Viagem (Ou Como ouvir música)

Música segunda-feira, 30 de julho de 2012

Sendo sábado devo escrever algo para ser publicado (Talvez) na Segunda, então, sem nada melhor para fazer neste dia em que todos estão fingindo que foram para a balada, resolvi lhes ensinar como deve-se ouvir um álbum.

 Não, não o de fotos.

Para início de tudo, leiam este texto do Régis Tadeu. Sim, aquele cara que ainda pensa que tem 20 anos e que vai num monte de programa ruim xingar “músicos” ruins. Apesar das grandes resalvas que poderia fazer, o ponto principal que vocês deveriam tirar desse post é

Não se presta mais atenção na música.

Não há problema em ouvir música enquanto se faz outra coisa. Sim, eu sei que para efeito no texto ele deve falar isso, mas todos sabemos que não é verdade, e as trilhas sonoras são as grandes provas disso. Ouvir música é bom e legal, e não, ouvir o que quer que seja enquanto se faz alguma outra coisa não é depreciar a música, mas devemos sim admitir que não se presta tanta atenção assim na música. Quantas vezes você não colocou algo para ouvir e foi ler alguma coisa, e só se tocou que a música já tinha acabado muito tempo depois? Até fiz um post sobre isso, aliás.

Se por um lado é bom ouvir música enquanto se faz outra coisa, independente do que esta coisa seja, para conhecer uma música isso é péssimo. Para ficar mais fácil, dividamos assim: Se você quer conhecer uma música ou banda, se vai ouvi-la pela primeira vez, se vai analisar um álbum, enfim, se você quer saber mais da música do que só uma ideia superficial do que ela é, você deve fazer apenas isso.

 Não tem muito a ver com o post, mas gostei dela.

Aliás, você deve fazê-lo sem fones de ouvido. Quando está calmo e silencioso, deite-se, relaxe e coloque, seja num aparelho estéreo, seja num toca fitas com caixinhas de som, a música para tocar e preste atenção nela. Siga o ritmo, tente separar e diferenciar os instrumentos, vocalista de backing vocals, separe a música em camadas e preste atenção a cada uma delas individualmente, para depois juntar todas.

Se é um álbum específico, ouça-o do começo ao fim, prestando atenção a cada uma das músicas, e isso inclui suas letras, ritmos: Um bom álbum tem uma história para contar, ele te leva à uma viagem, seja só para te dizer “olha como o amor é lindo” ou para jogar na sua cara que o mundo é podre e sem vida. Cada música deve levar à outra, direta ou indiretamente: Se estão no mesmo álbum, elas devem depender uma da outra, mesmo que sejam livres e possam (E devem) ser ouvidas individualmente.

Depois de ouvir o álbum todo, com concentração e atenção (Mas sem esquecer de aproveitar aquele momento), volte e ouça cada música, mesmo que fora de ordem. Pegue as letras ou até mesmo as cifras (Bons tempos aqueles em que os álbuns vinham com encartes enormes) e acompanhe a música com eles, isso pode fazer uma diferença enorme no entendimento da música.

 Joguem “singers” no Google Imagens e vejam o quão errado está a música mundial.

Conhecer uma música é muito mais do que decorar a letra e identificá-la logo nas primeiras notas, leva tempo e requer dedicação. Você não precisa decorar cada instante da música e muito menos aprender a tocá-la, mas poder falar “não, definitivamente não tem um ukulele nessa música” é o mínimo. Lá em cima (Em algum lugar) falei sobre resenhar um álbum, e bem, aí está a ideia básica. Claro, precisa-se de mais (Muito mais), mas não é ouvindo o troço no ônibus que se faz isso.

Independe do que você vai ouvir. Não quero entrar no mérito de “isso é bom e aquilo é ruim”, mas esta é a base para diferenciar tal coisa. Independentemente de uma banda, música ou álbum ser bom ou ruim, dê esse tempo à ele e à você mesmo: Ouça a música, viaje na história que o álbum te conta, estude (Porque, no fundo, é isso) a música.

Não importa o estilo, a época, o artista, nem se é MP3, LP, fita ou CD, ouça a música como ela merece ser ouvida: Dando atenção à ela. Façam um teste: Peguem um álbum que você já tenha ouvido, siga o que falei alí em cima e verá como a coisa muda. A não ser que você esteja ouvindo algo muito merda, lhe garanto que será uma experiência totalmente nova, e acredite, vale à pena.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • ClaytonSlayer

    Infelizmente, a urgência que vivemos hoje em dia tirou o hábito das pessoas de ouvir música.Gastar um tempo que daria para ver um filme ouvindo um disco é visto como desperdício. Perdemos muito quando a música é só uma trilha sonora para tarefas chatas. Essas sensações estão cada vez mais raras na audiência. Quando você se dispõe ao exercício do texto, um novo mundo se abre. Um disco ganha nova vida. E pede para ser ouvido várias vezes. Depois, até pode ser usado como barulhinho de fundo. Só não gostei da parte do “sem fones”. Bicho, eu adoro meus fonezinhos…

  • Não acho que seja questão de data, mas sim que há quem aprecie música de verdade e quem leva isso como ato banal. Devemos estar confundindo com a acessibilidade musical: como hoje todo mundo tem mais acesso aos artistas do que nunca (mesmo que de maneira ilegal), quem gosta de música exige que os outros também apreciem, porque á eles não foram dados menos oportunidades.

    Além do mais, pra conhecer uma música se deve ouvir com fones de ouvido. A menos que você tenha um som premium ou belas caixas surround, famosas por sua qualidade, tudo o que você vai ter são ruídos adicionais que não valem a pena. Isolar todo o barulho externo da música sim vai te levar à maior viagem que determinado som pode te proporcionar.

busca

confira

quem?

baconfrito