Rock and Roll: Seis Décadas (Parte 1 – Anos 50)

Música segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

Estamos no início de 2011. Há mais ou menos sessenta anos, o rock and roll, provavelmente o tipo de música mais difundido aqui no terceiro planeta, apareceu. Não, espera, “apareceu” não. Isso dá a impressão que ele surgiu de repente. Não foi assim. Foi um processo gradativo e é difícil dizer qual o começo. Foi em algum lugar bem no final dos anos 40 e início dos anos 50 que aquela combinação de blues, country, jazz e gospel tomou forma e foi notado. Pra complicar mais, elementos do rock and roll podem ser ouvidos em algumas gravações de country dos anos 30 e de blues, dos anos 20.

Inovações e inocência

Os anos 50 eram uma época de inocência. Tenho medo de tentar explicar como de tal época o mundo retrocedeu e se tornou essa coisa lasciva e imunda que são nosso tempos. Só sei que foi naquele mundo quase alienígena onde se ia tomar milk shake na esquina e onde as pessoas dirigiam carros enormes feitos de metal de verdade que o rock começou a respirar. Eu arrisco dizer que esse estilo musical tão conhecido nosso ajuda a compreender muito da história recente do mundo ocidental.

Mas antes de mencionar o rock dos anos cinquenta propriamente dito, falemos mais da década em si.

Em novembro de 1952, há precisos 58 anos, estreava o primeiro filme em 3D, chamado Bwana Devil.

Logo depois do fim da Segunda Grande Guerra as empresas de brinquedos pararam de fabricar suprimentos para o esforço bélico. Logo começaram a ter ideias boas pra novos produtos. Começaram a usar materiais incríveis, como o plástico. Os carrinhos Matchbox (Marca que hoje pertence à Mattel) foram inventados em 1954. Em 1957 apareceu o bambolê, que foi uma mania durante 1958 mas não demorou muito até a Barbie aparecer, em 59.

Em 1950, há mais de 60 anos, a Paper Mate fez a primeira caneta esferográfica. No mesmo ano inventou-se a máquina fotocopiadora. O Chevrolet Corvette foi o primeiro carro com a carroceria em fibra de vidro, em 1953. Em 1954, os laboratórios da empresa telefônica Bell inventaram a bateria solar. O polipropileno (O principal plástico) veio no mesmo ano e em 1958 o usam pra fazer a primeira garrafa de Coca-cola desse material.

Ah, e em 53 a Playboy edita o primeiro número e em 55 a Disneylândia abre as portas na Califórnia.

 A primeira Playboy.

O rock nasce

Como eu disse, algumas gravações anteriores aos anos 50 tinham elementos do rock. Mas em 1954 a música Crazy, Man, Crazy, de Bill Halley, entrou nas listas de vendas e das mais tocadas da Revista Billboard. Em julho de 1955, Rock Around The Clock, também de Bill Halley, ficou no topo das paradas. Alguns consideram esse o marco zero do rock como nova manifestação musical popular. A Revista Rolling Stone considerou a música de Elvis, That’s All Right (Mama), como a primeira gravação de rock and roll, mas Shake, Rattle and Roll, de Big Joe Turner, já estava no topo das paradas de rythm & blues.

O rock mais antigo usava a progressão de blues de doze compassos e compartilhava com o boogie-woogie as quatro batidas por compasso. O rock and roll, entretanto, tem mais ênfase na batida do que o boogie-woogie. A música de Bo Diddley, I’m A Man, de 55, introduziu uma nova batida e um novo som na guitarra, o que inspirou muitos artistas.

Também contribuíram pra formação do rock Little Richard e Chuck Berry. Desde o começo daquela década, Little Richard combinava gospel com rythm & bues de Nova Orleans e uma batida mais pesada, batendo no piano e cantando alto. Chuck Berry aprimorou e refinou os principais elementos que fizeram o rock diferente introduzindo elementos, como a introdução de guitarra nas músicas, que passariam a fazer parte do estilo.

“Rockabilly rules”

A famosa rockabilly geralmente se refere ao tipo de rock de meados dos anos 50 feito por artistas brancos como Elvis Presley, Carl Perkins e Jerry Lee Lewis. Eles se baseavam bastante na raiz country das músicas. Três meses separam as gravações de That’s All Right (Mama) e Rock Around the Clock, que eu já citei antes. A segunda causou realmente um furor entre os adolescentes, pra ver Bill Halley e Os Cometas a tocarem. Diz-se que se tudo que apareceu antes dessas músicas preparou o solo, elas é que lançaram o rock pro mundo. Em 1956, a aparição da rockabilly foi marcada por sucessos como Folsom Prison Blues, de Johnny Cash, Blue Suede Shoes de Carl Perkins e Heartbreak Hotel de Elvis Presley. Durante algum tempo, foi a forma mais popular de rock and roll.

Existe uma gravação datada de 4 de dezembro de 1956, que gerou um álbum chamado The Million Dollar Quartet. Reza a lenda, uma vez reuniram-se Carl Perkins, Jerry Lee, Elvis e Johnny Cash para tocar músicas, livremente, nos estúdios da Sun Records em Memphis, no Tennessee. O universo se distorceu nesse dia. Os quatro maiores estavam juntos. Apesar da voz de Cash nem aparecer, sabe-se que ele estava lá. Enfim. Vale à pena ouvir.

O rock morreu (a primeira vez)

O declínio desse rock and roll clássico aconteceu no final da década, como se tivesse hora marcada. Algo que contribuiu muito: Três de fevereiro de 1959, “O Dia Que A Música Morreu”. Richie Valens, Buddy Holly e J.P. “The Big Bopper” Richardson – três outros grandes nomes da época – morreram em um acidente de avião. Além disso, Elvis foi pro exército, Little Richard se aposentou pra virar religioso e Jerry Lee Lewis e Chuck Berry estavam sendo processados. Tudo isso deu um senso de que a era primordial do rock estava acabando.

Ainda nesse período, já na boca dos anos 60, começou aparecer a surf music, o rock de garagem e o twist. Além disso, do outro lado do oceano, as coisas estavam acontecendo também, coisas que iriam fazer barulho na década que iniciava. Mas… Isso é assunto pro próximo capítulo.

Lembre-se: Nós queremos VOCÊ no exército do Bacon (Pizurk apontando, que nem na foto do Tio Sam). Visite nossas estações de recrutamento de leitores no Orkut, Twitter, Last.fm e Facebook.

Na primeira foto: Plymouth Fury 1957, típico grande carro americano dos anos 50.

Leia mais em: , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Cauê

    a carroceria do Corvette era de plástico com firba de vidro

  • @Cauê

    Obrigado por apontar esse detalhe. A carroceria do Chevrolet Corvette 1953 era mesmo de fibra de vidro e não de fibra de carbono, como foi dito. A fibra de vidro em carros era uma inovação naquele ano, enquanto que a fibra de carbono como conhecemos (que pode ser usada em carros) foi uma inovação no final dos anos 50.

    Já consertei o erro.

    Fontes:

    http://www.edmunds.com/chevrolet/corvette/history.html

    http://www.carbon-fiber-hood.net/cf-history

  • Que bom que isso é relevante pra música da época, hein?

  • Lombrado

    porra de carros, podia ter falado mais do inicio da surf music e do rock de garagem, mas não, ficou aí falando de carros…tsc tsc
    e podia ter postado algum video né?

  • besouro suco

    menos detalhes e mais musica. porfavor!

  • K

    Não sei se vocês leram na introdução, mas eu disse algo sobre as “grandes mudanças que aconteceram na sociedade e que influenciaram a indústria musical e, principalmente, o rock” – traduzindo: ele não é obrigado a falar apenas de bandas, mas sim sobre o que acontecia na época mencionada.

    Querem clipe? CDS tá aí pra isso, filhotes.

  • @Lombrado

    Início da surf music está nos anos 60. Apesar do pioneiro Dick Dale ter começado a tocar lá por 1959, a surf music só ganhou força mesmo na década seguinte. O rock de garagem idem.

    @besouro suco

    Detalhes são a alma do negócio.

busca

confira

quem?

baconfrito