Tá bom, vamos falar sobre animes. Mas não muito (bem)

Televisão sexta-feira, 05 de junho de 2015

Preconceito. Essa é a palavra certa para definir esse texto. Animes são uma grande porcaria. Se tem uma coisa que me irrita nesse mundo é anime. Que porra é aquela? Mas se tem uma coisa que me faz ter ainda mais ódio de anime são os fãs de anime. Puta que me pariu! Não tem gente mais irritante do que fã de anime. E não to falando isso porque eles se fantasiam e saem por aí achando que são desenhos, bom, pelo menos não somente por isso, mas porque eles são chatos mesmo. Porém, não existe alma que tenha habitado o corpo de um jovem durante a época em que a Manchete ainda existia, que não tenha assistido um anime. E as vezes eu me pergunto: Os animes eram melhores naquela época ou os fãs retardados de animes me fizeram odiar animes?


Quando eu me lembro da minha infância e dos programas que gostava de assistir quando ainda era um pequeno e inocente gordinho suado, percebo que a maioria deles eram japoneses. Samurai Warriors, Yu Yu Hakusho, Shurato, Black Kamen Rider, Jiraya, Jiban, Winspector, Cybercops (As mães piravam com o Lúcifer), Fly, Street Fighter, Guerreiras Mágicas de Rayearth e Dragon Ball (Apenas o primeiro, nada de Z, GT ou o ABC a quatro) eram grandes sucessos durante a minha infância. Todos desenhos incríveis que eu mantenho distância nos dias de hoje pra não estragar as boas lembranças que tenho dos mesmos.

O problema é que naquela época a gente até embolava na porrada fingindo ser o Goku ou, os mais retardados, o Seiya, mas não passava disso. A gente queria os bonequinhos, queria soltar um kame hame ha, que por muitas vezes era chamado de kame kame ha malditas crianças que não leem, mas a gente sabia que aquilo ali era um mundo de fantasia. Eu não queria ir pra Rayearth, não ficava chorando, me cortando e tentando invocar criaturas orientais malignas para me dar uma nuvem voadora. Porra, que que é isso? Cês ficam aí chorando rios de virgindade querendo uma porra dum caderninho que mata as pessoas? Para com isso, molecada. Na minha época (E vamos de clichê), o máximo de bizarro que a gente fazia com anime era bater punheta pensando na Bulma ou nas Sailor Moon. “Ah, mas eu sofro bullying e quero que os moleques bobos e feios do meu colégio morram”. É por isso que você sofre bullying meu amigo. Porque você é idiota!

E aí você vai dizer: “Ain Jo, mas nem todo fã de anime é retardado”. Ok, você está certo. Mas lembram da primeira palavra desse texto? Então… Se eu conheço qualquer pessoa que se diz fã de anime eu já fico com os dois pés atrás e me esforço o máximo possível para não ter que encontrar e conversar com essa pessoa novamente. É, eu sou preconceituoso. Você também é. Provavelmente será com gordos após ler esse texto. Tudo bem, cara. Tá tudo bem. Quer dizer, não que ser preconceituoso seja algo tranquilo, longe disso, mas é a realidade, mentir dizendo que o preconceito não existe em você não faz com que o preconceito deixe de existir.

Eu não to aqui dizendo que me orgulho do meu preconceito com gente que gosta de anime, eu só estou botando isso pra fora. E pra dizer a verdade, a treta com animes nem é completamente por culpa dos fãs. Quer dizer, uns 90% é, mas 10% é porque os animes são ruins mesmo. Desde o fim da Manchete, eu devo ter assistido mais uns 5 animes que eram legais. Talvez menos, já que no momento eu só me recordo de Shaman King e o primeiro Digimon. Além de Pokemon, é claro. Todo mundo já assistiu alguma coisa de Pokemon. Aliás, pra essa galerinha nova aí, pokemonS tá errado. Pokemon é o diminutivo de Pocket Monsters, já tá no plural, seu idiotas.

E não, eu também não estou dizendo que você não pode se vestir de sei lá o que e sair por aí achando que é um desenho. Cada um faz o que quer. Você tem esse direito, do mesmo jeito que eu tenho o direito de reclamar de vocês aqui. Vai mudar alguma coisa no mundo? Não, mas eu me sinto um pouco melhor agora. Afinal, a vida é feita para reclamar pra caralho, beber, fumar um pouquinho e depois reclamar pra caralho de novo. E isso porque eu nem falei dos mangás!

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Loney

    Quero deixar aqui o nosso institucional abraço para os colegas do falecido Sake com Sal – que ele descanse em paz

  • Sake com quem?

  • Emmanuel Araújo

    Você está certo, eu penso exatamente como você nesse quesito, e admito, eu tenho preconceito com fans de animes, mas nem por isso deixo de respeitar os que merecem, tenho vários amigos que curtem animes. Os únicos animes realmente bons que eu assisti até hoje, que me deixaram muito ansioso pra ver os próximos episódios, foram Pokémon, Dinossauro Rei e One Punch Man. O resto, eu via dois ou três e deixava pra lá, até o famigerado Dragon Ball. O grande problema dos animes é a saturação de cultura japonesa, que na minha opinião, é muito ridícula, e isso com certeza deve-se ao fato de eu ser ocidental e não oriental. Frescurinhas “kawaii-desu” e derivados são insuportáveis, e os japas adoram essas merdas e insistem em colocar isso nos animes. Também tem os clichês, que cara, na moral, são muito merdas. Virjões, velhos tarados, garotas insuportáveis e garotas gostosas de óculos com demência não podem faltar num anime, sempre tem, e isso irrita (tirando as gostosas de óculos). Coisas boas nos animes: O nível de detalhes em alguns é muito grande e alguns são extremamente épicos, como One Punch Man, com explosões, sangue e porradaria frenética. Dá até pra aguentar as frescuras japonesas do One Punch Man, porquê ele é muito foda! Os japas tem bastante criatividade, são bem inteligentes e elaboram bem um enredo, se não fosse a barreira cultural, eu acho que amaria os animes. Enfim, fiz exatamente como você, reclamei pra caralho e agora tô me sentindo melhor!

busca

confira

quem?

baconfrito