e me mandara para mora mas minha vó na região nordeste alagoas união dos palmares aki ela esta me encinando poderes medecinais . e varias outras coisas e eu juro quando estiver pronto . me jutarei mas outros mutantes da terra onde maténho contato através do MSN .

    eu me alto considero como o novo DEUS ARES ÉOLO  .
    ESSA HISTORIA NÃO E MENTIRA NÃO FOI TIRADA DE NENHUM FILME APENAS E A VIDA DE UM MENINO TENTANDO VIVER NESSE MUNDO DE NORMAIS , EU NÃO SOU DUENTE DA CABEÇA . NÃO SOU UM DEBIL MENTAL SE NÃO ACREDITAM  UM DIA VCS VERÃO.

     

busca

confira

quem?

baconfrito