CDS #325 – These Boots Are Made for Walkin’ (Nancy Sinatra)

Clipe da Semana domingo, 15 de novembro de 2015 – 0 comentários

Na década de 60, as mulheres tinham classe. Mesmo por que, se não tivessem, o pai ou o marido sentava o sarrafo até criar. Alguns dizem que eram bons tempos, mas eu discordo. Uma década dominada por uma doença chamada beatlemania não pode ser muito boa. A despeito disso, temos damas que fizeram boa música, e bons clipes [Considerando a mentalidade da época]. Nancy Sinatra é uma delas, e vocês acham muito moderno esse papo de “recalque”, “beijo no ombro” e “péssimo dia pras inimigas”, lembrem-se que These Boots Are Made for Walkin’ é lá de 1966, e de lá pra cá uma galera fez cover dessa músic, como Jessica Simpson, Geri Halliwell, mas também Megadeth e KMFDM. Pouco relevante, hein? continue lendo »

Putas Vomitadas

Música segunda-feira, 06 de dezembro de 2010 – 2 comentários

Gostamos das cores de suas roupas, do jeito delas andarem, da crueldade de certas caras. Vez por outra, vemos um rosto de beleza quase pura, total e completamente feminina. Elas levam vantagem sobre a gente: Planejam melhor as coisas, são mais organizadas. Enquanto nós vemos futebol, tomamos cerveja ou jogamos poker, elas, as mulheres, pensam na gente, concentradas, estudiosas, decididas: A nos aceitar, a nos descartar, a nos trocar, a nos matar ou simplesmente nos abandonar. No fim das contas, pouco importa; seja lá o que decidirem, a gente acaba mesmo na solidão e na loucura. Há sempre uma mulher para te salvar de outra e assim que ela o salva está pronta pra te destruir… continue lendo »

Vocais femininos REALMENTE bons (parte 2)

New Emo quarta-feira, 29 de outubro de 2008 – 31 comentários

Rá! A primeira parte rendeu bons frutos. Foi a coluna com maior colaboração dos leitores de todos os tempos do AOE, e eu fico surpreso ao ver que o texto era meu. Cês mudaram.

Antes de começar a segunda parte, algumas considerações:

– A quem indicou Janis Joplin como Frank Sinatra feminino, puta que o pariu: VSF. Nunca um comentário me revoltou tanto, agora eu sei como vocês se sentem quando eu falo que Offspring é melhor que Beatles. E é mesmo. Mas enfim, Janis Joplin tem o estilo dela, aquela coisa completamente irritante que chega a se igualar ao vocalista do Led Zeppelin. E eu não gosto dessa banda por causa do vocal, logo, temos um problema. Mas aqui eu explico porque eu não vou citá-la por aqui.

– A quem falou “mimimi cadê as divas?”: Em uma coluna sobre divas, eu posso PENSAR em citar divas, certo? O restante dessa resposta você lê abaixo:

– A quem perguntou “não existe vocalista brasileira boa?”: Em primeiro lugar, eu não ia lotar uma página de vídeos para foder a conexão dos mais noobs. Em segundo lugar, a New Emo não é uma coluna sobre música. É uma coluna sobre bom gosto musical.

Eu adoro essa resposta. Enfim, obrigado pelas indicações, véis. Vou citar as melhores E outras que eu já tinha em mente:

Se é pra citar essas minas que fazem Black Music, R&B e afins, eu cito Joss Stone. Mina nova e com um vozeirão incrível, merece destaque. Mas tem aquela coisa: Geralmente, nesses estilos musicais, as vocalistas não são muito… criativas. Sei lá, eu acho todas elas iguais. Quando a coisa cai mais pro Pop eu já consigo ver mais originalidade e tals, mas…

Bom, fica como menção honrosa ou algo do tipo, então.

Aproveitando a deixa, nada mais justo que citar Aretha Franklin, a vocalista mais COPIADA de todos os tempos. Ou não?

Porra, isso é do caralho. Ela solta a voz sem dó, NUNCA é irritante e cada verso, cada fucking verso é vibrante. Época espetacular, não? Pois é, tempos que não voltam mais. Mas a Aretha fez sua parte e, convenhamos, a parte dela era das melhores.

Ana Carolina é… diferente. É grave, mesmo tendo uma voz que poderia ser melhor trabalhada em um vocal mais suave, quem sabe. Ela confiou no que tinha, e fez bem. Ó minha ciência, uma vocalista brasileira! Chamem os xiitas!

Ela tem uma voz excelente pro gênero dela, mas pode causar um certo estranhamento pra quem é de fora. Quase como acontece com a Janis Joplin, com a diferença de que você não vai obter muitos resultados usando músicas da Ana Carolina num ritual de tortura, por exemplo. Querendo ou não, a Ana canta bem.

É fato que a Amy Lee canta bem, véi. E uma coisa bacana no Evanescence é a mistura de um vocal calmo, inocente, com o peso das guitarras. Esse exemplo aí, My Immortal, só mostra isso no fim. Com Bring me to Life dá pra explicar melhor:

Uma transa do caralho, convenhamos. A música e a letra podem ser uma bosta, mas essa mistura é do caralho. Eu poderia citar Nightwish, mas a Tarja não se solta como a Amy.

E por que não citar Pato Fu? Fernanda Takai é outra que não precisa se esforçar pra cantar bem. Voz calma, nada demais – e, ainda assim, demais.

Já presenciei um show do Pato Fu, as músicas novas dão sono, mas a Fernanda continua cantando bem. Pesque os sons mais clássicos, a música ajuda bastante. Lógico, você precisa ter saco. Quem gosta de Pato Fu, geralmente, é muito chato.

Por fim, fucking noobs, o troféu de Frank Sinatra feminino vai para a mulher mais óbvia o possível:

Nancy Sinatra herdou o que há de mais espetacular de seu pai: O controle da voz E a voz bonita. Frank Sinatra nunca precisou de muito esforço pra cantar, já que sua voz já era espetacular. Porém, o cara tinha um controle tão fascinante das cordas vocais que ele não precisava soltar a voz pra empolgar geral, por exemplo.

Não dá pra explicar. Nem precisa explicar, aliás. Não, sério, escuta isso. Tem gente que colocaria a Janis Joplin no lugar, acredita? Pois é.

busca

confira

quem?

baconfrito